Sinais do Reino


Espaço Mariano
  • Voltar






23/11/2021
O significado da Medalha Milagrosa

A 27 de Novembro, a Igreja celebra a Santíssima Virgem da Medalha Milagrosa, que em 1830 apareceu a Santa Catarina Labouré (1806-1876), então jovem noviça da Companhia das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo.

O significado da Medalha Milagrosa

22 Novembro 2021

As aparições de Nossa Senhora tiveram lugar em Paris, na Casa Mãe das Filhas da Caridade, na Rue du Bac. Na segunda destas aparições, a 27 de Novembro de 1830, a religiosa conta que viu formar-se, em redor da Virgem, «um quadro um pouco oval em que estavam estas palavras “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós” escritas em letras de ouro. Então, ouviu-se uma voz que me disse: “Fazei, fazei cunhar uma medalha segundo este modelo. Todas as pessoas que a usarem receberão grandes graças trazendo-a ao pescoço. As graças serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança”. O quadro, depois, virou-se e a religiosa viu no verso da Medalha a letra M (inicial do nome Maria) sobreposta por uma Cruz sem crucificado que tinha como base a letra I (inicial do nome Iesus, Jesus). Mais abaixo estavam dois corações, um cercado por espinhos (o de Jesus), o outro trespassado por uma espada (o de Maria). Doze estrelas rodeavam o todo».          

Segundo o pedido de Nossa Senhora, em 1832 foram realizados os primeiros 1500 exemplares da Medalha. A partir daí, as graças multiplicaram-se, tanto que a Medalha foi logo definida como “milagrosa”. Um extraordinário impulso à sua difusão veio da parte do P. Charles-Eléonore Dufriche Desgenettes (1778-1860), Pároco de Nossa Senhora das Vitórias, em Paris, que fundou uma Confraria do Sagrado e Imaculado Coração de Maria e difundiu, de maneira prodigiosa, a Medalha em milhões de exemplares em todo o Mundo. Um outro extraordinário impulso à devoção foi dado pela conversão milagrosa do judeu Alphonse Ratisbonne, a quem a própria Nossa Senhora retratada na Medalha apareceu, a 20 de Janeiro de 1842, na Igreja de Sant’Andrea delle Fratte, em Roma.           

Leão XIII, em 1880, por ocasião do cinquentenário das aparições na Rue du Bac, declarou autêntica a conversão milagrosa de Ratisbonne e concedeu a festa da Medalha no dia 27 de Novembro de cada ano. Catarina Labouré tinha morrido, em silêncio, quatro anos antes, a 31 de Dezembro de 1876. Quando Pio XI a beatificou, a 28 de Maio de 1933, o seu corpo foi exumado e encontrado intacto; hoje, é venerado na Capela da Medalha Milagrosa, debaixo do altar da Virgem que lhe apareceu. 

Pio XII canonizou Santa Catarina Labouré a 27 de Julho de 1947. No dia seguinte, aos peregrinos reunidos em Roma, ofereceu uma meditação sobre o valor do escondimento humano como lugar de revelação da misericórdia divina, resumindo a missão de Santa Catarina Labouré nas palavras: «Ama nesciri: Adora ser ignorado! Ama nesciri! Duas palavras prodigiosas, espantosas para o Mundo que não compreende, beatificantes para o cristão que sabe contemplar a sua luz, saborear as suas delícias. Ama nesciri! Toda a vida, toda a alma de Catarina Labouré é expressa nestas duas pequenas palavras».   

Foi só depois da sua morte que o Mundo conheceu a missão que a Divina Providência tinha confiado a Santa Catarina Labouré. A Medalha Milagrosa tem um extraordinário significado simbólico para o nosso tempo. Exprime uma grande verdade de Fé: a Realeza universal de Maria, Medianeira de todas as graças e Co-Redentora do género humano. Nossa Senhora, Rainha do Céu e da Terra, apoia vitoriosamente os seus pés sobre o globo, que representa o Mundo e por Ela chegam, através das Suas mãos, as graças aos Homens que no Mundo vivem e sofrem.  

A Medalha Milagrosa é também um símbolo das graças outorgadas por Nossa Senhora. É, de facto, uma preciosa dádiva do Céu aos Homens, como o santo Escapulário do Carmo, dado a São Simão Stock (1165-1265). Nossa Senhora prometeu que todos aqueles que a usarem receberão grandes graças, confirmando com esta promessa que, através das Suas mãos, os fiéis recebem as graças divinas.  

Quais são as graças ligadas à Medalha Milagrosa? Nossa Senhora assegura àqueles que a usam uma protecção contínua, incansável e universal, para a alma e para o corpo, na vida e na morte, para todos e sempre; uma protecção invencível, infalível e indefectível, porque fundada no poder de Deus, como justamente assinala o P. Francesco Maria Avidano (1895-1971), que dedicou um estudo a Il grande Messaggio Mariano del 1830 (Propaganda Mariana, Casale Monferrato 1953, pp. 179-180).    

A Medalha é, pois, um escudo, porque quem a usar estará sob a especialíssima protecção da Mãe de Deus. Nossa Senhora confirma a Sua poderosa e materna protecção em todas as dificuldades, materiais, mas, acima de tudo, espirituais. Um escudo contra as lisonjas do Mundo, contra as seduções do Demónio, contra as tentações da carne, contra os inimigos externos e internos do Homem. 

A Medalha, contudo, não é apenas um escudo defensivo, mas também uma bandeira, encarnando um ideal de Fé e de coragem. Aqueles que a usam recebem não só a graça da defesa, mas também a graça da luta contra os inimigos de Deus. A Cruz acima do “M” de Maria faz lembrar a Cruz que, no estandarte militar de Constantino, era elevada pelas bandeiras das legiões romanas e, como nesse caso, é um símbolo de batalha e de vitória. Deus lembra-nos, com o dom desta Medalha, que é através de Maria que Ele quer vencer a Sua batalha.        

A Medalha Milagrosa é, portanto, um título de glória para quem a usa. O Mundo maravilha-se com o valor que os católicos atribuem a esta Medalha, mas não se surpreende com o valor atribuído, por exemplo, a uma moeda de ouro. O valor de uma coisa não nasce do seu valor material intrínseco, mas do que lhe é atribuído, do valor que o Homem lhe admite. Uma bandeira é apenas um pedaço de pano, mas representa a Pátria e o soldado dá a sua vida por ela. O valor da Medalha é imenso porque depende da vontade expressa de Maria, da Sua promessa formal e solene: «As graças serão abundantes para aqueles que a usarem com confiança».

A Medalha Milagrosa é um símbolo da nossa confiança. A devoção a Maria faz-nos esperar na perseverança final, naquela assistência em ponto de morte que invocamos, todos os dias, com a Ave-Maria. A devoção à Medalha Milagrosa alimenta a nossa confiança. Temos a certeza de que aqueles que usam fielmente a Medalha poderão contar com a protecção da Virgem Maria durante toda a vida, mas especialmente no momento culminante da sua existência, que é aquele em que serão apresentados ao julgamento de Deus.               

Roberto de Mattei  

Através de Radio Roma Libera

Fonte:https://www.diesirae.pt/2021/11/o-significado-da-medalha-milagrosa.html?




Artigo Visto: 157

 




Total Visitas Únicas: 5.396.368
Visitas Únicas Hoje: 271
Usuários Online: 126