Sinais do Reino


Artigos
  • Voltar






03/10/2023
Segredos que abalam: as provações da Maçonaria no topo da Igreja

O resultado da investigação ordenada por Paulo VI contado pelo pesquisador.

Há evidências de que diferentes lojas maçônicas tiveram a estratégia de se infiltrar na Igreja Católica, pois consideravam isso o seu maior obstáculo.

O objetivo era ascender aos cargos mais altos do Vaticano e eles até sonhavam em ter um dos seus Papas nomeado.

Mas até que ponto essa estratégia deu frutos? Conseguiram colocar o seu povo nos cargos mais altos do Vaticano? Como reagiram os sucessivos Papas?

Em 2022, o Padre Charles Murr relatou num livro a delicada e arriscada tarefa atribuída ao Cardeal Edouard Gagnon por Paulo VI, de investigar a infiltração maçônica na Cúria do Vaticano.

Aqui falaremos sobre os resultados que esta investigação mostrou, quanta infiltração encontrou entre os prelados de primeiro nível, quais eram os principais maçons ocultos e o que Paulo VI, João Paulo I e João Paulo II fizeram a esse respeito, até a morte do Cardeal Gagnon.

O Padre Charles Murr era amigo íntimo e assistente do Cardeal Edouard Gagnon, um dos prelados verdadeiramente ortodoxos do século XX.

E publicou o livro “Assassinato no 33º Grau”, sobre a investigação da Maçonaria dentro do Vaticano, realizada pelo Arcebispo Edouard Gagnon durante a década de 1970.

O Papa Paulo VI pediu a Gagnon que investigasse a Maçonaria dentro da Igreja.

Gagnon fez isso durante três anos e produziu um relatório que nunca foi divulgado, mas que causou polêmica, inclusive ligado à morte de João Paulo I.

O Padre Murr diz que foi o Padre Malachi Martin quem o encorajou a escrever o livro.

Eles jantaram juntos várias vezes em Nova York, Murr contou-lhe sobre a investigação do Arcebispo Gagnon, porque ele havia sido seu assistente, e Martin disse-lhe que se ele não escrevesse, ele o faria.

Depois disso, ele sentiu que tinha a obrigação de contribuir com o que sabia para os anais da crise da Igreja.

Tudo começa com o famoso discurso de Paulo VI em 1972,

“Temos a impressão de que por algumas frestas a fumaça de satanás entrou no templo de Deus.

Pensávamos que depois do Concílio teria amanhecido um dia ensolarado na história da Igreja.

O que amanheceu, porém, foi um dia de nuvens e tempestades, trevas e incertezas.”

Paulo VI tinha suspeitas preocupantes sobre a verdadeira natureza da “fumaça” satânica.

E dois anos depois, o Cardeal Dino Staffa, Prefeito da Assinatura Apostólica, e o Cardeal Silvio Oddi, apresentaram-lhe documentação que acusava dois membros de alto escalão da Cúria, o Cardeal Sebastiano Baggio e o Bispo Annibale Bugnini, de serem maçons ativos.

Baggio foi o encarregado de nomear todos os bispos do mundo e Bugnini foi o arquiteto da nova missa, após o Concílio Vaticano II.

Oddi e Staffa pediram ao Papa que não recorresse ao seu Secretário de Estado, o Cardeal Jean Villot, para abordar o assunto, porque ele lutou com unhas e dentes para que Baggio, um dos seus amigos mais próximos e aliado político, fosse nomeado Prefeito da Congregação para Bispos.

Portanto, a verificação dos documentos apresentados foi confiada ao Vice-Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Giovanni Benelli.

Então Benelli, com a ajuda do Cardeal Mario Marini, investigou e informou ao Papa que embora Baggio e Bugnini fossem pesos pesados no escândalo, eram apenas a ponta do iceberg.

E diante de um Papa hesitante, Benelli sugeriu uma visita canônica a toda a Cúria Romana.

E o Papa nomeou o inocente Arcebispo Edouard Gagnon.

Charles Murr, um padre americano e velho amigo do Arcebispo Gagnon, atuou como seu assistente

Foi uma tarefa enorme, na qual sofreram assédio, ameaças diretas, saques em seus quartos, roubos em seus escritórios e até ameaças de morte.

A conclusão do relatório final de Gagnon exigiu mais de três anos de trabalho árduo e solitário e resultou num dossiê de três volumes.

No entanto, apesar das suas tentativas de apresentar as suas conclusões exaustivas a três pontífices consecutivos, à espera de uma necessária purificação do Vaticano, o ficheiro permanece inédito, após 5 décadas.

O primeiro obstáculo do Arcebispo Gagnon foi conseguir uma audiência com Paulo VI para apresentar as provas contundentes e pedir-lhe que agisse.

A reunião foi cancelada três vezes, alegando que o Papa “não estava bem”.

Apenas dois meses antes, Aldo Moro, antigo primeiro-ministro de Itália, tinha sido assassinado.

E isto magoou profundamente o seu amigo mais próximo, o Papa Paulo VI.

O Papa ficou tão afetado pelo sequestro que se ofereceu aos sequestradores em troca de More.

E finalmente, em 16 de maio de 1978, o deprimido e idoso Paulo VI veria as provas contundentes.

Quanto ao Arcebispo Bugnini, o Papa disse que era verdade e por isso decidiu enviá-lo como Núncio ao Irão.

Mas a missa que o maçom Bugnini criou nunca foi revisada até agora.

O Papa perguntou então quem, entre os listados como maçons, Gagnon considerava o perigo mais urgente para a Igreja.

E Gagnon disse-lhe que a preocupação era o Cardeal Baggio, que nomeou todos os bispos do mundo desde 1972, e continuaria a fazê-lo até 1984.

E Murr diz que Paulo VI respondeu: “querido irmão, você tem diante de você um homem velho e cansado... que está às portas da morte e se prepara para encontrar seu Criador”.

Ele então lhe disse para guardar o relatório e apresentá-lo ao próximo Papa.

Gagnon insistiu que um maçom nomeasse os nossos bispos, o Banco do Vaticano está à beira do colapso, o reitor da Universidade Lateranense lava milhões através dele, o secretário de Estado é o seu maior adversário.

Mas o Papa já estava demasiado exausto para tomar as medidas necessárias para purificar a Igreja.

Assim, após a morte de Paulo VI, João Paulo I assumiu o cargo de pontífice e o Cardeal Gagnon encontrou-se com ele três dias antes da sua morte.

E decidiu iniciar uma investigação sobre até que ponto a Maçonaria se tinha infiltrado na Igreja.

E ao mesmo tempo o Papa pediu ao Cardeal Benelli para ser seu Secretário de Estado.

Benelli concordou, com a condição de demitir pessoalmente o cardeal Baggio.

O encontro entre Baggio e João Paulo I aconteceu à tarde, algo incomum no Vaticano.

E guardas suíços estacionados do lado de fora da porta testemunharam ter ouvido Baggio gritar com o papa durante a entrevista.

Baggio foi a última pessoa a ver João Paulo I vivo, porque morreu naquela noite.

Gagnon apresentou então o relatório a João Paulo II, mas a sua nova estratégia de viagens constantes conspirou para que ele tomasse uma decisão sobre o assunto.

Mas com o ataque de 1981 ele experimentou em primeira mão os perigos reais que o cercavam e por isso convidou Gagnon para trabalhar para ele em Roma.

Gagnon ajudou João Paulo II a mudar o seu pontificado e a começar a combater a corrupção no Vaticano.

Mas ele ainda continuou a manter Baggio no Vaticano por mais dois anos como Prefeito dos Bispos, mesmo sabendo que era maçom.

Acontece que o poder que Baggio acumulou, nomeando todos os bispos do mundo de 1972 a 1984, era enorme.

Pois bem, aqui está o que queríamos contar, sobre o relato em primeira mão de um padre que investigou a infiltração da Maçonaria no topo da Igreja, e como diferentes acontecimentos conspiraram para que a limpeza não fosse feita em tempo hábil, dando lugar aos ventos de apostasia que vêm do Vaticano.

E gostaria de perguntar se você acha que a infiltração relatada ainda está ativa ou foi silenciosamente destruída ao longo dos anos.

ASSISTA OS VÍDEOS ABAIXO

Fonte:https://forosdelavirgen.org/pruebas-masoneria-vertice-iglesia/









Artigo Visto: 404

 




Total Visitas Únicas: 6.308.156
Visitas Únicas Hoje: 205
Usuários Online: 126