Sinais do Reino




Artigos
  • Voltar






02/05/2021
"NADA SERÁ COMO ANTES"?

"NADA SERÁ COMO ANTES"?

02-05-2021

É o mantra repetido pelos papagaios, a pagamento das oligarquias financeiras. O golpe globalista e a demolição controlada da Itália: da "Psico-pandemia" à ditadura dos "Monopólios" tudo está ruindo, desculpe "mudando".

por Andrea Cometti 

"NADA SERÁ COMO ANTES"?

“Nada será igual” é o mantra repetido pelos papagaios, a pagamento das oligarquias financeiras que nos governam: é como uma demolição controlada ao estilo de 11 de setembro de 2001, o verdadeiro início do pesadelo “Grande Reset ", passando por nossa própria ponte Morandi de Gênova, até a atual surreal psicopandemia de Sars-Covid-19.

“Nada será igual”, para o nosso bem queremos dizer, como banqueiro salvador do país e nunca eleito pelos pontificados italianos, no dia da venda definitiva do nosso país à UE, com a votação do fundo de recuperação : 248 bilhões o preço de nossa soberania residual e a traição geral de uma casta política de servos tolos. No "dia fatal dos destinos em itálico" as notícias concomitantes, depois de 50 anos do fim da doutrina Mitterand e da prisão das idosas Brigadas Vermelhas "francesas", epílogo final da tragicômica comédia de 68: são os habituais estranhas coincidências, que nos convidam a pensar mal mas, como alguém ensinou: muitas vezes acerta!

"Nada será como antes"? Sim, claro, mas desde aqueles dias de 1992 no iate Britannia para brindar à venda da Itália, com o cômico Lúcifer do Dia de Vaffa, o banqueiro onipresente e a marcha fúnebre de fundo fornecida pela premiada banda Rai-Mediaset: coincidências, sempre coincidências e 30 anos depois, ainda os mesmos papagaios no palco.

Em suma, um quadro da Itália desolada, em que desde os casos de Bibbiano e Palamara até as mortes em Bérgamo, tudo é "como sempre" silenciado e manipulado com arte, em uma narrativa em que todas as certezas "democráticas e constitucionais" se desmoronam diante de aos nossos olhos e o que é ainda mais sério, com o consentimento de quem deve vigiar: o senhor cinzento do Colle.

Sejamos realistas, o ar é de golpe de Estado disfarçado, imposto com terror pandêmico: toque de recolher militar às 22h, eleições adiadas indefinidamente e um general pitoresco sem exército à frente de um Comitê Técnico-Científico, que de fato é o novo órgão supremo de decisão da antiga república parlamentar italiana.

O objetivo, agora alcançado pelas elites globalistas, é endividar os italianos para vendê-los como gado para a UE e suas multinacionais de referência; com a economia real da pequena e média empresa “privada” ofegando seus últimos lamentos de morte em quadrados espaçados surrealmente.

"Nada será igual" na era pós-cobiçada, com nosso cúmplice "silêncio ensurdecedor", entre algoritmos e censura, entre multinacionais farmacêuticas e de comunicação: esses "monopólios" de nossos novos estouram em nossos novos "substitutos" mestres ; verdadeiros tiranos sem escrúpulos e sem escrúpulos que por ocasião desta "psico-pandemia" mostraram toda a sua determinação criminosa destrutiva, a Itália livre e democrática é apenas uma memória.

0 400 keaton search

Fonte:http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/contro-informazione/le-grandi-menzogne-editoriali/10106-nulla-sara-come-prima




Artigo Visto: 347

 




Total Visitas Únicas: 2.149.807
Visitas Únicas Hoje: 583
Usuários Online: 197