Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






27/12/2020
A Argentina e a pretensão de tornar "legal" o abominável crime do aborto. Fala Dom Aguer, um bispo corajoso.

A Argentina e a pretensão de tornar "legal" o abominável crime do aborto. Fala Dom Aguer, um bispo corajoso.

27-12-2020

Caros amigos do Duc in altum , depois que a Câmara dos Deputados da Argentina aprovou um projeto de lei para a legalização do aborto - atualmente permitido apenas em caso de estupro ou se a saúde da mulher estiver em perigo - agora cabe ao Senado tratar desse assunto.

Salvo em: Blog por Aldo Maria Valli

A este respeito, aqui está uma forte e clara contribuição de monsenhor Hector Aguer, arcebispo emérito de La Plata.

O Concílio Vaticano II, por sua natureza e suas consequências, foi o acontecimento eclesial mais importante do século XX. Foi usado e abusado. Na minha opinião - como já escrevi em outras ocasiões - o Concílio são os textos nos quais se expressam a mente e a vontade dos Padres conciliares, aprovados praticamente por unanimidade, e que, segundo os ensinamentos de Bento XVI, devem ser lidos à luz. da grande tradição da Igreja.

No entanto, parece que depois de meio século, o Conselho caiu no esquecimento. Digo isso em referência a uma questão específica, de singular importância na Argentina de hoje, quando o governo social-democrata e pseudo-peronista se comprometeu a legalizar o aborto. No momento da redação deste artigo, a Câmara dos Deputados do país já havia aprovado o projeto de lei para a eliminação dos nascituros com 131 votos a 117; após esta meia promulgação, o Senado deve se pronunciar. Será o presente de Natal que a maioria dos ateus batizados que compõem o governo quer oferecer ao povo argentino?

Comecei por aludir ao Concílio porque eu, bispo emérito (ou "demérito"), fui o único que, em várias ocasiões, ousei citar a frase da Constituição Pastoral Gaudium et spes (n. 51), onde afirma que o o amor conjugal deve harmonizar-se com o respeito pela vida humana. Os Padres conciliares ensinaram: a vida, uma vez concebida, deve ser protegida com o máximo cuidado; o aborto e o infanticídio são crimes abomináveis. No latim original, lemos, literalmente: Nefanda sunt crimina. Outros apontaram a inadequação do projeto ou expressaram que sua aprovação tornaria a empresa menos inclusiva. Eu vejo; a citação conciliar soa brutal, com a brutalidade da verdade num mundo governado pelo Pai da mentira (Jo 8,44). Não parece estar de acordo com a "cultura do encontro", segundo a qual tais reivindicações devem ser evitadas. Mas possui uma força intrínseca capaz de abalar a consciência de homens e mulheres de boa vontade.

A Igreja hoje está profundamente afetada pela ferida do relativismo, que adoece os fiéis e os pastores. No entanto, há espaço para esperança; muitos jovens estão dispostos a enfrentar o que Rod Dreher, em seu livro The Benedict Option , chama de estratégia para os cristãos em uma nação pós-cristã; o autor fala dos Estados Unidos, embora eu tenha certeza de que também se aplica à Argentina.

Portanto, vou abordar o tema que propus.

O ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, saiu recentemente da confusão com uma sentença inconcebível. Disse que no caso da gestante não há duas vidas - a da mulher e a do fruto da concepção - mas apenas uma, a da mulher, porque o que ela carrega dentro de si é um fenômeno. O ministro é conhecido por suas opiniões, já que já ocupou esse cargo em duas ocasiões anteriores, nas quais se destacou como um entusiasta do onanismo pela distribuição massiva de preservativos. Naquela época, eu o criticava publicamente e com respeito. Ele reagiu chamando-me de "fanático" e "exaltado". Ele disse: “Deus perdoa tudo, mas a AIDS não perdoa”; sua alusão religiosa me permitiu contra-atacar, lembrando-o de uma verdade catequética elementar: "Deus perdoa a todos se nos arrependermos e prometermos fazer as pazes, não se persistirmos obstinadamente em nosso erro." Eu disse erro porque no Novo Testamento, em grego, o pecado é ditoἁμαρτία , hamartía , derivado de um verbo que significa perder o caminho, se perder. O pecado é uma decisão errada da vontade, que se apega a um objeto impróprio. O ministro não perde o hábito: agora, para combater o tédio da quarentena, recomendou sexting. Não parece real! Este modelo exemplifica perfeitamente a seriedade da política argentina. Os leitores imaginarão o significado do neologismo inglês, que corresponde aproximadamente ao que é chamado de "atos incompletos" na moralidade casuística. Ele deveria ser médico e especialista em saúde, mas falhou miseravelmente em lidar com a pandemia, que ele repetidamente se contradiz, e não foi capaz de prevenir inúmeras infecções e mortes. Agora ele diz que o fruto da concepção não é uma vida humana, mas um fenômeno, mesmo que ele não explique de quê. Segundo o dicionário, fenômeno equivale a aparência, coisa extraordinária e surpreendente, pessoa ou animal monstruoso. É ignorância ou má-fé ideológica? Não se pode negar que a embriologia desenvolvida ao longo do século XX estabeleceu claramente que o "fenômeno" da concepção é um ser humano, com DNA diferente do de seus pais, e que desde o primeiro momento é masculino ou feminino. Você já ouviu falar do professor Jérôme Lejeune e de seus estudos?

A questão do aborto tem várias facetas, a primeira das quais é estritamente científica, dizem eles. Mas também envolve uma questão jurídica, com sua base ética impossível de ignorar. Nesse contexto, geralmente é feita uma distinção entre descriminalização e legalização; parece-me uma distinção enganosa, porque se um comportamento não é sancionado pela lei pode ser praticado livremente, é legal. A dimensão psicológica emerge claramente no que é chamado de síndrome pós-aborto. Nós que já sentamos no confessionário, conhecemos muitos casos de mulheres que repetidamente se acusam desse pecado, que já foi perdoado, e às vezes não é fácil restaurar a paz perdida. A psicologia e a moral estão intrinsecamente ligadas ao comportamento humano, das pessoas normais. O aspecto sociológico é revelado nas manifestações que exigem a lei que permite a eliminação dos nascituros; os rostos e roupas mostram que é uma reivindicação da burguesia. Eles não se consideram pobres; as mulheres pobres vêem a criança como uma riqueza, geralmente independentemente de como ela é concebida. Eles possuem o verdadeiro significado da vida humana. É triste a posição abortista dos partidos de extrema esquerda, que não entendem os pobres e aderem à estratégia da burguesia.

Finalmente, algo precisa ser dito sobre o lado político da questão. Muitos leitores se lembrarão de Henry Kissinger, o americano de origem judaico-alemã que foi secretário de Estado entre 1973 e 1977 e teve influência decisiva na política internacional com o propósito de reduzir a população dos países pobres. Este projeto continua a ser um desenho ativo do imperialismo financeiro internacional, liderado por Rockefeller, Soros, a ONU, a UNESCO, a Organização Mundial da Saúde, os vários comitês para a população, o Bid, o FMI, a Paternidade Planejada. o Ippf, a Comissão Trilateral é uma potência cultural onipresente e obediente. O supostamente progressista governo argentino obedece a esta política e recebe recursos para promover o aborto e a perversão sexual escolar. A Argentina é um país semi-despovoado, com um território potencialmente rico e desejável. O inefável Ginés disse que se o "fenômeno" fosse um ser humano, o aborto seria um genocídio. Ele é, e ele está na lista de possíveis genocídios.

Os abortistas, que ignoram - não querem aceitar - a complexidade da situação, desqualificam a Igreja Católica reduzindo a questão à dimensão religiosa. Neste ponto, vamos dizer francamente que os cristãos evangélicos têm agido de forma consistente e firme. As declarações da Aciera, Associação Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina, foram melhores do que algumas intervenções católicas. Mas sim, o aborto envolve uma questão religiosa. Em primeiro lugar, o preceito "não matar", que deriva da Torá hebraica, ou seja, da Revelação do Antigo Testamento, e que no sentido cristão encontra confirmação e extensão. Mas há mais: o Messias de Israel, e Salvador de todos os homens, Nosso Senhor Jesus Cristo, era uma criança que havia de nascer, gerada virginalmente por Maria Santíssima; ele é verdadeiro Deus e verdadeiro homem, como afirma a verdade central de nossa fé. Era um embrião, um feto, depois umπαιδῐίον , paidíon , um menino , a βρέφος , bréphos , como lemos respectivamente nos Evangelhos de Mateus e Lucas (cf. Mt 1, 8. 9. 13. 14. 20. Lc 2., 12. 16). Este substantivo, bréphos , em grego clássico, indica a criança já desde o ventre de sua mãe, e depois em sua primeira infância. Este mistério nos leva a contemplar com devota admiração o fato da geração humana e o crescimento silencioso da nova criatura no ventre, desde o momento da concepção. O eterno Filho de Deus quis nascer no tempo em que os homens nascem, só que foi gerado sem a intervenção de um homem, pela ação do Espírito Santo.

Outro elemento religioso: segundo a Bíblia, o derramamento de sangue inocente exige uma intervenção punitiva da parte de Deus. No relato arquetípico do fratricídio cometido por Caim, que abre caminho para a entrada violenta da morte no mundo, é colocado no boca de Deus: "A voz de sangue do seu irmão clama para mim do chão!" (Gn 4:10). Jesus assumiu esta verdade em sua invectiva contra a vaidade e a hipocrisia dos escribas fariseus, anunciando que perseguiriam até a morte os apóstolos que ele os enviaria. O texto do Evangelho de São Mateus indica uma terrível intensificação: que todo o sangue inocente derramado sobre a terra caia sobre vocês, desde o sangue do justo Abel até o sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem mataste entre o santuário e altar (Mt 23:35). Não me parece arbitrário aplicar essas realidades bíblicas à oportunidade sinistra que nosso país está experimentando; É patético compará-los com o alvoroço manifestado por tantos jovens vestidos com símbolos verdes na Praça do Congresso, quando a lei foi aprovada. Se ao menos eles tivessem pensado no sangue de bebês abortados! O texto citado de São Mateus conclui: “Em verdade vos digo que todas estas coisas cairão sobre esta geração” (Mt 23,36). Uma geração, a nossa, já carregada de infortúnios abundantes. Falo assim porque penso que a palavra evangélica foi pronunciada para sempre e tem uma relevância permanente.

A pressa em obter a promulgação de uma lei que legitime o que eles chamam eufemisticamente de "interrupção voluntária da gravidez" e, sobretudo, a quantidade imaginativa de abortos clandestinos que invocam, demonstram o fracasso das tentativas de garantir uma educação sexual escolar, que já vem sendo aplicada há anos , sob a responsabilidade de vários governos. Além disso, já há algum tempo trato do assunto, ao qual atribuo um valor negativo que se integra ao declínio de uma cultura que perdeu o sentido da natureza e da autêntica humanidade do homem. Esses ataques foram impostos por leis que muitos especialistas consideram inconstitucionais: a Lei Nacional 26.150 e, na província de Buenos Aires, uma regulamentação local, a Lei 14.744. Este segundo instrumento foi votado em 2015, sem discussão no Legislativo, com uma série de outras disposições e promulgada em um "pacote". Afirma impor "educação sexual integral", desde o nível inicial até o último ano do ciclo secundário; de acordo com essa lei, os alunos devem ter garantidos uma dezena de "direitos sexuais", inclusive o direito ao "prazer sexual", e devem ser treinados para que possam escolher livremente sua orientação sexual. Este abuso é contrário à Constituição provincial sancionada em 1994, que estabelece no artigo 199 que os alunos de Buenos Aires devem receber "uma educação integral, de transcendência significativa e de acordo com os princípios da moral cristã, respeitando a liberdade de consciência" . Os lobbies LGBT, com a cumplicidade de políticos e funcionários do judiciário, impuseram suas crenças e práticas em nome da não discriminação.

O contexto cultural, como no caso do aborto e da regulação imoral do nascimento, é decisivo: um individualismo anárquico na concepção da pessoa humana, que se desprende de seus laços essenciais, dá ênfase à expressão da subjetividade e superestima qualquer autoexpressão criativa como paradigma de comportamento. Toda pessoa tem o direito de escolher para si um estilo de vida livre e aberto, que não permita obstáculos. Rejeita-se qualquer ideia de limitação, regulação ou proibição na busca do prazer e no exercício da função que o proporciona; ademais, toda referência a valores objetivos, universais e permanentes é ignorada, mitigada ou iludida, a respeito dos quais o homem deve ser educado e autodidata para a responsabilidade. São João Paulo II, na encíclica Evangelium vitae, ele falou de uma ideia perversa de liberdade, que viola a ordem da natureza e o autêntico bem da pessoa humana; nessas atitudes se expressa uma antropologia redutiva, incapaz de compreender o complexo unitário e vivo que é o homem. Essa base filosófica inspira tanto a tentativa de dominar despoticamente o corpo e suas funções, quanto o materialismo vitalista.

Outro elemento do contexto cultural que estou descrevendo é a inflação excessiva e não natural de questões relacionadas ao sexo, como se nada na vida atual pudesse escapar da motivação ou propósito sexual. Assim, desde a mais tenra idade, a curiosidade ou a obsessão pelo prazer como fim em si mesmo se espalha entre muitos adolescentes e jovens. Nessa redução fisiológica da sexualidade, o amor é, na melhor das hipóteses, um ingrediente afrodisíaco, não o meio de um encontro pessoal. A diversão das crianças costuma ser um exercício ritual em lugares onde não falta álcool, e muitas vezes também drogas; os meios de comunicação informam regularmente sobre os "feminicídios" que acontecem fora dessas "discotecas". Eu poderia elaborar sobre este assunto, que deve ser levado em consideração quando se trata de aborto; este é o último recurso para apelar quando "precauções" falharem.

Uma educação sexual correta, que é um elemento positivo para a expressão da personalidade, implica um problema teórico: a compreensão da especificidade da sexualidade humana, que, embora não deva ser abordada exclusivamente "de cima", por uma racionalidade presumivelmente dominante capaz de administrar à vontade a torrente biológica expressa na libido, não precisa nem mesmo ser orientada - como se costuma fazer - "de baixo", pela animalidade, como se não fosse especificamente diferenciada da sexualidade das feras inferiores. Por causa da participação recíproca do espírito e da matéria, que se conjugam na dimensão sexual e nela se unem, tudo o que é biológico está sujeito ao imperativo meta-biológico do espírito. A liberdade garante a integração pessoal, a felicidade luminosa de uma vida sexual adequadamente orientada.

Concluo voltando ao tema que é o foco principal deste artigo. Hoje em dia, o reconhecimento do direito de eliminar os nascituros está sendo reivindicado. Esse crime infame nunca pode ser um direito. Pelo contrário, o direito humano primordial, na base de todos os outros, é o direito à vida, a crescer sob o coração da mãe depois de gerado; além disso, o direito de viver em família unida e em um ambiente moral que favoreça o desenvolvimento da personalidade. O aborto é um fenômeno triste, uma forma de desespero. Além disso, é necessário sublinhar a mentira do governo: eles afirmam que todos os anos vários milhares de abortos clandestinos são realizados (cerca de quinhentos mil vieram a fantasiar sobre eles), e pretendem torná-los legais, seguros e livres; como poderia um sistema de saúde destruído, à beira do colapso, lidar com eles?

As minhas últimas palavras dirigem-se, com respeito e apreço, aos senadores que se reconhecem como católicos. Um critério fundamental afirma a conexão entre a ordem jurídica e a ordem moral. Quando são propostas decisões legislativas e políticas contrárias à ordem natural e aos valores cristãos em esferas e realidades que envolvem necessidades éticas inevitáveis, uma consciência bem formada não pode aderir a elas, contribuindo assim para a desumanização da vida social e das instituições que deveriam protegê-la. É apropriado que com sinceridade e coragem se oponham aos grupos ocultos de poder que usam uma concepção relativista e imoral da democracia, para estabelecer uma desordem subversiva contra a dignidade da pessoa humana. Eu te acompanho com minhas orações.

+ Héctor Aguer , arcebispo emérito de La Plata *

* Membro efetivo da Academia Nacional de Ciências Morais e Políticas, Acadêmico Correspondente da Academia de Artes e Ciências de San Isidro, Acadêmico Honorário da Pontifícia Academia de Santo Tomás de Aquino

Tradução de Valentina Lazzari

Fonte: infocatolica.com

Via: https://www.aldomariavalli.it/2020/12/27/largentina-e-la-pretesa-di-rendere-legale-il-crimine-abominevole-dellaborto-parla-monsignor-aguer-vescovo-coraggioso/




Artigo Visto: 271

 




Total Visitas Únicas: 2.157.720
Visitas Únicas Hoje: 109
Usuários Online: 156