Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






16/04/2021
A última profecia de BXVI: o humanismo do Anticristo

A última profecia de BXVI: o humanismo do Anticristo

16/04/2021

Os 94 anos de Bento XVI. Precisamente em 2020, ano em que o mundo começou a experimentar a sua própria fragilidade e o engano da falsa liberdade, Bento XVI aponta para o mundo inteiro a identidade do Anticristo, descrevendo as suas duas características fundamentais: o falso humanismo e a exclusão social daqueles que não se submetem a ele.

por Luisella Scrosati

A última entrevista com Bento XVI, que Peter Seewald colocou no final de sua substancial biografia sobre o Pontífice da Baviera, teve uma difusão imediata, que depois se extinguiu, na esperança de que caísse no esquecimento. No entanto, em suas respostas calculadas, Bento XVI deu uma chave interpretativa decisiva de nosso tempo. A muitas das perguntas de Seewald, o Papa Emérito decidiu não responder, porque "lidar com os temas que ele levanta em algumas de suas perguntas leva naturalmente a uma discussão sobre a situação atual da Igreja" e, portanto, a interferir "no trabalho de o atual pontífice ".

Questionado sobre a recusa de Francisco em responder à conhecida dubia dos quatro cardeais, Bento XVI voltou a recusar o convite, mas desta vez optando por "limitar-se" a recordar a última Audiência Geral de 27 de fevereiro de 2013: "Em no meio de todos os tormentos que afligem a humanidade e a força perturbadora e destruidora do espírito maligno, a Igreja poderá sempre reconhecer a força silenciosa da bondade de Deus ”.

O espírito mau está, portanto, trabalhando em tempo integral, para destruir e perturbar os homens; e fá-lo escondendo-se atrás de uma "ditadura universal de ideologias aparentemente humanistas, contraditórias que implicam a exclusão do consenso básico da sociedade". Palavra de Bento XVI. É com uma justificativa humanística que as maiores abominações foram cometidas no passado recente, como em nosso tempo. E é sempre em nome do novo humanismo sem Deus - é bom lembrar - que estamos encerrados em nossas casas, somos privados da possibilidade de trabalhar de maneira digna, e cada vez mais somos forçados a ser os cobaias do maior ensaio de vacinação da história. Sim, porque Giuseppe Conte, em 29 de agosto de 2019, depois de receber o mandato do governo, indicou o novo humanismo como o horizonte para orientar o país.Global Compact on Education .

Poucos meses depois, aqui está a pandemia. Estranha coincidência, visto que Edgar Morin, a quem Conte definiu como "um pensador refinado muito caro a mim", em seu "deve" Além do abismo, ele escreveu claramente que "seria necessário um aumento repentino e terrível dos perigos, o advento de uma catástrofe para constituir o eletrochoque necessário para a consciência e a tomada de decisões". Alvo? O nascimento de uma pátria, “uma ampliação das Nações Unidas, que não substitui as pátrias, mas as inclui”. Morin percebeu que o maior obstáculo a essa mudança seriam os povos e nações, que, no entanto, poderiam se tornar particularmente dóceis ao compreender a "magnitude do desafio". Embora quase ninguém saiba ainda, nunca houve uma causa tão grande, nobre, necessária, como a causa da humanidade, para, juntos e inseparavelmente, sobreviver, viver e humanizar-se ».

Chegou então o eletrochoque , pontual como um relógio suíço, habilmente orquestrado pela comunicação que conta, cuja capacidade persuasiva não precisa de ser demonstrada; a tal ponto que hoje se aceita de forma bastante pacífica que pode haver pessoas discriminadas pelo fato, por exemplo, de não quererem se vacinar, ao invés de estabelecer um passaporte com seus dados de saúde (e não só), sem o qual será torna-se impossível mover-se livremente.

Mas uma ajuda inesperada também chegou . Em maio de 2020, quando o primeiro bloqueio, que literalmente paralisou o mundo inteiro, estava prestes a terminar, a biografia Bento XVI foi publicada na Alemanha . Ein Leben , também traduzido para o italiano em outubro. No último capítulo do livro, logo após as passagens acima, encontramos uma afirmação decisiva: « A sociedade moderna pretende formular um credo anticristão: quem o desafia é punido com a excomunhão social. Ter medo desse poder espiritual do Anticristo é muito natural e é realmente necessário que as orações de dioceses inteiras e da Igreja mundial venham em resgate para resistir a ele." Precisamente no ano de 2020, ano em que o mundo começou a experimentar a sua própria fragilidade e o engano da falsa liberdade, Bento XVI aponta para o mundo inteiro a identidade do Anticristo, descrevendo as suas duas características fundamentais: o falso humanismo e o social exclusão daqueles que não se submetem a ela. Este último será a característica que nos permitirá reconhecer o humanismo anticristão; todos, absolutamente todos, independentemente de raça, religião e classe social, serão empurrados para entrar no casamento do Anticristo; uma irmandade melhor do que o próprio Cristo foi capaz de realizar. Mas aqueles que se opõem a ela, aqueles que se recusam a receber a marca da besta na mão e na testa (cf. Ap 13, 16-17), não poderão comprar nem vender.

O conteúdo desse falso humanismo já havia sido descrito em 2005, na Subiaco: "A segurança, de que necessitamos como pré-requisito para a nossa liberdade e dignidade, não pode vir em última instância de sistemas de controle técnico, mas pode, de fato, brotar apenas da força moral do homem: onde falta ou não é suficiente, a força que o homem possui se transformará cada vez mais em uma força de destruição ”. Esta força moral nada tem a ver com aquele "novo moralismo cujas palavras-chave são justiça, paz, preservação da criação". Nem com aquele outro moralismo de cunho cristão que reduz "o cerne da mensagem de Jesus, o" Reino de Deus ", aos" valores do Reino ", identificando esses valores com os grandes slogans do moralismo político, e proclamá-los, ao mesmo tempo, como síntese das religiões. Mas esquecendo Deus desta forma, apesar de ser sujeito e causa do Reino de Deus ». Em suma, nem todos os irmãos.

O céu fechado do falso humanismo só pode ser dilacerado por "Jesus Cristo, Filho de Deus, dado pelo Pai à humanidade para restaurar a sua imagem desfigurada pelo pecado, o homem perfeito, em quem se mede o verdadeiro humanismo", como ele ensinava. já no início de seu pontificado (X Sessão Pública das Pontifícias Academias, 15 de novembro de 2005).

Hoje, o papa emérito de 94 anos de idade tocou em indicar o advento do Anticristo e o "fim dos tempos", de acordo com o título do livro do conceituado filósofo de Ratzinger, Josef Pieper. O fim dos tempos, na análise de Pieper, teria coincidido precisamente com "o senhorio do Anticristo". Talvez seja precisamente por isso que São Malaquias de Armagh, na sua profecia sobre os papas, se refere a ele como " Gloria olivae ". As duas testemunhas do capítulo 11 do Apocalipse, que devem cumprir sua missão de profetas até serem vencidas (momentaneamente) pela Besta que surge do abismo, são chamadas de duas oliveiras. E ele, Bento XVI, é a sua “glória”, termo que indica fama, e também literalmente “ser ouvido”. Ad multos annos, Vossa Santidade!

Fonte; https://lanuovabq.it/it/lultima-profezia-di-bxvi-lumanesimo-dellanticristo




Artigo Visto: 306

 




Total Visitas Únicas: 2.149.855
Visitas Únicas Hoje: 631
Usuários Online: 220