Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






23/09/2023
O Sínodo seria verdadeiramente profético se denunciasse a Agenda 2030 da ONU, mas em vez disso a torna sua e aprova o pecado

A esta altura do pontificado já se sabe quais inclinações serão registradas no sínodo. Deixe que pareça uma democracia; Eu decido, quem pode ser enganado?

por Monsenhor Héctor Aguer

Sínodo é a tradução exata do substantivo grego synodos . É interessante notar os elementos a partir dos quais a palavra é formada: syn , como advérbio, significa “juntos, todos juntos, ao mesmo tempo”, e como preposição pode ser traduzida “com”, “por meio de” . O substantivo synodos indica uma reunião, uma assembleia e também um companheiro de viagem. O syn é composto de hodos, “caminho, caminho, guia” (é feminino em grego). Historicamente, na antiguidade cristã, a convocação e reunião dos bispos, segundo as províncias eclesiásticas, cada uma presidida pelo metropolita, era chamada de sínodo, que se reunia em assembleia para discutir assuntos da maior importância, definir as doutrinas e condenar e refutar as heresias, notando a heterogeneidade destes erros, em contradição com a didache , cujo fundamento se encontra nos primeiros tempos apostólicos. Há duas características principais a ter em conta: os protagonistas são sempre os bispos, sucessores dos apóstolos de Jesus, e a duração é fixada no tempo, não excessivamente longa.

A história da Igreja oferece numerosos testemunhos do intercâmbio entre sínodo e concílio, este último também um nome derivado do latim.

Aristóteles afirmou acertadamente que o caminho, como movimento, se identifica com a meta; o destino é o que nos permite reconhecer o caminho que leva até ele, identificando-o com o lugar para onde leva. Para dar um exemplo trivial, se você quiser ir a Mar del Plata, não pegará a estrada que leva a Córdoba.

Concilium é uma voz primorosamente ciceroniana. Segundo Cícero, a natureza nos reconcilia, nos une antes de tudo aos deuses, aos pais e à pátria. Concilium equivale a conselho ou congresso. A história reservou ao concilium o significado de convocação universal da Igreja; os sínodos são, em vez disso, reuniões parciais de um país, de uma região, de um grupo de nações. Concílio e Sínodo são sinônimos. A referência a Deus e aos Padres Bíblicos – isto é, à Tradição – identifica a Igreja e os seus concílios. Sínodo ou synhodos , uma transcrição latina do substantivo grego, está em uso clássico e também é encontrado nos escritos dos Santos Padres do Ocidente.

A referência linguística em que me concentrei não é ociosa; aproxima-nos da natureza das realidades que abordamos. O nome é a coisa.

O Sínodo proposto por Roma tem características novas e inusitadas. Está em curso há dois anos, com uma consulta estendida a toda a Igreja através das dioceses. A coisa toda é um exagero, impossível de perceber; a suposta democracia esconde a realidade: os resultados serão decididos pelo Pontífice, e é-lhe difícil renunciar à gestão voluntária das orientações que deseja. A esta altura do pontificado já se sabe quais inclinações serão registradas no sínodo. Deixe que pareça uma democracia; Eu decido, quem pode ser enganado? O tempo sinodal é de vários anos. Outra novidade é a participação de leigos e, segundo a “perspectiva de gênero”, também de mulheres. Esta é a primeira vez que isso acontece; os bispos não são os únicos protagonistas.

É de temer que este sínodo universal sofra o contágio do sínodo alemão, que cheira a heresia. Roma está em silêncio, e pode-se suspeitar que o silêncio é o seu consentimento. O sínodo alemão está obcecado por duas questões principais: a comunhão dos divorciados que contraíram uma segunda união e o pedido de maior inclusão dos homossexuais na comunhão eclesial. Não estou me referindo aqui aos muitos clérigos que são homossexuais. Além disso – e esta é já uma questão histórica – a oposição à encíclica Humanae vitae de Paulo VI . Como lembra o jornal portenho La Prensa, “Francisco fez da crise climática um dos pilares fundamentais da sua liderança de décadas”. É muito provável que o atual Sínodo também aborde este tema e insista nele.

É preocupante que haja alguns sinais de boa vontade de Roma em relação à Agenda 2030 da ONU. Pelo contrário, a Igreja deveria anunciar profeticamente a oposição de tal programa à antropologia cristã e à ordem natural. Vou concentrar-me nesta questão, que é da maior importância. A Agenda 2030 é um projecto globalista das Nações Unidas e agências parceiras que pressiona os estados a adoptarem políticas de aborto e de “educação sexual abrangente”. Os objectivos desta Agenda estão ligados à “perspectiva de género”; na realidade, é uma ideologia, que é o fundamento educativo por excelência. Existe uma verdadeira obsessão: adotar a questão sexual como base de todas as discussões. O que tem repercussões na política demográfica, como visto na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (Bucareste, 1974). Na edição de 1994 da mesma Conferência, realizada no Cairo, pediu-se aos estados que aprovassem o aborto legal e medidas educativas para reduzir a taxa de natalidade. Na realidade, a procura tornou-se difícil de contrariar.

O filósofo argentino Agustín Laje Arrigoni, em seu livro Generación idiota. Uma crítica à adolescência, afirma que “a ideologia de género tornou-se assim um dogma escolar”. A autora descreve como, contra a vontade das famílias e em violação dos seus direitos, crenças e valores, as crianças são doutrinadas em nome de uma educação sexual integral. Os fatos são indecorosos, repugnantes. Copio das páginas 217-218 do livro citado: “Professores bem formados pelo Estado estão obcecados em ensiná-los a se masturbar, a usar brinquedos sexuais, a se vestir como drag queens, a fazer sexo oral, a se preparar para a relação anal, a acreditam que a identidade sexual é um conceito aberto a infinitas possibilidades, de recorrer ao aborto de diversas formas se assim o desejarem, de aceder a bloqueadores hormonais e a hormonas sintéticas se quiserem mudar de sexo. Ao falarmos com elas sobre os direitos das mulheres e as confrontarmos com a opressão do patriarcado, insistimos que a biologia não determina de forma alguma a sua identidade. Organizações internacionais como a UNESCO produzem manuais para impor aos estados."

O Papa e o Sínodo deveriam denunciar profeticamente os excessos da Agenda 2030. A sua reação seria uma verdadeira profecia, um exercício apostólico de vigilância e reconhecimento do mal que se esconde na agenda globalista. Mas há algo ainda mais elementar: descarta-se o conceito de pecado, o que seria um ataque à bondade de Deus e à dignidade do homem criado à sua imagem e semelhança.

Aonde leva o caminho sinodal? Isso leva à aprovação implícita do pecado e à tolerância viciosa. O Catecismo da Igreja Católica é muito claro sobre os desvios que ameaçam a ordem da Verdade e do Bem. O mundo precisa que o Ofício Apostólico seja exercido prontamente: a meta não deve ser confundida, o caminho não deve ser errado.

Há outra interpretação, que reconhece no erro de caminho um componente de ordem sobrenatural: a emboscada do Inimigo de Deus, da Igreja, do homem. É oportuno recordar o discernimento que Paulo VI alcançou inesperadamente no meio do caos dos anos setenta: “Por alguma fresta, o fumo de Satanás infiltrou-se na Igreja de hoje”. Excluo qualquer milenarismo; o fim aproxima-se analogicamente em vários momentos históricos da vida da Igreja. As aparições marianas do século passado alertam contra a administração venenosa do mal, contra o pecado que destrói a obra de Deus. Até o testemunho dos santos permite-nos reconhecer esta administração venenosa do mal. Não somos nós que nos aproximamos do fim da história, é a história que se aproxima de nós, e assim o início se realizamotus em velocior fino : o movimento acelera no final. O progressismo do actual pontificado reaparece entre as ruínas que produziu; e assim ele emprega seus últimos recursos. É nesta perspectiva que se pode interpretar a vida da Igreja, na qual também se manifesta a Providência de Deus: permaneçamos humildes diante do Mistério dos planos insondáveis ​​do Senhor da História.

*Arcebispo Emérito de La Plata

Buenos Aires, quinta-feira, 21 de setembro de 2023, festa de São Mateus, apóstolo e evangelista

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/09/23/il-sinodo-sarebbe-veramente-profetico-se-denunciasse-lagenda-onu-2030-invece-la-fa-propria-e-approva-il-peccato/




Artigo Visto: 427

 




Total Visitas Únicas: 6.308.154
Visitas Únicas Hoje: 203
Usuários Online: 124