Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






14/01/2022
A Campanha do Medo idealizada pelas Elites: O TEMPO DA ECOLOGIA

A humanidade está sendo comandada por campanhas de medo, por meio da mídia.

A Campanha do Medo idealizada pelas Elites: O TEMPO DA ECOLOGIA

14-01-2022

Nas últimas décadas temos assistido à pregação catastrófica de que os seres humanos estão destruindo o meio ambiente e que uma terra desolada e improdutiva ficará para as gerações futuras.

Essa semeadura do medo está incentivando as elites a fazer grandes negócios com a reconversão verde.

É por isso que a mídia basicamente publica informações que reforçam essa narrativa e não lhe dão espaço ou censuram informações de cientistas que relativizam esse cabo catastrófico.

E tantos cristãos foram levados pela pregação do medo, esquecendo que a natureza foi criada por Deus e responde aos seus mandatos.

E que o mandamento central de Jesus Cristo era ir ao mundo e pregar o evangelho, e não se preocupar acima de tudo em salvar a terra da predação.

Aqui falaremos sobre como Deus está acima da natureza, como ele nos ajuda e nos protege, e como a única maneira eficaz de se livrar do perigo é respeitar os mandamentos de Deus.

O mundo e tudo nele é algo criado por Deus.

Portanto, o sentido cristão de cuidar do mundo, ou seja, a ecologia, deve girar em torno da criação de Deus.

Este mundo não deve se tornar um fim.

Porque esta criação não durará para sempre. Não temos um lar permanente neste mundo atual. Nossa casa é o céu.

Então, tentar tornar este mundo permanente como se fosse algo que temos que preservar para sempre é realmente adorá-lo.

E adoramos somente o Senhor, o criador.

No princípio a única coisa que existia era Deus.

No livro de Gênesis nos é apresentada a criação do mundo visível, porque os anjos já haviam sido criados antes.

Lá vemos que no final da obra da criação a cada dia, Deus disse que era bom, porque Deus não faz nada de errado.

Ele primeiro cria o habitat do homem na Terra e depois o ser humano.

E ele lhe diz que fez o mundo vegetal, animal e mineral para seu sustento.

E apesar do homem não obedecer a Deus e ser expulso do paraíso, Deus ainda permite que ele cultive a terra, domine os animais e também se alimente deles.

Então a natureza está aí para ajudar o homem em sua vida diária.

Há quem diga que a natureza é cega, mas não é assim, depende de Deus.

É por isso que Deus usa a natureza para trazer bênçãos aos homens.

Por exemplo, ele usou água para curar pessoas que têm fé nele.

Nossa Senhora fez brotar milagrosas fontes de água em muitas aparições: Lourdes, Fátima, La Salette, Tepeyac, etc.

Fizemos um vídeo sobre essas fontes: (Vídeo -6)

Ele também usou as estrelas para nos dar mensagens, por exemplo, com a estrela de Belém que guiou os magos até o menino Jesus.

E também realizou o Milagre do Sol em Fátima.

Lá o povo viu que o sol mudava de cor e fazia evoluções se aproximando da Terra, e o povo pediu misericórdia pensando que cairia sobre eles.

Ele também nos deu poder sobre os animais.

Vendo que os homens não respondiam a Deus, Santo Antônio de Pádua pregou à natureza.

Os peixes saíram para ouvir a pregação do santo.

E os pássaros entenderam que ele fazia sua vontade, porque não comiam a colheita para que Santo Antônio pudesse ficar tranquilo na missa.

Foi observado o estranho silêncio dos animais durante o tempo das aparições, o que foi registrado em vários deles.

Temos vídeos sobre esses temas: (Vídeo - 7)

Deus também deu a seus fiéis seguidores poder sobre o mundo vegetal e mineral.

Um arquiteto ia construir um muro, mas diz a Madre Encarnación Rosal que para isso tem que cortar alguns pessegueiros.

A mãe diz para não fazer porque aquelas frutas são para as meninas sob seus cuidados.

No dia seguinte, o arquiteto vai de novo e vê o milagre que as árvores se moveram um metro e meio, e agora não há necessidade de cortá-las.

Outro caso é o de San Martín de Porres.

Houve uma terrível enchente que ameaçou a população, e o santo jogou três pedras na água e ela voltou ao seu lugar.

Algo semelhante aconteceu em Cádiz com o maremoto produzido após o grande terremoto de Lisboa.

Frei Bernardo, frade capuchinho, não hesitou ao ver as águas ameaçadoras.

E levou o crucifixo e o estandarte da Virgem de La Palma.

Pregou-o na estrada e exclamou: "Até aqui, meu Deus".

E as águas não continuaram avançando.

E um caso inverso aconteceu com a Virgem de Zapopan.

Em Jalisco existe um lago chamado Chapala, que serve aos moradores para viver do peixe e do turismo que ele gera.

Portanto, é do seu interesse que o lago seja preservado.

Mas no século 20 o lago começou a recuar, porque não estava chovendo.

Então o povo se voltou para a intercessão da Virgem de Zapopan.

A imagem de Nossa Senhora foi transportada e Ela ouviu os apelos dos fiéis que pediam para não ficarem sem sustento.

E nesse dia aconteceu o milagre, a ponto de a água do lago subir tanto que se diz que chegou aos degraus da igreja onde a santa imagem foi guardada durante a sua visita.

E em gratidão ela recebeu o título de Rainha do Lago Chapala.

Existem milhares de exemplos que mostram como os elementos da natureza respondem aos santos e às orações e petições dos fiéis.

E isso porque Deus é o mestre de tudo, aquele que permite que as coisas aconteçam ou não.

Deus responde às necessidades e orações dos seres humanos.

E também se expressa através dos elementos naturais para nos dar bênçãos, bem como para nos dar avisos.

No entanto, estamos testemunhando o crescimento de uma religiosidade cosmocêntrica, através do ambientalismo.

Em que os elementos da natureza são colocados no centro, mas como uma força cega que não contempla Deus.

E o ser humano é colocado em segundo plano, e até se tornou um incômodo.

Porque de acordo com essa nova religiosidade, a humanidade cresce desproporcionalmente em quantidade e também ataca a terra.

E há uma agenda maligna do ambientalismo ateu promovido pela ONU, que busca o despovoamento do mundo.

E isso exalta os animais, colocando-os no mesmo nível dos seres humanos.

E quem fica chocado com a morte de um elefante, mas não com as interrupções forçadas da gravidez das mulheres.

Os ideólogos iniciais dessa agenda ecológica foram muito claros.

Mikhail Gorbachev disse que “a crise ecológica, em última análise, é a crise populacional. Vamos reduzir a população em 90% e não haverá pessoas suficientes para causar grandes danos ecológicos."

E Henry Kissinger anunciou já em 1978 que "a política dos Estados Unidos em relação ao Terceiro Mundo deveria ser de despovoamento".

Até Jeffrey Sachs, conselheiro do Vaticano, defendeu a redução da fertilidade da população mundial.

E a apostasia em que boa parte dos católicos entrou está produzindo perplexidades.

Recentemente, Michael Jackels, arcebispo de Dubuque, nos EUA, escreveu uma mensagem em sua diocese, sugerindo que o planeta deve ser salvo com o fim do clássico enterro de mortos.

Ele diz que em enterros clássicos os recursos naturais são desperdiçados para produzir caixões, o chão é preenchido com concreto com as sepulturas, e se o cadáver é cremado muita energia é gasta e mesmo que o corpo seja enterrado diretamente na terra, muito espaço é consumido.

E assim ele defende duas alternativas ao enterro clássico, para "salvar" o planeta: hidrólise alcalina e compostagem.

Chegou mesmo a dizer que Jesus e Nossa Senhora optaram pela Ascensão e pela Assunção para respeitar a "boa terra verde".

Ele não sabe que o sepultamento é um "sinal" com o qual se confessam as realidades da fé transmitidas pela Bíblia.

Em suma, independentemente da gravidade atribuída à mudança climática e se é um evento cíclico ou não, a ecologia não deve ser colocada acima de Deus.

Deus se comunica conosco através da natureza que Ele criou para nós, abençoando-nos, advertindo-nos e ouvindo nossos pedidos quando coisas perigosas acontecem.

De modo que a ecologia cristã passa a estar bem atrelada aos mandamentos de Deus e não aos dos homens, principalmente as elites que buscam retornos econômicos.

Bem, até aqui o que queríamos falar é o cuidado que os cristãos devem ter com a pregação sobre meio ambiente e ecologia.

E eu gostaria de perguntar se você está percebendo que existem alguns cristãos que estão mais preocupados com o meio ambiente do que sendo fiéis a Deus ou não.

ASSISTA OS VÍDEOS ABAIXO

Fonte: https://forosdelavirgen.org/capana-miedo-elites-ecologia/











Artigo Visto: 293

 




Total Visitas Únicas: 5.454.041
Visitas Únicas Hoje: 139
Usuários Online: 108