Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






24/08/2023
Sínodo sobre sinodalidade. O Cardeal Burke adverte: “A confusão, os erros e as divisões atingirão ainda mais a Igreja”

O Cardeal Burke adverte: O próximo Sínodo sobre a Sinodalidade é “uma revolução” em ação “para mudar radicalmente a autocompreensão da Igreja de acordo com uma ideologia contemporânea que nega muito do que a Igreja sempre ensinou e praticou”.

por Júlio Gomes

No prefácio do novo livro Processo sinodal: uma caixa de Pandora. Cem perguntas e cem respostas [ Duc in altum tratou do assunto aqui ], o Cardeal Raymond Burke observa que a “sinodalidade”, destinada a redefinir o catolicismo, “não tem história na doutrina da Igreja” e “nenhuma definição razoável”.

Lamentando o “dano claro e grave” que o processo sinodal “está infligindo ao Corpo Místico de Cristo”, Burke adverte os católicos que o modelo sinodal, que já está espalhando confusão, erro e cisma na Alemanha, será replicado na Igreja universal .

Citando o pensador católico Plinio Corrêa de Oliveira, os autores do livro José Antonio Ureta e Julio Loredo explicam como a sinodalidade é utilizada como uma “palavra talismânica” que “é suscetível de ser radicalizada e abusada para fins de propaganda” dado o seu significado “elástico” ”.

Ureta e Loredo alertam que o projeto sinodal do Papa Francisco é um processo “revolucionário” que “reaviva velhas heresias repetidamente condenadas pelo Magistério” e corre “o perigo iminente de construir uma Igreja nova, diferente da católica como sempre existiu”.

Os autores sublinham: “Para um observador atento, este panorama assume tons apocalípticos. Está em curso uma manobra para demolir a Santa Madre Igreja, apagando os elementos básicos da sua constituição orgânica e da sua doutrina, tornando-a irreconhecível”.

Na forma de um catecismo de uma centena de perguntas e respostas, os autores explicam como as mudanças propostas são “tão radicais que os documentos sinodais falam de ‘conversão’, como se a Igreja estivesse no caminho errado e precisasse fazer uma mudança radical. vez".

Sobre o pecado mortal da sodomia, Ureta e Loredo observam que alguns padres sinodais estão “procurando brechas para legitimar canonicamente as uniões homossexuais” e “abrindo-lhes todos os sacramentos, incluindo o casamento”.

“Quase todos os documentos que concluem as etapas continentais do caminho sinodal (Sínteses Continentais) mencionam explicitamente a necessidade de incluir as pessoas LGBT” e “dizem explicitamente que foi dada especial atenção à consulta das 'minorias marginalizadas'”.

O cardeal Jean-Claude Hollerich, relator geral do Sínodo “declarou que a doutrina da Igreja sobre as relações homossexuais é ‘falsa’ e deve, portanto, ser mudada porque ‘o fundamento sociológico-científico deste ensinamento já não é correto'”.

Além disso, alguns bispos franceses pediram ao Papa Francisco que eliminasse do Catecismo da Igreja Católica a descrição dos atos homossexuais como “intrinsecamente desordenados” e “contrários à lei natural” e criaram uma comissão para estudar a reformulação da doutrina sobre este tema. .

O livro descreve o espectro de um Sínodo que aprovará diaconisas e até sacerdotisas, observando como o próprio Papa Francisco “estipulou que até 25 por cento dos participantes do Sínodo serão leigos, homens e mulheres, todos com direitos de voto iguais aos dos bispos”.

Mesmo que o processo sinodal aprove apenas algumas propostas, “as mudanças na Igreja Católica seriam tais que poderíamos legitimamente perguntar se ela ainda se assemelharia à Santa Igreja Católica Romana e Apostólica fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Entre outras mudanças, o Sínodo também procura acabar com o celibato obrigatório para padres e incluir “minorias marginalizadas”, como “divorciados e recasados, pais solteiros, pessoas que vivem em casamentos polígamos, pessoas LGBTQ, etc”.

Explicando a metodologia sinodal, o livro mostra como a hierarquia “permite que a tensão entre tese e antítese cresça até que uma síntese consensual seja alcançada”.

O livro demonstra o fracasso do modelo sinodal na Igreja da Inglaterra, citando o testemunho de dois ex-bispos anglicanos, Dr. Gavin Ashenden e Dr. Michael Nazir-Ali, ambos recentemente convertidos ao catolicismo.

O espírito sinodal “é inspirado em antigos erros e heresias”, como a “corrente conciliarista” humanista que surgiu já no século XV e que “procurou reduzir o poder hierárquico do papa em favor de uma assembleia conciliar”.

Num tal cenário, o papa, reduzido a  primus inter pares  (primeiro entre iguais), seria obrigado a submeter-se às decisões do sínodo alcançadas através de um voto democrático e maioritário dos seus participantes.

O mito de Pandora tem origem nos escritos do poeta grego Hesíodo. Antes de deixar Pandora na terra, o deus grego Zeus entregou-lhe um lindo vaso e disse: “Este é o meu presente especial para você. Nunca abra."

Porém, a curiosidade de Pandora levou a melhor: ela abriu o caixão e saiu tudo o que afligiria para sempre a humanidade: problemas, infortúnios, dor, doença, vício, violência, ganância, loucura, velhice, morte.

Fonte: churchmilitant.com

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/08/24/sinodo-sulla-sinodalita-il-cardinale-burke-avverte-confusione-errori-e-divisioni-si-abbatteranno-ancora-di-piu-sulla-chiesa/




Artigo Visto: 325

 




Total Visitas Únicas: 6.306.373
Visitas Únicas Hoje: 627
Usuários Online: 148