Sinais do Reino


Espaço Mariano
  • Voltar






20/05/2023
O manto azul. Ou “fiat” não é “facio”

O mês de maio já avançou e, se distraídos por mil coisas, ainda não tivemos tempo de contemplar Maria Santíssima nos mistérios de sua admirável vida, ainda estamos a tempo de fazê-lo.

por Rita Betaglio

“Sempre cometemos o erro fatal de pensar que o que importa é o que fazemos, quando na verdade o que realmente importa é o que deixamos Deus fazer em nós.

Deus enviou o Anjo a Maria não para lhe pedir que fizesse algo, mas para deixar que algo fosse feito”.

Monsenhor Fulton Sheen

O mês de maio já avançou e, se distraídos por mil coisas, ainda não tivemos tempo de contemplar Maria Santíssima nos mistérios de sua admirável vida, ainda estamos a tempo de fazê-lo.

A observação do venerável Fulton Sheen que coloquei no início dispara como uma flecha e não pode deixar de atingir nossa alma, sempre sacudida em mil direções.

Diante da decadência que observamos ao nosso redor (e também dentro, se tivermos coragem de olhar para ela), na sociedade e na Igreja, nos sentimos compelidos a fazer alguma coisa. Isso é louvável.

Graças a Deus, ainda há homens que se sentem no dever de fazer algo para conter a corrida rumo ao abismo que se apresenta a cada dia mais rápido.

Mas o que fazer? E como fazer isso? Nos últimos anos surgiram grupos de pessoas de boa vontade que resistem às fortíssimas pressões para abdicar não só da fé, mas também, e sobretudo, da razão.

Ideias boas, aliás excelentes: reconstruir a civilização cristã, a família, a cultura em todos os âmbitos da vida humana e social. Bem. Alguns chegam a falar da realeza social de Cristo. Ótimo.

Porém… existe um porém e é aquele sobre o qual não só Monsenhor Sheen nos adverte, mas a mesma Sagrada Escritura no Salmo 127:

Se o Senhor não edificar a casa,
em vão trabalham os construtores.

Há mais:

Em vão você se levanta de manhã cedo,
vai dormir tarde
e come pão suado:
o Senhor o dará aos seus amigos durante o sono.

Verdadeira loucura: o Senhor dá pão aos seus amigos durante o sono. O que você quer dizer? Com o irmão do filho pródigo, teríamos vontade de murmurar: o que, durante o sono? Que tipo de sono é? Talvez preguiça, fatalismo, falta de vontade de trabalhar?

Não. Em vez do bebê dormir nos braços da mãe.

Assim fizeram os santos: colocaram-se totalmente à disposição do desígnio de Deus, trabalharam, lutaram, sofreram. Mas o plano era de Deus, não deles.

Eles sofreram e choraram. Dom Orione, animado por um grande amor a Deus e, portanto, ao próximo, diante da ordem de fechamento de seu Oratório, em 2 de julho de 1893, amarrou a chave daquela porta ao braço da estátua de Nossa Senhora fazendo-a cair na mão direita, significando que toda a sua confiança estava nela; o Oratório estava fechado, e ele não podia fazer mais nada, deixe que ela cuide disso!

Naquela noite, oprimido pela dor, ele escreveu:

“Vem, ó Mãe, vem cuidar de nós!... Vem governar, guardar; venha defender sua casa e seus filhos chorões! Aqui está, pegue a chave do Oratório, eu te dou a chave! Vinde consolar vossos órfãos… e não nos abandoneis; vem, ó Mãe, vem! Dou-te as almas dos jovens que me deste. Minha missão acabou. Em teus braços me abandono; nas tuas mãos entrego as almas dos inumeráveis ​​meninos e irmãos e entrego todo o Oratório. Querida Mãe, salve seus filhos... Venha e venha! A partir de agora você é nossa senhora... Você é nossa mãe! Ó Maria, salva os teus filhos".

Nessa mesma noite teve o famoso sonho do manto azul, no qual via a Santíssima Virgem no cimo do álamo alto que havia no jardim do bispo, sede do Oratório, e o seu manto alargando-se cada vez mais, até cobria tudo, sem mais fronteiras. Sob ela inúmeros meninos, e “entre eles vi muitos do Oratório, e outros e tantos, incalculáveis, que eu não conhecia... e se multiplicaram, e se multiplicaram, até que tudo parecia formigar. Então Nossa Senhora voltou-se para mim, apontando-os para mim (…) E de toda aquela missa se ouviu um canto muito doce, o canto do Magnificat”, escreveu Dom Orione mais tarde.

Certamente Dom Orione se despendeu de todas as maneiras possíveis pelo Oratório, não poupou tempo e esforço, mas só conseguiu chegar a um certo ponto, depois do qual era humanamente impossível ir.

Reflitamos sobre o fato de que a Pequena Obra da Divina Providência começou no exato momento em que Dom Orione reconheceu Nossa Senhora como mestra do Oratório. É por isso que o santo de Tortona disse:

"Nossa Congregação - você deve saber - foi fundada por Nossa Senhora e é mantida por Nossa Senhora".

Assim também é a vida de cada um de nós com seus mil cuidados: para dar frutos, deve ser fundada e preservada por Nossa Senhora.

Aqui, como dizia Dom Orione: uma Ave Maria e avante!

Fonte:https://www.aldomariavalli.it/2023/05/20/il-manto-azzurro-ovvero-fiat-non-e-facio/




Artigo Visto: 449

 




Total Visitas Únicas: 6.308.154
Visitas Únicas Hoje: 203
Usuários Online: 124