Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






05/09/2023
O Globalismo prepara a chegada do Anticristo — Viganò

Dom Viganò: O globalismo é uma preparação “satânica” para a “ascensão do Anticristo”.

O antigo Núncio Papal expandiu a sua percepção de uma ligação íntima entre o globalismo e o satanismo.

O Arcebispo Carlo Maria Viganò condenou mais uma vez a ascensão do “globalismo”, afirmando que este prepara a humanidade “para a ascensão política do Anticristo”.

Numa entrevista concedida em 24 de agosto a um meio de comunicação francófono, Viganò comentou a ascensão do “globalismo” e o seu impacto na sociedade. Voltando a denunciar o globalismo como sempre fez, o arcebispo relacionou a corrupção na sociedade à corrupção na Igreja Católica:

O elemento que, na minha opinião, deve ficar claro – para que a denúncia seja completa – é a relação especular entre o golpe do Estado profundo na esfera civil e o golpe semelhante da Igreja profunda na esfera eclesiástica.

A “ação subversiva” que mina cada esfera é “idêntica”, afirmou, “assim como os princípios inspiradores que as movem e os objetivos que se propõem”.

Ele sustentou que é "essencial" que os católicos "compreendam que o Concílio Vaticano II e o Novus Ordo foram para a Igreja o que a Revolução e a Declaração dos Direitos Humanos foram para as sociedades civis, porque na raiz de ambos está o germe venenoso da a Revolução, isto é, da subversão da ordem natural que Deus estabeleceu para o homem e as sociedades humanas”.

Continuando, o Arcebispo pintou uma ligação entre o globalismo e o satanismo, argumentando que são quase sinônimos. “A essência do globalismo é satânica, e a essência do satanismo é globalista.”

Porque o plano de Satanás é estabelecer o reinado do Anticristo, dando-lhe uma forma de parodiar a vida terrena de Cristo, de imitar os seus milagres com prodígios grotescos, de arrastar as multidões não com a simplicidade da Verdade mas com enganos e mentiras.

O globalismo constitui, por assim dizer, o cenário, o roteiro e o roteiro que deve preparar a humanidade para a ascensão política do Anticristo, a quem os governantes do mundo -seus servos- entregarão soberanias nacionais para que ele se torne uma espécie de tirano mundial .

Explicando como poderia ser realizada tal “montagem”, Viganò escreveu que “o que restou do reinado de Cristo deve ser apagado nas instituições, na cultura e na vida quotidiana dos cidadãos”. Uma maneira de fazer isso seria implementar a “dissolução moral”, argumentou ele, o que encorajaria as pessoas “a se voltarem para o vício e zombarem da virtude”.

Mas também destacou aspectos como as tentativas de destruir "a família natural, célula fundamental da sociedade, eliminada da qual as crianças se tornam mercadorias, produtos que quem tem dinheiro pode encomendar pela Internet, alimentando uma vasta e cada vez mais florescente rede criminosa, para não mencionar a indústria de barrigas de aluguel."

O divórcio, o aborto, a eutanásia, a homossexualidade e o pansexualismo, a mutilação para a transição de gênero provaram ser ferramentas eficazes para eliminar não só a Fé revelada, mas também os princípios mais sagrados do Direito Natural.

Em oposição à fé católica à qual tais movimentos anti-vida se opõem, o globalismo é “uma religião” difundida através de uma “ideologia desperta”, afirmou o arcebispo. Embora o catolicismo esteja centrado em Cristo, “os globalistas aplicam os princípios católicos de 'realeza social' e proclamam Satanás como rei das sociedades”.

Viganò, que anteriormente serviu como Núncio Papal nos EUA entre 2011 e 2016, destacou um padrão de “censura de informações não alinhadas com a história oficial, realizada com a cumplicidade das plataformas sociais e da mídia”. Isto, argumentou ele, tem sido empregado na sociedade moderna, permitindo que o espírito anticatólico se espalhe:

Não é por acaso que a ficção democrática utiliza meios de repressão violenta de manifestações populares que, numa democracia livre, deveriam conduzir a barricadas e execuções internacionais - estou a pensar, entre outros, em Macron, um estudante de Jovens Líderes para o Amanhã no Fórum Econômico Mundial por Klaus Schwab. Não basta chamar uma ditadura de “democracia” para que ela o torne por magia, especialmente quando o consentimento dos cidadãos cujo estado de espírito e expectativas são interpretados constitui uma ameaça à sobrevivência destes parasitas subversivos.

Manifestou também as suas dúvidas sobre a atual independência e veracidade dos processos eleitorais, afirmando que a “democracia” era uma ilusão que a “oligarquia maçônica” permite aos cidadãos.

Repito: se a democracia funcionasse, não deixariam os cidadãos brincar com a farsa das eleições e com a ilusão de serem representados no Parlamento. Se o permitem, é porque a oligarquia maçônica sabe que pode controlá-la através dos seus emissários, colocados em todo o lado. Por outro lado, o Anticristo será rei, não presidente; Ele exercerá o poder de forma absoluta, totalitária e ditatorial.

E aqueles que acreditam na fábula da democracia descobrirão tarde demais que foram enganados.

Os comentários do arcebispo contra o globalismo e as forças globalistas não são de forma alguma a primeira vez que ele expressa tais argumentos. Falando com Steve Bannon no verão passado, Viganò afirmou como:

Em suma, somos governados por um alto comando de usurários e especuladores, desde Bill Gates, que investe em grandes explorações agrícolas apenas nas vésperas da emergência alimentar, ou em vacinas pouco antes do início da pandemia, até George Soros, que especula com as flutuações cambiais e títulos do governo e junto com Hunter Biden financia um biolaboratório na Ucrânia.

Ele argumentou que os líderes nacionais e chefes de estado “são traidores da nossa nação que se dedicam à eliminação das populações e que todas as suas ações são realizadas para causar o maior dano possível aos cidadãos”.

Mas também considerou que, apesar da “intenção deliberada de causar danos”, o esforço globalista conhecido como “Grande Reset” tem um fim “inevitável” de fracasso, cujo momento depende da “nossa capacidade de nos opormos a ele e também de o que contêm os planos da Divina Providência”.

Ele instou as famílias a fazerem parte de um movimento para resistir à agenda de “reconstruir melhor” da Grande Reinicialização e, em vez disso, “reconstruir o que foi destruído”.

LifeSiteNews

Via:https://religionlavozlibre.blogspot.com/2023/09/el-globlismo-prepara-la-llegada-del.html




Artigo Visto: 542

 




Total Visitas Únicas: 6.306.408
Visitas Únicas Hoje: 662
Usuários Online: 125