Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






05/08/2022
Qual é a armadilha em que caiu a Igreja Católica no Canadá? [atendidos por políticos e aborígenes]

O resultado da viagem de Francisco ao Canadá e a operação para culpar a Igreja Católica.

Qual é a armadilha em que caiu a Igreja Católica no Canadá? [atendidos por políticos e aborígenes]

05-08-2022

Durante a última semana de julho de 2022, Francisco viajou ao Canadá para reconciliar a Igreja Católica com os indígenas canadenses, que reclamavam pelas suas ações na assimilação forçada de suas tribos à cultura ocidental.

A imprensa mundial viu com bons olhos que os povos indígenas e os políticos canadenses responsabilizaram a Igreja.

No entanto, estamos diante de um novo circo armado para denegrir a única força, que potencialmente tem a capacidade de ser a consciência de um mundo, que corre rapidamente para o desastre.

Aqui falaremos sobre do que a Igreja Católica foi acusada, quais evidências existem para sustentar a acusação e qual a responsabilidade da Igreja, dos políticos e das próprias tribos pelo ocorrido.

Em 27 de maio de 2021, surgiram as notícias de que sepulturas não identificadas contendo os restos mortais de 215 crianças indígenas foram descobertas em uma antiga escola residencial na Colúmbia Britânica, Canadá.

A Kamloops Indian Residential School funcionou do final do século 19 até o final da década de 1970.

Estava entre as escolas patrocinadas pelo governo canadense para assimilar à força crianças indígenas, e a administração da escola havia sido delegada à Igreja Católica.

Desde 1881, mais de 150.000 crianças indígenas foram separadas de suas famílias e levadas para internatos.

No entanto, mais de um ano depois, nenhum corpo foi descoberto no local de Kamloops e não está claro se os túmulos, que dizem ter sido descobertos, realmente existem.

O radar de penetração no solo descobriu anormalidades no solo, que poderiam facilmente ser causadas por movimentos de raízes.

E por que a terra não foi removida para descobrir o que está lá e acabar com o assunto?

Se o fizessem, talvez a discussão pudesse acabar e não é conveniente para alguns, principalmente alguns indígenas e políticos.

Formalmente, a terra não se move porque os líderes das comunidades indígenas estão divididos, alguns querem remover a terra para descobrir a verdade e outros argumentam que os mortos devem descansar.

No entanto, apesar da verdade não ser conhecida, a mídia e os políticos imediatamente lançaram a história de que valas comuns foram encontradas e outras histórias incriminatórias contra a Igreja Católica, com o primeiro-ministro Justin Trudeau jogando lenha na fogueira.

Tanto que várias igrejas católicas foram incendiadas e outras dezenas foram vandalizadas por esta campanha.

Entre as peças desta operação, dizia-se que várias outras valas comuns foram encontradas em outras partes do Canadá, mas em todos os casos foram encontrados cemitérios antigos e mal conservados, nos quais as marcas das sepulturas haviam desaparecido.

Deve-se lembrar que Justin Trudeau e a mídia canadense têm uma estreita relação com a Nova Ordem Mundial, cujo objetivo é liquidar a doutrina católica tradicional, aquela que vem dos apóstolos, tornando-a uma religião relacionada aos seus postulados.

Justin Trudeu foi elogiado pelo presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schawb, como um dos líderes mais promissores do futuro.

E, por outro lado, devemos lembrar também que Quebec, a parte francófona do Canadá, era um dos lugares mais católicos do mundo, onde havia mais vocações missionárias.

No entanto, tornou-se um dos lugares mais seculares em poucas décadas. Um vento anti-cristão está soprando no Canadá.

O que aconteceu no Canadá com esses internatos é uma página negra para a Igreja Católica, porque ela concordou em administrar instituições estatais, criadas pelo governo canadense, separando famílias de indígenas e levando crianças para internatos para moldá-las à cultura ocidental.

Este foi um ataque contra a missão que Jesus deu à Igreja, de pregar o Evangelho e não de converter à força.

Mas daí para culpar a Igreja por ter estabelecido a política de conversão forçada é um abismo.

O indígena Elmer Saint Pierre, chefe do Congresso dos Primeiros Povos, disse que a Igreja não decidiu tirar a herança dos indígenas, sua língua, cortar seus cabelos, torná-los brancos.

Embora padres e freiras agissem, isso nunca teria acontecido se o governo não tivesse organizado, era o governo que ia às aldeias e levava as crianças.

Foi a Polícia Montada Real Canadense, agindo sob ordens do governo canadense, não da Igreja Católica, que removeu à força as crianças indígenas das barracas de seus pais para frequentar as escolas.

A Polícia Montada também atuou como monitora de evasão escolar, perseguindo crianças que fugiam das escolas e as devolvendo a instituições governamentais.

E enquanto algumas das escolas eram administradas por membros de ordens religiosas católicas, era o governo canadense que as financiou.

E os registros mostram que as escolas estavam muito subfinanciadas, o que significa que as crianças não recebiam cuidados de saúde e alimentação suficientes.

E como resultado da negligência do governo, as crianças sofriam de "taxas excessivamente altas de tuberculose e tinham taxas de mortalidade infantil acima da média".

Tudo isso é encoberto pelos políticos e eles querem desviá-lo para responsabilizar a Igreja.

Porque, por exemplo, o próprio pai de Justin Trudeau, o ex-primeiro-ministro Pierre Elliot Trudeau, que atuou durante a era da escola residencial, foi coautor de uma lei que buscava usar o governo para completar a assimilação de todos os aborígenes e eliminar o status de reserva especial por suas terras.

Mas os índios também têm sua parcela de responsabilidade, porque a Kamloops Indian Residential School foi fundada por sugestão do chefe índio Louis Clexlixqen.

E como aconteceu com a evangelização da América, houve tribos que aceitaram o novo modo de vida e religião, e outras que se rebelaram.

O que também estava relacionado às rivalidades entre as tribos.

Os historiadores dizem que a conquista do México por um punhado de espanhóis se deve ao fato de que várias tribos se juntaram a eles, que os astecas haviam subjugado.

E no caso do Canadá podemos citar, por exemplo, o caso da rivalidade entre os Hurons e os Iroqueses.

Os Huron eram uma tribo pacífica que foi expulsa de suas terras pelos guerreiros iroqueses.

E mesmo depois da expulsão pediram aos missionários jesuítas que ficassem com eles.

Os chefes Huron convenceram os missionários a enfrentar qualquer perigo que pudesse surgir devido ao ódio à fé.

Enquanto os iroqueses faziam incursões para capturar os índios e religiosos convertidos.

Uma das histórias mais comoventes é o martírio de São João de Brebeuf, líder da missão jesuíta, nas mãos dos iroqueses.

Assim, os Hurons não lamentaram a perda de suas práticas pagãs quando se converteram ao cristianismo.

Eles se regozijaram no dom da fé e na salvação que vem pela graça de Cristo.

Por outro lado, os iroqueses lutaram muito para que os cristãos não se instalassem no Canadá, não apenas em suas terras.

Algumas comunidades nativas expressaram memórias mistas de internatos, e as escolas nem sempre foram condenadas universalmente, mesmo por seus próprios ex-alunos.

Alguns disseram que tiveram experiências positivas e estão felizes pela educação cristã que receberam.

Outros ainda argumentam que o envolvimento da Igreja no sistema de escolas residenciais foi usado para desviar o julgamento sobre o governo, que tinha a responsabilidade final de criá-los e forçar as crianças a se afastarem de suas famílias.

Assim como a negligência institucional e a falta de fundos que produziram fome, doença e abandono, que levaram à morte de muitas crianças.

Diante dessas demandas, a hierarquia eclesiástica canadense reagiu na maioria das vezes como costuma fazer, aceitando a versão oficial como boa e pedindo desculpas por acusações que não são nem remotamente comprovadas.

E sob pressão, Francisco viajou para o Canadá para ajudar na reconciliação com os indígenas sob esse falso pretexto.

E isso vai além de Francisco ser um papa legítimo ou não, como está sendo discutido, o julgamento recai sobre a Igreja Católica.

Francisco se desculpou, lamentando o envolvimento da Igreja Católica na destruição cultural e assimilação forçada infligida aos povos indígenas do Canadá.

Mas as desculpas não foram aceitas por todos os indígenas ou pelos políticos.

Justin Trudeau responsabilizou a Igreja Católica perante o próprio Francisco.

O que está mostrando que estamos diante de um circo montado para desacreditar a Igreja, ampliando suas falhas para que pareçam gigantescas diante de todo o mundo.

O objetivo é enfraquecer a imagem da instituição que potencialmente tem capacidade para enfrentar a Nova Ordem Mundial, e dizemos potencialmente porque ainda não o fez.

Esta é mais uma prova de que a Igreja está sendo podada por Deus, como as roseiras, que são podadas para que as rosas venham com mais força e esplendor mais tarde.

Bem, até aqui o que queríamos falar sobre as falsas acusações que foram feitas no Canadá à Igreja Católica, e como eles montaram o circo para incriminá-lo globalmente, por algo que aconteceu décadas atrás e pelo qual a Igreja não não tem a responsabilidade inicial.

Na verdade, sua responsabilidade tem sido prestar-se ingenuamente aos projetos dos políticos da época.

E eu gostaria de perguntar se você acha que a Igreja estava certa em pedir desculpas aos nativos canadenses ou não.

ASSISTA OS VÍDEOS ABAIXO

Fonte: https://forosdelavirgen.org/trampa-iglesias-en-canada/









Artigo Visto: 223

 




Total Visitas Únicas: 5.658.668
Visitas Únicas Hoje: 322
Usuários Online: 151