Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






17/04/2021
A ESQUERDA QUE FAZ A GUERRA À LÍNGUA E A QUE QUER PROIBIR O MASCULINO URINAR DE PÉ (O COMPANHEIRO ENGELS FOI MELHOR)

A ESQUERDA QUE FAZ A GUERRA À LÍNGUA E A QUE QUER PROIBIR O MASCULINO URINAR DE PÉ (O COMPANHEIRO ENGELS FOI MELHOR)

Postado: 16 de abril de 2021 14h17 PDT

O caso que mais tem despertado ironias, na revolução do politicamente correto, é o do parlamentar norte-americano Emanuel Cleaver, do Partido Democrata, que, recitando a oração de abertura do Congresso, concluiu com "Amém e Awomen" (na verdade “amém” não é dominado por homens: é uma antiga palavra hebraica-aramaica que não tem nada a ver com o inglês “homens”).

A revolução "politicamente correta" está galopando por toda parte, até na Emília, onde um dia sonharam com outras revoluções: o município de Castelfranco Emilia decidiu usar o "schwa" (um "e" invertido) em seus canais sociais para promover um inclusivo e não discriminatório (é o que dizem) em relação às mulheres ou àquelas que não se reconhecem no chamado “binário de gênero”.

Por isso escrevem: “A partir de quarta-feira, 7 de abril, muitas das nossas crianças e adolescentes poderão voltar às aulas!”, Em vez de “muitas das nossas crianças e adolescentes” (masculino que, no italiano atual, inclui todos).

Schwa é um signo gráfico difícil de pronunciar. Os napolitanos, em seu dialeto, usam um som semelhante, por exemplo na expressão mamm't, mas não tem nada a ver com "politicamente correto".

No entanto, se o uso do masculino universal for contestado, deve-se também começar a corrigir aquelas palavras que terminam em "a", mas incluem homens e mulheres. Seria engraçado.

Deve-se chamar um "dentista" que antes foi "dentista", mas é do sexo masculino. Da mesma forma, o eletricista (que se torna eletricista) ou o pianista (que se torna pianista), o violinista (violinista) ou o taxista (que se torna taxista) ou o barman, o estilista e o marmorista. Mas também "socialista, comunista e ecologista" - para os homens - se tornaria socialista, comunista e ecológico.

Em Castelfranco, entretanto, eles vão mais longe e, contra o "binarismo" masculino / feminino, abolem o próprio gênero das palavras. É uma conquista da igualdade? Ou é outro objetivo grotesco de "politicamente correto"? Temos certeza de que isso é exatamente o que é necessário hoje?

O insuspeitado Friedrich Engels, o braço direito de Marx, observa no "Anti-Dühring" que "qualquer reivindicação de igualdade que vai além vai necessariamente além do absurdo".

O emiliano parece ser um igualitarismo que “vai além”. Faz parte da moda ideológica que ironicamente foi definida como "pertuttismo". Mas é sobretudo o masculino que é visado, condenado como legado da "sociedade patriarcal".

O filósofo francês Jean-Claude Michéa, em seu livro "Os mistérios da esquerda: do ideal iluminista ao triunfo do capitalismo absoluto", apontou um caso emblemático dessa cruzada ideológica contra o homem, por iniciativa da esquerda sueca (que tinha 22 deputados): “em 12 de junho de 2012, esse partido entrou com um projeto de lei no Conselho Regional do Condado de Sörmland que visa proibir todos os 'homens' de urinar em pé. O facto - completamente incompreensível no século XXI - de ainda não existir uma lei na Suécia que estabeleça uma forma de urinar que possa finalmente ser igual para todos constitui - aos olhos dos militantes daquele partido de extrema esquerda - um vergonhoso e ideologicamente discriminatório inaceitável (afinal, a única forma democrática de urinar obviamente não poderia ser aquela imposta pela norma masculina) ”.

A igualdade politicamente correta na micção é garantida apenas pelo cateter democrático. Eles vão impor isso a todos nesse ritmo?

Antonio Socci

Fonte: https://www.antoniosocci.com/la-sinistra-che-fa-la-guerra-alla-lingua-e-quella-che-vuole-proibire-ai-maschi-di-urinare-in-piedi-era-meglio-il-compagno-engels/?




Artigo Visto: 170

 




Total Visitas Únicas: 2.149.857
Visitas Únicas Hoje: 633
Usuários Online: 220