Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






28/09/2023
O Escândalo do Pecado na Igreja [e como a Virgem Maria se propõe resolvê-lo]

A atitude de minimização do pecado pela hierarquia e a estratégia contrária da Virgem Maria.

A pregação das aparições marianas de todos os tempos tem sido para denunciar a gravidade do pecado e a destruição que ele produz.

E pedir orações e sacrifícios para resgatar os pecadores.

O que está de acordo com a mensagem que Jesus veio trazer e foi incorporada na Bíblia.

Contudo, hoje a atitude de minimizar o pecado permeia a hierarquia da Igreja.

Mas como a luta de Deus contra o pecado é tão evidente, a sua minimização faz-se mais com gestos do que com palavras, o que produz uma atitude de indiferença em relação ao pecado.

Aqui falaremos sobre como o pecado está sendo minimizado nos fatos dentro da Igreja, como podemos detectar essa manipulação em algumas hierarquias e como, ao contrário, o combate do Céu contra o pecado é a base para que a humanidade retorne a Deus, de acordo com as mensagens de Nossa Senhora nas aparições.

A principal missão de Jesus, quando Ele se encarnou, foi salvar-nos de nossos pecados.

Jesus disse que veio pelos pecadores em várias passagens da Bíblia: “Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores ao arrependimento”, Lucas 5.

E a Igreja sempre levou o pecado muito a sério e alertou constantemente sobre ele.

Embora a principal atividade do maligno tenha sido corromper os cristãos, para que pecassem.

E tentar aqueles que têm autoridade eclesial a fechar os olhos ao pecado e até mesmo minimizá-lo.

Hoje esta luta intensificou-se visivelmente.

Lemos cada vez mais declarações de prelados seniores do Vaticano sugerindo que não nos preocupamos tanto com o pecado.

E sugerem que alguns comportamentos que antes eram considerados pecados podem não o ser mais.

Por exemplo, a Academia do Vaticano para a Vida tem feito esforços para mudar a estigmatização do pecado contra a vida, nomeando novos membros que apoiam diretamente os pecados contra a vida.

Há alguns padres de alto perfil, como o jesuíta James Martin, que defendem a mudança da doutrina católica sobre a sexualidade humana e proclamam que a não-heterossexualidade ativa não é um pecado.

Ele defende a mudança do catecismo, que considera comportamento desordenado.

E outros apelam à ordenação de padres não heterossexuais.

Por outro lado, dá-se muita ênfase às causas que isentam as pessoas de terem cometido um pecado.

E há pressão sobre padres e seminaristas para absolverem todos os pecados no confessionário, mesmo quando não há sinais de arrependimento.

Enquanto a doutrina não for alterada, a Igreja continuará a considerar alguns comportamentos como pecados graves, e qualquer pessoa que diga em voz alta que estes comportamentos já não são pecados pode ser tachado de herege.

Mas depois cresceu outra modalidade, reafirmando a doutrina em palavras, de vez em quando, ao mesmo tempo em que faz gestos que apontam para o contrário, como elogiar pessoas que promovem o pecado, nomeá-las para cargos importantes, etc.

Esta confusão deliberada tem a intenção de mudar a opinião dos crentes comuns sobre o pecado, na verdade.

Mas tenham cuidado, porque confundir deliberadamente os outros sobre o certo e o errado é um pecado em si. Chama-se escândalo.

O número 2284 do Catecismo diz que o escândalo é uma ofensa grave se, por ação ou omissão, outra pessoa for deliberadamente induzida a cometer uma ofensa grave.

E no parágrafo 2.285 acrescenta que o escândalo é especialmente grave quando é produzido por aqueles que por natureza ou por profissão são obrigados a ensinar e educar outros.

Numerosas pesquisas mostraram que a maioria dos católicos, em todo o mundo, aprova agora comportamentos que, de acordo com os ensinamentos da Igreja, são inerentemente pecaminosos.

Assim, a nova tendência de boa parte dos prelados e do clero, de relativizar o pecado, tem aumentado o pecado entre os fiéis.

Enquanto Nossa Senhora aparece para alertar o contrário.

Ela quer que tenhamos uma melhor compreensão da realidade e da gravidade do nosso pecado, do mal que causamos a nós mesmos e do mal que causamos aos outros.

Uma das principais mensagens das aparições de Fátima foi a importância do arrependimento e da oração, como meio de evitar o pecado e as suas consequências.

A Virgem Maria revelou visões do Inferno aos pastorinhos e definiu-o como o lugar para onde vão os pobres pecadores.

E pediu-lhes que oferecessem sacrifícios e orações pela conversão dos pecadores, para evitar que mais almas se perdessem no pecado.

Nossa Senhora também afirmou que a maioria das pessoas vai para o inferno por causa dos pecados da carne.

E isto é o oposto do que sugere a nova tendência de muitos prelados e sacerdotes, que dizem que se dá demasiada atenção aos “pecados abaixo da cintura”.

Mas acontece que não é que os pecados sexuais sejam mais graves do que outros pecados.

Mas as tentações que levam aos pecados sexuais hoje são muito mais frequentes do que outras tentações que poderiam levar ao inferno.

E há uma aparição mariana, onde a luta contra o pecado é o centro da purificação do mundo e do retorno a Deus.

A tal ponto que a estratégia do Céu para a conversão da humanidade é mostrar o pecado a cada um como Deus o vê.

Entre 1961 e 1965, na pequena cidade espanhola de Garabandal, Nossa Senhora do Carmo apareceu em inúmeras ocasiões, a quatro meninas entre os 11 e os 12 anos.

É uma aparição ainda não aprovada, à qual o clero resistiu, porque na última mensagem, em 1965, disse:

“Antes o copo enchia, agora está transbordando.

Muitos cardeais, bispos e padres estão no caminho da perdição e com eles levam muito mais almas.

A Eucaristia recebe cada vez menos importância.

Deveis evitar a ira de Deus sobre vós com vossos esforços.

Se pedirem perdão a Ele com sua alma sincera, Ele o perdoará.

Eu, vossa Mãe, por intercessão do Anjo São Miguel, quero dizer-vos para fazerdes as pazes. Já está nos últimos avisos"

Esta aparição ganha cada vez mais atenção, porque o seu conteúdo não está apenas em consonância com as aparições de Fátima.

Mas a mensagem parece ainda mais atual hoje do que naquela época, quando a crise dos abusos na Igreja ainda não tinha sido descoberta, nem a apostasia tinha sido tão claramente revelada.

A mensagem que as meninas receberam é o oposto da atitude que vemos emergir da linha principal dos prelados.

Nossa Senhora não sugeriu às meninas que adotassem uma atitude mais relaxada em relação ao pecado.

Mas, pelo contrário, sentiriam culpa pelo pecado cometido.

Ela profetizou-lhes a chegada do Aviso ou Iluminação da Consciência, em que cada pessoa do planeta, crente ou incrédulo, veria os seus pecados como Deus os vê.

Cada pessoa verá a gravidade dos seus pecados, não só os pecados que cometeu, mas também o bem que poderia ter feito, mas não fez.

E lhes disse que para a maioria seria uma experiência terrível porque veríamos nossas almas à luz do julgamento de Deus.

Mas também será vivido como uma grande bênção, porque será uma oportunidade para pedir perdão e corrigir a nossa vida.

O Aviso parece ser exatamente o remédio certo para os nossos tempos permissivos.

E também o antídoto adequado para a mensagem de que "o pecado não é grande coisa" que agora é indiretamente promovida.

Pois bem, aqui queríamos falar sobre os danos infligidos ao corpo de Cristo, a tendência de minimizar o pecado e a absolvição sem arrependimento, e isso vai na direção oposta das mensagens marianas.

E gostaria de lhe perguntar se você tem visto essa minimização dos pecados na paróquia onde frequenta ou não.

ASSISTA OS VÍDEOS ABAIXO

Fonte:https://forosdelavirgen.org/escandalo-pecado-solucion-maria/









Artigo Visto: 384

 




Total Visitas Únicas: 6.306.382
Visitas Únicas Hoje: 636
Usuários Online: 154