Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






30/08/2023
Carta de Bispo Strickland reafirma a Fé Católica e deixa aviso sobre o Sínodo de Outubro

Meus queridos filhos e filhas em Cristo: Que o amor e a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo estejam sempre convosco!

Neste tempo de grande turbulência na Igreja e no mundo, devo falar-vos com coração de pai para vos advertir dos males que nos ameaçam e para vos assegurar a alegria e a esperança que temos sempre em Nosso Senhor Jesus Cristo.

A mensagem má e falsa que invadiu a Igreja, Esposa de Cristo, é que Jesus é apenas um entre muitos, e que não é necessário que a Sua mensagem seja partilhada com toda a Humanidade. Esta ideia deve ser rejeitada e refutada. Temos de partilhar a alegre boa nova de que Jesus é o nosso único Senhor e que Ele deseja que toda a Humanidade, para todo o sempre, possa abraçar a vida eterna n'Ele.

Quando compreendermos que Jesus Cristo, o Filho Divino de Deus, é a plenitude da revelação e o cumprimento do plano de salvação do Pai para toda a Humanidade e para todos os tempos, e O abraçarmos de todo o coração, então poderemos abordar os outros erros que assolam a nossa Igreja e o nosso mundo e que foram provocados por um afastamento da Verdade.

Na carta de S. Paulo aos Gálatas, ele escreve: "Admira-me que tão depressa abandoneis Aquele que vos chamou pela graça (de Cristo) por um evangelho diferente (não que haja outro). Mas há alguns que vos estão a perturbar e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas mesmo que nós ou um Anjo do Céu vos pregasse um evangelho diferente daquele que vos pregamos, que esse seja amaldiçoado! Como já dissemos, e agora repito, se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema!" (Gal 1, 6-9).

Como vosso pai espiritual sinto que é importante reiterar as seguintes verdades básicas que sempre foram defendidas pela Igreja, desde tempos imemoriais, e sublinhar que a Igreja não existe para redefinir questões de Fé, mas sim para salvaguardar o Depósito da Fé tal como nos foi transmitido pelo próprio Nosso Senhor através dos apóstolos, dos santos e dos mártires.

Mais uma vez, recordando o aviso de S. Paulo aos Gálatas, quaisquer tentativas de perverter a verdadeira mensagem do Evangelho devem ser categoricamente rejeitadas como prejudiciais à Noiva de Cristo e aos seus membros individuais.

1. Cristo estabeleceu uma Igreja - a Igreja Católica - e, portanto, só a Igreja Católica fornece a plenitude da verdade de Cristo e o caminho autêntico para a Sua salvação para todos nós.

2. A Eucaristia e todos os sacramentos são divinamente instituídos, não desenvolvidos pelo Homem. A Eucaristia é verdadeiramente o Corpo e o Sangue de Cristo, a Alma e a Divindade, e recebê-Lo na Comunhão indignamente (isto é, num estado de pecado grave e impenitente) é um sacrilégio devastador para o indivíduo e para a Igreja. (1 Cor 11, 27-29).

3. O sacramento do Matrimônio foi instituído por Deus. Através da Lei Natural, Deus estabeleceu o matrimônio como sendo entre um homem e uma mulher fiéis um ao outro para toda a vida e abertos a ter filhos. A Humanidade não tem o direito ou a verdadeira capacidade de redefinir o matrimônio.

4. Cada pessoa humana é criada à imagem de Deus, homem ou mulher, e todas as pessoas devem ser ajudadas a descobrir as suas verdadeiras identidades como filhos de Deus, e não apoiadas numa tentativa desordenada de rejeitar a sua inegável identidade biológica e dada por Deus.

5. A atividade sexual fora do casamento é sempre gravemente pecaminosa e não pode ser tolerada, abençoada ou considerada permissível por qualquer autoridade dentro da Igreja.

6. A ideia de que todos os homens e mulheres serão salvos independentemente da forma como vivem as suas vidas (um conceito comummente designado por universalismo) é falsa e perigosa, pois contradiz o que Jesus nos diz repetidamente no Evangelho.  Jesus diz que devemos "negar-nos a nós próprios, tomar a nossa cruz e segui-Lo" (Mt 16, 24). Ele deu-nos o caminho, através da Sua graça, para a vitória sobre o pecado e a morte através do arrependimento e da confissão sacramental. É essencial abraçarmos a alegria e a esperança, bem como a liberdade, que advêm do arrependimento e da confissão humilde dos nossos pecados. Através do arrependimento e da confissão sacramental, cada batalha contra a tentação e o pecado pode ser uma pequena vitória que nos leva a abraçar a grande vitória que Cristo conquistou para nós.

7. Para seguir Jesus Cristo, temos de escolher voluntariamente tomar a nossa cruz em vez de tentar evitar a cruz e o sofrimento que Nosso Senhor oferece a cada um de nós individualmente na nossa vida quotidiana. O mistério do sofrimento redentor - ou seja, o sofrimento que Nosso Senhor permite que experimentemos e aceitemos neste mundo e que depois Lhe devolvamos em união com o Seu sofrimento - humilha-nos, purifica-nos e leva-nos mais profundamente à alegria de uma vida vivida em Cristo. Isto não quer dizer que devamos gostar ou procurar o sofrimento, mas se estivermos unidos a Cristo, ao experimentarmos os nossos sofrimentos quotidianos, podemos encontrar a esperança e a alegria que existem no meio do sofrimento e perseverar até ao fim em todo o nosso sofrimento. (cf. 2 Tim 4, 6-8).

Nas próximas semanas e meses, muitas destas verdades serão examinadas no âmbito do Sínodo sobre a Sinodalidade. Devemos agarrar-nos a estas verdades e desconfiar de todas as tentativas de apresentar uma alternativa ao Evangelho de Jesus Cristo, ou de promover uma fé que fala de diálogo e de fraternidade, ao mesmo tempo que tenta eliminar a paternidade de Deus.

Quando procuramos inovar sobre o que Deus, na sua grande misericórdia, nos deu, encontramo-nos em terreno traiçoeiro. A base mais segura que podemos encontrar é mantermo-nos firmes nos ensinamentos perenes da fé.

Lamentavelmente, é possível que alguns classifiquem como cismáticos aqueles que discordam das mudanças que estão a ser propostas. No entanto, pode ter a certeza de que ninguém que permaneça firmemente na linha de prumo da nossa Fé Católica é um cismático. Devemos permanecer sem pudor e verdadeiramente Católicos, independentemente do que possa ser apresentado. Devemos também estar conscientes de que não é abandonando a Igreja que nos mantemos firmes contra estas mudanças propostas. Como disse S. Pedro: "Senhor, a quem iremos nós?  Tu tens as palavras da vida eterna". (Jo 6,68)

Por isso, mantermo-nos firmes não significa que estamos a tentar deixar a Igreja. Pelo contrário, aqueles que propõem mudanças naquilo que não pode ser mudado procuram apoderar-se da Igreja de Cristo, e são de fato os verdadeiros cismáticos.

Exorto-vos, meus filhos e filhas em Cristo, que agora é o momento de vos certificardes de que estais firmemente apoiados na fé católica dos tempos. Todos nós fomos criados para procurar o Caminho, a Verdade e a Vida, e nesta era moderna de confusão, o verdadeiro caminho é aquele que é iluminado pela luz de Jesus Cristo, pois a Verdade tem um rosto e, de fato, é o Seu rosto. Ficai certos de que Ele não abandonará a Sua Esposa.

Continuo a ser o vosso humilde pai e servo,

Reverendíssimo Joseph E. Strickland, Bispo de Tyler

Fonte:https://www.facebook.com/senzapagare




Artigo Visto: 604

 




Total Visitas Únicas: 6.306.396
Visitas Únicas Hoje: 650
Usuários Online: 125