Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






28/09/2023
Queridos defensores da inclusão e do bem-estar, tenham a coragem de ir até ao fim

O que conforta, porém, é que “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre” (Hb 13, 8) e que a verdade não muda dependendo da sociedade, das conveniências e dos costumes.

por Marco Radaelli

Prezado Valli,

Li com interesse as suas considerações sobre a "igreja em saída" que, despojando-se das vestes incômodas e estrondosas de Isaías, entrou nas vestes mais calorosas e acolhedoras de Liala, para "fazer germinar sonhos, suscitar profecias e as visões [...] aprendem umas com as outras e criam uma imaginação positiva que ilumina mentes, aquece corações, devolve força às mãos”.

Restaurar a força às suas mãos? Fazendo os sonhos germinarem? Criar uma imagem positiva? É muito engraçado quando você lê o pedaço de papel que descreveu. E na verdade também rimos disso. Mas acima de tudo há motivos para chorar. Provavelmente quem pronuncia estas palavras está satisfeito com o seu som muito inclusivo e por estar em sintonia com os tempos, mas vamos parar um pouco, e com um mínimo de espírito crítico, não demora muito para percebermos que as consequências são verdadeiramente terríveis : sim, trata-se, de facto, da dissolução da verdade e da eliminação de qualquer referência, agora considerada incómoda e divisiva, a Deus, a Jesus ou ao Espírito Santo. Tudo isso para deixar espaço para uma sociedade açucarada de ilusões e tudo vai.

Confesso para você, querido Valli, que mesmo me esforçando não consigo entender o que essas coisas realmente significam (não sei como defini-las melhor), mas parece que entendo que o resultado seria que no final não um tem uma Verdade melhor que os outros e tudo dependeria do discernimento, da situação, da cultura. Em essência, o mais extremo subjetivismo, e tenham o prazer de receber todos vocês sem julgar ninguém.

E assim anunciamos um reino de paz e de amizade sem dizer que este reino só se chama de uma forma: Reino de Deus; abandonar a pregação da esperança, permanecendo em silêncio sobre o Único que poderia realmente conferi-la, e outros absurdos semelhantes. A tese que vos apresentei há poucos dias numa carta parece assim confirmar-se: aparentemente, muitos se convenceram de que para ser inclusivo é necessário silenciar a verdade. “Não queremos converter os jovens a Cristo”, ouvimos recentemente. Como a verdade não parece muito inclusiva , tanto pior para a verdade. Com todo o respeito a São Tomás de Aquino, mas não só.

O que acontece com São Pedro, por exemplo, que nos Atos dos Apóstolos afirma: “Este Jesus é a pedra que, rejeitada por vós, os construtores, tornou-se a pedra angular. Em mais ninguém há salvação; porque debaixo do céu não há outro nome, dado entre os homens, pelo qual possamos ser salvos” (Atos 4, 11-12)? O que acontece com a Lumen gentium , na qual se atreve a argumentar que “esta Igreja peregrina é necessária para a salvação”?

E ainda: o que acontece com estes teólogos do diálogo-por-diálogo sem propósito, os grandes santos da Igreja Católica como São Francisco que, arriscando a própria vida para afirmar o Evangelho e converter o sultão, se dispôs a pregar” o Deus trino e Salvador de todos, Jesus Cristo, com tanta coragem, com tanta força e com tanto fervor de espírito" (Tommaso da Celano, Vita prima ) ? E São Domingos, que dedicou a sua vida à pregação nas terras cátaras para reconquistar o maior número possível de hereges à verdadeira fé? E São Paulo não nos exortou a anunciar o Evangelho em todas as ocasiões oportunas e inadequadas, ou talvez disse para ter cuidado para não pisar nos pés de ninguém para manter uma convivência civil?

Tudo isto hoje seria considerado perigoso para o diálogo e provavelmente seria silenciado. Ou seriam preservados, mas distorcidos. E de fato, segundo a nova vulgata, Francisco teria arriscado a sua vida não para converter o Sultão, mas para poder ter uma conversa amigável com ele. A história ousa dizer mais alguma coisa? Apenas mude. Um benfeitor e uma distorção da história para fazê-la dizer o que você quer são insuportáveis ​​para mim.

Mas neste momento lhe pergunto, querido Valli: você não acha que desta forma estamos cometendo uma injustiça não tanto com o profeta Isaías ou com São Francisco, mas com o próprio Jesus? Por que, em suma, não foi ele quem disse aos apóstolos que fossem por todo o mundo pregar o Evangelho, e “quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado”? Ou os convidou a deixar germinar os sonhos e a criar uma imaginação positiva que devolva força às suas mãos? Prometeu-lhes cansaço, incompreensão e até martírio pelo seu nome, ou prometeu sucesso, fama e aceitação em todos os lugares graças à fraternidade universal? Não foi ele quem insultou os fariseus com palavras muito duras e que perdoou a adúltera, mas a convidou a não pecar mais? Estou errado ou ele perguntou aos discípulos que o discurso deles era “sim sim, não não”? E finalmente:

Deixem-nos então ir até ao fim, estes campeões do politicamente correto: deixem-nos descontar no próprio Jesus e na sua presunção arrogante, tão desamorosa e inclusiva, de se anunciar como o único Salvador. Que tenham a coragem de condená-lo, esse bandido. No mínimo, eles pareceriam coerentes. Mas não, nem isso.

O que me conforta, porém, é que “Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e sempre” (Hb 13, 8) e que a verdade não muda dependendo da sociedade, das conveniências e dos costumes. A verdade é verdadeira e pronto, e não depende do tempo em que é pronunciada, mas do seu conteúdo e da sua correspondência com a natureza e o coração do homem.

Mas então, querido Valli, você realmente se acha encantador ao apresentar uma proposta tão diluída e de mau gosto, que não anuncia nada de decisivo para a vida dos homens? Por que alguém abandonaria tudo para seguir alguém que não tem nada a dizer sobre sua alma, sua salvação, sua felicidade, um pouco mais de vida? Para dizer: creio que um verdadeiro homem como Santo Agostinho, hoje, diante de uma proposta tão suave e sentimental, ainda estaria vagando em busca do lugar onde descansar o seu coração inquieto. O que faz com isso um homem que sente a urgência da felicidade e da beleza, dos sonhos e das imagens que aquecem os corações? São as propostas fortes, aquelas com as quais é possível lidar com coragem, aquelas que têm algo de interessante e decisivo a dizer, que os homens estão esperando.

Fonte:https://www.aldomariavalli.it/2023/09/28/cari-paladini-dellinclusivita-e-del-buonismo-abbiate-il-coraggio-di-andare-fino-in-fondo/




Artigo Visto: 296

 




Total Visitas Únicas: 6.306.380
Visitas Únicas Hoje: 634
Usuários Online: 155