"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/02/2019
Cardeal Müller emite Manifesto: quase uma correção do pontificado do Papa Francisco
 

Cardeal Müller emite Manifesto: quase uma correção do pontificado do Papa Francisco

Sex 8 de fevereiro de 2019 - 17h33 EST

https://www.lifesitenews.com/images/made/images/local/CardinalMueller_810_500_75_s_c1.jpg

por John-Henry Westen / Maike Hickson

8 de fevereiro de 2019 (LifeSiteNews) - O Cardeal Gerhard Müller, ex-chefe do escritório doutrinal do Vaticano, divulgou um Manifesto que parece uma correção de muitos dos erros doutrinários que o Papa Francisco ensinou durante seu mandato como Papa.

A intenção do cardeal era divulgar o manifesto em 10 de fevereiro. Essa data é a véspera do aniversário do anúncio do papa Bento 16, em 2013, de que abdicaria de seu ofício papal, bem como da véspera da ordenação do cardeal ao sacerdócio. No entanto, um site polonês quebrou o embargo e, portanto, o documento está sendo divulgado hoje.

O papa Francisco retirou o cardeal Müller de seu cargo de chefe da Congregação para a Doutrina da Fé em 2017, depois de ter servido nessa função desde que foi nomeado pelo papa Bento 16 em 2012.

No manifesto, ele não menciona o Papa, mas diz que ele foi convidado a fazer um testemunho público da verdade "em face da crescente confusão sobre a doutrina da fé".

O manifesto foi divulgado na esteira do controverso documento conjunto do Papa Francisco com um líder islâmico que diz que “o pluralismo e a diversidade das religiões” são “desejados por Deus em Sua sabedoria” - uma afirmação que muitos acreditam que contraria a fé católica.

O cardeal Müller assume uma postura contrária quando diz no Manifesto:

A distinção das três pessoas na unidade divina (CCC 254) marca uma diferença fundamental na crença em Deus e na imagem do homem da de outras religiões. As religiões discordam precisamente sobre essa crença em Jesus, o Cristo. … Portanto, a primeira carta de João se refere a alguém que nega Sua divindade como um anticristo (1Jo 2:22), visto que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é desde a eternidade um em estar com Deus, Seu Pai (CCC 663) .

O cardeal está liberando seu manifesto para uma audiência mundial, em sete línguas diferentes, permitindo assim uma ampla afirmação da fé católica ortodoxa.

Para este fim, LifeSite está hospedando uma petição em sua plataforma LifePetitions para que o clero católico e os fiéis do mundo, em todos os grupos de línguas, possam fazer um sinal visível de seu apoio à fé plena e sem retoques e pela iniciativa do Cardeal.

Em oposição às opiniões do Papa Francisco, o cardeal Müller rejeita a visão muçulmana de que vê Cristo como um profeta, e não como o Messias. "Devemos resistir à recaída em heresias antigas com uma resolução clara, que viu em Jesus Cristo apenas uma boa pessoa, irmão e amigo, profeta e moralista", diz o Manifesto.

O Manifesto também aborda vários outros pontos que podem ser vistos como correções do Papa Francisco, incluindo a inadmissibilidade da Santa Comunhão para católicos divorciados e recasados, bem como para os protestantes; a eternidade do inferno; a proibição de sacerdotes do sexo feminino; e celibato sacerdotal.

O Manifesto diz que “pessoas divorciadas e civilmente recasadas, cujo casamento sacramental existe diante de Deus, assim como aqueles cristãos que não estão em plena comunhão com a Fé Católica e a Igreja”, “não estão dispostos a receber a Santa Eucaristia proveitosamente (CCC 1457) porque não os leva à salvação ”.

O Manifesto acrescenta: “Portanto, a Sagrada Escritura adverte com respeito à recepção da Santa Comunhão: 'Quem come indignamente do pão e bebe do cálice do Senhor se faz culpado de profanar o corpo e do sangue do Senhor' ( 1 Coríntios 11:27).

Em sua Exortação Apostólica, Amoris Laetitia, o Papa Francisco escreveu que “ninguém pode ser condenado para sempre, porque essa não é a lógica do Evangelho” e em entrevistas ele chegou a sugerir que aqueles que não querem parte de Deus são aniquilados, e não no inferno.

Citando o Catecismo da Igreja Católica, o Cardeal Müller atesta: “Aquele que morre em pecado mortal sem arrependimento será para sempre separado de Deus (CCC 1033).” O Manifesto diz: “A eternidade da punição do inferno é uma realidade terrível, que - de acordo com o testemunho da Sagrada Escritura - atrai todos os que "morrem em estado de pecado mortal" (CCC 1035).

"Manter silêncio sobre estas e outras verdades da Fé e ensinar as pessoas de acordo é a maior decepção contra a qual o Catecismo adverte vigorosamente", diz o Cardeal. “Representa a última provação da Igreja e leva o homem a uma ilusão religiosa, 'o preço de sua apostasia' (CCC 675); é a fraude do Anticristo. ”

A recente abertura do papa a um sacerdócio não-celibatário e a ordenação feminina também parece estar coberta, como diz o Manifesto, “os padres voluntariamente optam pelo celibato como 'sinal de nova vida' (CCC 1579).” A Igreja, diz o Cardeal Müller, está “presa pela escolha feita pelo próprio Senhor. É por isso que não é possível ordenar mulheres (CCC 1577). ”O Cardeal acrescenta:“ Para implicar que essa impossibilidade é de alguma forma uma forma de discriminação contra as mulheres mostra apenas a falta de compreensão para este sacramento, que não é sobre o poder terreno mas a representação de Cristo, o Noivo da Igreja ”.

Embora ele nunca mencione o nome do papa Francisco, as críticas do Manifesto são tão objetivas que deixam poucas dúvidas sobre a identidade de pelo menos um dos membros pretendidos da hierarquia que o cardeal Müller espera corrigir. “A admoestação do apóstolo ainda é válida hoje, que amaldiçoado é alguém que proclama outro evangelho, 'mesmo se nós mesmos o dermos ou um anjo do céu' (Gl 1: 8)”, diz o Manifesto. “A mediação da fé está inextricavelmente ligada à credibilidade humana de seus mensageiros, que em alguns casos abandonaram o povo a eles confiado, inquietando-os e prejudicando gravemente sua fé”.


Leia o Manifesto inteiro de Cardeal Müller. Faça o download de um PDF das sete versões linguísticas aqui: inglês, italiano, espanhol, português, francês, alemão, polonês.

Manifesto da Fé

“Não se perturbe o seu coração!” (João 14: 1)

Em face da crescente confusão sobre a doutrina da Fé, muitos bispos, sacerdotes, religiosos e leigos da Igreja Católica pediram que eu fizesse um testemunho público sobre a verdade da revelação. É tarefa própria dos pastores guiar os que lhes foram confiados no caminho da salvação. Isso só pode ser bem sucedido se eles souberem dessa maneira e seguirem por si mesmos. As palavras do apóstolo aqui se aplicam: “Porque sobre tudo te entreguei o que recebi” (1 Coríntios 15: 3). Hoje, muitos cristãos não estão mais conscientes dos ensinamentos básicos da Fé, de modo que há um perigo crescente de perder o caminho para a vida eterna. No entanto, continua sendo o propósito da Igreja levar a humanidade a Jesus Cristo, a luz dos povos (ver LG 1). Nesta situação, surge a questão da orientação. Segundo João Paulo II, o Catecismo da Igreja Católica é um “padrão seguro para a doutrina da fé” (Fidei Depositum IV). Foi escrito com o objetivo de fortalecer a fé dos irmãos e irmãs cuja crença tem sido maciçamente questionada pela "ditadura do relativismo". [1]

1. O Deus Uno e Trino revelado em Jesus Cristo

O epítome da fé de todos os cristãos é encontrado na confissão da Santíssima Trindade. Nós nos tornamos discípulos de Jesus, filhos e amigos de Deus sendo batizados em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. A distinção das três pessoas na unidade divina (CCC 254) marca uma diferença fundamental na crença em Deus e na imagem do homem da de outras religiões. As religiões discordam precisamente sobre essa crença em Jesus, o Cristo. Ele é verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, concebido pelo Espírito Santo e nascido da Virgem Maria. O Verbo feito carne, o Filho de Deus, é o único Salvador do mundo (CCC 679) e o único Mediador entre Deus e os homens (CCC 846). Portanto, a primeira carta de João se refere a alguém que nega Sua divindade como um anticristo (1 João 2:22), uma vez que Jesus Cristo, o Filho de Deus, é desde a eternidade um em estar com Deus, Seu Pai (CCC 663). Devemos resistir à recaída em antigas heresias com clara resolução, que viu em Jesus Cristo apenas uma boa pessoa, irmão e amigo, profeta e moralista. Ele é em primeiro lugar e acima de tudo a Palavra que estava com Deus e é Deus, o Filho do Pai, que assumiu nossa natureza humana para nos redimir e quem virá para julgar os vivos e os mortos. Somente a ele adoramos em união com o Pai e com o Espírito Santo como único e verdadeiro Deus (CCC 691).

2. A Igreja

Jesus Cristo fundou a Igreja como sinal visível e instrumento de salvação realizado na Igreja Católica (816). Ele deu Sua Igreja, que "emergiu do lado do Cristo que morreu na cruz" (766), uma constituição sacramental que permanecerá até que o Reino seja plenamente alcançado (CCC 765). Cristo, a Cabeça e os fiéis como membros do corpo, são uma pessoa mística (CCC 795), e é por isso que a Igreja é sagrada, pois o único Mediador projetou e sustentou sua estrutura visível (CCC 771). Através dela, a obra redentora de Cristo torna-se presente no tempo e no espaço através da celebração dos Santos Sacramentos, especialmente no Sacrifício Eucarístico, a Santa Missa (CCC 1330). A Igreja transmite com a autoridade de Cristo a revelação divina, que se estende a todos os elementos da doutrina, “incluindo o ensino moral, sem o qual as verdades salvadoras da fé não podem ser preservadas, explicadas e observadas” (CCC 2035).

3. Ordem Sacramental

A Igreja é o sacramento universal da salvação em Jesus Cristo (CCC 776). Ela não reflete a si mesma, mas a luz de Cristo, que brilha em seu rosto. Mas isso só acontece quando a verdade revelada em Jesus Cristo se torna o ponto de referência, e não as opiniões da maioria ou o espírito dos tempos; porque o próprio Cristo confiou a plenitude da graça e da verdade à Igreja Católica (CCC 819), e Ele mesmo está presente nos sacramentos da Igreja.

A Igreja não é uma associação feita pelo homem cuja estrutura seus membros votaram à vontade. É de origem divina. "O próprio Cristo é o autor do ministério na Igreja. Ele armou-a, deu-lhe autoridade e missão, orientação e meta (CCC 874). A admoestação do Apóstolo ainda é válida hoje, que amaldiçoado é aquele que proclama outro evangelho, "Mesmo que nós mesmos o entregássemos ou um anjo do céu" (Gl 1,8). A mediação da fé está inextricavelmente ligada à credibilidade humana de seus mensageiros, que em alguns casos abandonaram o povo a eles confiado, desconcertando-os e prejudicando gravemente a sua fé, aqui a Palavra da Escritura descreve aqueles que não ouvem a verdade e que seguem seus próprios desejos, que bajulam seus ouvidos porque não podem suportar a sã doutrina (cf. 2 Tm 4: 3-4).


A tarefa do Magistério da Igreja é "preservar o povo de Deus de desvios e deserções", a fim de "garantir-lhes a possibilidade objetiva de professar a verdadeira fé sem erro" (890). Isto é especialmente verdadeiro em relação a todos os sete sacramentos. A Sagrada Eucaristia é “fonte e cume da vida cristã” (CCC 1324). O sacrifício eucarístico, em que Cristo nos inclui no seu sacrifício da cruz, visa a união mais íntima com Ele (CCC 1382). Portanto, a Sagrada Escritura adverte quanto à recepção da Santa Ceia: “Quem come do pão e bebe do cálice do Senhor, se faz culpado de profanar o corpo e do sangue do Senhor” (1 Cor 11,27). ). “Qualquer um consciente de um grave pecado deve receber o sacramento da Reconciliação antes de chegar à comunhão” (CCC 1385). Da lógica interna do sacramento, entende-se que pessoas divorciadas e civilmente recasadas, cujo casamento sacramental existe diante de Deus, bem como aqueles cristãos que não estão em plena comunhão com a fé católica e a Igreja, assim como todos aqueles que são não disposta a receber a Santa Eucaristia frutiferamente (CCC 1457), porque não os leva à salvação. Apontar isso corresponde às obras espirituais de misericórdia.

A confissão dos pecados na Santa Confissão pelo menos uma vez por ano é um dos mandamentos da Igreja (CCC 2042). Quando os crentes não confessam mais seus pecados e não experimentam mais a absolvição de seus pecados, a salvação se torna impossível; afinal, Jesus Cristo se tornou homem para nos redimir de nossos pecados. O poder do perdão que o Ressuscitado concedeu aos Apóstolos e aos seus sucessores no ministério dos bispos e dos sacerdotes aplica-se também aos pecados mortais e veniais que cometemos depois do Batismo. A atual prática popular da confissão deixa claro que a consciência dos fiéis não está suficientemente formada. A misericórdia de Deus nos é dada, para que possamos cumprir Seus mandamentos para nos tornarmos um com a Sua Santa Vontade, e não para evitar o chamado ao arrependimento (CCC 1458).

“O sacerdote continua o trabalho de redenção na terra” (CCC 1589). A ordenação do sacerdote “lhe dá um poder sagrado” (CCC 1592), que é insubstituível, porque através dela Jesus se torna sacramentalmente presente em sua ação salvadora. Portanto, os padres voluntariamente optam pelo celibato como "um sinal de nova vida" (CCC 1579). Trata-se da entrega de si no serviço de Cristo e do Seu reino vindouro. Com o objetivo de receber a ordenação nas três etapas deste ministério, a Igreja está “ligada pela escolha feita pelo próprio Senhor. É por isso que não é possível ordenar mulheres ”(CCC 1577). Implicar que essa impossibilidade é, de alguma forma, uma forma de discriminação contra as mulheres mostra apenas a falta de compreensão para este sacramento, que não é sobre o poder terreno, mas a representação de Cristo, o Noivo da Igreja.

4. Lei Moral

Fé e vida são inseparáveis, pois a fé sem as obras está morta (CCC 1815). A lei moral é o trabalho da sabedoria divina e leva o homem à bem-aventurança prometida (CCC, 1950). Consequentemente, o "conhecimento da lei divina e natural é necessário" para fazer o bem e alcançar este objetivo (CCC 1955). Aceitar essa verdade é essencial para todas as pessoas de boa vontade. Pois quem morre em pecado mortal sem arrependimento, será para sempre separado de Deus (CCC 1033). Isso leva a conseqüências práticas na vida dos cristãos, que são freqüentemente ignorados hoje (cf. 2270-2283; 2350-2381). A lei moral não é um fardo, mas parte dessa verdade libertadora (cf. Jo 8, 32), através da qual o cristão caminha no caminho da salvação e não pode ser relativizado.

5. Vida Eterna

Muitos se perguntam hoje qual o propósito que a Igreja ainda tem em sua existência, quando até os bispos preferem ser políticos, em vez de proclamar o Evangelho como mestres da fé. O papel da Igreja não deve ser diluído pelas trivialidades, mas seu lugar apropriado deve ser abordado. Todo ser humano tem uma alma imortal, que na morte é separada do corpo, esperando a ressurreição dos mortos (CCC 366). A morte torna a decisão do homem a favor ou contra Deus definida. Todos têm que enfrentar o julgamento particular imediatamente após a morte (CCC 1021). Ou uma purificação é necessária, ou o homem entra diretamente na felicidade celestial e é permitido ver Deus face a face. Há também a terrível possibilidade de uma pessoa permanecer oposta a Deus até o fim, e recusando definitivamente Seu Amor, "se condena imediatamente e para sempre" (CCC 1022). "Deus nos criou sem nós, mas Ele não queria nos salvar sem nós" (CCC 1847). A eternidade da punição do inferno é uma realidade terrível, que - de acordo com o testemunho da Sagrada Escritura - atrai todos os que "morrem em estado de pecado mortal" (CCC 1035). O cristão atravessa a porta estreita, pois “a porta é larga, e o caminho que leva à ruína é largo, e muitos estão sobre ela” (Mt 7:13).

Manter silêncio sobre essas e outras verdades da Fé e ensinar as pessoas de acordo é o maior engano contra o qual o Catecismo adverte vigorosamente. Representa a última provação da Igreja e leva o homem a uma ilusão religiosa, “o preço de sua apostasia” (CCC 675); é a fraude do Anticristo. “Ele enganará aqueles que estão perdidos por todos os meios de injustiça; porque se fecharam para o amor da verdade, pelo qual deveriam ser salvos ”(2 Tessalonicenses 2:10).

Ligar

Como obreiros da vinha do Senhor, todos temos a responsabilidade de recordar essas verdades fundamentais, apegando-nos ao que nós mesmos recebemos. Queremos dar coragem para seguir o caminho de Jesus Cristo com determinação, a fim de obter a vida eterna seguindo Seus mandamentos (CCC 2075).

Peçamos ao Senhor que nos deixe saber quão grande é o dom da fé católica, através do qual abre a porta para a vida eterna. “Porque aquele que se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos.” ( Marcos 8:38). Portanto, estamos comprometidos em fortalecer a fé confessando a verdade que é o próprio Jesus Cristo.

Nós também, e especialmente nós, bispos e sacerdotes, somos abordados quando Paulo, o Apóstolo de Jesus Cristo, dá esta admoestação ao seu companheiro e sucessor, Timóteo: “Eu te ordeno diante de Deus e de Jesus Cristo, que julga os vivos e os morto, por Sua vinda e Seu reino: Pregue a palavra: seja instantâneo na época, fora da estação: repreenda, suplique, repreenda toda a paciência e doutrina. Porque haverá um tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, segundo os seus próprios desejos, ajuntarão a si mesmos mestres, com comichão nos ouvidos; e, na verdade, desviarão os seus ouvidos da verdade, mas tornar-se-ão fábulas. Seja vigilante, trabalhe em todas as coisas, faça o trabalho de um evangelista, cumpra o seu ministério. Sê sóbrio. ”(2 Timóteo 4: 1-5).

Que Maria, Mãe de Deus, implore por nós a graça de permanecermos fiéis sem vacilar à confissão da verdade sobre Jesus Cristo.

Unidos em fé e oração

Gerhard Cardinal Müller

Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé 2012-2017

[1] Os números no texto referem-se ao Catecismo da Igreja Católica.

Apoie o Manifesto do Cardeal Müller assinando a petição aqui.


Fonte; https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-mueller-issues-manifesto-a-quasi-correction-of-pope-francis-pontif

 
 
 

Artigo Visto: 428 - Impresso: 7 - Enviado: 2

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.388.531 - Visitas Únicas Hoje: 982 Usuários Online: 198