Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






06/08/2023
A fraude satânica da Nova Ordem Mundial falhará

Arcebispo Viganò: A fraude satânica da Maçonaria e da Nova Ordem Mundial está fadada ao fracasso

A tarefa que nos compete é proclamar a verdade, recordar ao mundo que a salvação vem somente de Cristo, Príncipe da Paz, cujo senhorio sobre as nações e sobre a Igreja, usurpada por uma autoridade rebelde e corrupta, deve ser restaurada.

Nota do editor: O texto a seguir foi retirado do discurso do arcebispo Carlo Maria Viganò em uma conferência com o movimento político Civitas em Pontmain, França, em 29 de julho de 2023.

por LifreSiteNews

Não pense que vim trazer paz à terra; Não vim trazer paz, mas espada. Eu vim separar o filho de seu pai, a filha de sua mãe, a nora de sua sogra; e os inimigos de alguém serão os de sua própria casa. - Mt 10, 34-36 See More

- Permitam-me, queridos amigos, saudar todos os organizadores desta nova edição da vossa Université d'Été, em particular o presidente da Civitas, Alain Escada; aos expositores, cujas apresentações esclarecem os vários aspectos da atual crise civil e eclesial; e aos participantes, que com a sua presença confirmam a determinação dos bons católicos de travar o concurso bonum sob as bandeiras de Cristo Rei.

Estes encontros de formação doutrinal, cultural e social são o sinal de um despertar das consciências e dos corações: Quia hora est iam nos de somnourgere. Nunc enim proprio est nostra salus, quam cum credidimus. Agora é a hora de acordar do sono, porque nossa salvação está mais próxima do que quando aceitamos a fé (Rm 13:11).

A consistência do bem

Assim como existe uma consistência do bem, também existe uma consistência do mal. O bem, atributo substancial de Deus, também tem sua consistência naquilo que dele participa: o amor da mãe que prepara o lanche para os filhos; a solicitação do proprietário da empresa para com seus funcionários; a preparação das aulas pelo professor; a dedicação do médico aos pacientes; a disponibilidade do sacerdote no cuidado das almas que lhe foram confiadas... tudo isto é coerente com o bem.

Até passar uma camisa, cuidar do jardim, organizar uma conferência e comemorar um aniversário com os entes queridos torna-se coerente com quem somos, porque nos comportamos de acordo com quem somos: Agere sequitur esse.

Que vive no bem e, portanto, no verdadeiro; Quem "respira" o bem - desde as celebrações que frequenta na igreja até as interações com os entes queridos e a educação em família - não precisa querer fazer o bem, porque ele surge espontaneamente na alma boa. E é exatamente isso que a graça faz em nós, convertendo ações que são moralmente neutras em si mesmas - ou apenas humanamente boas - em obras virtuosas, onde o hábito no bem se torna virtude e tudo permeia nossa vida; e acrescentando às ações que são boas na ordem natural aquele quid que as eleva na ordem sobrenatural, direcionando-as para um fim superior.

Por outro lado, quando se ama o Senhor, que coisa mais bela e satisfatória se pode desejar do que fazer a sua vontade? E o que é mais motivador, nas nossas relações com os outros, do que dar-lhes a conhecer aquele Verdadeiro Santo que é também por excelência Bom e Justo? Bonum diffusivum sui, segundo o ditado escolástico: o Bem é em si expansivo, propenso a se espalhar. Isso nos é demonstrado pela obra do Criador, que do nada traz à existência todas as coisas, visíveis e invisíveis. Isso nos é confirmado pela obra do Redentor, que tira o homem rebelde de Adão do abismo da ofensa para a majestade divina através do sacrifício do Homem-Deus.

A consistência do mal

Mas assim como há consistência no bem, também há consistência no mal; e aquelas ações que aparentemente não julgamos particularmente graves -se não as contextualizarmos- acabam sendo rodas em uma engrenagem, talvez marginais e pequenas, mas que permitem que ela funcione, e sem as quais algo ficaria preso.

É por isso que o mal – que ontologicamente é um não-ser, uma ausência do Bem – tenta se infiltrar em nossas almas em pequenos passos, obtendo falhas progressivas, tentando não despertar em nós nenhuma preocupação ou remorso; e então cresce e se espalha como um câncer. E onde o bem traz mais bem, então o mal pede mais mal, acostumando-se a ele, e a tudo o que atrai.

Os planos infernais da elite globalista – que vimos serem inerentemente maus – também são consistentes entre si, porque são movidos pelo ódio do adversário a Cristo. o projeto de Bill Gates para escurecer o sol e vacinar a população mundial; o plano de Soros de invadir os países ocidentais com hordas de muçulmanos e minar a família natural ao financiar os movimentos LGBT; o plano de Klaus Schwab para nos forçar a comer insetos ou nos limitar a "cidades inteligentes" de 15 minutos; o plano de Harari para apagar a ideia de um Deus transcendente e compor uma Bíblia "politicamente correta"; o plano do Estado profundo de centralizar o controle dos cidadãos através do DNI digital, do dinheiro eletrônico e da manipulação do voto; O plano de Bergoglio de transformar a Igreja em uma agência da ONU e do Fórum Econômico Mundial, nenhum deles são planos completamente separados, realizados de forma autônoma e sem qualquer relação entre si.

Em tudo o que aconteceu nas últimas décadas de forma mais subterrânea -e mais recentemente de forma evidente- podemos ver um mens, uma inteligência capaz de se organizar de uma forma que parece ao mesmo tempo infalível e imparável. Porque temos que admitir: quem construiu esta máquina infernal, na qual todas as engrenagens parecem se encaixar perfeitamente, demonstra uma inteligência superior, angelical e, na verdade, satânica.

A aparente vitória dos ímpios

Nossa observação da eficácia organizacional dos vilões não deve nos assustar, nem nos fazer desistir de lutar contra seus planos. Aliás, creio que é precisamente esta "perfeição" no campo inimigo que acabará por constituir a sua própria ruína: Simul stabunt, simul cadent, diz o adágio latino - ou estão juntos ou juntos cairão. E será exatamente assim, porque o triunfo do mal é uma ficção, uma simulação, a mera encenação de uma cena, uma cena que se baseia – como tudo que vem de Satanás – na aparência e na mentira.

Voltemos por um momento à Páscoa em 33 d.C. Coloquemo-nos entre aqueles que em Jerusalém testemunharam a crucificação de Jesus, depois de o terem visto realizar milagres e curas. Mesmo no Gólgota, na ausência dos apóstolos, a encenação de Lúcifer deveria ter ratificado a derrota do Messias, a dispersão de Seus discípulos, o rebaixamento de Seus ensinamentos ao esquecimento e a negação de Sua Divindade.

Mas precisamente na Cruz, instrumento de morte e infâmia, o destino da humanidade foi invertido por Aquele que com a morte do corpo restaurou a vida da alma e que, deixando-se pregar naquele madeiro, pregou o inferno para isto. Ó mors, ero mors tua. A nossa natureza, ferida pelo pecado original, tem dificuldade em aceitar que a vitória de Cristo se realiza segundo a lógica da caridade e não segundo a lógica do ódio, e que a sua vitória é tanto mais inexorável e definitiva quanto mais nós, seus seguidores , permitem aos Filhos, mais espaço para a ação de Deus e menos confiança nos meios humanos.

Satanás o ilusionista

Não julguemos, pois, a aparente "vida feliz dos ímpios" do Salmo 36 como um sinal de derrota inevitável: esta impressionante exibição de forças, este cenário que parece tão realista, esta impressionante coreografia, constituem o único recurso que podes recorrer ao grande mentiroso - ilusão - e a única forma de nos induzir a acreditar que ele é poderoso e invencível. É um grande mágico, é verdade: mas como tal pode nos surpreender como ilusionista, nos enganar com seus truques, que, uma vez fora do palco e vistos à luz do dia, revelam sua patética incoerência.

A artimanha de tirar um coelho da cartola ou o espetáculo de uma mulher sendo cortada em duas só funcionam enquanto o público se mantém à distância, deixando-se enganar pela penumbra e pelos gestos teatrais do mágico; e o mesmo acontece com os mantras de respeito ao meio ambiente, saúde dos cidadãos e fraternidade universal. Por outro lado, quem entre os espectadores de um show de "mágica" ou alguém que fica no metrô para assistir a um artista jogar o jogo das três copas pensaria que "truques" são reais? Quem acreditaria em um doutor Dulcamara que propõe, como na obra de Donizetti, uma droga que é "um remédio para dor de dente, um licor admirável e um poderoso destruidor de ratos e percevejos?" (Felice Romani, L'elisir d'amore, cena V, Dulcamara).

Ficção - ou, mais precisamente, venda fraudulenta, pois é isso que é - é a marca do comércio de Satanás. Compre il mio especifico, per poco ve lo do - Compre meu artigo; Eu vou dar a você por pouco dinheiro. Este negociante malandro -e com ele todos os seus criados, não menos ocupados a vender as suas misturas- recorda-nos certos personagens que, até há algum tempo, nos parques de estacionamento dos restaurantes da estrada, ofereciam aos incautos um gravador por alguns euros. video , que mais tarde se revelou um invólucro sustentado por um tijolo; ou a quem, a troco de uma quantia para processamento notarial, promete num e-mail entregar ao leitor a herança de um milionário africano que acaba de falecer.

Mas se todos nós sabemos perfeitamente que por trás dessas promessas altissonantes há apenas uma fraude contra nós, por que ainda há quem acredite nelas? A eficácia da inoculação em massa experimental com soro de mRNA não era tão patentemente falsa?

A narrativa sobre a crise energética, conseguida com a imposição de sanções ao maior exportador europeu de gás natural, não é igualmente ridícula? A fraude ambiental não é grotescamente infundada? No entanto, olhando ao seu redor, parece que muitas pessoas estão mais do que dispostas a acreditar nas mentiras dessas beladonas, desses vendedores ambulantes, do Fórum Econômico Mundial ou da Fundação Bill e Melinda Gates, da União Européia ou do World Trade Organização. Saúde, exaltam as virtudes de seus filtros milagrosos: renda universal, abolição da pobreza, derrota de doenças e paz mundial. Apenas para descobrir que devemos pagar essa renda universal contraindo dívidas e desistindo da propriedade privada, que sua "abolição da pobreza" leva à miséria de indivíduos e nações, que a Big Pharma quer que tenhamos uma necessidade crônica de assistência médica e que a paz da Nova Ordem Mundial significa guerra perpétua.

Como tem sido possível?

Muitos se perguntaram nos últimos anos: como foi possível que uma parte tão grande da humanidade consentisse com tudo isso? Se olharmos para trás - voltando aos anos 1980, por exemplo, antes que a alta finança decidisse atacar as nações européias com a privatização do patrimônio do Estado e a destruição definitiva da sociedade e da família, que já havia começado muito antes - parece quase impossível que em pouco tempo o inimigo poderia ter dado passos tão impressionantes sem despertar reações e resistências significativas. E se ouvirmos as palavras daqueles que Roncalli chamou de profetas das calamidades, que desde as primeiras sessões do Concílio Vaticano II anunciaram a apostasia a que conduziria, parece impensável que seus alarmes de autoridade tenham sido ignorados e, de fato, que aqueles quem os sondava merecia a condenação e o ostracismo dos supremos pastores.

E aqui voltamos à fraude, à adulteração da fé, da moral, da liturgia, ao engano culposo daqueles que, constituídos em autoridade, se revelam inimigos daqueles a quem, pelo contrário, deveriam proteger, e amigos daqueles a quem eles deveriam se opor ou converter. A quimera de uma fraternidade desprovida da paternidade comum de Deus é exposta como fraude; a participatio actuosa que destruiu o culto público ao protestantizá-lo é uma fraude; o sacerdócio compartilhado dos fiéis é uma fraude, insinuada fraudulentamente no conselho para enfraquecer o sacerdócio hierárquico; a suposta democratização da Igreja é uma fraude: seu Divino Fundador quis que ela fosse monárquica, algo que nenhuma autoridade humana jamais poderá mudar; o ecumenismo é também uma fraude, pela qual a majestade divina é humilhada ao nível de

prostituição, como as Escrituras eloquentemente chamam de falsas religiões. Todos os deuses dos pagãos são demônios (Sl 96:5), e os sacrifícios dos pagãos são feitos a demônios e não a Deus (1 Cor 10:20).

A pergunta certa

Tentemos reformular mais claramente a questão: "Como é possível que povos que cresceram na herança do pensamento grego e romano, à luz da Revelação cristã e da civilização que ela construiu, tenham decidido acreditar descaradamente numa mentira "falso, a saber, que a paz, a concórdia, a prosperidade e a felicidade são possíveis longe de Deus? Na verdade, ao se aliar abertamente a um inimigo que Cristo já derrotou e venceu?"

Semelhantes promessas encontramos nas tentações a que Nosso Senhor quis submeter-se no deserto: também neste caso Satanás oferece ao dono de todas as coisas os domínios da terra que já lhe pertencem, ousando pedir-lhe em troca de tão idólatra ato de adoração absurdo como impossível. Tudo isso será seu, se você se prostrar e me adorar (Lc 4,7). A esses absurdos ditados por uma mente presa e obstinada na má vontade, o Senhor responde citando a Escritura, sem sequer se dignar a argumentar sua falsidade. Porque você não pode discutir com o diabo: é perda de tempo. Satanás deve ser expulso e removido.

O pecado do homem moderno e contemporâneo

A fraude colossal que se inventou contra o homem moderno não é diferente daquela que marcou a queda de nossos primeiros pais: acreditar na mentira como tal, subverter a ordem divina. Não fomos enganados por uma nova mentira, porque o mesmo engano ficou evidente desde o início: tornar-se um sicut dii comendo da árvore do conhecimento do bem e do mal ou fingindo que amputações cirúrgicas podem transformar um homem em uma mulher é substancialmente o mesmo engano, como oferecer nossos primogênitos a Baal ou matá-los no ventre para não aumentar a pegada de carbono.

O que Satanás nos pede não é tanto que pratiquemos uma ação condenável, mas que ele nos obrigue a fazê-la, aceitando como certo que não tem consequências: atire-se desta torre e seus anjos virão para apoiá-lo. Vacine-se com este soro experimental e estará fazendo um gesto de amor. Compre uma criança com barriga de aluguel e você será pai. Desista de sua liberdade e você será livre. Compre o que você não pode pagar e isso o deixará endividado para sempre e você será feliz. Tranque sua mãe idosa em uma casa de repouso e ela será cuidada por uma equipe que a fará se sentir bem. Deixe seus filhos mudarem de sexo e eles se sentirão realizados. Que o Estado seja laico e legisle sem condicionamentos pela Igreja, e a harmonia reinará entre os fiéis de todas as religiões.

Nenhuma dessas promessas tem sequer aparência de verdade: são todas mentiras, e como tal o Príncipe da Mentira quer que as aceitemos, porque com elas aceitamos a subversão da ordem divina. É por isso que não é um erro, mas um pecado pelo qual somos moralmente responsáveis.

As consequências de aceitar a mentira

O conceito de tolerância do mal -que em uma sociedade ainda cristã poderia de alguma forma permitir exceções limitadas em prol de um bem maior- foi cancelado pela sociedade civil e pela Igreja quando, tendo perdido a referência transcendente ao sumo bem e ao santo verdade -o Senhor Deus-, já não há mal para tolerar, nem bem para proteger.

Porque a aceitação contemporânea tanto da verdade quanto de sua negação -a mentira- é uma contradição lógica, antes mesmo teológica. E isso é fruto de um processo que acho que merece ser analisado com muito cuidado.

Subversão por autoridade

O processo a que me refiro é aquela sequência de eventos encadeados que levaram a Igreja Católica -e com ela as nações nas quais os católicos estão presentes e são socialmente relevantes- a personalizar a relação dos fiéis com Deus onde ela era pública -através do culto , o; liturgia - e coletivizar, por assim dizer, a relação dos fiéis com Deus, quando era pessoal - conversão, oração, meditação, experiência ascética e mística.

Esta inversão - emprestada dos protestantes - faz com que a ação do culto público da Igreja se torne um momento de autocelebração de indivíduos e grupos, e não a voz coral da Esposa; e ao mesmo tempo anula a íntima união da alma com o seu Senhor -algo só realizável no recolhimento individual- para exaltar uma "comunidade", para lhe dar a consistência e o apelo de "caminhar juntos", ainda que o caminhar não tenha fim.

A normalidade hierática, que está acima do tempo e do espaço, cede à temporalidade do experimento, ao resultado desconhecido, à criatividade patética ou à improvisação sacrílega. E este princípio se estende necessariamente à vida civil, onde o testemunho do católico não só não é necessário, mas deplorável; e onde os governantes, mesmo sendo nominalmente católicos, podem legislar contra a Lei de Deus e a Igreja. Porque cada um deles está convencido de que pode pensar de uma forma e agir de outra, quando na realidade acaba pensando a partir de como se comporta.

O papel da Igreja profunda

Enquanto a hierarquia da Igreja foi fiel ao seu mandato, toda perseguição por parte de governos anticatólicos e revolucionários foi enfrentada com honra e firmeza, muitas vezes até com o heroísmo do martírio, como na Vendéia, Espanha, México, União Soviética e China . Mas assim que o Vaticano II "reiniciou" a hierarquia em sentido liberal e progressista, a própria hierarquia começou a promover a secularização da sociedade e a exclusão voluntária da Igreja e da religião de todas as esferas da vida civil, chegando até a solicitar a revisão das Concordatas.

No espaço de algumas gerações, a civilização cristã construída graças à Igreja Católica foi negada e esquecida, a ponto de minar os fundamentos do contrato social. Não se trata de estatísticas ou números -que também podem ser documentados-, mas de uma mudança radical na sociedade, dos princípios que animam seus cidadãos, das esperanças que avós e pais depositam nas gerações futuras. Falo da capacidade de nossos avós e pais de abrir mão de tantos confortos para garantir uma educação ou um lar para seus filhos; Falo do desarranjo da família pelo divórcio, da criação deliberada de uma crise económica que impossibilita ser autónomo, poder casar e educar os filhos, saber que as autoridades civis e religiosas são amigas, e não hostis e mutuamente traiçoeiros.

Isso também levou as gerações a perder progressiva, mas inexoravelmente, todo aquele legado de comportamentos cotidianos, expressões idiomáticas e hábitos que eram a tradução prática do jeito de ser do católico; um abandono que foi encorajado por quem incutiu nos cidadãos e fiéis um sentimento de vergonha pelo seu passado, pela sua história, tradições e fé. É desconcertante que esta traição tenha sido consumada sem qualquer contra-ataque, depois de ter sido imposta de cima tanto na esfera civil como até, de forma inédita, na esfera eclesiástica.

A laicidade do Estado, com a qual as nações encolhem os ombros diante do senhorio de Cristo, constitui a base filosófica e teológica sobre a qual foi possível teorizar a dissolução da sociedade cristã: sem ela, divórcio, aborto, eutanásia, sodomia, genética a manipulação e o transumanismo nunca poderiam ter sido introduzidos na legislação nacional. E isso aconteceu com o apoio decisivo da Igreja profunda desde os anos 1960 e, mais recentemente, com a total escravidão da hierarquia católica à Agenda 2030: como reconheceu Monsenhor Héctor Aguer, ex-arcebispo de La Plata, na Argentina.

O colapso da família

Tudo isso desapareceu: nenhum jovem membro de uma família moderna jamais ouviu falar de como era a vida antes. O que foi acreditado. O que era esperado. Por outro lado, onde estão os avós, que outrora cuidaram dos netos e transmitiram-lhes as memórias dos antepassados, a sua sabedoria, a sua simples religiosidade? Eram os avós que levavam os netos a rezar diante da imagem de Nossa Senhora, ensinavam-lhes as rezas, a fazer um exame de consciência, a rezar um Réquiem - "Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno" - quando passavam diante de uma cemitério, o significado da obediência aos pais, da honestidade, do cumprimento da palavra dada.

A Maçonaria eliminou os idosos, transformando-os em mercadoria para o negócio dos centros de assistência ou exterminando-os com soro genético ou ventilação forçada. A sua ausência, durante décadas, foi acompanhada por um ataque frontal à mulher, no seu papel de esposa e mãe: mais um elemento demolido da coesão familiar, mais um baluarte demolido. O ataque à figura paterna -que costumava modelar-se na autoridade e bondade de Deus Pai- foi realizado através da corrupção da moral, através da pornografia e promiscuidade, e finalmente -uma vez que o cordão umbilical que une a sexualidade ao relacionamento conjugal para fins de procriação - o homem, o esposo, o pai, o cidadão foi ainda mais destruído, estigmatizando sua "masculinidade tóxica", tornando-o efeminado, castrando-o tanto em sua vontade quanto em seu intelecto; primeiro colocando os meios (o prazer legítimo do ato conjugal) antes do fim natural (a procriação), e depois substituindo os meios pelos fins.

E as crianças, separadas dos pais que trabalham, encontram na televisão, na Internet, nas redes sociais, através de aplicativos, na escola - aliás, em todo lugar - um novo oráculo, uma entidade que as isenta da responsabilidade de escolher e lhes diz o que fazer pensar, o que querer e contra quem direcionar suas frustrações. Et inimici domini domestici eius - e os inimigos de cada um serão os de sua própria casa (Mt 10, 36). Esta entidade - à qual o poder quer atribuir características quase divinas, simulando as faculdades da inteligência humana - propõe um novo credo ambiental, exalta novas virtudes "verdes" e "acordadas", nomeia novos mestres e celebra as suas liturgias. Porque é uma religião e, como tal, requer o consentimento dos fiéis e sua obediência aos seus ministros.

A religião do estado

O sistema de doutrinação provou sua eficácia, e ao longo da história mudou apenas alguns detalhes devido aos novos tempos ou avanços tecnológicos, mas sempre manteve seu esquema original. E é este esquema que deve ser divulgado, se quisermos opor-nos a ele em todas as suas diferentes formas: saúde, energia, clima, guerra, financeiro e religioso. Um esquema que é inegavelmente inspirado não apenas pela anulação da única religião verdadeira, mas também por sua substituição pela religião luciferiana de progresso, humanidade, fraternidade e Mãe Terra.

Não nos surpreendamos, portanto, se o pretexto inicial com o qual a Maçonaria minou a autoridade da Igreja Católica em nome da liberdade religiosa desmoronar, deixando o domínio indiscutível -reconhecido também no nível institucional- da única religião compatível com a ideologia da Nova Ordem Mundial: o culto a Satanás. Quem, depois de ter se escondido por dois séculos atrás de Prometeu e da deusa da razão, hoje sai publicamente e reivindica para si aquela exclusividade que reprovou e negou à verdadeira Igreja, a ponto de se tornar uma "religião de estado", impondo seus dogmas absurdos e falsas crenças à comunidade internacional, doutrinando crianças e jovens nas escolas e obrigando os cidadãos a cumprirem os seus preceitos.

Parece que estamos testemunhando um renascimento mundial do paganismo sob o reinado de Juliano, o Apóstata: uma espécie de vingança dos cultos idólatras contra a religião de Cristo, uma vingança das trevas contra a luz. Mas isso, como sabemos, é ontologicamente impossível.

Exsurge Domine

Diante da abdicação da autoridade civil, existem muitos grupos em todo o mundo se organizando para se opor às violações das liberdades fundamentais, denunciá-las sempre que possível e coordenar a ajuda àqueles que são condenados ao ostracismo por sua resistência. Não é uma substituição de autoridade, nem uma forma de sedição: é a resposta necessária -esperando por tempos melhores- de quem vê seu futuro, seu patrimônio e sua própria vida ameaçados.

Eu considerei meu dever como pároco tomar uma iniciativa semelhante no âmbito eclesial, fundando a associação Exsurge Domine para combater a perseguição invertida, retrógrada, que padres e religiosos tradicionais estão sofrendo da seita bergogliana por causa de sua fidelidade à Igreja de Cristo, hoje infestado de traidores, corruptos e mercenários.

Exsurge Domine, sob meu patrocínio pessoal, quer ajudar clérigos, religiosos, monges e freiras que foram privados de seus meios de subsistência, expulsos de seus mosteiros e perseguidos por seus superiores por estarem ligados à liturgia apostólica ou porque eles não estão dispostos a renunciar ao carisma de sua ordem. Párocos afastados de sua paróquia de um dia para o outro, freiras a quem Roma impõe uma abadessa progressiva, clérigos reduzidos à laicidade sem processo e com acusações caluniosas: todas essas almas boas, apaixonadas pelo Senhor e fiéis à Igreja, precisam de ajuda material, apoio espiritual e assistência jurídica e canônica.

Peço a todos que sejam promotores desta iniciativa, junto com seus conhecidos e amigos, e contribuam conforme suas possibilidades para o financiamento de nosso primeiro projeto: a construção de uma vila monástica na província de Viterbo para acolher a beneditina comunidade de Pienza. Seu apoio, juntamente com suas orações, permitirá que esses bons sacerdotes e religiosos não sucumbam aos expurgos bergoglianos e possam exercer o ministério ou seguir o carisma que generosamente escolheram seguindo a vontade de Deus.

Conclusão

Gostaria de concluir meu discurso referindo-me a este mesmo lugar, Pontmain, onde em 17 de janeiro de 1871, a Virgem Maria apareceu sob o título de Nossa Senhora da França.

Pouco depois, em 18 de março de 1871, a Guerra Franco-Prussiana terminaria com a derrota de Napoleão III e os motins de março seguinte dariam origem à Comuna de Paris. Nesta circunstância, a maçonaria francesa (de inspiração socialista e ligada aos centros do poder cultural) organizou uma revolução que, no entanto, se afogou em sangue no mês de maio seguinte após a intervenção do governo de Versalhes por ordem da maçonaria inglesa (liberal e ligada à poder institucional).

Hoje essa fratura entre as diversas Maçonarias foi superada por um pactum sceleris que as une -concilium fecerunt in unum (Sl 70,10)- com o objetivo comum de completar o estabelecimento da Nova Ordem Mundial, premissa necessária para o reinado de o Anticristo.

A Santíssima Virgem, em sua aparição em Pontmain, não disse nada. A seus pés havia um pergaminho aberto com letras douradas que dizia: "Rezem, meus filhos. Deus lhes responderá muito em breve. Meu Filho permite que Seu Coração seja tocado." Bem, ainda hoje continuam verdadeiras e válidas estas palavras de conforto: o Senhor responderá muito em breve, porque há muitas almas boas que, nesta fase de apostasia e crise de autoridade, estão despertando da letargia em que permaneceram. por muito tempo.

A fraude infernal do globalismo está fadada ao fracasso total: neste ponto não pode haver dúvida. A Babel da Nova Ordem ruirá sob o peso de suas mentiras, marca inconfundível da obra do diabo. A tarefa que nos compete é proclamar a verdade, recordar ao mundo que a salvação só vem de Cristo, Príncipe da Paz, cujo senhorio sobre as nações e sobre a Igreja, usurpada por uma autoridade rebelde e corrupta, deve ser restaurada.

Que a Santíssima Virgem, Rainha das Vitórias e Medianeira de todas as Graças, apresse o fim desta tribulação, para que se cumpram as suas palavras pronunciadas em Fátima em 1917: "Por fim triunfará o meu Imaculado Coração."

+ Carlo Maria Viganò, Arcebispo

LifreSiteNews

Via:https://religionlavozlibre.blogspot.com/2023/08/el-fraude-satanico-del-nuevo-orden_6.html




Artigo Visto: 560

 




Total Visitas Únicas: 6.308.117
Visitas Únicas Hoje: 166
Usuários Online: 115