Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






07/05/2021
PAPA LEÃO XIII E A MAÇONARIA

PAPA LEÃO XIII E A MAÇONARIA

07-05-2021

Leão XIII vs Maçonaria: gênero Humanum, 1884. A arte de fingir e disfarçar: a estratégia favorita dos maçons? Na origem da contra-igreja modernista e maçônica de hoje, uma verdadeira "nova religião" anticristã e satanista.

por Francesco Lamendola 

Leão XIII vs Maçonaria: gênero Humanum, 1884.

Como todos já sabem, o cardeal pró-maçom Gianfranco Ravasi publicou em 14 de fevereiro de 2016, no pró-maçônico Il Sole - 24 Ore (porque é o jornal financeiro, e finanças significa Maçonaria) a perturbadora carta aberta intitulada Caros irmãos maçons ; assim como já é do conhecimento de todos que a Maçonaria, em suas várias lojas e em seus diversos ritos, se expressou dezenas de vezes com documentos, artigos e discursos públicos do mais alto apreço ao pontificado atual, criado pela Máfia Maçônica de San Gallo em 2013, forçando Bento XVI a renunciar (com chantagem financeira: o bloqueio de todas as operações financeiras do Banco do Vaticano) e elegendoo maçom Bergoglio , que já havia sido seu candidato no conclave de 2005 e quase fora eleito desde então.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/BALDISSERA/0-GALLERY-ravasi-massone.jpg

O cardeal pró-maçom Gianfranco Ravasi

Agora, para entender o significado devastador do artigo publicado por Ravasi em Il Sole-24 Ore , devemos ter em mente que o magistério oficial e solene da Igreja sempre condenou a Maçonaria : sempre, desde o início, porque a primeira loja oficial , o de Londres, nasceu em 1717, e o primeiro documento papal de condenação formal contra ele data de 1738. Aquele primeiro documento de denúncia e condenação solene da Maçonaria pela Igreja que é a bula In eminenti apostolatus specula di Clemente XII de 24 de abril, vários outros seguiram, sem interrupção: a bula Ecclesiam a Jesu Christo de Pio VII de 13 de setembro de 1821; a bula Quo gravificade Leão XII de 23 de março de 1825; a encíclica Traditi humilitati nostrae de Pio VIII de 24 de maio de 1829; a encíclica Qui pluribus de Pio IX de 9 de novembro de 1846 e a alocação Multiplices inter , também de Pio IX, de 25 de setembro de 1865. Só para citar as mais importantes dos séculos XVIII e XIX. À qual se juntou, em 20 de abril de 1884, a encíclica Humanum Genus do Papa Leão XIII : a mesma que em 15 de maio teria assinado uma das mais famosas encíclicas sociais, bem como a primeira dos tempos modernos, Rerum novarum .

A própria discussão articulada e estruturada de toda a encíclica merece não um, mas uma série de artigos, na verdade um extenso estudo monográfico; aqui basta centrarmos a nossa atenção nos parágrafos iniciais, recomendando ao leitor a leitura deste importante, mas esquecido documento, disponível online na sua versão completa.

( http://www.vatican.va/content/leo-xiii/it/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_18840420_humanum-genus.html ):

clique aqui

A raça humana, depois de "por inveja de Lúcifer" infelizmente se rebelar contra Deus criador e doador de dons sobrenaturais, dividiu-se como se em dois campos diferentes e hostis; um dos quais luta incansavelmente pelo triunfo da verdade e do bem, o outro pelo triunfo do mal e do erro. O primeiro é o reino de Deus na terra, ou seja, a verdadeira Igreja de Jesus Cristo; e quem quiser pertencer a ela com sincera afeição e como convém à sua saúde, deve servir com toda a sua mente e com todo o seu coração a Deus e ao Filho Unigênito Dele. O segundo é o reino de Satanás, e seus súditos são aqueles que, seguindo os exemplos fatais de seu líder e ancestrais comuns, se recusam a obedecer à lei divina e eterna, e empreendem muitas coisas sem se importar com Deus, muitas contra Deus. Estes dois reinos, semelhantes a duas cidades que com leis opostas vão para fins opostos, com grande perspicácia de mente, viram e descreveram Agostinho, e voltaram ao princípio gerador de ambos com estas palavras curtas e profundas: "Duas cidades nasceram de dois amores; a terrestre de si mesmo amor ao desprezo de Deus, o celestial do amor de Deus ao desprezo por si mesmo (De Civit. Dei, lib. XIV, c. 17). Ao longo da longa série de séculos, essas duas cidades lutaram entre si com várias armas e combates , embora nem sempre com o mesmo ardor e ímpeto.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-VATICANO/000000-SANTAGOSTINO_DIPPONA.jpg

Santo Agostinho

Muito apropriadamente Leão XIII, citando Cidade de Deus de Santo Agostinho , lembra aos fiéis que há uma guerra contínua entre o bem e o mal, pois a soberba do diabo deu origem ao inferno e desde o pecado de Adão arrastou toda a humanidade em suas consequências fatais. Quão clara, precisa, severa mas necessária é essa linguagem! Quão longe está das frases ambíguas e complicadas, dos conceitos bem-humorados e misericordiosos dos documentos do Vaticano II, hoje tão proclamados e até colocados na base, segundo Bergoglio, da "verdadeira" Igreja Católica, desde que aqueles que não os aceitam totalmente devem abandonar! Sem dúvida João XXIIInotoriamente elevado à glória dos altares, ele tinha pensamentos como os expressos aqui por seu predecessor quando falou, no discurso de abertura do Concílio, dos profetas da desgraça que cansaram a todos com seus acentos graves e suas sentenças divisivas. Na verdade, não apenas Leão XIII se lembra (e seria uma afirmação óbvia, mas nada é dado como certo quando se trata da preguiça intelectual e moral dos católicos sentados sobre os louros de sua fé) que Satanás existe e seu reino existe, mas ele chega a dizer claramente e ao redor que a própria humanidade está dividida em dois campos: o reino de Deus e o reino do diabo.Oibò, que terrível profecia de destruição! E o que dirão os seguidores de falsas religiões; o que dirão queridos irmãos separados, e especialmente queridos irmãos mais velhos ; O que dirão os queridos irmãos incrédulos do cardeal (maçom) Carlo Maria Martini e dos queridos irmãos ateus do (velhote) poeta David Maria Turoldo? Pelo amor de Deus: tenha coragem de falar do reino do diabo e insinuar que muitos homens fazem parte dele e, portanto, estão condenados à condenação eterna! Em suma, pode-se até tolerar essa linguagem em 1884: basta colocar um véu de esquecimento sobre ela e nunca, absolutamente, por qualquer motivo do mundo, mencionar o gênero Humanum., assim como os papas do conselho e pós-concílio fazem. Mas usar uma linguagem semelhante e conceitos semelhantes hoje? Aqui: precisamente disso, de mudanças como esta, temos a prova clara do que realmente foi o Concílio Vaticano II : a liquidação do catolicismo e o nascimento, em seu lugar, de uma nova religião. Uma religião não só modernista, imanentista e subjetivista, toda sentimentalismo e sem razoabilidade, mas também e sobretudo pró-maçônica e cripto-maçônica. Que, em nossos dias, declara abertamente sua simpatia pelos maçons, com um papa que se declara grande amigo do grande maçom Eugenio Scalfarie, se ele tem que dar uma entrevista particularmente “comprometida” (isto é, herética e blasfema), ele o chama, certamente não de jornalista católico, por exemplo, Vittorio Messori; e confia a ele a tarefa "suja" de também dizer o que ele gostaria, mas é claro que ele não pode dizer, ou pelo menos não por enquanto, ou seja, que Jesus Cristo era apenas um homem e que o Inferno não existe porque no No final, todos iremos para o céu, exceto o pior, cuja alma simplesmente desaparecerá no ar.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-VATICANO/000-RONCALLI_MASSONE.jpg

João XXII

Mas em nossos tempos, os partidários da cidade perversa, inspirados e auxiliados por aquela sociedade, que amplamente difundida e fortemente planejada leva o nome de Sociedade Maçônica, parecem todos conspirar juntos e tentar os últimos testes. De maneira que, sem mais esconder seus desígnios, eles se levantam com extrema audácia contra a soberania de Deus; eles trabalham publicamente e abertamente para a ruína da Santa Igreja, com a intenção de privar completamente os povos cristãos dos benefícios trazidos ao mundo por Jesus Cristo nosso Salvador, se isso fosse possível. (...)

Quem era esta capital inimiga e o que almejava, que emergia do covil de sombrias conspirações, foi logo compreendido pelos Romanos Pontífices Nossos Antecessores, vigilantes da saúde do povo cristão; e antecipando o futuro com seus pensamentos, tendo quase dado o sinal, alertaram os príncipes e os povos para que não se deixassem enganar por artimanhas e tramas insidiosas. (...)

Desde fatos apurados juridicamente, desde processos formais, desde estatutos, ritos, revistas maçônicas publicadas para impressão, além dos não raros depoimentos dos próprios cúmplices, tendo vindo a conhecer claramente o propósito e a natureza da seita maçônica, esta Sé Apostólica levantou a voz, e denunciou ao mundo, a seita dos maçons, que se levantou contra todos os direitos humanos e divinos, para ser não menos fatal para o Cristianismo do que para o Estado, e proibiu seu nome sob as maiores penalidades, de modo que a Igreja geralmente pune o culpado. Com o que os sectários ficaram irritados e acreditando que poderiam, em parte com desprezo, em parte com mentiras caluniosas, escapar ou diminuir a força de tais sentenças, acusaram os Papas que os haviam pronunciado de injustiça ou exagero. (...)

http://www.accademianuovaitalia.it/images/0-02QUADRITRIS/00-MASSONERIA_SATANIKA.jpg

O deus supremo, secretamente adorado pela "Maçonaria" é Lúcifer, mas apenas nos graus mais elevados estou ciente disso!

E aqui está o ponto mais quente da encíclica : a cidade terrena do diabo tem seu fulcro e seu motor na Maçonaria: por isso nasceu e para isso trabalhou incansavelmente, nas sombras, por muito tempo : destruir a ordem social e derrubar a presença do Cristianismo no mundo, anulando os efeitos da Redenção para toda a humanidade. Leão XIII, portanto, chama a Maçonaria de inimigo capital : mais claro que isso. Além dos queridos irmãos maçons de Gianfranco Ravasi. Eles são inimigos, eles não são irmãos (eles serão "irmãos" entre si, se alguma coisa). E aqui está a perfídia do "espírito do Conselho" e a chantagem moral dos bons: somos todos irmãos ( Fratelli todosde Bergoglio), portanto ninguém mais é inimigo, na verdade talvez ninguém nunca tenha sido. Além da Cidade do Diabo, além de Santo Agostinho: coisa velha, aquela, velha e mofada. Agora existem os gigantes do catolicismo adulto, existem os Rahners, os Kasper, os Brancos e os Bergoglio; agora pode finalmente ser dito que somos todos uma grande e maravilhosa família; que todas as religiões são boas (desde que renunciem a ser elas mesmas, especialmente o catolicismo); que não há mais uma Antiga e uma Nova Aliança, visto que a Aliança é algo automático que Deus estabelece com os homens, e não apenas para o bem, isto é, para aqueles que o desejam, mas para todos, mesmo para aqueles a quem se opõem isto. E esta, de fato, é a irmandade maçônica, baseado no falso princípio da tolerância: duplamente falso, na verdade, porque a verdade não é negociável e porque os maçons, como seus irmãos siameses do Iluminismo, nunca foram tolerantes, embora tenham inventado essa palavra e sempre encham a boca dela.

E não apenas Leão XIII chama a Maçonaria de inimigo capital , que se levantou contra todas as leis humanas e divinas ; também desmascara a estratégia favorita dos maçons, que é ocultar suas verdadeiras intenções e minimizar, aos olhos dos estranhos, e em primeiro lugar aos olhos dos católicos, o perigo que representam, negando antes que sejam perigosos e derrubando a acusação, dizendo que é deles, os católicos, e em primeiro lugar o clero obscurantista e fanático, para ver terríveis conspirações e conspirações atrozes, onde não há nada disso. É a mesma estratégia que eles também usam hoje: tornada cada vez mais eficaz pelo fato de que suas afirmações, no clima de fracasso geral em um nível cultural e moral, e da infiltração muito avançada da própria Maçonaria dentro da Igreja, aparecem muito razoável; embora irracional, ou em qualquer caso decididamente exagerado, talvez um pouco delirante, aparecem os documentos oficiais com os quais os papas do passado, isto é, antes deO Concílio Vaticano II denunciou as conspirações maçônicas, o grande perigo representado pela Maçonaria e a possibilidade de que ela consiga derrubar não só a ordem cristã, mas também a ordem natural, derrubando a moral e promovendo o mal ao bem e degradando o bem ao mal. Operação agora em andamento e verdadeiramente diabólica. Apenas um exemplo: um parlamentar finlandês pode pegar seis anos de prisão por dizer que a família é composta por um homem e uma mulher. E o que dizer do extermínio sistemático de milhões e milhões de crianças em gestação, feito de acordo com a lei, graças ao estabelecimento de leis de aborto? Não é esta a inversão diabólica da moralidade natural e da própria razão natural , bem como da ordem divina instaurada no mundo por Jesus Cristo?

http://www.accademianuovaitalia.it/images/BLUE-SFUMATI/00-martini-papa-gesuiti.jpg

Bergoglio e Martini: os Jesuítas são a ordem religiosa que mais do que qualquer outra lembra a estrutura secreta da Maçonaria!

Mas a sabedoria dos Nossos Predecessores teve, além do mais, plena justificação pelos acontecimentos. Desde que ele cuidou deles paternalmente, ou foi a astúcia e hipocrisia dos sectários, ou a leviandade indesejável daqueles que também tinham todo o interesse em manter os olhos abertos, não tendo alcançado sempre nem completamente o resultado desejado., Dentro de um a sociedade maçônica de um século e meio se espalhou com incrível velocidade; e se transformando por meio da audácia e do engano em todas as ordens civis, passou a ser poderosa de tal maneira que parecia quase dona dos Estados. De tão rápida e tremenda propagação seguiram-se em detrimento da Igreja, da autoridade civil, da saúde pública, aqueles efeitos ruinosos que nossos predecessores haviam previsto há muito tempo.

(...) Existem várias seitas que, embora diferentes em nome, rito, forma, origem, sendo por igualdade de propósito e por afinidade dos princípios supremos estritamente ligados entre si, concordam substancialmente com a seita maçônica, quase comum centro, de onde todos se movem e para o qual todos eles retornam. Que, embora agora façam a aparência de não querer se esconder, e mantenham seus encontros à luz do sol e sob os olhos dos cidadãos, e imprimam suas próprias efemérides, no entanto, quem olha mais para dentro, retém o verdadeiro caráter de sociedades secretas. Na verdade, a lei do sigilo domina você e há muitas coisas, que por lei inviolável devem ser mantidas ciosamente escondidas, não só de estranhos, mas da maioria de seus seguidores: como, por exemplo, suas últimas e verdadeiras intenções; os líderes supremos e mais influentes; certos conventículos mais íntimos e secretos; as resoluções tomadas e a maneira e os meios para executá-las. Este é o objetivo da lacuna de direitos, cargos e cargos entre os membros; aquela distinção hierárquica de classes e graus, e a disciplina rigorosa que os governa. O candidato deve prometer, aliás, como regra, jurar expressamente nunca revelar os afiliados, as marcas, as doutrinas da seita de forma alguma. Assim, disfarçados e com a arte da simulação contínua, os maçons estudaram com todas as forças para permanecer ocultos e não ter testemunhas senão as suas. Com destreza, procuram subterfúgios, assumindo semblantes acadêmicos e científicos: sempre trazem na boca o zelo da civilização, o amor dos pobres plebeus: seu único objetivo é melhorar as condições do povo. e os ativos do consórcio civil para unir o máximo possível a muitos. Quais intenções, quando verdadeiras, são apenas uma parte de seus projetos. Além disso, os membros devem prometer aos seus líderes e professores obediência cega e absoluta: que ao menor indício, a um simples lema, eles cumprirão suas ordens; prontos, onde faltam, a qualquer castigo mais grave e até à morte. E de fato não é raro que vinganças atrozes caiam sobre quem é considerado culpado de ter traído o segredo, ou desobedecido ao comando, e isso com tal audácia e destreza, que muitas vezes o assassino escapa das buscas e golpes da justiça. (...) Além disso, os membros devem prometer aos seus líderes e professores obediência cega e absoluta: que ao menor indício, a um simples lema, eles cumprirão suas ordens; prontos, onde faltam, a qualquer castigo mais grave e até à morte. E de fato não é raro que vinganças atrozes caiam sobre quem é considerado culpado de ter traído o segredo, ou desobedecido ao comando, e isso com tal audácia e destreza, que muitas vezes o assassino escapa das buscas e golpes da justiça. (...) Além disso, os membros devem prometer aos seus líderes e professores obediência cega e absoluta: que ao menor indício, a um simples lema, eles cumprirão suas ordens; prontos, onde faltam, a qualquer castigo mais grave e até à morte. E de fato não é raro que vinganças atrozes caiam sobre quem é considerado culpado de ter traído o segredo, ou desobedecido ao comando, e isso com tal audácia e destreza, que muitas vezes o assassino escapa das buscas e golpes da justiça. (...) que o assassino muitas vezes escapa das buscas e golpes da justiça. (...) que o assassino muitas vezes escapa das buscas e golpes da justiça. (...)

Aqui, Leão XIII denuncia outra estratégia maçônica característica , usada não tanto externamente, mas internamente: a banalização do mal, a confusão de planos, o engano sistemático para com seus afiliados de baixo nível. Basta dizer que, para ingressar em muitas lojas, em nossos dias, é necessário fazer um juramento sobre a Bíblia , o que faz os incautos acreditarem que não há intenção perversa ou qualquer implicação anticristã na seita. Apenas os maçons dos mais altos graus conhecem todos os desígnios da associação, e poucos sabem que o deus supremo, adorado em segredo, é Lúcifer, o Portador da Luz: isto é, a Maçonaria é um satanismo mascarado aos olhos de quem não faz parte dele. Hoje, no entanto, as máscaras estão caindo e muitos maçons / satanistas não têm vergonha de declarar abertamente sua pertença e seus objetivos abjetos. Não vimos e ouvimos o cantor e compositor Bob Dylan declarar, ainda que com certo constrangimento, que fez um pacto com o diabo, vendendo-lhe sua alma em troca do sucesso? E eles não ouviram declarações semelhantes de muitos outros personagens do mundo do entretenimento? Não vemos constantemente atores, cantores e outras personalidades do sistema estelar atuando em concertos satânicos, exiba uma aparência satânica e posa em poses tipicamente maçônicas, por exemplo, cobrindo um olho (alusão ao Olho da Pirâmide, que vê tudo), ou colocando as mãos para formar um triângulo (símbolo da Pirâmide Maçônica), ou , novamente, cobrindo seu corpo com tatuagens diabólicas e se gabando, como o rapper Fedez, de usar sapatos feitos com a inserção de gotas de sangue humano na sola; e até ter comido carne humana, como no caso da excelente Chelsea Clinton, digna filha daquela mãe?

Especialmente porque existem outras provas muito brilhantes de sua real natureza. Por maior que seja a arte de fingir e o uso de mentir nos homens, é impossível que a causa não se manifeste em seus efeitos de alguma forma. «A árvore boa não pode dar frutos maus, nem a árvore má pode dar frutos bons» (Mt 8,18). Os frutos da seita maçônica são mortais e muito amargos. Portanto, a partir da evidência incontestável que mencionamos, parece que a intenção suprema dos maçons é esta: destruir de alto a baixo toda a ordem religiosa e social, como foi criada pelo Cristianismo, e tomando os fundamentos e o nome de Naturalismo para fazer radicalmente de novo em sua própria mente.

http://www.accademianuovaitalia.it/images/ULTIME/000-CON_SCALFARI_NASO.jpg

A arte de fingir e dissimular é a estratégia preferida dos maçons: aqui Bergoglio com seu amigo Eugenio Scalfari

Precisamente: a arte de fingir, de dissimular , de fingir ser o que não é, para se insinuar em toda a parte, mesmo onde menos se crê possível: por exemplo, nos escalões superiores da hierarquia católica. E certamente não é por acaso que a contra-igreja modernista de hoje , criada pela Maçonaria eclesiástica, foi construída, a partir do Concílio, mas especialmente nos últimos anos, essencialmente pelos Jesuítas.: isto é, pelos membros da ordem religiosa que mais do que qualquer outro se lembra da estrutura secreta da Maçonaria; que sempre se acostumou a se associar de forma ambígua aos poderosos da terra, disfarçando suas próprias intenções; e para a qual, para dizer a verdade, sempre existiu, quase desde o início, uma atmosfera algo estranha, um pouco suspeita, alimentada pelo duplo padrão muito particular ensinado pelos teólogos jesuítas. Tanto a ponto de levantar sérias dúvidas sobre sua ortodoxia e finalmente empurrar um papa, embora sob as pressões políticas dos estados europeus, mas talvez não apenas para eles, para suprimir a Companhia de Jesus: Clemente XIV, em 1773. E outro papa, mesmo um papa pós-conciliar e pró-conciliar, portanto não desconfiado de simpatias tradicionalistas e obscurantistas, talvez não tenha o comissariado dos jesuítas,João Paulo II , em 1981 (enquanto outro papa, Bento XVI, teria tentado fazer o mesmo, sem sucesso, em 2007)? Falsidade, mentira, dissimulação: como todos aqueles padres modernistas que fizeram o juramento antimodernista pedido por São Pio X e que o fizeram sem problemas, cometendo perjúrio e sacrilégio, mas nada preocupados em ofender as leis humanas e divinas? E então, se um padre, e talvez um futuro bispo, cardeal e até papa (Roncalli e Montini, que foram modernistas desde tenra idade) não hesitasse em perjurar, o que deveríamos nos surpreender hoje em face da impudência de um Sosa Abascal, um James Martin ou um Jorge Mario Bergoglio?

Fonte:http://www.accademianuovaitalia.it/index.php/storia-e-identita/storia-moderna/10116-leone-xiii-vs-massoneria




Artigo Visto: 218

 




Total Visitas Únicas: 2.191.005
Visitas Únicas Hoje: 380
Usuários Online: 137