Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






16/09/2023
Ó Crux ave, Spes única!

Desde o ano 335 da era de Cristo, a Igreja celebra solenemente a festa da Santa Cruz, outrora igual em dignidade à Páscoa e à Epifania, quando o Madeiro Sagrado foi encontrado pela Imperatriz Santa Helena, mãe de Constantino.

Arbor decora e brilha,

púrpura ornata Regis,

eleita digna batente

tam sancta membra tangere.

por Monsenhor Carlo Maria Viganò

Aquilo que Cícero definiu como “a mais terrível e infame tortura”, o castigo reservado aos escravos e que os romanos olhavam com horror, tornou-se fonte de glória para os cristãos: Mihi autem absit Gloriari, nisi in cruce Domini nostri Jesu Christi : per quem mihi mundus crucifixus est, et ego mundo (Gal 6, 14) exclama São Paulo. O Intróito da Missa de hoje recorda-nos que a nossa salvação, a nossa vida, a ressurreição está na Cruz e que através dela fomos salvos e libertados.

Desde o ano 335 da era de Cristo, a Igreja celebra solenemente a festa da Santa Cruz, outrora igual em dignidade à Páscoa e à Epifania, quando o Madeiro Sagrado foi encontrado pela Imperatriz Santa Helena, mãe de Constantino. A festa de ὕψωσις, a exaltação da Cruz, foi adotada pelo imperador Heráclio em 612, mas dois anos depois os persas incendiaram Constantinopla e seu rei Chosroes II tomou posse da Cruz e fez um faldistório de sua madeira, como um sinal de desprezo. Em 628, Heráclio, vitorioso sobre os persas, trouxe a Santa Cruz de volta primeiro para Constantinopla e depois para Jerusalém.

Os textos da liturgia ainda ecoam o caráter penitencial e a tristeza do momento em que o Império Bizantino, conturbado pela guerra contra os persas, viu roubada e profanada a Santa Cruz, que até então era transportada à frente do exército cristão . Também nós hoje nos sentimos perturbados por estes sentimentos duplos: por um lado, a alegria do triunfo da Cruz de Cristo; por outro, a dor pelo estado em que se encontram as Nações e a própria Igreja. Também nós vemos novos Chosroes profanando o símbolo da Redenção por invasores da sociedade civil e do corpo eclesial. E o que mais nos dói é testemunhar esta perversa profanação no silêncio ou com a cumplicidade da Hierarquia da Igreja, escravizada ao inimigo e traidora de Cristo.

O ódio de Satanás contra Nosso Senhor é desencadeado precisamente contra a Santa Cruz porque, como escreve Santo Anselmo, «para Ti o inferno está despojado; está fechado para todos aqueles que foram redimidos em Ti. Para Ti os demônios ficam aterrorizados, comprimidos, derrotados, esmagados. Para Ti o mundo se renova, embeleza, em virtude da verdade que brilha e da justiça que reina Nele. Para Ti a natureza humana pecaminosa é justificada: foi condenada e está salva; ela era escrava do pecado e do inferno e foi libertada; ela morreu e ressuscitou. Através de Ti a bendita Cidade Celestial é restaurada e aperfeiçoada. Pois tu, Deus, Filho de Deus, quiseste que obedecêssemos ao Pai até à morte (Fl 2, 8-9). Por isso Ele, ressuscitado da terra, tinha um nome que está acima de todo nome. Para Ti Ele preparou o Seu trono (Sl 9:8) e restabeleceu o Seu Reino.”

Mas este ódio infernal nada pode fazer contra a Cruz de Cristo: as tribulações actuais - às quais todos estamos sujeitos para merecer o Céu seguindo o divino Mestre no caminho do Calvário - terminarão tal como a violência e as profanações de Chosroés e de todos os acabaram com os tiranos lançados do Inferno contra a Igreja e a sociedade cristã.

Na base do Obelisco do Vaticano, sobre o qual estão colocadas as Relíquias da Verdadeira Cruz, está escrito: Ecce Crux Domini: fugite partes adversæ. Vicit Leo da tribo Juda. E ainda: Christus vincit, Christus regnat, Christus imperat, Christus ab omni malo plebem suam defendat . Vitória e derrota, triunfo e forca, vida e morte: estas são as aparentes contradições que acompanham a nossa vida terrena.

Vitórias alternativas: da nossa alma sobre as tentações; da civilização cristã no mundo ímpio e pagão; da Santa Igreja Militante sobre seus inimigos internos e externos. Triunfos silenciosos da Graça, que se derrama sobre as almas fluindo do lado aberto do Salvador crucificado. É o Senhor da Vida quem, sofrendo os indescritíveis tormentos da Paixão, crava a antiga Serpente neste Bendito Madeira, para que a árvore que marcou a nossa condenação com a desobediência de Adão no alvorecer da história da humanidade seja suplantada pela árvore salvadora do Cruz e pela obediência do novo Adão e pela mediação da nova Eva, Maria Santíssima.

João Crisóstomo escreveu: «Os reis, tirando os diademas, tomam a Cruz, símbolo da morte do seu Salvador; na púrpura, a Cruz; nas suas orações, a Cruz; no altar sagrado, a Cruz; em todo o universo, a Cruz. A Cruz brilha mais que o sol." Prostremo-nos, portanto, diante deste bosque e repitamos com a letra do hino: O Crux ave, Spes unica ! Será esta Cruz santíssima que beijaremos na agonia da morte; será esta Cruz que veremos aparecer gloriosa no fim dos tempos, quando todas as coisas serão recapituladas em Cristo. E assim seja.

+ Carlo Maria Viganò, Arcebispo

14 de setembro de 2023, festa da exaltação da Santa Cruz

exsurgedomine.it

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/09/16/o-crux-ave-spes-unica/




Artigo Visto: 1029

 




Total Visitas Únicas: 6.306.390
Visitas Únicas Hoje: 644
Usuários Online: 133