Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






30/04/2021
No medo, um meio eterno de manipulação

No medo, um meio eterno de manipulação

30-04-2021

Salvo em: Blog por Aldo Maria Valli

por Bernard Dumont *

Em 2009, Jaques Attali [1] que assume alegremente a tarefa de conselheiro do príncipe, fez uma afirmação que hoje adquire particular importância: “A história nos ensina que a humanidade não evolui significativamente senão quando realmente tem medo”.

A frase é bombástica, mas por trás do caráter genérico da proposta esconde-se uma intenção política. Aqueles que pretendem aproveitar uma oportunidade como a do atual ataque viral global podem orientar o curso das coisas na direção que lhes convém, obtendo a subjugação das massas por meios psicológicos e não apenas pelo uso da força. Nessa visão, que podemos chamar de economia, é bastante natural que o uso do medo seja um ingrediente privilegiado da trama do consentimento, da propaganda de guerra à “comunicação social” [2]. Trata-se, portanto, de alternar sedução e ameaça, promessas de proteção e anúncio das piores calamidades de acordo com a aceitação ou rejeição dos constrangimentos impostos.

Entre as numerosas - e diversificadas - análises de manipulações que se multiplicaram após a eclosão do último coronavírus, um documentário belga [3] fornece um trecho de uma palestra de um importante virologista, ele próprio belga, Marc Van Ranst, em 2019, no Royal Institute of International Affairs, em Londres. Este outro conselheiro do príncipe explica complacentemente como ele já havia tomado medidas dez anos antes para provocar uma reação em massa a favor da vacinação contra o vírus HIB1. Em primeiro lugar, contactou jornalistas para ser considerado "o perito insubstituível" e sempre disponível; depois fez questão de que uma mensagem alarmista fosse repetida com insistência sobre o assunto: a vacina ou a morte [4], e contava com eles para divulgá-la com a dramatização adequada. O medo é, portanto, usado não tanto para quebrar a resistência, mas para obter a aceitação voluntária de todos os tipos de restrições, incluindo aquelas que são rebaixadas para serem substituídas por outras igualmente imperativas.

A exploração do medo tem sido objeto de estudos científicos, a par de outros elementos que se enquadram no campo da psicologia de massa. Serge Tchakhotine , discípulo de Pavlov, estima, em sua obra principal, Le viol des foules par la propagande politique, reeditado pela primeira vez em 1952 (Gallimard), e adaptado à situação do mundo da época, que “vive de dois elementos fundamentais de mesma origem: o medo, o Grande Medo Universal. De um lado está o medo da guerra [...] o medo da bomba atômica; de outro, o medo que está por trás dos métodos atuais de governo: o estupro psíquico das massas ”. Em seguida, Tchakhotine explica: “Hoje, o estupro psíquico das massas está prestes a se tornar uma arma de extremo poder e terrivelmente perigosa. Recentes descobertas científicas alimentam esse perigo em uma extensão até então desconhecida. É a televisão que ameaça se tornar um terrível veículo de estupro psíquico ”[5].

O que este autor diria hoje, depois de setenta anos de desenvolvimento exponencial no universo da comunicação? Porque se há uma certa continuidade entre aquele período do início da Guerra Fria e o nosso, além das mudanças parciais dos atores, certos dados mudaram fortemente. Por um lado, os meios técnicos deram um salto qualitativo evidente, que promete rejeitar a curto prazo qualquer limite à integração homem-máquina; de outro, e simultaneamente, as forças econômicas e ideológicas que tendem a unificar o mundo sob uma única “ governança“Estão mais ousados ​​do que nunca e encontram na doença universal de Covid uma oportunidade excepcional de garantir um grande salto adiante, mais plausível do que o que Mao havia sonhado. Finalmente, os estudos aplicados se multiplicaram no campo da psicologia social, uma disciplina que se define não como uma pesquisa teórica, mas como uma "pesquisa-ação", uma ciência experimental aplicada que serve de modelo de ação para todos os agentes de mudança funcional. para a expansão do capitalismo ou qualquer outro sistema de dominação sobre os indivíduos.

Basta percorrer os inúmeros trabalhos nesta área, principalmente orientados para resolver os problemas de desempenho na empresa, mas também abertos a vastos campos de investigação, incluindo seitas, lavagem cerebral na época da Guerra da Coreia, a experiência de Milgram de medir a submissão de indivíduos, etc., para verificar a grande atenção dada à utilidade social do medo. Um professor americano, Robert S. Baron, um especialista reconhecido no assunto, argumenta, por exemplo, que o medo faz parte das "emoções excitantes que tendem a diminuir o esforço que as pessoas fazem para examinar o conteúdo persuasivo." Compreensão: o medo turva o julgamento, o que permite enfraquecer ou anular o sentido crítico e, portanto, passar as ideias, ou fazer aceitar os comportamentos que se tenta impor. Na mesma linha, a ansiedade, essa forma indiferenciada de medo, é analisada para verificar seu papel na conformidade e conformidade do grupo.

Entre as críticas, numerosas embora minoritárias, dirigidas contra a atual gestão do medo por Covid, o jornalista e ensaísta italiano Aldo Maria Valli publicou recentemente um pequeno livro intitulado Virus and Leviathan , onde são examinados vários aspectos das políticas atuais. Suas palavras são contundentes: “A narrativa funcional ao despotismo terapêutico centra-se no medo da doença. Quanto mais tem medo de perder a saúde, mais a opinião pública está disposta a se transformar em um imenso quarto de hospital, onde o autocrata desempenha o papel de padre-médico oficiando o rito necessário à cura ”. "Durante as semanas de confinamento, vimos que o que importa não é tanto a extensão real do perigo, mas a extensão percebida." "Aldous Huxley , no prefácio da edição de 1946 de Brave New World d , escreveu que 'a revolução verdadeiramente revolucionária não acontecerá no mundo externo, mas na alma e na carne dos seres humanos' ”[6].

Tudo isso é profundamente verdadeiro. Com efeito, se Le v iol del foules pretende antes de tudo ser uma obra de escravização dos povos por uma minoria determinada a submetê-los ao seu próprio domínio, tudo isso é ao mesmo tempo o resultado, após a surpresa, da falta de reação dessas vítimas, senão de sua aquiescência e colaboração. “Os capitalistas nos venderão as cordas com que os penduraremos”. Esta afirmação atribuída a Lênin circula de várias formas, mas pode servir muito bem para ilustrar a situação que aqui nos preocupa. O problema do medo como instrumento de manipulação das massas reside, antes de mais nada, na própria existência das massas, o que facilita e exige a manipulação.

Uma comunidade estruturada, de qualquer importância, certamente não está a salvo de erros coletivos, de cair, por exemplo, sob o encanto de discursos enganosos. Mas o que nesses casos nada mais é do que um acidente, torna-se um perigo constante em uma massa de indivíduos que se presumem livres, mas onde a conduta é gregária e emocional, pronta para acolher boatos generalizados, desacostumados tanto a entender um situação a ponto de imaginar uma resposta coerente - o episódio dos Coletes Amarelos provou-o bem. Deve-se lembrar que os meios de comunicação são, por definição, intermediários da comunicação. Sem eles, o conhecimento da realidade continua possível, mas corre-se o risco de situações individuais, de trabalhos de investigação (por vezes incómodos), de verificação caso a caso da fiabilidade dos dados,viol des foules. O próprio modo de atuação desses intermediários não permite que seus próprios agentes tenham tempo para refletir sobre o que devem transmitir, e estimula a manipulação das montagens em forma de narrativas, que não são mais informações, mas cenários reconstruídos a partir do seleção de elementos retirados de um fluxo, tão aleatórios que são orientados segundo preconceitos ideológicos, ou pelo respeito obrigatório de uma linha pré-definida por quem detém o poder interno. Uma vez que os grandes meios de comunicação dependem diretamente de interesses financeiros e políticos, se o medo de despertar está na ordem do dia destes, não é de estranhar que constitua o pano de fundo do discurso veiculado. Além disso, a agitação permanente e a inflação sensacionalista caracterizam o estilo da mídia de massa, que neste caso funcionam como multiplicadores institucionais do medo.

Quando se trata da questão da manipulação das massas, é-se induzido a focar no poder dos meios utilizados e na ação dos manipuladores para com os manipulados. Se assim fosse, só se trataria de "modernizar" o estudo da tirania, de chamar a atenção para os responsáveis ​​pelos viol de foules , reconhecidos ou ocultos, nos canais que asseguram uma grande capacidade de dominação, sobre seu método e sua retórica. Mas isso significaria esquecer que os próprios destinatários são, na verdade, os primeiros cúmplices. Cúmplices passivos, mas ainda cúmplices.

Uma sociedade em que a autonomia pessoal - que deve ser baseada no uso da razão, na honestidade e no exercício da virtude da prudência - se reduz à ilusão da liberdade, facilmente se angustia quando todos os seus membros se levantam. conduta prática. De alguma forma, o homem-massa escolhe de dentro um mal-estar que surge da impossibilidade de cortar a submissão. Nesse sentido, pode-se entender que ele sente necessidade de medo. Pode-se comparar - remotamente - com a situação que deu origem à "pastoral do medo", como a tinha analisado Jean Delumeau , não sem a priori [7] com referência a uma pregação que insistia nos fins últimos da crítica. períodos do final da Idade Média aos do século XVIII.Guillaume Cuchet, sociólogo da religião que tem dedicado o seu trabalho a este tema, dá-nos o seguinte comentário: “Neste contexto geral muito sombrio, sem falar das condições ordinárias da vida quotidiana e em particular da mortalidade, a 'pastoral do medo' foi paradoxalmente, foi útil de vez em quando, porque compensou uma angústia generalizada, consequência de tensões acumuladas, com uma série de medos teológicos segmentados e bem definidos diante dos quais algo poderia ser feito. Contra o medo da morte não se podia fazer grandes coisas, mas contra o diabo, o pecado, o inferno, com a ajuda da Igreja não se podia ficar impotente. Deste ponto de vista, a "pastoral do medo" era apresentada como um "remédio heróico" [...] onde, de outra forma, não haveria senão vazio, espíritos errantes e morte "[8].Erich Fromm , autor da fórmula, o medo da responsabilidade) e o medo irracional que vemos hoje se encontrarem, da mesma forma que a doxa diz para libertar os espíritos das limitações da moral cristã.

Existem também alguns impasses mais específicos na cultura contemporânea. Giulio Meiattini , monge beneditino e teólogo italiano [9], encontrou um quando o confinamento havia acabado de começar, em um texto intitulado La peur qui tue et le coragem qui manque(O medo que mata e a coragem que falta) [10]. Ele ressaltou que se o despreparação política para a chegada de um vírus destrutivo era evidente, a despreparação moral era ainda mais evidente. Entre as razões imediatas, a sociedade ocidental e ocidentalizada foi atingida por uma inversão de valores entre corpo e alma, em benefício exclusivo do primeiro. A Carta da OMS afirma que "saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não consiste apenas na ausência de doença ou enfermidade". Com o passar dos anos, esse princípio se tornou um imperativo, o propósito da vida nesta terra é reduzido à posse de um corpo ideal cada vez mais procurado. Deve-se reler, a esse respeito, o trabalho muito significativo e crítico dessa promoção desproporcional do corpo porLucien Sfez, La santé parfaite . Critique d'une nouvelle utopie [11] .Narcisismo em massa? Pode ser, mas melhor ainda, a perda de aspirações coletivas superiores e o vazio de qualquer perspectiva de futuro. Que causa ainda merece a vida por isso? O que você acha do sacrifício dos mártires? Existem questões que se tornaram inacessíveis para a maioria das massas hoje e são objeto de escárnio pelos eruditos. “Isso significa que não temos mais um futuro - glória imortal com a posteridade, ou unidade da pátria, ou uma sociedade de iguais, progresso, céu e vida eterna. Nossa cultura não tem nada além do presente, o que aparece agora, o efêmero. Queremos mantê-lo desesperadamente, porque não existem alternativas ou saídas de emergência possíveis ”. Dom Meiattini ainda observa que a esperança cultivada hoje é a de uma super-humanidade situada de alguma forma entre o animal e a máquina: “Um ser humano, por um lado, regrediu a um instinto desenfreado, que satisfaz todas as suas necessidades inescrupulosas (emoção instantânea) e por outro lado, um homem transplantado tecnologicamente, munido de próteses e aplicações sofisticadas como em uma montagem mecânica ”. O teólogo conclui, quando as regras impostas prevêem o fechamento de igrejas com o consentimento dos episcopados: “Mas o mais triste e preocupante para o futuro é que a Igreja, ou melhor, os homens da Igreja se esqueceram de que Deus a graça vale mais do que a vida presente. Por este motivo as igrejas foram fechadas e não foram alinhados os critérios de saúde e higiene.

E tudo isso não por prudência, por um julgamento ponderado sobre o que é razoável fazer ou não pode fazer nas circunstâncias dadas, mas por pusilanimidade. “Sem desviar a legítima, proporcional e necessária prudência e precaução em matéria de saúde, a ideia [...] é que o problema mais grave que se coloca é de ordem mental, cultural e, acrescentaria, espiritual. A verdade é que as pessoas têm medo, muito medo. E como Mounier disse há cerca de um século, quando falava da crise no Ocidente, é um 'pequeno medo', um medo miserável ”.

O medo é um meio de manipulação. É também um revelador do nível de decadência de uma época. Mas pode ser dominado.

* diretor do Catholica

____________________

[1] . "Avancer par peur". Chronique de J. Attali em L'Express  du 6 mai 2009: https://www.lexpress.fr/actualite/societe/sante/avancer-par-peur_758721.html

[2] . Cf . Caroline Ollivier-Yaniv, «De l'opposition entre“ propagande ”et“ communication publique ”à la definition de la politique du discours: proposition d'une catégorie analytique», Quaderni , n. 72, pp. 67-99, em particular o parágrafo «A propaganda comme interdit, a comunicação comme obrigação» (pp. 5-10).

[3] . https://www.mondialisation.ca/ceci-nest-pas-un-complot/5653424

[4] . A conferência está disponível na íntegra no site da Chatham House, com o título «Comunicação e engajamento público»: https://vimeo.com/320913130 . As indicações mostradas aqui aparecem a partir do minuto 22 de escuta

[5] . Serge Tchakhotine,  Le viol des foules par la propagande politique  [1939], 2 e ed. revisado, Gallimard, 1952, respectivamente pp. 481 e 483.

[6] . AM Valli,  Virus and Leviathan , LiberiLibri, Macerata, 2020, pp. 22, 23, 24, no capítulo "Dê-me uma narrativa e eu chocarei o mundo."

[7] . Jean Delumeau,  Le péché et Ia peur. La culpabilisation en Occident XIII - XVIII  siècles (Fayard, 1983). Uma obra aceita no contexto da frouxidão pós-conciliar como uma justificativa a posteriori.

[8] . Guillaume Cuchet, «Jean Delumeau, historiador de la mort et du péché. Historiographie, religion et société dans le dernier tiers du 20 e siècle », em Vingtième siècle. Revue d'histoire , n. 107 (3/2010), p. 148. A expressão "médication héroïque" vem de Jean Delumeau.

[9] . Recordamos que na revista tivemos a oportunidade de publicar diversas vezes suas contribuições, inclusive o artigo intitulado "Não terás outros deuses diante de mim" ( Catholica n. 145, pp. 35-43), sobre a crise da fé. na Igreja atual.

[10] . Publicado em 9 de março de 2020 no blog de Sabino Paciolla: https://www.sabinopaciolla.com/la-paura-che-uccide-e-il-coraggio-che-manca/

[11] . Lucien Sfez,  La santé parfaite. Critique d'une nouvelle utopie , Seuil, 1995, reeditada em 2019. Da mesma forma, ainda que apenas descritiva: Michel Lejoyeux,  The new imaginary patient. A utopia da felicidade perfeita  , Hachette, 2004.

________________________

Fonte: catholica.presse.fr

Título original:  Le temps de la peur

Traduzido do francês por Stefano Fontana

Via:https://www.aldomariavalli.it/2021/04/30/sulla-paura-eterno-mezzo-di-manipolazione/




Artigo Visto: 171

 




Total Visitas Únicas: 2.149.876
Visitas Únicas Hoje: 652
Usuários Online: 214