"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
09/08/2019
Bispo em julgamento por abuso sexual deixa o gabinete do juiz com um sorriso no rosto.
 

Bispo em julgamento por abuso sexual deixa o gabinete do juiz com um sorriso no rosto.

8 de agosto de 2019

https://cruxnow.com/wp-content/uploads/2019/08/WhatsApp-Image-2019-08-08-at-9.23.09-AM-690x450.jpeg

O bispo Gustavo Zanchetta, à esquerda, deixa o gabinete do juiz Claudio Parisi em Oran, Salta, norte da Argentina, em 8 de agosto de 2019. (Crédito: Inés San Martín / Crux.)

Por Inés San Martín

ORAN, Argentina - O bispo Gustavo Zanchetta, um prelado argentino que o Papa Francisco transferiu para Roma depois de aceitar sua renúncia devido ao que ele reconheceu ser um comportamento “despótico”, se apresentou na corte hoje na diocese que ele liderou, onde enfrenta acusações de “ abuso sexual contínuo agravado ”.

As acusações acarretam uma pena máxima de 10 anos de prisão. Como o papa revelou em uma entrevista no início deste ano, o bispo também está sendo investigado pela Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano, que lida com casos de abuso sexual clerical de menores, mas, a pedido do papa, também envolve casos envolvendo adultos.

O bispo deixou os aposentos do juiz Cluadio Parisi em Oran, Salta, norte da Argentina, depois de apenas 10 minutos e com um sorriso no rosto. Ele se recusou a responder a perguntas da mídia, em vez foi direto para o Audi branco de um homem não identificado que o acompanhou para ver o juiz.

Ele havia recebido ordens do juiz para comparecer no dia 8 de agosto para apresentar seu passaporte e outros documentos de viagem. Ele foi proibido de deixar o país e seus movimentos são restritos, já que ele foi ordenado a estar à disposição do sistema judiciário.

Essa proibição foi imposta pela primeira vez no início de junho, quando ele se apresentou voluntariamente diante do juiz, sabendo que havia uma acusação contra ele.

Em 21 de junho, o juiz permitiu que ele deixasse o país, quando o bispo apresentou uma nota, presumivelmente do Vaticano dizendo que ele é um assessor da Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (APSA).

Quando ele conseguiu autorização, Zanchetta voou para Roma, onde mora em Santa Marta, a residência dentro do território do Vaticano onde o papa mora. O porta-voz interino do Vaticano, Alessandro Gisotti, confirmou a Crux na época que o bispo ainda estava suspenso de sua posição.

Zanchetta, que foi formalmente acusado de abusar de dois seminaristas entre 2016 e 2017, é representado por um defensor público. Pessoas próximas ao bispo reconhecem que a escolha de um defensor público e não de um advogado conhecido era uma estratégia do prelado, para evitar enfurecer a opinião pública e até mesmo o juiz.

Os dois jovens que acusaram o bispo ainda estavam no seminário quando fizeram as alegações em fevereiro.

O bispo foi nomeado por Francisco para Oran em 2013, e o pontífice aceitou sua renúncia da diocese em 2017.

Logo após sua renúncia, Zanchetta foi nomeado para a APSA, que serve como um banco central do Vaticano e supervisiona suas participações financeiras. As acusações originais feitas contra o bispo também afirmam que ele estava usando indevidamente fundos diocesanos, com a venda de dois edifícios por um milhão de dólares mantidos fora dos livros.

O bispo foi suspenso da APSA em 4 de janeiro, aguardando uma investigação das alegações de abuso sexual.

A promotora de Oran, María Soledad Filtrín, solicitou um julgamento público contra o bispo. Falando com Crux e jornal local El Tribuno, ela disse que depois da quinta-feira, o acusado deve ser formalmente informado de que há um pedido de julgamento. Então, ele terá seis dias para recorrer das acusações e, se for rejeitado, o caso será julgado.

Filtrín disse que cerca de 20 ex-seminaristas deram testemunho sobre o caso, e cada um deles é fundamental porque “ilustra o contexto e o relacionamento que os seminaristas tiveram com Zanchetta”.

"Eles são testemunhas oculares e ouvem coisas, o que significa que eles podem apoiar o que aqueles que o denunciam alegam", disse ela. "É muito difícil verbalizar essas situações, o medo que eles tinham do bispo, sua incapacidade de se defender."

O promotor reconheceu que houve um abuso de poder e consciência, e um processo de preparação que levou aos abusos. Sem revelar informações confidenciais sobre o caso, ela também disse que os bispos comprariam presentes e teriam outros gestos de afeto que, no início, pareciam normais e talvez fossem bem recebidos pelos jovens que vêm de famílias problemáticas.

No entanto, as coisas aumentaram e o bispo começou a tocá-las indevidamente e, como é de conhecimento público, beijou-as no pescoço, exigiu massagens e sentou-se em suas camas à noite.

O status religioso de Zanchetta, disse o promotor, deve ser levado em consideração, pois sua posição exigia “o dever de agir com retidão” e estar em linha direta de superioridade com os seminaristas, eles se sentiam ameaçados por ele e eram incapazes de combater os abusos.

"Eles tinham um temor reverente e um respeito pelo bispo", quando ele chegou e foi apresentado à diocese como um "amigo do papa".

As alegações originais contra Zanchetta vieram em 2015. Elas envolviam comportamento sexual impróprio, incluindo o relato de uma secretária diocesana que disse ter encontrado fotos nuas do bispo em seu telefone, bem como vídeos envolvendo homens jovens fazendo sexo.

Um segundo relatório foi enviado ao embaixador do Vaticano na Argentina em 2016 e, um ano depois, Francisco solicitou um terceiro relatório, novamente por meio do núncio. Logo depois, ele aceitou a renúncia do bispo.

Fonte: https://cruxnow.com/cruxinargentina/2019/08/08/bishop-on-trial-for-sex-abuse-leaves-judges-chambers-with-a-smile-on-his-face/

 
 
 

Artigo Visto: 138 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.628.219 - Visitas Únicas Hoje: 557 Usuários Online: 182