Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






30/09/2023
Serão 2029 a 2033 o Tempo da Grande Prova? [para o mundo e a Igreja]

O que as profecias revelam; que podemos modificar com oração, jejum e sacrifícios.

O catecismo da Igreja Católica afirma que a Igreja seguirá os mesmos passos da Paixão do seu Senhor.

E no ano de 2033 se cumpririam os 2.000 anos da crucificação de Cristo.

E também o ano de 2030 é uma data chave, quando se presume que os inimigos do Senhor terão todo o seu programa implementado.

Existem profecias do Céu que apontam para essas datas?

E em qualquer caso, o que elas dizem?

Existem e parecem muito claras.

Aqui vamos analisar as profecias que se referem a essas datas, e que estão relacionadas com o pedido de consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, que Nossa Senhora fez em Fátima, com o 3º Segredo, e outras visões que Jacinta, a mais jovem vidente de Fátima, teve.

Tudo isso converge.

Entre 13 de maio e 13 de outubro de 1917, Nossa Senhora apareceu em Fátima, Portugal, a três pastorinhos: Lúcia, Francisco e Jacinta, na manifestação que é considerada a chave para compreender tudo o que se passa no mundo agora.

E os acontecimentos que vemos no mundo nos trazem mais luz sobre essas aparições.

No dia 13 de julho de 1917, Nossa Senhora de Fátima prometeu voltar para pedir ao Santo Padre e a todos os bispos que consagrassem a Rússia ao Seu Imaculado Coração.

E assim é que no dia 13 de junho de 1929, a Santíssima Trindade e a Virgem aparecem à Irmã Lúcia em Tuy, e Maria diz-lhe:

“Chegou o momento em que Deus pede que o Santo Padre, em união com todos os bispos do mundo, realize a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração, prometendo a salvação por este meio”.

E numa carta de 1930 ao seu confessor, Padre José Bernardo Gonçalves, a Irmã Lúcia explica que o Senhor promete acabar com a perseguição da Rússia se o Santo Padre se dignar a fazê-lo, e ordenar aos Bispos do mundo católico que façam o mesmo, num solene ato público de reparação e consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, e se Sua Santidade promete recomendar a prática da devoção reparadora dos primeiros 5 sábados.

O pedido do Céu não é atendido.

Mas lembremo-nos, para mais tarde, que no dia 13 de Junho de 2029 completarão exatamente 100 anos o dia em que a Santíssima Trindade e a Virgem Maria apareceram à Irmã Lúcia.

Agora, em Agosto de 1931, Lúcia relatou ao seu bispo, por carta, uma locução que Nosso Senhor lhe fez, que lhe disse:

“Que os Meus ministros saibam que estão seguindo o exemplo do rei da França, atrasando a execução do Meu pedido, e que também o seguirão no infortúnio.

Mas nunca será tarde para recorrer a Jesus e Maria.

A que se referia Nosso Senhor?

Fazia referência explícita aos pedidos do Sagrado Coração feitos em 17 de junho de 1689 ao Rei de França, através de Santa Margarida Maria de Alacoque, e ao seu incumprimento.

O desejo era que o Rei se consagrasse ao Coração de Jesus.

Pintar o Sagrado Coração nos estandartes do Rei e gravá-lo em seus braços.

Mandar erguer um edifício onde ficará uma imagem do Divino Coração, para receber a consagração e homenagem do rei e de toda a corte.

E façam com que a Missa seja autorizada pela Santa Sé Apostólica e obtenha todos os demais privilégios que devem acompanhar a devoção a este Divino Coração.

Nem Luís XIV, nem seus sucessores Luís XV e Luís XVI atenderam a este pedido.

E exatamente 100 anos depois, em 17 de Junho de 1789, as forças protestantes e maçônicas levaram a cabo a grande revolta da Revolução Francesa.

O rei perdeu seu trono.

E uma vez preso, Luís XVI lembrou-se do pedido de Jesus e consagrou a França ao seu Sagrado Coração.

Estando destronado e preso, criou e promulgou o Ato de Consagração da França ao Sagrado Coração de Jesus, mas já era tarde.

E em 21 de janeiro de 1793, Luís XVI foi executado na guilhotina.

Assim, em Rianjo, Jesus avisa-nos através da Irmã Lúcia que este capítulo sombrio da história se repetirá e que desta vez os ministros da Sua Igreja estarão entre as suas infelizes vítimas.

E embora no final a Igreja cumpra o pedido e este seja aceite, isso não anula a pena.

O que aconteceu com Luís XVI é surpreendentemente semelhante à execução do Papa, juntamente com outros bispos, padres, religiosos e leigos, revelada em 2000 pelo Vaticano, como a primeira parte do Terceiro Segredo de Fátima.

A visão começa com a imagem de um bispo vestido de branco visto como se estivesse contra a luz.

E continua com a visão de um Papa, que sobe uma montanha íngreme juntamente com outros bispos, padres e leigos, no topo da qual havia uma grande cruz feita de troncos de sobreiro.

Para chegar lá, o Santo Padre atravessou uma grande cidade meio arruinada com passos instáveis, afligidos pela dor e pela tristeza, e rezou pelas almas dos cadáveres que encontrou no caminho.

E tendo chegado ao topo da montanha, foi obrigado a ajoelhar-se e foi morto, juntamente com os seus companheiros, por um grupo de soldados que o atiraram com balas e flechas.

Esta visão do Papa é complementada por duas visões que a pequena Jacinta teve e que a Irmã Lúcia relata nas suas Terceiras Memórias.

Na primeira visão viu o Santo Padre numa casa muito grande, ajoelhado diante de uma mesa, com as mãos no rosto e chorando.

E fora de casa tinha muita gente e uns atiravam pedras nele, outros o xingavam e diziam muitas palavras feias para ele.

E na segunda visão ele viu caminhos, estradas e campos cheios de gente chorando de fome e sem o que comer.

E ao Santo Padre, na Igreja, rezando diante do Imaculado Coração de Maria, e todas aquelas pessoas rezam com ele.

Estas visões podem ser tomadas não apenas no sentido físico, mas também no sentido espiritual, e revelariam coisas que aconteceriam tanto fora como dentro da Igreja.

E o que podemos concluir de todas essas profecias?

Que o fracasso do pontificado em cumprir a Consagração da Rússia, em tempo hábil, fez com que os males crescessem no mundo.

E mesmo dentro da Igreja, porque noutro vídeo sugerimos que o Bispo “vestido de branco” da visão do 3º Segredo de Fátima, é um Papa impostor, não um verdadeiro.

E então parece que chegará o momento, 100 anos depois do pedido de Consagração, em que o pontificado receberá a retribuição que teve o Rei de França, cuja consagração tardia não o isentou da pena.

Cem anos depois o pedido de Consagração da Rússia leva-nos a 2029 e a execução do Rei aconteceu 4 anos depois de ter sido deposto.

Assim, poderíamos hipotetizar provisoriamente que os males do mundo, a perseguição e os conflitos dentro da Igreja irão aumentar até 2029, e que a partir de então até 2033 será a fase mais difícil.

A Igreja seguirá os passos da Paixão do Senhor segundo o Catecismo, e lembremo-nos que em 2030 os inimigos estarão consolidando o seu plano e em 2033 farão 2.000 anos desde a crucificação de Cristo.

Pois bem, aqui queríamos falar sobre como a não consagração da Rússia em tempo hábil é o termômetro da tribulação e poderia indicar o momento mais difícil, e sua conclusão seria em 2033.

E eu gostaria de perguntar o que você acha dessas profecias e da interpretação de quando a tribulação irá aumentar.

ASSISTA OS VÍDEOS ABAIXO

Fonte:https://forosdelavirgen.org/2029-2033-gran-prueba-iglesia/









Artigo Visto: 503

 




Total Visitas Únicas: 6.308.139
Visitas Únicas Hoje: 188
Usuários Online: 125