Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






29/04/2021
O FILÓLOGO LUCIANO CANFORA CERTIFICA A AUTENTICIDADE DE UM DOS MAIS ANTIGOS (E IMPORTANTES) DOCUMENTOS NÃO CRISTÃOS SOBRE JESUS

O FILÓLOGO LUCIANO CANFORA CERTIFICA A AUTENTICIDADE DE UM DOS MAIS ANTIGOS (E IMPORTANTES) DOCUMENTOS NÃO CRISTÃOS SOBRE JESUS

Postado: 28 de abril de 2021 10:23 PDT

Havia todas as condições para um furo sensacional. De um lado, Luciano Canfora, antiquista, professor de filologia grega e latina (também é um intelectual marxista muito comprometido).

Por outro lado, um dos principais documentos históricos sobre Jesus de fontes não cristãs, o chamado "Testimonium Flavianum", ou a página dedicada a Jesus de Nazaré pelo historiador judeu Josefo na obra "Antiguidades Judaicas", escrita em grego por volta de 93 DC

Como Cânfora, nos últimos anos, se destacou por contestar a autenticidade do Papiro de Artemidoro, ao contrário de outros estudiosos, seu novo livro sobre "Testimonium Flavianum" poderia sugerir um ataque semelhante à autenticidade desse texto.

Na verdade, o título do volume recém-lançado parece ir nessa direção: “Conversão. Como Josefo foi cristianizado ”(Salerno Editrice). Pode ter sido a lápide definitiva do Testimonium. Durante séculos, de fato, aquela página extraordinária sobre Jesus esteve na mira de críticos que a consideraram uma interpolação de sucessivos copistas cristãos, isto é, uma falsificação.

Em vez disso, Cânfora - surpreendentemente - conclui substancialmente seu estudo afirmando a autenticidade do Testimonium (e a atribuição a Josefo). No entanto, será difícil ler as manchetes que teríamos visto se suas conclusões fossem opostas.

Por que o Testimonium é importante? Porque confirma a confiabilidade histórica absoluta dos eventos de Jesus narrados nos Evangelhos.

Seu autor, Giuseppe Flavio, é uma personalidade muito importante. Nascido por volta de 37 DC, ele pertence a uma das principais famílias sacerdotais de Jerusalém e está relacionado à dinastia Hasmoneu. Ele realizou delicadas missões diplomáticas e em 66 DC, a revolta contra o domínio romano começou, ele foi nomeado líder militar das forças rebeldes na Galiléia.

Diante da derrota, ele se entrega aos romanos e prediz ao general Tito Flávio Vespasiano que se tornaria imperador. Então Jerusalém foi conquistada pelos romanos, o Templo destruído e os judeus sofreram um massacre terrível.

José não foi apenas libertado pelo imperador, mas também protegido e "adotado" pela família Flávia. Em sua nova vida na corte, em Roma, foi autor de importantes obras históricas, como - na verdade - as "Antiguidades Judaicas" e "A Guerra Judaica", onde atribui a catástrofe da guerra aos zelotes.

Seus livros são fontes valiosas de informações históricas sobre o mundo judaico. Ele escreve - entre outros - sobre João Batista e o martírio do apóstolo Tiago, primo de Jesus e chefe da comunidade cristã em Jerusalém.

A famosa passagem sobre Jesus (que cito na versão de Cânfora) é esta:

“Nesse lapso de tempo aparece Jesus, um homem sábio, desde que seja definido como 'homem'. Ele foi, de fato, um criador de maravilhas, um mestre dos homens: daqueles que acolhem com prazer as verdades. E muitos judeus e muitos do elemento grego [pagão] atraíram a si mesmo. O Cristo que ele era! E depois, na denúncia de nossos notáveis [primores], Pôncio Pilatos o condenou à cruz, pelo menos aqueles que primeiro se apegaram a ele não pararam. Para eles, ele reapareceu [como] vivo três dias após [sua morte]: isso e uma miríade de outras coisas surpreendentes sobre ele, os profetas divinos haviam dito. E mesmo agora a 'tribo' de 'cristãos', que levam o nome dele, não deixou de existir. "

É um testemunho sensacional, porque confirma a historicidade da história dos Evangelhos (a pregação de Jesus, os milagres, a crucificação e a ressurreição), mas também porque é escrito por tal personalidade.

Na verdade, José nasceu em Jerusalém em 37 em uma família sacerdotal que fazia parte da elite do Templo durante os acontecimentos de Jesus. Os seus próprios foram testemunhas diretas dos acontecimentos.

Ele mesmo viveu em Jerusalém nos anos imediatamente seguintes. Portanto, ninguém como ele poderia negar o que foi relatado nos Evangelhos. Em vez disso, ele o confirma por completo.

Se, desde o dia em que a notícia da ressurreição de Jesus de Nazaré se espalhou em Jerusalém, as autoridades tivessem enganado os "galileus", indicando a todos onde o túmulo ainda continha o corpo do crucificado, Josefo teria escrito que a notícia da ressurreição provou-se falso. Mas ele não fez. Nem relata a versão oficial das autoridades da época (que o corpo havia sido roubado por seus discípulos).

Hoje Canfora, como filólogo, confirma a atribuição deste texto a Josefo. Ele acredita que existem apenas duas frases "inseridas ou retocadas tardiamente" e seriam: "mesmo que ele possa ser definido como um homem" e "Ele era o Cristo".

De acordo com Cânfora (e outros) Josefo havia escrito "ele era considerado o Cristo", caso contrário, ele teria sido um cristão. Portanto, seriam duas interpolações cristãs.

Mas essa ideia, já formulada por outros, é contestada.

Para a primeira frase, observa-se que também em outros lugares Joseph usa hipérboles semelhantes referindo-se a grandes personalidades religiosas. Para a segunda frase, foi objetado que um escriba cristão nunca teria dito que Jesus "era" o Messias, o Cristo, mas que ele "é".

Essa expressão, por outro lado, parece consistente com o pensamento de Josefo para quem Jesus era um "messias sacerdotal" dos dois ou três descritos em certas escrituras essênias, enquanto o messias guerreiro que trouxe a paz, segundo ele, era precisamente Vespasiano. .

Porém, além desses detalhes (que, mesmo "corretos", não mudam a substância), a verdadeira novidade é a autenticidade do Testimonium.

Antonio Socci

De “Libero”, 27 de abril de 2021

Fonte: https://www.antoniosocci.com/il-filologo-luciano-canfora-attesta-lautenticita-di-uno-dei-piu-antichi-e-importanti-documenti-non-cristiani-su-gesu/?




Artigo Visto: 205

 




Total Visitas Únicas: 2.149.777
Visitas Únicas Hoje: 553
Usuários Online: 210