"...Então verão o Filho do homem voltar sobre as nuvens com grande poder e glória.." (Marcos 13)
 
       
 
Documento sem título
 




 
 
10/08/2019
Um santo marxista? A estranha proposta dos bispos brasileiros para o Sínodo
 

Um santo marxista? A estranha proposta dos bispos brasileiros para o Sínodo

9 de agosto de 2019 - 11h23

Isso mesmo, 200 bispos brasileiros desejam um santo marxista do MST!!!

https://www.corrispondenzaromana.it/wp-content/uploads/2019/08/Ramin-ezechiele_large.jpg

(panamazonsynodwatch.info - 6 de agosto de 2019) Às vésperas do Sínodo Panamazônico, duzentos bispos brasileiros assinaram uma carta pedindo ao papa Francisco que reconheça como mártir o missionário comboniano italiano Ezechiele Ramin, que morreu em 1985 em uma emboscada quando tinha a intenção de intervir. na invasão de uma fazenda junto a militantes do Movimento dos Sem Terra. Para os bispos brasileiros, o P. Ramin seria uma "figura importante" e, portanto, propunha que ele fosse proclamado "santo padroeiro" do sínodo.

Padre Ramin nasceu em Pádua em 1953. Desde tenra idade ele mostrou uma ardente "consciência social", isto é, uma atenção às supostas situações de pobreza ou opressão, e um consequente desejo de resolvê-los através de uma ação que foi para a raiz da problema: estruturas sociais e políticas que geram desigualdades. Isso o levou a freqüentar os círculos da esquerda, assim como os anos de liderança se enfureceram. Em 1970 ingressou na seção florentina de Mani Tese, demonstrando desde então uma clara propensão ao marxismo, como observou seu biógrafo Rafael Vigolo (Padre Ezequiel Ramin. Biografia e Escritos, Alô Mundo Sem Fronteiras, São Paulo, 2018, p. 96).

Padre Ramin foi o principal escritor do Documento Político publicado em abril de 1972 pela seção florentina de Mani Tese. O suficiente para ser contado como um dos seus escritos.

Explicando que pretendia "esclarecer nosso compromisso político", o Documento admite a proximidade da seção florentina a "grupos juvenis de compromisso revolucionário, de movimentos não-governamentais a estudantis", influenciados por "Carl Marx e Mao". Um capítulo intitulado "Não ao capitalismo e ao imperialismo" dedica-se à defesa de uma "sociedade alternativa". O texto delineia uma estratégia que vai desde a análise da situação atual, de acordo com os critérios da dialética, até a definição de uma "utopia mobilizadora e inspiradora", apenas para levar a uma "estratégia política e social".

A análise é feita de acordo com os critérios marxistas: "O marxismo visa antes de tudo as estruturas, e então constrói seu discurso através do desenvolvimento de uma força histórica que se expressa na realidade". Portanto, o Documento propõe "simultaneamente uma revolução nas estruturas e consciências". E conclui: "Devemos fazer uma escolha de classe" dentro de uma "estratégia anticapitalista". O documento aconselha a opção não violenta. E por "não-violência" ele quer dizer: "greve geral ... não cooperação com estruturas injustas ... boicote ... desobediência civil".

Após a sua ordenação sacerdotal com os Padres Combonianos e uma experiência pastoral nos Estados Unidos, em 1984, o P. Ezechelie foi enviado para o Brasil, onde foi enviado para a região amazônica de Rondônia.

Sua formação marxista levou-o a engajar-se na causa ruralista e indígena, como membro da Comissão Pastoral da Terra (CPT), órgão da Conferência Episcopal Brasileira dedicado aos problemas rurais, sempre marcado pelo socialismo na esteira da Teologia da Libertação. Para entender o ar que sopra acabou de ler estas frases do Documento Final da 2ª Assembléia Nacional da CPT, em 1976: "Camaradas! ... Decidimos apoiar as lutas dos trabalhadores! ... Aqui está a nossa Páscoa camponesa: a luta para libertar a terra da ganância dos ricos. ... Vá com todas as cercas! "

Também lemos no Boletim da Comissão Pastoral da Terra, de julho a agosto de 1977: "Haverá muita luta, muito sangue derramado. Ou nos lançamos na briga ou perdemos a batalha. O agricultor que não luta continuará seco ”.

E novamente, na camponesa Via Crucis patrocinada em 1980 por Mons. Moacir Grecchi, prelado do Acre e Purús e presidente do CPT: "Vamos para a luta! Vai ser muito difícil, mas vamos ganhar pela lei ou pela violência. Se algum companheiro morrer, seu sangue será semente ".

Não é coincidência que o vice-presidente do CPT, que mais tarde se tornou mentor de Pe. Ezequiel, fosse Mons. Pedro Casaldáliga, bispo de São Félix do Araguaia, autoproclamou "Monsenhor Foice e Martelo". Seu apoio aos guerrilheiros marxistas até o levou a usar um uniforme de guerrilha sandinista dado a ele por um terrorista, declarando: "Eu gostaria de agradecer este sacramento de libertação que recebo com fatos e, se necessário, mesmo com sangue! Vestido como guerrilheiro me sinto como um padre. A guerrilha e a missa são a mesma celebração que nos impulsiona para a mesma esperança. Nós devemos testemunhar nosso compromisso com a morte! "

Para incitar os camponeses a esta luta até a morte, o CPT os reuniu nas chamadas Comunidades de Base Eclesial (CEB). "Nós somos a igreja rural, organizada na forma de comunidades eclesiais de base, onde se formam os militantes da CPT", lemos em um documento da CPT.

Na CEB, os camponeses passaram por um processo danoso de "conscientização", concebido pelo pedagogo marxista Paulo Freire. Este processo, baseado em técnicas psicológicas e dinâmicas de grupo, pretendia apagar a "consciência primitiva" do camponês, fazendo emergir uma "consciência crítica" que o levaria a uma "consciência revolucionária", isto é, a um compromisso social concreto. político, para estabelecer o socialismo. "O que propomos é o marxismo na teologia", afirmou Leonardo Boff, o grande ideólogo das Comunidades Eclesiais de Base, utilizado pelo CPT.

Aqui está o vento que soprava na Comissão Pastoral da Terra, onde padre Ezechiele Ramin trabalhava. É inútil lembrar que tudo isso foi inspirado pela Teologia da Libertação que pouco tempo depois seria condenada por João Paulo II. Também deve ser lembrado que, em várias ocasiões, o Cardeal Ratzinger e o próprio Papa condenaram veementemente esse tipo de inquietação rural.

O compromisso de padre Ezechiele não ficou restrito ao campo teológico e pastoral, mas resultou em um compromisso muito concreto de participar das lutas camponesas, ao lado do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e do Movimento Sem-Terra (MST), ambos de matriz marxista e subversiva. "A Igreja apóia o Movimento Sem-Terra porque é um movimento popular - disse o padre Ezechiele em uma homilia em 1985, pedindo aos seus fiéis para se registrarem. - O CPT está dando todo o seu apoio a esse movimento".

O Movimento Dos Sem Terra nunca escondeu seu caráter marxista e subversivo. "Na formação política do MST estudamos Marx, Lênin e Gramsci. ... Somos inspirados pela escola de marxistas históricos ", diz João Pedro Stédile, Coordenador Nacional do Movimento," Nosso objetivo é estabelecer o socialismo, derrotar a burguesia, controlar o Estado. Nós fazemos a luta de classes, e a terra vai tremer!

Mais leve que isso ...

No dia 24 de julho de 1985, o padre Ezechiele Ramin foi morto em uma emboscada quando tinha a intenção de intervir na invasão da Fazenda Catuva.

A pessoa de um padre é sagrada em si mesma. Consequentemente, qualquer violência contra sua pessoa é considerada um sacrilégio. O assassinato do padre Ezechiele Ramin deve ser condenado em termos inequívocos. Especialmente porque, por sua vez, não houve provocação física que pudesse justificar uma defesa legítima.

No entanto, a proposta de proclamar-lhe um mártir e, de fato, o santo padroeiro do Sínodo panamenho, suscita muitas perplexidades.

Além de qualquer consideração da pessoa do Padre Ezequiel, esse movimento seria interpretado como a canonização do marxismo, como o selo pontifício para a ação subversiva da CPT e do MST, seria visto como a consagração definitiva da Teologia da Libertação Marxista. Em suma, seria interpretado como a aprovação pontifícia da revolução socialista na América Latina e, conseqüentemente, em todo o mundo.

Essa é a impressão que vocês querem dar?

Fonte: https://www.corrispondenzaromana.it/notizie-dalla-rete/un-santo-marxista-la-strana-proposta-dei-vescovi-brasiliani-per-il-sinodo/

 
 
 

Artigo Visto: 303 - Impresso: 1 - Enviado: 0

 

 
     
 
Total Visitas Únicas: 3.780.022 - Visitas Únicas Hoje: 1.658 Usuários Online: 180