Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






04/04/2021
A Ressurreição (M Valtorta)

A Ressurreição (M Valtorta)

03 de abril de 2021

Ressurreição De Jesus | Fotos de Jesus Cristo - Part 2 | Ressurreição de  jesus, Fotos de jesus cristo, Fotos de jesus

No jardim tudo é silêncio e o orvalho cintila. Lá em cima, um céu que vai adquirindo cor safira cada vez mais claro, já tendo derramado sua capa negra-azulada de estrelas, que durante toda a noite estivera vigiando o mundo. O amanhecer rechaça, de leste a oeste, essas áreas ainda escuras, como a onda na maré alta, quando avança e cobre a costa escura e substitui o cinza preto da areia úmida e do recife pela água do mar azul.

Algumas estrelinhas ainda relutam em morrer e piscam, cada vez mais fracamente sob a onda da luz branco-esverdeada da madrugada, leitosa de tons acinzentados, como as folhas das oliveiras sonolentas que coroam aquele pequeno monte distante. (…). Agora apenas, no extremo oeste, há três; depois dois; depois aquele, que continua a contemplar aquela maravilha cotidiana que é o surgimento da aurora.

E quando um fio de rosa traça uma linha na seda turquesa do céu oriental, um suspiro do vento acaricia as folhas e a grama, dizendo: "Acorde. O dia amanhece novamente." Mas só desperta frondes e gramíneas, que, sob seus diamantes de orvalho, estremecem, com um leve sussurro acompanhado de arpejos de gotas caindo; os pássaros ainda não despertaram entre os ramos densos de um cipreste imponente que parece dominar como um senhor em seu reino; nem no emaranhado de uma sebe de louro que protege do vento norte.

Os soldados que ficam de guarda, entediados, com frio, em várias posturas, guardam o Sepulcro, cuja porta foi reforçada, nas bordas, com uma espessa camada de argamassa, como se fosse um contraforte. As largas rosetas de cera vermelha do selo do Templo destacam-se contra o fundo branco opaco da argamassa, estampadas junto com outros selos diretamente na argamassa fresca.

Os soldados devem ter acendido uma pequena fogueira durante a noite, porque há cinzas e tições muito queimadas no chão; e devem ter brincado e comido, porque ainda há restos de comida espalhados e pequenos ossos limpos, usados, sem dúvida, para algum jogo semelhante ao nosso dominó ou nosso jogo infantil com bolinhas, jogado em um layout rudimentar desenhado no caminho. Aí eles se cansaram e abandonaram tudo para buscar posições mais ou menos confortáveis, dependendo se era para dormir ou para acordar.

No céu, que agora apresenta uma área inteiramente rosada a leste que se espalha cada vez mais pelo céu sereno - onde ainda não há raios de sol - um meteoro cheio de brilho surge de profundidades desconhecidas. E o meteoro desce - uma bola de fogo de brilho irresistível - seguido por um rastro cintilante, que talvez nada mais seja do que a memória de seu brilho em nossa retina. Desce muito rápido em direção à Terra, espalhando uma luz tão intensa, fantasmagórica, aterrorizante em sua beleza, que o rosa da aurora se anula, superado por essa incandescência branca.

Os soldados erguem a cabeça, estupefatos (até porque com a luz vem um estrondo poderoso, harmônico, solene que enche de som toda a Criação). Vem das profundezas celestiais. É o aleluia, a glória angelical, que segue o Espírito de Cristo em seu retorno à sua carne gloriosa.

O meteoro atinge a pedra que fecha inutilmente o Sepulcro. Ele arranca pela raiz, joga no chão. Paralisa, pelo terror e pelo barulho, os soldados colocados como carcereiros do Dono do Universo. E, em seu retorno à Terra, assim como ele havia produzido um terremoto quando fugiu da Terra, o Espírito do Senhor produz um novo terremoto. Entre no escuro Sepulcro, que, com esta luz indescritível, é preenchido com clareza; e enquanto a luz permanece suspensa no ar imóvel, o Espírito re-funde-se no Corpo imóvel sob a mortalha.

Tudo isso (o aparecimento, a descida, a entrada) foi muito rápido: não em um momento, mas em uma fração de segundo.

O "Eu quero" do Espírito divino para sua Carne fria não tem som. A essência diz isso à matéria imóvel. Mas nenhum ouvido humano percebe essa palavra. A Carne recebe esse imperativo e obedece com um profundo suspiro ... Por alguns instantes, nada mais.

Sob a mortalha e o lençol, a gloriosa Carne se recompõe vestida de eterna beleza, desperta do sonho da morte, retorna do "nada" em que estava, vive depois de ter morrido. Certamente o coração desperta e dá sua primeira batida, empurra o sangue congelado restante nas veias e imediatamente cria a medida total de sangue nas artérias esvaziadas, nos pulmões imóveis, no cérebro escurecido, e traz novo calor, saúde, força, pensamento.

Outro instante, e há um movimento repentino sob o lençol pesado. Tão repentino, que, desde o momento em que move as mãos cruzadas, até o momento em que aparece, majestoso, em pé, cheio de esplendor com Seu vestido de matéria imaterial, sobrenaturalmente belo e majestoso, com uma gravidade que o transforma e se eleva sem anular sua identidade, a vista mal tem tempo para capturar os momentos sucessivos. E agora a vista o admira. Quão diferente de como a mente se lembra! Limpo, sem feridas ou sangue; apenas resplandecente, com o esplendor da luz que jorra das cinco feridas e que escorre por todos os poros de sua epiderme.

Quando dá o primeiro passo e, à medida que se move, os raios que irradiam das Mãos e Pés o iluminam com raios de luz: da Cabeça, coberta por uma auréola formada pelas inúmeras pequenas feridas da coroa, que já não escorre sangue mas só brilho, até a orla do vestido-, quando, abrindo os braços que segurava no peito, descobre a área de vívida luminosidade que atravessa o vestido, iluminando-o com um sol às a altura do Coração, então realmente é a "Luz" que tomou forma.

Nem a pobre luz da Terra, nem a pobre luz das estrelas, nem a pobre luz do Sol. É a Luz de Deus: toda a radiância paradisíaca reunida em um único Ser, uma radiância que lhe dá seus azuis inconcebíveis como íris, seus fogos de ouro como cabelos, suas candores angelicais como roupas e tintas, e tudo o que constitui - e não pode ser descrito em palavras humanas - o ardor supremo da Santíssima Trindade - que anula com seu poder ígneo todo o fogo do Paraíso absorvendo-o em si para gerá-lo novamente em cada instante do Tempo eterno, Coração do Céu que atrai e difunde seu sangue, as inúmeras gotas de seu sangue incorpóreo: o bem-aventurado, o anjos, tudo o que constitui o Paraíso: o amor de Deus, o amor de Deus; tudo isso é a Luz que é o Cristo Ressuscitado, que constitui o Cristo Ressuscitado.

Quando ele se move, vindo em direção à saída, e os olhos podem ver além do brilho, então duas luminosidades mais bonitas aparecem diante de minha vista (apenas como estrelas comparadas ao Sol): uma para dentro e a outra para fora da porta , prostrado em adoração a seu Deus que passa envolto em sua luz, exalando bem-aventurança com seu sorriso; e sai. Sai da gruta fúnebre e volta a pôr os pés no chão, que desperta com alegria e brilha tudo no seu orvalho, nas cores das ervas e das roseiras, nas infinitas corolas de macieiras que se abrem para um prodígio ao receber os primeiras raios do Sol, que os beijam, e na presença do Sol eterno que caminha sob eles.

Os soldados ficaram paralisados onde estavam ... As forças corrompidas do homem não vêem Deus, enquanto as forças puras do universo - as flores, as ervas, os pássaros - admiram e veneram o Poderoso, que passa com suas própria nuvem. Leve e rodeada por um nimbo de luz solar.

O seu sorriso, o olhar que lança sobre as flores, sobre as folhas, ou que se eleva ao céu sereno, aumenta a beleza de tudo: e mais suave, e tingido de uma cor rosada sedosa e esmaecida, aparecem os milhões de pétalas que formar uma espuma florida na cabeça do Vencedor; e mais vívidos aparecem os diamantes do orvalho; e o céu é mais azul, o que reflete seus olhos resplandecentes; e mais festivo o Sol, que dá pinceladas de alegria em uma pequena nuvem movida por uma leve brisa que vem beijar seu Rei com fragrâncias tiradas dos jardins e carícias de pétalas sedosas.

Jesus levanta a mão e abençoa. Então, à medida que os pássaros cantam mais alto e o vento se perfuma com mais intensidade, ele desaparece de minha vista, deixando-me uma alegria que apaga até as mais leves lembranças de tristeza e sofrimento e as menores hesitações sobre o amanhã ...

Fonte: https://religionlavozlibre.blogspot.com/2021/04/la-resurreccion-m-valtorta.html?




Artigo Visto: 280

 




Total Visitas Únicas: 2.149.869
Visitas Únicas Hoje: 645
Usuários Online: 220