Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






08/08/2023
Viganò: Jornada Mundial da Juventude confirmou o plano de Bergoglio para provocar um cisma

"Preparemo-nos para um crescendo de provocações sem precedentes: bombas-relógio prestes a explodir para semear desorientação, confusão e divisão."

Esta é a terceira parte de uma entrevista que o arcebispo Carlo Maria Viganò concedeu ao veterano jornalista italiano Aldo Maria Valli.

Valli: Excelência, costumamos dizer “motus in fine velocior” – “o movimento é mais rápido no final” – sobre a atitude de Francisco destinada a liquefazer o pouco que resta da doutrina católica e abraçar o pensamento do mundo. As notícias mais recentes confirmam isso, incluindo mais uma de suas entrevistas. Qual é a sua avaliação?

Viganò: A Jornada Mundial da Juventude, realizada este ano em Lisboa, Portugal, confirmou a aceleração do plano de Bergoglio para provocar um cisma: suas últimas nomeações, para dizer o mínimo provocativas; as declarações dos novos cardeais nomeados, todas as quais confirmam a “revolução bergogliana”; a presença de James Martin para propagandear a aceitação da ideologia LGBTQ pelos jovens; A recente declaração de Bergoglio a uma pessoa transgênero: “Deus nos ama assim como somos; vá em frente” (aqui). Só faltou uma entrevista em que o argentino "confessou" perante uma redação de jornalistas que se ajoelharam e torceram para completar o quadro (aqui).

O tom de adoração da entrevista é além de embaraçoso, o que, para alguém que afirma detestar a hipocrisia e a subserviência, soaria trágico se não fosse tão grotesco. O servilismo enjoativo dos jornalistas chegou a dizer que Bergoglio é "como um padre rural acostumado a tratar todos igualmente, ou uma mulher que de sol a sol faz de tudo para sustentar a família". O lirismo abjeto de Vida Nueva, porém, tem o inconveniente de revelar a falsa espontaneidade das palavras do entrevistado, que, na verdade, foram cuidadosamente lançadas como bombas-relógio prestes a explodir.

Valli: Pela entrevista, parece que Bergoglio esperava tudo, menos se tornar Papa. Mas a história diz algo muito diferente...

Viganò: Estou surpreso porque a recriação evocativa de como ele ficou surpreso com a eleição não condiz com o que agora sabemos que aconteceu no Conclave de 2013, que também foi confiado por um cardeal eleitor que não pode revelar publicamente. E apresentando-se como speculumtotius humilitatis – espelho de toda a humildade – fala de si mesmo como “vítima do Espírito Santo e da Providência”, como que atribuindo o seu “pontificado” a Deus e a si próprio, e não às manobras tanto da igreja profunda, por meio da máfia de St. Gallen, quanto do estado profundo, por meio dos e-mails de John Podesta e Hillary Clinton.

Valli: Então, vamos às bombas-relógio…

Viganò: A primeira bomba-relógio: “O Sínodo era o sonho de Paulo VI. Quando o Concílio Vaticano II terminou, ele percebeu que a Igreja no Ocidente havia perdido a dimensão sinodal. Estas palavras são uma forma de confirmar o caráter subversivo da “colegialidade” do Vaticano II como contrapeso ao Primado petrino solene e infalivelmente proclamado no Concílio Vaticano I pelo Beato Pio IX. Assim, aprendemos que a colegialidade episcopal teorizada pelos inovadores da Lumen Gentium deve ser usada precisamente como um corpo parlamentar no modelo de formas civis de governo. Em essência, a "colegialidade" era a aplicação na esfera eclesiástica do princípio maçônico difundido pela Revolução Francesa para derrubar as monarquias católicas. “É uma questão de avançar para recuperar aquela dimensão sinodal que a Igreja oriental tem e que nós perdemos”, disse Bergoglio. Mas essa “dimensão sinodal” é um termo modernista da Novilíngua para desaprovar a intenção real de subverter deliberadamente o papado como uma forma monárquica de autoridade. Este é um ataque à instituição divina da Igreja, perpetrado por quem, ao contrário, deveria defendê-la dos hereges. Assistimos à derrubada da suprema autoridade magistral e governamental do Romano Pontífice, que é o elo da unidade católica, por aquele que se senta no trono de Pedro e que age e é obedecido em virtude da autoridade reconhecida pela Pontífices. É como ver o chefe dos bombeiros ordenar a seus subordinados que joguem gasolina no mato e queimem depois de esvaziar os tanques e esgotar o abastecimento de água.

Valli: Fala-se também do Sínodo de 2001…

Viganò: Sim, na sequência perturbadora das “reelaborações da realidade” de Bergogli há também uma lembrança do Sínodo de 2001, quando Bergoglio evoca este episódio: “Depois veio o cardeal encarregado da coordenação, examinou os papéis e começou a dizer :'Isto não é votado…ou isto. 'Respondi:' Eminência, isto veio dos grupos...' “E o ouvinte ingênuo pensa:“Olha como é bom o Bergoglio; ele quer o bas, isto é, dizer aos bispos quais são os verdadeiros problemas dos fiéis, etc., etc. ”, para descobrir que o que então “saíra dos grupos” se apresentava como tal, nem mais nem menos do que aconteceu ridiculamente no “Sínodo da Família” de 2015, para o qual os documentos foram previamente preparados pelo círculo de Bergoglio e tenha sido previamente aprovado por ele; e agora ainda mais evidente com o “Sínodo sobre a Sinodalidade”, por isso o questionário enviado às dioceses, paróquias e grupos foi formulado de forma a excluir algumas perguntas e orientar as respostas na direção desejada. Como Bergoglio nos assegura, “Mas as coisas foram 'purificadas'; avançamos, e hoje tudo é votado e ouvido”, devemos entender que os obstáculos antes representados pela Congregação para a Doutrina da Fé, por outras Congregações, agora foram eliminados seja pela nomeação de hereges perfeitamente alinhados ou através da expulsão da Cúria Romana de qualquer função de coordenação, em deferência às “igrejas nacionais” ou Conferências Episcopais, todas ocupadas por hereges e corruptos subservientes a Santa Marta.

“Também temos o exemplo do Sínodo sobre a Família. De fora, a Comunhão dos divorciados nos foi imposta como um grande tema. Neste caso era a psicologia da onda, que tentava se expandir. Mas, felizmente, o resultado foi muito mais longe… muito mais longe”. Ainda mais, diria, suscita o protesto formal de alguns cardeais e numerosos prelados, sacerdotes, religiosos e teólogos, em vista do afastamento da doutrina tradicional em matéria de adultério, concubinato público e família. Não esqueçamos a operação fraudulenta com que alguns capangas de Bergoglio roubaram das caixas de correio dos padres sinodais o livro sobre os erros de Amoris Lætitia, que denunciava a interferência dos progressistas na condução do Sínodo.

Mesmo em áreas onde a dissidência de fiéis e pastores contra o atual regime vaticano é maior, como a África, pessoas que têm o apoio de Bergoglio foram confiadas a cargos importantes de autoridade, mesmo que sejam completamente inadequadas para ocupar certos cargos de responsabilidade e grande responsabilidade.

Parece, então, que a afirmação “No Sínodo, o protagonista é o Espírito Santo”, serve para revestir as decisões tomadas por Jorge Mario de uma aura de autoridade, que nada têm de absolutamente divino, antes se revelam intrinsecamente opostas .ao Magistério Católico.

Valli: Fala-se também do “Vaticano III”…

Viganò: Sim, um jornalista de Vida Nueva pergunta provocativamente: “Este Sínodo sobre a sinodalidade parece abranger tudo: desde propostas de renovação litúrgica até a necessidade de comunidades mais evangelizadoras, incluindo uma verdadeira opção pelos pobres, um verdadeiro compromisso em termos de integral ecologia e aceitação de grupos LGBTQ. Você já pensou em dar-lhe a forma do Concílio Vaticano III? Deveríamos até ficar horrorizados ao ouvir a hipótese de que um Sínodo pudesse abordar questões tão delicadas - reforma litúrgica e evangelização das comunidades - e outras completamente alheias aos propósitos da Igreja, como "uma verdadeira opção preferencial pelos pobres, um verdadeiro compromisso em termos de ecologia integral e acolhimento de grupos LGBTQ”. No entanto, estes são os temas que estão sendo tratados na JMJ 2023 nestes dias, com a doutrinação criminal de milhares de jovens sobre o tema da “emergência ecológica” e a ideologia do despertar. E são os temas – obsessivamente repetidos pela mídia, nas escolas, no trabalho e na política – da Agenda 2030 e do Great Reset, ambos ontologicamente incompatíveis com a religião católica por serem inerentemente anticristãos.

A resposta de Bergoglio é preocupante: “As coisas não estão maduras para um Concílio Vaticano III. E nem é necessário neste momento, pois o Concílio Vaticano II ainda não começou. Isso era muito arriscado e tinha que ser levado em consideração. Mas há sempre aquele medo que se espalha entre nós pelas mãos dos 'Velhos Católicos', que já no Vaticano se autodenominavam 'depositários da verdadeira fé'”.

Valli: Qual é o objetivo final?

Viganò: Nós entendemos que o de Bergoglio é semear a divisão e destruir. Seu modus operandis é sempre o mesmo. Em primeiro lugar, provoca artificialmente um "debate" sobre questões que não podem ser objeto de controvérsia na Igreja, uma vez que já foram definidas pelo Magistério. Opõe “ultraprogressistas” a “conservadores”. “Os católicos tradicionais, como expliquei anteriormente, há muito não seguem essas ilusões da neo-igreja, e isso é bom. Ele então se certifica de que o que deseja alcançar - mudança doutrinal, moral, disciplinar e litúrgica - seja proposto por um mediador que parece neutro, que se apresenta como tentando encontrar um compromisso, quando na verdade ele favorece o lado progressista. A esta altura, Bergoglio, do alto e como que descobrindo só então que há um assunto a ser esclarecido sobre o qual é necessário um pronunciamento autorizado, impõe uma mudança que parece menos grave do que a solicitada pelos ultraprogressistas, mas que é ainda inadmissível para os católicos, que nesse ponto são forçados a desobedecer. E esta desobediência é imediatamente denunciada como heresia ou cisma, simplesmente recordando os erros dos Velhos Católicos, que rejeitaram o Concílio Vaticano I.

Mas aqui reside a mais traiçoeira ilusão: os desvios doutrinários dos Velhos Católicos são simplesmente descartados por Bergoglio dizendo que eles afirmam ser "repositórios da verdadeira fé" - algo que todo heresiarca sempre afirmou estar fazendo - enquanto os Velhos Católicos provaram que eles compartilham muito mais heresias com a Igreja Bergogliana do que qualquer coisa que possam ter em comum com os tradicionalistas, começando com o sacerdócio feminino. E é surpreendente que Bergoglio não se lembre de que os apelos doutrinários dos Velhos Católicos começaram muito antes do Concílio Vaticano I, com questões sobre as nomeações papais de bispos na Holanda, mas logo demonstraram sua proximidade com os modernistas tanto por aderirem ao movimento ecumênico protestante -o que foi firmemente condenado pela Igreja Católica- como ao teorizar um retorno à "fé dos indivisos". Igreja do primeiro milênio”, tema tão caro aos partidários do Concílio Vaticano II.

Compreendemos, então, que a identificação de um inimigo – neste caso “os rígidos”, isto é, os católicos fiéis ao Magistério imutável – é o corolário da divinização da Revolução na Igreja. O Sínodo é apresentado como obra do Espírito Santo e Bergoglio é simplesmente uma vítima da Providência. Assim, ou aceitamos a apostasia desejada por Deus - o que é absurdo, além de blasfemo - ou acabamos ipso facto no círculo dos inimigos de Bergoglio, merecendo por isso mesmo a condenação reservada aos hereges e cismáticos. É uma maneira estranha de entender a parrhesia [direção] e a “inclusividade” da igreja da misericórdia.

Valli: A entrevista também aborda o tema dos “rígidos”, que são tão desagradáveis para o Papa…

Viganò: “Francisco não está nada alheio à resistência à reforma que está prestes a realizar”, comenta um jornalista. E cita as palavras de um padre “que tem um pé na Cúria e outro na diocese” – “Estou preocupado com a rigidez dos jovens padres”, conclui Bergoglio. Claro!

Tranquiliza os leitores, espantados por Bergoglio ainda não ter se aventurado em um de seus monólogos contra padres que não chamarei de tradicionais, mas que são até vagamente conservadores. Desde os primeiros dias de seu "pontificado" é precisamente contra esses "padres rígidos" que ele teceu uma série inigualável de insultos e desprezos. A provocação do padre “que cheira a cheiro de ovelha” - imagino que também esteja de jeans e tênis - oferece uma oportunidade a esse ator, que não para de capitalizar, ying prontamente responde:

“Eles reagem assim porque têm medo de um momento de insegurança que estamos vivendo, e esse medo os impede de seguir em frente. Precisamos remover esse medo e ajudá-los. Trata-se de uma abordagem psicanalítica que nos surpreende, de fato, e denuncia o desejo de reprogramar o clero, que se preocupa justamente com um “momento de insegurança” de 60 anos para induzi-lo a ceder às inovações e desvios do Concílio. Mas as palavras do entendimento hipócrita imediatamente se transformam em acusações e insinuações: “Por outro lado, essa casca esconde muita podridão. Já tive que intervir em algumas dioceses de vários países com parâmetros semelhantes. Por trás desse tradicionalismo descobrimos graves problemas morais e vícios, vidas duplas. Todos nós conhecemos bispos que, precisando de padres, recorreram a pessoas que haviam sido expulsas de outros seminários por serem imorais. ”

É de se espantar a determinação de Bergoglio em erradicar dos seminários conservadores o vício indizível dos gregos, mas sem querer admiti-lo mesmo diante das denúncias das vítimas do predador serial McCarrick, o abusador de seminaristas e jovens clérigos. , junto com a multidão lavanda de seus asseclas, que foram feitos cardeais e colocados no comando dos dicastérios romanos. E não parece que este novo Pedro Damián de Santa Marta considere o ex-jesuíta Rupnik digno de suas flechas, por quem revogou a excomunhão pelos gravíssimos crimes e indizíveis sacrilégios com que foi manchado. Se você quiser ver Rupnik acorrentado em uma cela no Castel Sant'Angelo, coloque o cappello romano [o chapéu romano] em sua cabeça.

A clemência de Bergoglio para com seus protegidos - entre os quais há uma longa lista de irmãos jesuítas, unidos pela heresia no plano doutrinário e pela sodomia no plano moral - talvez não se explique pelo fato de que, quando era mestre de noviços, o argentino se comportava de maneira uma maneira não muito diferente da do ex-arcebispo de Washington? Qui legítimo inteligente.

Esqueçamos, então, as palavras de Nosso Senhor no Evangelho: "Vem, servo bom e fiel, porque foste fiel nas pequenas coisas" (Mt 25,21), e escutemos a "vítima do Espírito Santo". ” : “Não gosto de rigidez porque é um sintoma feio da vida interior da pessoa. O pastor não pode se dar ao luxo de ser rígido. […] Alguém me disse recentemente que a rigidez dos jovens padres surge porque eles estão cansados do relativismo atual, mas nem sempre é assim. E aqui encontramos reproposto o típico clichê dos anticlericais do século XIX: os que parecem virtuosos são fariseus escondendo vícios imundos, enquanto os que parecem viciosos e imorais são na verdade bons e só precisam ser aceitos.

E depois fala da “beata Imelda” –suponho que se refere à beata Imelda Lambertini, uma religiosa dominicana que morreu depois de receber milagrosamente a Sagrada Eucaristia que lhe foi trazida pelos Anjos–, ou seja, os sacerdotes de um mundo irreal. e modelo irreverente de religiosidade, que agem como freiras ostensivas, que fazem “cara de santo”, que contrastam com os “seminaristas normais, com seus problemas, que jogam futebol, que não vão aos bairros para dogmatizar. “Mais vale ser um bom leigo do que um mau padre, como resumiam os mangiapreti do passado com menos hipocrisia, sabendo bem que o paradoxo tinha de servir para estigmatizar a maioria dos bons e não a minoria dos maus _

Valli: O comentário da redação de Vida Nueva é preocupante: “Uma vez ordenados esses padres identificados como 'rígidos', como eles são acompanhados para entrar no Concílio Vaticano II? Porque, no fundo, eles sofrem por não conseguir aceitar o que está por vir... ”

Viganò: De fato, um membro do Comitê Central do Partido Comunista Chinês: Como vamos reprogramar esses padres para forçá-los a aceitar as inovações do Concílio? Com chantagem, com autoritarismo, com intimidação e, sobretudo, mostrando-lhes o que acontece a quem não cede. Fazendo-os “suavizar”: “Há pessoas que vivem presas a um manual de teologia, incapazes de se meter em encrencas e fazer a teologia avançar. “Para“ se meter em confusão“, como afirma Bergoglio, hoje não é preciso ser herege ou corrupto, mas fiel ao Magistério, “preso a um manual de teologia. E conclui com uma de suas pérolas de sabedoria: “A teologia estagnada me lembra que a água estagnada é a primeira a apodrecer, e a teologia estagnada gera corrupção. Deve-se notar que essa “estagnação” da teologia é, na verdade, uma característica dos inovadores: por meio século, eles ficaram presos às reivindicações heréticas dos protestantes do início do século XX, às reivindicações sociais de “opção preferencial”. os pobres” dos anos 70, e não compreendem que a vitalidade da Revelação católica é muito diferente da revolução permanente imposta pelo Vaticano II.

A solução proposta por Bergoglio vai no sentido de uma secularização dos institutos de formação clerical: “Devemos enfatizar uma formação humanística. Abramo-nos a um horizonte cultural universal que os humanize. Os seminários não podem ser cozinhas ideológicas. Os seminários devem formar pastores, não ideólogos. O problema dos seminários é grave”.

Lembremos que as disciplinas “humanísticas” são as humanæ res et litteræ, as humanidades, com as quais a “humanização” de uma formação secular e “universal” nada tem a ver. Escusado será dizer que, se um seminário não oferece formação intelectual e doutrinal –definida precisamente como “cozinha ideológica”– os novos padres não terão nada de novo para ensinar ao mundo, tornando-se assim inúteis e supérfluos.

Bergoglio demonstra mais uma vez que denuncia o comportamento dos outros como condenável no exato momento em que ele próprio adota o mesmo comportamento. Sobre a necessidade de privilegiar a relação do bispo com seu rebanho, ele não percebe que suas palavras soam como uma zombaria quando diz: "Você já vê que nas novas nomeações de bispos, não só na Espanha, mas em todo o mundo ". – Eu aplico um critério geral: uma vez que um bispo é residente e designado, ele já é casado com aquela diocese. Se você olhar para o outro [se estiver esperando uma transferência], é adultério episcopal. 'Quem busca promoção comete' adultério episcopal. No entanto, bispos queridos por seus fiéis, como o bispo Joseph Strickland, no Texas, são submetidos a intimidações e visitas apostólicas para removê-los e forçá-los a renunciar. E acrescenta-se o paradoxo de que o maior autor do “adultério episcopal” é o próprio Bergoglio, em sua obsessão em assimilar o episcopado aos seus planos subversivos, promovendo personagens corruptos em todas as principais praças. : veja a lista interminável de Cupich, Gregory, Tobin, McElroy, Tagle, Hollerich, Grech, Zuppi….

Valli: A entrevista em grupo também aborda o tema da iniciativa “verde”…

Viganò: Sim, inevitavelmente. “Para novembro, antes da Cúpula do Clima da ONU em Dubai, estamos organizando um encontro de paz com líderes religiosos em Abu Dhabi. O cardeal Pietro Parolin está coordenando esta iniciativa, que acontecerá fora do Vaticano, em um território neutro que convida a todos para o encontro. Porque - como compreendemos - o mais importante é o encontro, o caminhar juntos, "um lugar neutro", mesmo que o caminho percorrido conduza ao abismo. E bem sabemos que "neutro" significa ostensivamente não católico, no qual não há lugar para Nosso Senhor: a ânsia de Bergoglio em aparecer em todos os eventos abertamente hostis a Cristo deveria ser suficiente para compreendermos quão completamente estranho, incompatível e heterogêneo ele é em relação a Cristo, ao papel que ocupa. Os únicos de quem ele não tem pena são os católicos, e especialmente os padres católicos, porque eles têm o poder de oferecer o Santo Sacrifício à Divina Majestade e de derramar infinitas graças sobre a Igreja, graças que impedem os planos dos trabalhadores de iniquidade.

Valli: O que você prevê para o futuro imediato?

Prepare-se para um crescendo de provocações sem precedentes: bombas-relógio prestes a explodir para semear desorientação, confusão e divisão. Mas preparemo-nos também para o despertar das consciências, sobretudo a consciência dos fiéis e do clero, mas – se Deus quiser – também a consciência de algum Bispo, perante tais atrocidades, em defesa da Igreja de Cristo. Muito em breve poderemos ter ao nosso lado pessoas corajosas, honestas e boas que não podem mais se permitir os delírios de uma seita de hereges sem fé, sem esperança e sem caridade.

Aldo Maria Valli

Fonte:https://www.aldomariavalli.it/2023/08/07/interview-archbishop-carlo-maria-vigano-with-aldo-maria-valli-after-bergoglios-statements-to-the-spanish-newspaper-vida-nueva/

---

A BATALHA GRASSA AGORA ENTRE A MINHA HIERARQUIA E O DOMÍNIO DA BESTA

Quinta-Feira, 12 de Março de 2013, 14:38 h.

Minha querida filha, os Céus choram de tristeza neste dia terrível predito há muito.

Toda a humanidade vai agora enfrentar a maior decepção de todas, que foi perpetrada pela besta.

As lágrimas do Meu Filho, cuja morte na Cruz deu a liberdade aos Meus filhos, caem agora por todo o mundo neste momento, em agonia.

A Minha Ira está contida neste momento, mas a Minha Fúria é grande. Muito em breve o logro tornar-se-á claro para todos os nomeados pelo Meu Filho para conduzir o Seu rebanho na Terra.

A batalha grassa agora entre a Minha hierarquia e o domínio da besta. Será doloroso mas, em breve, o castigo, que se seguirá à perseguição do mal, comandada pelo inimigo e o seu grupo, acabará com a podridão.

Eu apelo a todos os Meus filhos que regressem ao Meu Filho e que coloquem toda a sua confiança n’Ele, neste momento. Sede corajosos, Meus pequenos, pois esta dor será de curta duração. Aos que seguem a besta e o falso profeta, ser-lhes-á dado discernimento, pelo poder da Minha Mão, para os trazer de volta ao Coração do Meu Filho. Se rejeitarem esta Dádiva, então eles perdem-se e sofrerão o mesmo tormento que enfrenta o impostor, que será lançado no abismo para a eternidade.

A coroação do falso profeta será celebrada por grupos maçônicos, em todos os cantos, os quais planeiam os estágios finais da perseguição a todos os Meus filhos.

Aqueles que vão celebrar com ele e, quem sabe, com a melhor vontade, sentirão, com o tempo, ainda mais dor do que aqueles que já conhecem a Verdade.

Aguardem agora com coragem e esperança, porque tudo isso deve acontecer antes que o Glorioso Reino do Meu Filho se manifeste.

Vós deveis prometer fidelidade ao Meu amado Filho em todos os momentos e recusar-vos a aceitar mentiras. Se e quando vos for pedido que participeis numa nova Missa, sabei que será a maior maldição já infligida por Satanás contra os Meus filhos.

Sabei que o Céu vos guiará, e que, aceitando a dor com dignidade, vós ajudareis o Meu Filho a cumprir o Pacto Final.

O vosso Amado Pai

Deus, o Altíssimo

Fonte:https://www.elgranaviso-mensajes.com/news/a12-mar-2013-deus-pai-a-batalha-grassa-agora-entre-a-minha-hierarquia-e-o-dominio-da-besta/




Artigo Visto: 565

 




Total Visitas Únicas: 6.308.150
Visitas Únicas Hoje: 199
Usuários Online: 128