"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/01/2019
França. Cardeal Barbarin, diante do juiz: 'Fiz o que Roma me pediu, para evitar um escândalo público'
 

França. Cardeal Barbarin, diante do juiz: 'Fiz o que Roma me pediu, para evitar um escândalo público'

08 Janeiro 2019

Um julgamento que começou com uma dura alegação da defesa, que criticou o "show" dos requerentes que, em sua opinião, querem denunciar "la omertà" da Igreja contra os abusos. Barbarin pode ser condenado a cinco anos de prisão por não denunciar os abusos do sacerdote pederasta Bernard Preynat.

"Este julgamento é um júri de exibição. Há mais jornalistas do que público na sala", assinalou Xavier Vahramian, advogado de Régine Maire, um dos processados. É preciso lembrar que o tribunal exigiu a presença, na qualidade de testemunha, do cardeal espanhol Luis Ladaria, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o que foi negado pela Santa Sé apelando à "imunidade" do responsável vaticano.

http://www.ihu.unisinos.br/images/ihu/2019/01/08_01_cardeal_barbarin_na_franca_avvenire.jpg

A reportagem é publicada por Religión Digital, em 07-01-2018. A tradução é de Graziela Wolfart.

Barbarin chegou à sala do tribunal perseguido por uma nuvem de câmeras. Vestido com uma jaqueta escura, suéter cinza e colarinho [clergyman], o cardeal se sentou no banco dos réus com as mãos juntas, em atitude de oração, antes que começasse a sessão, prevista para lhe interrogar.

"Para nós é uma conquista que as pessoas que foram incriminadas tenham que responder diante da justiça a respeito destes fatos. É muito importante. E esperamos que isso se tenha em conta para casos futuros, com a esperança de que as pessoas mudem realmente sua visão da pedofilia, não somente na Igreja, como em todas as instituições", assinalou Pierre-Emmanuel Germain-Thill, uma das vítimas de Preynat.

O padre Bernard Preynat cometeu agressões sexuais a meninos "boys scouts" durante duas décadas, fatos que ele mesmo reconheceu em 2014. As primeiras denúncias formais surgiram em 2015 e deram lugar à associação "A palavra livre" (La parole libérée), que serviu de plataforma para dar a conhecer o caso e para aprofundar a investigação.

A partir dela se realizou uma lista com mais de 70 supostas vítimas, que denunciam que a Igreja fez silêncio apesar de conhecer os fatos. Além de Barbarin, enfrentam a justiça outros eclesiásticos, como o atual arcebispo de Auch, Maurice Gardès, e o bispo de Nevers, Thierry Brac de la Perrière.

Fonte:http://www.ihu.unisinos.br/585872-barbarin-diante-do-juiz-fiz-o-que-roma-me-pediu-para-evitar-um-escandalo-publico

 
 
 

Artigo Visto: 282 - Impresso: 5 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.433.004 - Visitas Únicas Hoje: 1.014 Usuários Online: 189