Sinais do Reino


Palavra do Bispo
  • Voltar






04/10/2023
Bispo Marian Eleganti apoia o Dubia

Bispo Marian Eleganti junta-se ao apoio do Cardeal Müller às dubia dos cardeais em relação ao Sínodo da Sinodalidade.

'As uniões homossexuais não podem ser abençoadas porque Deus não abençoa o comportamento objetivamente pecaminoso, mas sempre perdoa o pecador subjetivamente arrependido.'

Mais um bispo da Igreja Católica juntou-se ao Cardeal Gerhard Müller no elogio aos cinco cardeais que publicaram as suas dubia desafiando o Papa Francisco sobre alguns aspectos do próximo Sínodo sobre a Sinodalidade - que são cada vez mais explícitos - que minam os firmes ensinamentos da Igreja em questões como como a proibição da ordenação feminina e as “bênçãos” dos casais homossexuais.

Müller disse estar “feliz” porque “outros, à sua maneira, estão fazendo o que é necessário” para lembrar ao papa “a responsabilidade que Deus lhe deu para a preservação da Igreja”. Ele rejeitou qualquer tipo do que chamou de “neopapalismo”, que coloca as opiniões de um papa acima dos ensinamentos de Nosso Senhor.

Quando contactado pelo LifeSite sobre a declaração de Müller, o Bispo Marian Eleganti expressou o seu próprio apoio à iniciativa do prelado alemão. Ele enviou ao LifeSite sua própria declaração (veja o texto completo abaixo) e explicou: “Acima de tudo, a papolatria deve acabar. Já começou com papas anteriores, mas alcançou status de culto com pessoas como o Cardeal Fernández. os formatos errados, especialmente Francisco (entrevistas). Isso leva a uma banalização de suas declarações como meras opiniões pessoais, o que no caso de Francisco são de fato”.

Na sua declaração mais longa em apoio aos cinco cardeais dubia – Walter Brandmüller, Raymond Leo Burke, Juan Sandoval Íñiguez, Robert Sarah e Joseph Zen – o bispo auxiliar aposentado de Chur, na Suíça, explicou que as verdades de Cristo são imutáveis e não estão sujeitos ao espírito da época. Tais ensinamentos imutáveis são que as uniões homossexuais não podem ser abençoadas, que uma condição para a absolvição válida no confessionário é o arrependimento sincero e a vontade por parte do penitente de corrigir os seus caminhos, que existe uma estrutura hierárquica da Igreja, e que "O A Igreja não tem autoridade para admitir e ordenar mulheres ao sacerdócio”. Desta forma, o próprio Eleganti reafirma e defende claramente a doutrina da Igreja e desafia o Papa Francisco pelas suas respostas equívocas às dubia dos cardeais.

Eleganti insiste que os papas não podem contradizer o Magistério dos papas anteriores e que os papas devem ensinar claramente, com um “sim” ou um “não”. E acrescenta: “Contradição, confusão e revolução não são características do Espírito Santo”.

Dom Athanasius Schneider também se juntou hoje à iniciativa de Müller de apoiar os cardeais dubia, e elogiou a sua correção “fraterna” ao Papa, pedindo aos seus colegas prelados que falem igualmente, dizendo: “é altamente desejável que muitos cardeais e bispos, conscientes da promessa solene de sua ordenação episcopal para defender a integridade da fé católica, apoiam publicamente este testemunho dos cinco cardeais”.

O próprio Bispo Joseph Strickland emitiu uma carta pastoral reafirmando o ensinamento moral da Igreja em relação aos casais homossexuais e que coabitam, contrariando a resposta do próprio Papa Francisco às dubia dos cardeais, nomeadamente a aparente abertura de Francisco à ideia de “abençoar” as uniões homossexuais. “A atividade sexual fora do casamento”, escreveu Strickland, “é sempre gravemente pecaminosa e não pode ser tolerada, abençoada ou considerada permitida por qualquer autoridade dentro da Igreja”.

Declaração completa do Bispo Eleganti:

Que o seu sim seja um sim, e o seu não, um não!

Jesus diz que o nosso sim deve ser um sim e o nosso não deve ser um não. E que tudo que vai além vem do maligno.

As longas respostas [do Papa Francisco e do Cardeal Fernández] às dubia recentemente apresentadas por 5 cardeais não podem estar à altura dos padrões das palavras de Jesus.

A historicização e regionalização de verdades imutáveis como condicionalidades culturais, que não poderiam ser sustentadas do ponto de vista atual, correspondem a um esquema de argumentação invariável desde a crise do modernismo no final do século passado (séculos XIX/XX), que foi também descrito como o "fim da verdade". Este último significa: não se pode descobrir verdades válidas sempre e para todos, porque tudo é historicamente condicionado, contextualizado e regional. Mas este nunca foi o ponto de vista da Igreja. Contém, pelo contrário, verdades imutáveis, reveladas à luz de cada época e região. Tais verdades, no contexto dos dubia recentemente formulados, incluem declarações como as seguintes:

Deus criou o homem como homem e mulher. Homossexualidade, transexualidade, barriga de aluguel, heterogamia, procriação artificial e tráfico de crianças, infertilidade e homossexualidade, poliamor contradizem a ordem da criação ordenada por Deus e são objetivamente pecaminosos.

As uniões homossexuais não podem ser abençoadas porque Deus não abençoa o comportamento objetivamente pecaminoso, mas sempre perdoa o pecador subjetivamente arrependido.

Os pré-requisitos para a misericórdia e o perdão de Deus são o reconhecimento, o arrependimento e a disposição para se arrepender e não repetir o pecado. Quando faltam estes requisitos, a absolvição não pode ser concedida em confissão.

A Igreja não tem autoridade para admitir e ordenar mulheres ao sacerdócio. Já foi esclarecido pela Congregação para a Doutrina da Fé sob o Card. Ratzinger que a declaração de João Paulo II a este respeito corresponde às exigências de um ensinamento infalível e irreversível da Igreja (Tradição: aquilo que sempre foi acreditado, em todos os lugares e por todos).

O Sínodo não tem autoridade doutrinal, mas apenas uma função consultiva. O que é decisivo é o que o Papa faz dos votos sinodais. Mas mesmo os seus pronunciamentos têm um carácter vinculativo diferente.

A estrutura sacramental e hierárquica da Igreja foi estabelecida por Cristo (eleição dos apóstolos). Portanto, o Papa e os bispos exercem autoridade suprema na Igreja em questões de doutrina e governo, que não pode ser distribuída entre comissões ou leigos (suposto controle do poder; codeterminação), mas só é conferida por ordenação. "O que está ligado na terra está ligado no céu!" Isto não significa que o Papa e os bispos não ouçam os leigos e rejeitem a sua competência e participação especiais.

A Igreja em geral e os papas em particular não podem contradizer-se: o que foi proclamado e ensinado por eles como verdadeiro no passado permanece obrigatório para as gerações subsequentes, independentemente das opiniões do seu tempo (Zeitgeist). Não há relativização cultural ou regionalização de verdades (reveladas). Aplica-se o seguinte: O que é verdadeiro permanece verdadeiro ou uma vez verdadeiro - sempre verdadeiro.

Portanto, o que os papas e concílios anteriores proclamaram magistralmente como correto, moralmente justificado ou permissível, não pode ser declarado errado ou moralmente inadmissível por papas e concílios posteriores.

Quem responde às dúvidas sobre a sua própria ortodoxia, - que poderiam ser dissipadas com um simples sim ou não -, com frases longas, concorda com aqueles que duvidam da sua ortodoxia. As determinações (1-8) do Magistério eterno acima mencionadas não precisariam então ser mais enfatizadas e elaboradas. Em vez disso, tudo deveria abrir novamente...

O Papa e a Igreja não são incongruentes. Infalível é a Igreja (tradição), os papas são infalíveis apenas em momentos especiais, o que pode ser visto já com São Pedro (Bem-aventurado Simão Bar-Jonas! - Afasta-te de mim, Satanás!) e isso raramente acontece (promulgação de dogmas ). Os Papas não devem expressar as suas opiniões pessoais em todas as ocasiões possíveis (entrevistas), como tem acontecido cada vez mais nas últimas décadas. Os fiéis devem ser claros quando ensinam de forma vinculativa e quando não o fazem. Contradição, confusão e revolução não são características do Espírito Santo.

Fonte:https://religionlavozlibre.blogspot.com/2023/10/eleganti-apoya-las-dubias.html




Artigo Visto: 446

 




Total Visitas Únicas: 6.306.384
Visitas Únicas Hoje: 638
Usuários Online: 139