Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






28/04/2021
No Vaticano não há mais Justiça e Paz

No Vaticano não há mais Justiça e Paz

28-04-2021

O Pontifício Conselho Justiça e Paz não só foi absorvido pelo novo Dicastério para o desenvolvimento humano integral, mas seu legado foi cancelado. O que era o carro-chefe de João Paulo II na promoção da doutrina social da Igreja se transformou em uma espécie de caridade.

por Stefano Fontana

O Pontifício Conselho Justiça e Paz já não existe. Claro, os quartos do Palazzo San Calisto em Trastevere estão lá, o pessoal ainda está trabalhando lá, o centro de documentação pode ser consultado ... mas o Pontifício Conselho não está mais lá, absorvido no vasto - e, para muitos, incontrolável - novo Dicastério do desenvolvimento humano integral. O novo encontro pretendido por Francisco inclui, além da Justiça e da Paz, os Pontifícios Conselhos para a pastoral dos migrantes e itinerantes, o da pastoral dos agentes de saúde e o Cor Unum , dedicado à caridade do Papa, que foram suprimido.

Justiça e Paz nasceu em 1967, pela vontade de Paulo VI,como Comissão Pontifícia, posteriormente transformada em Conselho Pontifício por João Paulo II em 1988. Segundo o Santo Pontífice, o Conselho Pontifício “aprofunda a doutrina social da Igreja, procurando garantir que seja amplamente difundida e traduzida na prática entre as pessoas e as comunidades, especialmente no que diz respeito às relações entre trabalhadores e empregadores, para que sejam cada vez mais impregnados do espírito do Evangelho ”. A actividade do Pontifício Conselho consistiu certamente em fazer investigações empíricas sobre os contornos dos vários problemas sociais, foi certamente em fornecer instrumentos aos agentes pastorais em diálogo com os verdadeiros protagonistas da vida económica, social e política ... mas tudo isto no claro contexto da Doutrina Social da Igreja, sem a qual, ou com uma visão reduzida, Justiça e Paz teria deixado de ser ela mesma.

De fato, o Pontifício Conselho trabalhou nos projetos das encíclicas sociais Centesimus annus (1991) de João Paulo II e Caritas in veritate (2009) de Bento XVI. Coube-lhe, como prática consolidada, preparar a minuta das Mensagens para o Dia da Paz no dia 1º de janeiro de cada ano. Ao pontifício conselho foi confiada a tarefa de preparar o Compêndio da Doutrina Social da Igreja (2004), compromisso assumido pelo Cardeal Van Thuân e seu sucessor Cardeal Martino com a ajuda ativa do Secretário, Mons. Crepaldi.

A centralidade da doutrina social da Igreja, entendida como um corpus doutrinal, sempre foi a característica da Justiça e Paz, mesmo sob a presidência do Cardeal Etchegaray, por muito tempo presidente de 1984 a 1998, apesar de suas características pessoais serem mais "espirituais" e "proféticas" do que científica ou política. A ação dos Observadores da Santa Sé junto aos organismos internacionais de Nova York, Genebra ou Viena inspirou-se nos discursos do Pontifício Conselho, mas também, é claro, da Secretaria de Estado.
Os bispos em visitas ad limina de todo o mundo não deixaram de fazer uma parada em San Calisto. O Compêndio da Doutrina Social da Igrejana verdade, foi traduzido para mais de 150 idiomas. O congresso, sempre de âmbito internacional, organizado pelo Conselho, sempre se inspirou nos princípios da doutrina social da Igreja e em 1991 João Paulo II pediu ao Cardeal Etchegaray e ao Vice-Presidente Mons.Jorge Mejía, que organizassem uma conferência para o centenário da Rerum novarum , dedicando-a ao princípio da destinação universal das mercadorias.

A ação do Pontifício Conselho inspirou indiretamente muitas iniciativastanto da Santa Sé como das Igrejas nacionais no campo da Doutrina Social da Igreja. Um curso de graduação em Doutrina Social foi criado pela primeira vez na Universidade de Latrão, um mestrado no Angelicum, no Centro Universitário para a Doutrina Social da Igreja da Universidade Católica de Milão e até mesmo os professores da Cattolica di Milano a Dicionário da Doutrina Social da Igreja , empreendimento que nunca se repetiu nem de forma semelhante.

Eliminado após o nascimento do novo Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral, o que resta do Pontifício Conselho Justiça e Paz? Ele deixou um legado que permanece vivo mesmo que as placas nas portas dos escritórios no Palazzo San Calisto tenham mudado? O ponto de inflexão não foi apenas organizacional, mas também de direção. A doutrina social da Igreja passou para segundo plano. No Estatuto acaba de se referir: “O Dicastério promove o desenvolvimento humano integral à luz do Evangelho e no seguimento da doutrina social da Igreja”. Os objetivos são principalmente de assistência à marginalização.

Na Carta Motu proprio de Francisco que o institui, estão listados: “… As migrações, os necessitados, os doentes e os excluídos, os marginalizados e as vítimas de conflitos armados e calamidades naturais, prisioneiros, desempregados e vítimas de qualquer forma de escravatura e tortura”. Um Dicastério que não trabalha mais para a fisiologia cristã e humana da vida comunitária, mas para intervir nas suas feridas. A nova intenção mais pastoral e setorial e cada vez menos doutrinária e global pode ser vista nas iniciativas, voltadas para a ecologia, as migrações, a biodiversidade, o clima, o Dia Mundial da Saúde, a urgência da vacinação, a transição energética, os objetivos da ONU 2030.

Não há referências a iniciativas baseadas na vida, na família, na biopolítica ... e nos princípios clássicos da doutrina social da Igreja.

Fonte;https://lanuovabq.it/it/in-vaticano-non-ce-piu-giustizia-e-pace




Artigo Visto: 187

 




Total Visitas Únicas: 2.149.873
Visitas Únicas Hoje: 649
Usuários Online: 218