Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






11/08/2023
Cardeal Burke / Disciplina e Doutrina: Lei a Serviço da Verdade e do Amor. O Papel do Direito Canônico

Após um período de intensos trabalhos e discussões acaloradas, o Papa São João Paulo II promulgou o Código de Direito Canônico revisado em 25 de janeiro de 1983, cerca de vinte e quatro anos depois de ter sido anunciado.

por Raymond Leo Cardeal Burke

No período imediatamente anterior ao Concílio Ecumênico Vaticano II e, mais ainda, no período pós-conciliar, a disciplina canônica da Igreja foi questionada em seus próprios fundamentos. A crise do direito canônico teve sua origem nos mesmos pressupostos filosóficos que inspiraram uma revolução moral e cultural em que o direito natural, o ethos moral da vida individual e da vida em sociedade, foi questionado em favor de uma abordagem histórica em que a natureza do homem e da própria natureza já não gozavam de nenhuma identidade substancial, mas apenas de uma identidade mutável e, às vezes, ingenuamente considerada progressiva.

Dentro da Igreja, a reforma do Código de Direito Canônico de 1917, anunciada pelo Papa São João XXIII, uma reforma que só começou a sério cerca de 10 anos depois e depois progrediu lentamente durante os últimos anos do Pontificado do Papa São Paulo VI e os primeiros anos do pontificado do Papa São João Paulo II, pareciam questionar a necessidade da disciplina canônica e abriram um fórum para que certos teólogos e canonistas questionassem os próprios fundamentos do direito na Igreja. O chamado “Espírito do Vaticano II”, que era um movimento político divorciado do ensinamento perene e da disciplina da Igreja, exacerbou muito a situação. Após um período de intensos trabalhos e discussões acaloradas, o Papa São João Paulo II promulgou o Código de Direito Canônico revisado em 25 de janeiro de 1983, cerca de vinte e quatro anos depois de ter sido anunciado.

Durante o longo pontificado do Papa São João Paulo II, grandes progressos foram feitos para renovar o respeito pela disciplina canônica que, como ele explicou ao promulgar o Código de 1983, tem suas primeiras raízes na efusão do Espírito Santo nos corações dos homens de o glorioso Coração trespassado de Jesus.[1]

Ao promulgar o Código de Direito Canônico, o Papa João Paulo II recordou o serviço essencial da disciplina canônica à santidade de vida, a vida renovada em Cristo, que o Concílio Ecumênico Vaticano II quis promover. Ele escreveu:

Devo reconhecer que este Código deriva de uma única e mesma intenção, a renovação da vida cristã. De tal intenção, de fato, todo o trabalho do conselho tirou suas normas e sua direção.[2]

Estas palavras apontam para o serviço essencial do direito canónico na obra de uma nova evangelização, ou seja, viver a nossa vida em Cristo com o empenho e a energia dos primeiros discípulos. A disciplina canônica é dirigida à busca, em todos os momentos, da santidade de vida.

O santo Pontífice então descreveu a natureza do direito canônico, indicando seu desenvolvimento orgânico desde a primeira aliança de Deus com Seu povo santo. Ele recordou “o distante patrimônio de direito contido nos livros do Antigo e do Novo Testamento, do qual deriva toda a tradição jurídico-legislativa da Igreja, como de sua primeira fonte”[3]. O próprio Cristo, no Sermão da Montanha, declarou que não veio para abolir a lei, mas para levá-la a cabo, ensinando-nos que é, de fato, a disciplina da lei que abre o caminho para a liberdade no amor a Deus e nosso vizinho.[4] Ele observou: “Assim, os escritos do Novo Testamento nos permitem compreender ainda melhor a importância da disciplina e nos fazem ver melhor como ela está mais intimamente ligada ao caráter salvífico da própria mensagem evangélica”[5].

Os trabalhos do Papa São João Paulo II deram frutos notáveis para a restauração da boa ordem da vida eclesial, que é a condição insubstituível para o crescimento na santidade de vida. Como canonista, noto, em várias partes do mundo eclesial, cada vez mais iniciativas, talvez pequenas, mas fortes, para promover o conhecimento e a prática da disciplina da Igreja, de acordo com a verdadeira reforma pós-conciliar, ou seja, em continuidade com a disciplina perene da Igreja.

Hoje assistimos tristemente a um regresso à turbulência do período pós-conciliar. Nos últimos anos, a lei e até a própria doutrina foram repetidamente questionadas como um impedimento para o cuidado pastoral eficaz dos fiéis. Grande parte da turbulência está associada a uma certa retórica populista sobre a Igreja, incluindo sua disciplina.

Também foi promulgada uma nova legislação canônica que está claramente fora da tradição canônica e, de maneira confusa, põe em questão aquela tradição por ter servido fielmente a verdade da fé com amor. Refiro-me, por exemplo, aos atos legislativos relativos ao delicado processo de declaração de nulidade do matrimônio que, por sua vez, atinge o próprio fundamento da nossa vida na Igreja e na sociedade: o matrimônio e a família.

Dada a situação em que se encontra a Igreja, parece especialmente importante que possamos dar conta do insubstituível serviço do direito na Igreja, como também na sociedade. É especialmente importante que saibamos reconhecer e corrigir a retórica que confunde e até induz ao erro um bom número de fiéis.

Para tanto, abordo a relação essencial e insubstituível da doutrina e do direito com a pastoral da Igreja, isto é, com a realidade cotidiana da vivência cristã. Primeiro, abordarei a retórica populista generalizada sobre a Igreja e suas instituições. Em seguida, apresentarei um ensinamento fundamental sobre o assunto, a saber, o discurso à Rota Romana do Papa São João Paulo II em 18 de janeiro de 1990.

Retórica populista em relação à Igreja

Nos últimos anos, certas palavras, por exemplo, “pastoral”, “misericórdia”, “escuta”, “discernimento”, “acompanhamento” e “integração” foram aplicadas à Igreja de uma forma mágica, que isto é, sem definição clara, mas como lemas de uma ideologia que substitui o que é insubstituível para nós: a constante doutrina e disciplina da Igreja.

Algumas das palavras, como “pastoral”, “misericórdia”, “escuta” e “discernimento” têm um lugar na tradição doutrinal e disciplinar da Igreja, mas agora estão sendo usadas com um novo significado e sem referência a Tradição. Por exemplo, o cuidado pastoral agora é regularmente contrastado com a preocupação com a doutrina, que deve ser seu fundamento. A preocupação com a doutrina e a disciplina é caracterizada como farisaica, por querer responder com frieza ou até violência aos fiéis que se encontram em situação irregular moral e canonicamente. Nesta visão errônea, a misericórdia se opõe à justiça, a escuta se opõe ao ensino e o discernimento se opõe ao julgamento.

Outras palavras são de origem secular, por exemplo, “acompanhamento” e “integração”, e são usadas sem fundamentar-se na verdade da fé ou na realidade objetiva de nossa vida na Igreja. Por exemplo, a integração é divorciada da comunhão que é o único fundamento da participação na vida de Cristo na Igreja.

Esses termos são freqüentemente usados em um sentido mundano ou político, guiados por uma visão da natureza e da realidade em constante mudança. A perspectiva da vida eterna é eclipsada em favor de um tipo de visão popular da Igreja na qual todos devem se sentir “em casa”, mesmo que sua vida diária seja uma contradição aberta com a verdade e o amor de Cristo. Em qualquer caso, o uso de qualquer um desses termos deve estar firmemente fundamentado na verdade, juntamente com sua expressão tradicional de nossa incorporação ao Corpo Místico de Cristo por uma fé, uma vida sacramental e uma disciplina ou governo.

A questão é complicada porque a retórica costuma estar ligada à linguagem usada pelo Papa Francisco de maneira coloquial, seja em entrevistas concedidas em aviões ou em veículos de comunicação, seja em comentários espontâneos a diversos grupos. Assim sendo, quando alguém coloca os termos em questão no contexto próprio do ensino e da prática da Igreja, pode ser acusado de falar contra o Santo Padre. Como resultado, somos tentados a permanecer calados ou a tentar explicar doutrinariamente uma linguagem que confunde ou mesmo contradiz a doutrina.

A maneira como entendi o dever de corrigir uma retórica populista sobre a Igreja é distinguir, como a Igreja sempre fez, as palavras do Papa das palavras do Papa como Vigário de Cristo. Na Idade Média, a Igreja falava dos dois corpos do Papa: o corpo do homem e o corpo do Vigário de Cristo. Com efeito, a tradicional vestimenta papal, sobretudo a mozeta vermelha com a estola representando os Apóstolos Santos Pedro e Paulo, representa visivelmente o verdadeiro corpo do Vigário de Cristo quando expõe o ensinamento da Igreja.

O Papa Francisco escolheu falar frequentemente em seu primeiro corpo, o corpo do homem que é Papa. De fato, mesmo em documentos que, no passado, representaram um ensino mais solene, ele afirma claramente que não está oferecendo um ensino magistral, mas seu próprio pensamento. Mas aqueles que estão acostumados a uma maneira diferente de falar papal querem fazer de alguma forma cada declaração sua parte do Magistério. Fazê-lo é contrário à razão e ao que a Igreja sempre entendeu.

Fazer a distinção entre os dois tipos de discurso do Romano Pontífice não é, de forma alguma, desrespeitar o ofício petrino. Muito menos, constitui inimizade do Papa Francisco. De fato, ao contrário, mostra respeito último pelo ofício petrino e pelo homem a quem Nosso Senhor o confiou. Sem a distinção, alguém facilmente perderia o respeito pelo papado ou seria levado a pensar que, se não concorda com as opiniões pessoais do homem que é o Romano Pontífice, deve romper a comunhão com a Igreja.

Em todo caso, quanto mais tal retórica é usada sem corretivo, isto é, sem relacionar a linguagem com o ensinamento e a prática constante da Igreja, mais confusão entra na vida da Igreja. Os canonistas têm uma responsabilidade particular de esclarecer qual é a doutrina e a disciplina correspondente da Igreja. Por isso, em particular, julguei importante esclarecer a finalidade do Direito Canônico.

A conexão intrínseca entre a disciplina canônica e a prática pastoral

Em seu Discurso de 1990 à Rota Romana (o tribunal ordinário de apelação do Papa), o Papa São João Paulo II descreve a inseparabilidade da sã prática pastoral e da disciplina canônica:

A dimensão jurídica e a pastoral estão inseparavelmente unidas na Igreja peregrina nesta terra. Acima de tudo, eles estão em harmonia por causa de seu objetivo comum – a salvação das almas. Mas há mais. Com efeito, a atividade jurídico-canônica é pastoral por sua própria natureza. Constitui uma participação especial na missão de Cristo, o pastor (pastor), e consiste em tornar realidade a ordem da justiça intra-eclesial querida pelo próprio Cristo. A pastoral, por sua vez, embora vá muito além dos aspectos jurídicos, inclui sempre uma dimensão de justiça. De fato, seria impossível conduzir as almas ao reino dos céus sem aquele mínimo de amor e prudência que se encontra no compromisso de fazer com que a lei e os direitos de todos na Igreja sejam fielmente observados.[6]

Como esclarece o Papa João Paulo II, não se pode falar em exercer a virtude do amor na Igreja, se não praticarmos a virtude da justiça, que é o mínimo exigido para uma relação de amor.

O santo Pontífice enfrenta então diretamente a tendência pronunciada da época, que voltou fortemente em nosso tempo, de opor preocupações pastorais e exigências jurídicas ou disciplinares. Ele sublinha a natureza insidiosa de tal oposição para a vida da Igreja:

Daí resulta que qualquer oposição entre a dimensão pastoral e a dimensão jurídica é enganosa. Não é verdade que, para ser mais pastoral, a lei deva tornar-se menos jurídica. Certamente, devem ser lembradas e aplicadas as muitíssimas expressões daquela flexibilidade que sempre marcou o direito canônico, precisamente por motivos pastorais. Mas as exigências da justiça também devem ser respeitadas; eles podem ser substituídos por causa dessa flexibilidade, mas nunca negados. Na Igreja, a verdadeira justiça, animada pela caridade e temperada pela equidade, merece sempre o adjetivo descritivo pastoral. Não pode haver exercício da caridade pastoral que não leve em conta, antes de tudo, a justiça pastoral.[7]

A instrução clara do Papa São João Paulo II é mais oportuna na atual crise crescente em relação à disciplina da Igreja. Expressa o que tem sido o ensinamento e prática constante da Igreja sobre misericórdia e justiça, cuidado pastoral e integridade disciplinar.

A Serviço da Justiça no Amor

É minha esperança que esta pequena reflexão seja de alguma ajuda para você entender o estado atual do direito canônico na Igreja. Num tempo de crise, tanto na Igreja como na sociedade civil, é essencial que o nosso serviço à justiça esteja firmemente enraizado na verdade da nossa vida em Cristo na Igreja, que é o Bom Pastor que nos ensina, santifica e disciplina na Igreja. Não há, portanto, nenhum aspecto da disciplina perene da Igreja que possa ser negligenciado ou mesmo contrariado sem comprometer a integridade do cuidado pastoral exercido na pessoa de Cristo, Cabeça e Pastor do rebanho em todos os tempos e lugares.

Pelos méritos de Cristo Juiz dos Vivos e dos Mortos e pela intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, Sua Mãe e Espelho da Sua Justiça, que cada um de nós permaneça fiel e firme no serviço à justiça que é o mínimo, mas condição insubstituível do amor a Deus e ao próximo.

Raymond Leo Cardeal Burke

[1] Ver Canon Law Society of America, Code of Canon Law: Latin-English Edition, New English Translation, Washington, DC: Canon Law Society of America, 1998, p. xxvii. [Doravante, CCL-1983].

[2] CCL-1983, p. xxviii.

[3] CCL-1983, p. xxix.

[4] Cfr. Mt 5:17–20.

[5] CCL-1983, p. xxix.

[6] Alocuções papais à Rota Romana 1939-2011, ed. William H. Woestman (Ottawa: Faculdade de Direito Canônico, Saint Paul University, 2011), pp. 210–211, no. 4. [Doravante, Alocuções].

[7] Alocuções, p. 211, nº. 4.

cardinalburke.com

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/08/11/cardinal-burke-discipline-and-doctrine-law-in-the-service-of-truth-and-love-the-role-of-canon-law/




Artigo Visto: 371

 




Total Visitas Únicas: 6.308.131
Visitas Únicas Hoje: 180
Usuários Online: 125