"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
08/01/2019
20 líderes latino-americanos criticam o apelo do Papa por "reconciliação" com regimes comunistas brutais.
 

20 líderes latino-americanos criticam o apelo do Papa por "reconciliação" com regimes comunistas brutais.

Ter 8 de janeiro de 2019 - 3:48 pm EST

https://www.lifesitenews.com/images/made/images/local/papal_silence_810_500_75_s_c1.jpg

Por Martin M. Barillas

COSTA RICA, 8 de janeiro de 2019 (LifeSiteNews) - Vinte ex-presidentes de nações latino-americanas enviaram uma carta aberta em 5 de janeiro ao papa Francisco, na qual criticaram seu apelo à “harmonia” na Venezuela socialista e “reconciliação” na Nicarágua, onde os governos marxistas arruinaram as economias nacionais desses países e submeteram os cidadãos a tortura e execuções sumárias.

Liderada pelo ganhador do Prêmio Nobel e ex-presidente da Costa Rica, Oscar Arias, a carta ao pontífice dizia: “Estamos preocupados com o apelo à harmonia por parte de sua Santidade, que, dado o contexto atual, pode ser entendido pelas nações vitimadas que eles deveriam chegar a um acordo com seus vitimizadores. Em particular, no caso da Venezuela, o governo causou a fuga de 3 milhões de refugiados, que a ONU prevê que chegue a 5,9 milhões em 2019. ”

Os redatores da carta estavam reagindo à mensagem de Natal do papa em 25 de dezembro na qual ele se referia à Venezuela e à Nicarágua.

“Que esta época abençoada permita à Venezuela, mais uma vez, recuperar a harmonia social e permitir que todos os membros da sociedade trabalhem fraternalmente pelo desenvolvimento do país e ajudem os setores mais vulneráveis da população”, disse ele.

Quanto à Nicarágua, o papa declarou: “Antes do Menino Jesus, os habitantes da amada Nicarágua se vejam novamente como irmãos e irmãs, para que as divisões e discórdias não prevaleçam, mas todos possam trabalhar para promover a reconciliação e construir juntos o futuro do país ”.

A carta assinada por Arias e outros dezenove líderes latino-americanos observou que os venezuelanos são “vítimas de uma narcoditadura militarizada, que não tem escrúpulos em violar sistematicamente os direitos à vida, à liberdade e à integridade pessoal”.

A seguir, uma tradução da carta:

***

Nós, os abaixo-assinados, como ex-chefes de estado e governo, assinamos declarações sobre a Venezuela e a Nicarágua que resultam da Iniciativa Democrática da Espanha e das Américas (IDEA) e, portanto, chegamos a você com relação à sua recente mensagem de Natal “harmonia ”entre os povos de ambas as nações.

Como expressamos em uma mensagem anterior à vossa Santidade, entendemos sua preocupação pelo sofrimento que hoje, sem distinção, todos os venezuelanos e agora nicaraguenses enfrentam. Os primeiros são vítimas de opressão por uma narcoditadura  militarizada, que não tem escrúpulos em violar sistematicamente os direitos à vida, à liberdade e à integridade pessoal e, como resultado de políticas públicas deliberadas e da corrupção desenfreada, escandalizou o mundo e os sujeitou a fome generalizada e falta de remédio. Neste último caso, no meio do ano, foram 300 mortos e 2.500 feridos em uma onda de repressão.

Preocupamo-nos com o apelo à harmonia por parte de sua Santidade, que, dado o contexto atual, pode ser entendido pelas nações vitimadas que devem chegar a um acordo com seus vitimizadores. Em particular, no caso da Venezuela, o governo causou a fuga de 3 milhões de refugiados, que as Nações Unidas prevêem chegar a 5,9 milhões em 2019.

A expressão usada por Sua Santidade, que conhecemos de boa fé e guiada por seu espírito pastoral, está sendo interpretada de maneira muito negativa pelas maiorias da Venezuela e da Nicarágua. Acima de tudo, há atualmente, nesses países, uma disputa política que exige compreensão, tolerância entre forças conflitantes com diferentes narrativas dentro de uma democracia normal ou deficiente que hoje infelizmente não existe lá. Suas populações inteiras estão sujeitas ao sofrimento de seus governos, sob regimes que servem de mentira, e líderes sociais e políticos, formadores de opinião e imprensa, que sofrem com as prisões, perseguições e mortes, conforme demonstrado pelas organizações europeias e americanas de direitos humanos.

Sua Santidade:

A encíclica Ad Petri Cathedram declara que o chamado à harmonia deve ser feito, fundamentalmente, "àqueles que governam as nações". "Aqueles que oprimem os outros e os privam de sua devida liberdade não podem contribuir em nada para a consecução dessa unidade" pela inteligência, dos espíritos, das ações, como o seu antecessor, São João XXIII, nos lembra, e para o qual ansiamos que o querido povo da Venezuela e a Nicarágua possam recuperar, baseados na verdade e na justiça, para que possam desfrutar de uma paz justa.

Desejamos a sua Santidade uma festa muito feliz da Natividade. Estamos ansiosos para nos encontrar com você no momento apropriado.

Cordialmente,

Oscar Arias, Costa Rica

Nicolás Ardito Barletta, Panamá

Enrique Bolaños, Nicarágua

Alfredo Cristiani, El Salvador

Felipe Calderón, México

Rafael Ángel Calderón, Costa Rica

Laura Chinchilla, Costa Rica

Fernando De la Rúa, Argentina

Vicente Fox, México

Eduardo Frei, Chile

César Gaviria T., Colômbia

Osvaldo Hurtado, Equador

Luis Alberto Lacalle, Uruguai

Jamil Mahuad, Equador

Mireya Moscoso, Panamá

Andrés Pastrana A., Colômbia

Jorge Tuto Quiroga, Bolívia

Miguel Ángel Rodríguez, Costa Rica

Álvaro Uribe V., Colômbia

Juan Carlos Wasmosy, Paraguai


Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/20-latin-american-leaders-criticize-popes-call-for-reconciliation-with-brut

 
 
 

Artigo Visto: 168 - Impresso: 4 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.353.170 - Visitas Únicas Hoje: 799 Usuários Online: 211