Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






07/04/2021
A NOVA RELIGIÃO MUNDIAL

A NOVA RELIGIÃO MUNDIAL

07 de abril de 2021

Assis, 1986: nasce a "Nova Religião Mundial". Assis significava a negação pública da exclusividade de Cristo "como forma de salvação": com Assis, foi aberto espaço para uma "Nova Religião" (aberrante) dos "Direitos Humanos".

por Francesco Lamendola

Quando Bergoglio , no decorrer de uma de suas infames entrevistas com Eugenio Scalfari , afirmou peremptoriamente que Deus não é católico (publicado em La Repubblica1 de outubro de 2013) e quando, no documento de Abud Dhabi, escreveu que o próprio Deus, em sua sabedoria, quer que existam diferentes religiões na terra (4 de fevereiro de 2019), alguns católicos finalmente começaram a dar sinais de despertar da longa e profunda letargia, como se uma fronteira intransponível tivesse sido cruzada e os autores da trama anticristo finalmente tivessem tirado a máscara de seus rostos. Pois bem, Bergoglio nada improvisou e nada inventou, porque os dos seus lançamentos e os dos seus documentos são o ponto lógico e consequente de chegada de uma manobra herética e apostática iniciada há mais de meio século, com o Segundo Concílio Vaticano , e em particular com a Unitatis Redintegratiode 21 de novembro de 1964 sobre (falso) ecumenismo, com Nostra aetate de 28 de outubro de 1965 sobre relações com outras religiões (falsas), e com Dignitatis humanae de 8 de dezembro de 1965 sobre o princípio geral da liberdade religiosa entendida em um sentido liberal e maçônico, que é, como relativismo e indiferentismo.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/000-CON_SCALFARI_NASO.jpg

Bergoglio e seu amigo "maçom" Eugenio Scalfari a quem declarou:  Deus não é católico!

Cada um desses documentos contradiz frontalmente os documentos do Magistério oficial e solene e, portanto, é objetivamente alheio à verdadeira doutrina católica: e esta é uma observação a que os proponentes do Concílio não sabem literalmente o que responder, mas são obrigados a revelar suas verdadeiras retenções, isto é, que seu propósito sempre não foi atualizar a pastoral, mas mudar a doutrina , ou seja, substituir a religião católica por uma nova religião apostática e herética , ultramodernista e maçônica, em parte literalmente ditado por elementos não relacionados à cultura católica e implacavelmente avessos a ela (como no caso de Nostra aetate, escrito pelos rabinos da B'nai B'rith e apenas formalmente assinado pelos padres do conselho). Uma intenção então delineada de forma muito clara, muito antes de Bergoglio, em particular com a convocação do dia de oração inter-religiosa pela paz em Assis, em 27 de outubro de 1986 , repetido no seu vigésimo quinto aniversário, em 27 de outubro de 2011 , e então em seu trigésimo aniversário, de 18 a 20 de setembro de 2016. O que significa que antes de Bergoglio tanto João Paulo II quanto Bento XVI trabalharam na mesma linha do falso diálogo e do indiferentismo religioso: e isso com todo o respeito por aqueles que acreditam em Bergoglio, e somente Bergoglio, responsável pelos desvios doutrinários que ocorreram na Igreja Católica, e que olham para a memória de Wojtyla e Ratzinger como o modelo luminoso de um papado ainda intacto e firmemente estabelecido nas poções doutrinárias de todos os tempos.

Citamos uma página da poderosa obra de dois volumes sobre O Concílio Vaticano II, assinada com o pseudônimo coletivo I bastonatori (Edizioni Veritatis Vallum, 2020, vol. 1, pp. 73-74):

Coincidindo com o ano da paz proclamado pela ONU, em outubro de 1986 realizou-se em Assis a cerimônia à qual João Paulo II teria vinculado seu nome, inclusive reivindicando seu "caráter pessoal". Representou a consolidação e demonstração pública das novas e inéditas doutrinas da "Unitatis Redintegratio", "Dignitatis humane" e "Nostra aetate", pelas quais o homem, todo homem, tem o direito de escolher sua religião e, portanto, Deus e a moralidade ele quer, e todas as religiões são caminhos de salvação e, portanto, de verdade e paz.

Como o Vaticano II representou uma ruptura radical com a tradição católica - basta admitir o cardeal holandês Willebrands, um dos grandes protagonistas daquele acontecimento, que reconheceu na "Unitatis Redintegratio" "uma profunda virada (...) destinada a mudar radicalmente de mentalidades ("L'Osservatore romano", 29 de dezembro de 1984) - assim, Assis significava a negação pública da exclusividade de Cristo como meio de salvação . Negar esta exclusividade, no entanto, significa negar Cristo porque, como diz São João, "quem nega que Jesus é o Cristo é o anticristo que nega o Pai e o Filho" (1 Jo 2, 22).

Havia muita sutileza na oração de Assis que teria representado apenas um encontro baseado no menor denominador da religião natural, sem desprezar os trocadilhos, tão longe da franqueza evangélica como: "não rezem juntos, mas juntos rezem", assim procurando reconciliar os opostos, ou seja, o Cristianismo como única via de salvação e a igual dignidade das outras religiões. Por outro lado, o que o bom senso imediatamente se apropriou, e que se percebeu comumente, foi justamente a interpretação dada pelo semanário "Panorama" após a conferência: " UMA REJEIÇÃO TOTAL DA DOUTRINA CATÓLICA TRADICIONAL " pela Igreja, afirmando que, com um oração comunitária ", ela passou a admitir"NÃO SER DEPOSITÁRIO DO DEUS VERDADEIRO, RECONHECENDO O CORPO SUPREMO ATRAVÉS DE SEUS MIL NOMES ”(“ Panorama ”, 2 de novembro de 1986).  Corpo Supremo com mil nomes?Os católicos se acalmam, esta é a "piada" secular de sempre. Infelizmente, poucas semanas depois, o órgão de imprensa do CEIAL, qualificado como boletim do CEI "para promover o intercâmbio e a comunicação entre as Igrejas particulares italianas e as Igrejas particulares da América Latina", publicou um artigo principal da pág. Eugenio Melandri intitulou “Os mil nomes de um mesmo Deus” e a cuja conclusão nos limitamos: “Quando no dia 27 de outubro, em Assis, homens de diferentes religiões, línguas, raças e nacionalidades se reuniram para dizer:“ 'Paz', chamando o mesmo Deus por mil nomes, eles começaram a dar uma resposta e o Deus de mil nomes mais do que nunca apareceu o Deus da Paz ”(“ America Latina Noticeial ”, fevereiro de 1987, n. 5).

http://www.accademianuovaitalia.it/images/BALDISSERA/0-BIS-DIALOGO.jpg

Assis significava a negação pública da exclusividade de Cristo "como forma de salvação": com Assis, foi aberto espaço para uma "Nova Religião" (aberrante) dos "Direitos Humanos"!

Daí se deduziria que Cristo e a Santíssima Trindade representam apenas a milésima parte do novo Deus, tão e não mais legítimo que os outros 999! O antigo simbolismo cristão do círculo para representar o eterno não é mais válido: o novo deus é um deus dividido em si mesmo em muitas facetas, aproximadas por defeito de 1000 lados ... O CEIAL fez uso de um corpo operativo denominado MLAL (Lay Movimento América Latina) cujo trabalho se enquadra perfeitamente na esfera globalista. No boletim informativo deste último, um mês antes de Assis, em 30 de setembro de 1986, podiam-se ler entre os dez pontos das pedras angulares para a formação do mundo de amanhã, preceitos semelhantes: desde a infância ”, enquanto o último enfatizou a necessidade de "estabelecer as condições para uma nova ordem internacional", argumentos inequívocos para aqueles que têm um mínimo de conhecimento da linguagem maçônica mundial. É interessante notar que os luteranos, a quem o Concílio Vaticano II tanto se esforçou por agradar,NÃO QUERERAM ESTAR PRESENTES COMO "IRMÃOS SEPARADOS EM ASSISI , acreditando que aquela manifestação contradizia o primeiro e fundamental dos mandamentos: " Não terás outro Deus senão a mim ". O fato de Assis, um acontecimento sem paralelo nos dois mil anos de história da Igreja, postulava o princípio de que todas as orações dos presentes, a qualquer divindade a que fossem elevados, chegavam a Deus em qualquer caso, e que a eficácia do a oração de cada religião foi reforçada e validada pela das outras. Assis resolveu-se assim negar o ensino fundamental do Cristianismo, segundo o qual só Jesus, o único, é o Caminho, a Verdade, a Vida, e ninguém vai ao Pai senão por ele (Jo 14: 6), não tendo nos dado outro nome senão o Seu, para nos salvar (Atos 4:12). Em suma, aquele estranho rito parecia contradizer Jesus e rejeitar as suas palavras, segundo as quais todos aqueles que pregam ou pregaram outras doutrinas que não as suas "são ladrões e salteadores" (Jo 10,8) e os judeus, que não o reconheceram, provou ter por pai não Abraão, mas o diabo (Jo 8: 43-44).

http://www.accademianuovaitalia.it/images/00-CARTOLINE/0-VIA-VITA-JESUS-aforismi.jpg

O primeiro e fundamental dos mandamentos: "Não terás outro Deus além de mim"? Hoje esquecido e jogado no lixo!

Ora, não é por acaso que João Paulo II escolheu o tema da paz como elemento unificador para justificar o injustificável, ou seja, uma oração comum dos membros das verdadeiras e falsas religiões dirigida a ninguém sabe a que deus, ou a que demônio (porque os deuses das falsas religiões são demônios adorados em forma de ídolos, como o Magistério sempre ensinou desde as origens da Igreja); uma paz, aliás, entendida em sentido inteiramente político e humano, contrariando também o verdadeiro ensinamento de Cristo , que diz: Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz; Eu dou a você, não como o mundo dá ( Jn14,27). Na verdade, João Paulo II viu na paz o ponto crítico e emocionalmente envolvente sobre o qual alavancar para minar a perspectiva moral cristã correta, que é totalmente cristocêntrica, e substituí-la pela nova (aberrante) religião dos Direitos Humanos. Porque precisamos ser muito claros neste ponto: ou adoramos Jesus Cristo, ou adoramos os Direitos Humanos. Os direitos humanos não são algo que possa entrar, como tal, na perspectiva autenticamente cristã, porque estabelecem o critério do bem e do mal, do justo e do injusto, a partir de uma medida puramente humana; pior ainda: com base em um padrão estabelecido pela maioria "democrática". Portanto, se a maioria se estabelecer democraticamente (isto é, de acordo com o princípio, um homem, um voto) que o aborto voluntário é um direito humano sacrossanto, neste caso específico direito da mulher, nada nem ninguém poderá contestar tal declaração de princípio, com todas as suas consequências de ordem prática. Então, e só então, fica claro o que queremos dizer com dizer que ou existem os direitos de Deus ou existem os direitos do homem. Estes últimos, separados de Deus (e de fato nascidos em 1789), são a autoafirmação da vontade humana, luciferiana e anticristo, decidida a repetir o Non serviam de onde surgiu a primeira rebelião contra a ordem divina, a dos rebeldes anjos.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/SATIRA/0000-DUBAI_1.jpg

Bergoglio no documento Abud Dhabi, escreveu que o próprio Deus, em sua sabedoria, quer que existam religiões diferentes na terra (4 de fevereiro de 2019) ?!

De fato, aqui está o que João Paulo II disse em sua mensagem de 1º de janeiro de 1999 para a celebração do XXXII Dia Mundial da Paz, aniversário da Igreja Católica instituída por Paulo VI e celebrada pela primeira vez em 1º de janeiro de 1968 :

1. Na primeira Encíclica  Redemptor hominis , que dirigi há quase vinte anos a todos os homens e mulheres de boa vontade, já sublinhei a importância do respeito pelos direitos humanos. A paz floresce quando esses direitos são plenamente observados, enquanto a guerra surge de sua violação e se torna a causa de novas violações, ainda mais graves. (1)

Às portas de um novo ano, o último antes do Grande Jubileu, gostaria de me debruçar mais uma vez sobre este tema de capital importância com todos vocês, homens e mulheres de todo o mundo, com vocês, líderes políticos e líderes religiosos dos povos, contigo, que ama a paz e quer consolidá-la no mundo.

Aqui está a convicção de que, tendo em vista o Dia Mundial da Paz, tenho muito carinho em compartilhar com vocês: quando a promoção da dignidade da pessoa é o fio condutor que nos inspira, quando a busca do bem comum é o compromisso predominante, em seguida, bases sólidas e duradouras são estabelecidas para a construção da paz. Por outro lado, quando os direitos humanos são ignorados ou desprezados, quando a busca de interesses particulares injustamente prevalece sobre o bem comum, então as sementes da instabilidade, da rebelião e da violência são inevitavelmente plantadas.

O discurso está claro? O último período deve ser relido especialmente: quando a promoção da dignidade da pessoa é o princípio orientador (...), então se lançam bases sólidas e duradouras para a construção da paz. Por outro lado, quando os direitos humanos são ignorados ou desprezados (...), as sementes da instabilidade, rebelião e violência são inevitavelmente plantadas. Bem, acreditamos que tal declaração teria causado horror e teria sido rejeitada com desdém por qualquer Evangelista, por qualquer Pai da Igreja, por qualquer pontífice ou bispo, por qualquer santo, por qualquer teólogo, até o infeliz Concílio Vaticano II.. Além do detalhe não desprezível de fazer a paz coincidir com a ausência de guerras, como se a guerra mais importante não fosse aquela que se luta no interior de homine pela salvação da alma ( Simone, Simone, aqui está Satanás te procurou peneirar-te como o trigo; mas rezei por ti, para que a tua fé não desfaleça , diz Jesus a São Pedro, Lc 22,31-32), a declaração de João Paulo II absolutiza os direitos humanos tal como os definiu e impôs, através dos franceses Revolução, maçonaria anticristã, com o objetivo preciso de minar das mentes e dos corações dos homens a verdadeira visão católica , segundo a qual omnis potestas a Deoe, portanto, não é importante que a autoridade venha do povo, mas que seja justa e inspire leis justas; e que o bem comum é visto não apenas em uma perspectiva material, mas sobrenatural, em que o maior bem é fazer a vontade de Deus, e o maior mal é rejeitar ou desprezar Sua santa vontade. Exatamente como no caso do aborto. Ter esquecido esta verdade simples e ter se tornado adorador dos direitos humanos: tal é a culpa dos católicos que se definem como adultos e abertos ao mundo , enquanto não passam de loucos servos de Satanás.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/gif/chiesa/0--19-vatican-massonery.gif

Fonte: http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/cultura-e-filosofia/la-contro-chiesa/10040-la-nuova-religione-mondiale




Artigo Visto: 461

 




Total Visitas Únicas: 2.149.798
Visitas Únicas Hoje: 574
Usuários Online: 196