Sinais do Reino


Reflexões
  • Voltar






07/02/2021
ESPALHE A VERDADE

ESPALHE A VERDADE

07-02-2021

Resultado de imagem para Mk 1, 29-39 imagem

por Francisco Fernández-Carvajal

- Urgência e responsabilidade de levar a doutrina do Senhor a todos os ambientes.

- O apostolado e o proselitismo nascem da convicção de possuir a verdade, única verdade salvadora. Quando essa convicção é perdida, não há sentido em espalhar a fé.

- Fidelidade à doutrina a transmitir.

Como em tantas ocasiões, Jesus levantou-se de manhã cedo e retirou-se da cidade para orar. Ali os apóstolos o encontraram e disseram: Todos estão procurando por você . E o Senhor respondeu-lhes: Vamos a outro lugar, às aldeias vizinhas, para pregar ali também; é por isso que eu vim1.

A missão de Cristo é evangelizar, levar a Boa Nova até o último canto da terra, por meio dos Apóstolos.2e de cristãos de todos os tempos. Esta é a missão da Igreja, que assim cumpre o mandamento do Senhor: Ide e pregai a todas as nações ..., ensinando-as a cumprir tudo o que vos ordenei3. Os Atos dos Apóstolos narram muitos detalhes daquela primeira evangelização; No mesmo dia de Pentecostes, São Pedro prega a divindade de Jesus Cristo, sua morte redentora e sua gloriosa ressurreição4. São Paulo, citando o profeta Isaías, exclama com entusiasmo: Quão belos são os pés de quem anuncia a Boa Nova!5. E a segunda leitura da Missa fala-nos da responsabilidade desta alegre proclamação da verdade que salva: Porque se evangelizo não é motivo de glória, mas é meu dever. Ai de mim se não evangelizar!6.

Com estas mesmas palavras de São Paulo, a Igreja recordou frequentemente aos fiéis o apelo do Senhor para levar a doutrina de Cristo por toda a parte, aproveitando qualquer ocasião.7.

São João Crisóstomo esforçou-se para pedir desculpa a esta obrigação tão gratificante: «Não há nada mais frio do que um cristão que não se preocupa com a salvação dos outros (...). Não diga: eu não posso ajudá-los, porque se você é um verdadeiro cristão, é impossível que você não possa fazer isso. As propriedades das coisas naturais não podem ser negadas: o mesmo acontece com o que afirmamos, porque é da natureza do cristão agir assim (...). É mais fácil para o sol não parecer ou não estar quente do que para um cristão parar de iluminar; mais fácil do que isso seria para a luz ser trevas. Não diga que é uma coisa impossível; o impossível é o contrário (...). Se ordenarmos bem nosso comportamento, todo o resto será uma consequência natural. A luz dos cristãos não pode ser escondida, uma lâmpada que brilha tanto não pode ser escondida »8.

Perguntemo-nos se no nosso meio, no lugar onde vivemos e onde trabalhamos, somos verdadeiros transmissores da fé, se aproximamos os nossos amigos de uma maior frequência dos sacramentos. Examinemos se o apostolado nos urge como exigência da nossa vocação, se sentimos a mesma responsabilidade dos primeiros, visto que a necessidade não é menor hoje ... é um dever que me cabe. Ai de mim se não evangelizar!

II . O apostolado e o proselitismo que atraem a fé ou uma entrega maior a Deus nascem da convicção de possuir a Verdade e o Amor, a verdade salvadora, o único amor que satisfaz os anseios do coração, sempre insatisfeito. Quando essa certeza se perde, não há sentido na difusão da fé. Assim, mesmo em ambientes cristãos, chega-se a pensar que não é possível influenciar os não cristãos - por exemplo, perante as leis a favor do divórcio e do aborto - a apoiar uma lei justa, de acordo com a vontade divina. Também perde sentido levar a doutrina de Cristo a outras regiões onde a fé ainda não alcançou ou não está profundamente enraizada; em todo caso, a missão apostólica torna-se mera ação social a favor da promoção destes povos, esquecendo-se do tesouro mais rico que poderiam dar-lhes: a fé em Jesus Cristo, a vida da graça ... São cristãos nos quais a fé se enfraqueceu e talvez tenham esquecido que a verdade é uma só. que torna os homens e os povos mais humanos e abre o caminho para o céu.

É importante que a fé leve à ação social, mas “o mundo não pode se contentar apenas com reformadores sociais. Ele precisa de santos. Santidade não é privilégio de poucos; é um dom oferecido a todos ... Duvidar disso significa não compreender plenamente as intenções de Cristo »9, omita a essência da sua mensagem.

A fé é a verdade e ilumina a nossa razão, preserva-a dos erros e cura as feridas e a facilidade que o pecado original nos deixou para nos desviarmos do caminho. É daí que vem a segurança do cristão, não só no que se refere estritamente à fé, mas em todas as questões que a ela se prendem: a origem do mundo e da vida, a dignidade intocável da pessoa humana, a importância da família ... A fé é a luz que ilumina o caminho do homem. Isso nos leva - ensina Paulo VI - a ter “uma atitude dogmática, sim, o que significa que se fundamenta não na nossa própria ciência, mas na Palavra de Deus (...). Uma atitude que não nos orgulha, como sortudos e exclusivos detentores da verdade, mas nos torna fortes e corajosos para defendê-la, amando difundi-la. Santo Agostinho nos lembra:sine superbia de veritate praesumite , sem orgulho, orgulha-te da verdade »10.

É um dom imenso ter recebido a verdadeira fé, mas ao mesmo tempo uma grande responsabilidade. A vibração apostólica do cristão que está ciente do tesouro recebido não é fanatismo: é amor à verdade, manifestação de fé viva, coerência entre pensamento e vida. O proselitismo , no nobre e verdadeiro sentido da palavra, não é de forma alguma atrair almas com engano ou violência, mas sim o esforço apostólico para tornar Cristo e seu chamado conhecido por todos os homens, querendo que as almas conheçam as riquezas que Deus revelou e sejam salvos, que recebam a vocação para uma entrega total a Deus, se esta for a vontade divina. Este proselitismo é uma das tarefas mais nobres que o Senhor nos confiou.

III . Neste esforço de difusão da fé, sempre com respeito e apreço pelo povo, não é possível transmitir meias verdades por medo de que a plenitude da verdade e as exigências de uma vida cristã autêntica colidam com o pensamento e a gentrificação da moda. muitos. A verdade não tem meio-termo, e o amor abnegado não pode ser desprezado e não pode ser comprometido. Uma condição de todo apostolado é a fidelidade à doutrina, embora isso seja difícil de cumprir em alguns casos, e até mesmo exija um comportamento heróico, ou pelo menos cheio de força. Temas como a generosidade não podem ser omitidos ao proporcionar os meios para ter uma família numerosa, exigências de justiça social, entrega total a Deus quando Ele chama para segui-lo ... Não é possível fingir agradar a todos reduzindo, segundo os humanos comodidade, as exigências do Evangelho: falamos - escreveu São Paulo aos tessalonicenses - não como quem procura agradar aos homens, mas apenas a Deusonze. Não é uma boa forma de fingir que facilita o Evangelho, silenciando ou rebaixando os mistérios a serem cridos e as regras de conduta a serem vividas. Ninguém tem ou pregará o evangelho com maior credibilidade, energia e apelo do que Jesus Cristo, e houve aqueles que não o seguiram fielmente. Também não podemos esquecer que, hoje como sempre, pregamos Cristo crucificado, um escândalo para os judeus, uma loucura para os gentios, mas o poder de Deus para aqueles que são chamados, ora judeus, ora gregos.12. No entanto, devemos sempre nos esforçar para nos adaptar à capacidade e às circunstâncias de quem pretendemos conduzir ao Senhor, como Ele nos ensina ao longo do Evangelho, que colocou à disposição de todos.

A fidelidade a Cristo leva-nos a transmitir com fidelidade e eficácia o que recebemos. Agora, como nos tempos dos primeiros cristãos, quando começou a primeira evangelização da Europa e do mundo, devemos anunciar aos nossos amigos e conhecidos, aos colegas ... a Boa Nova da misericórdia divina, a alegria de continuar a fechar a Cristo no meio de nossas tarefas. E esse anúncio implica a necessidade de mudar a nossa vida, de fazer penitência, de renunciar a nós próprios, de desapegar-nos dos bens materiais, de ser castos, de procurar humildemente o perdão divino, de corresponder ao que Ele quer de cada um de nós desde a eternidade.

O desejo de muitos no seguimento de Cristo deve impulsionar-nos a viver melhor a caridade com todos, a pôr mais meios para os aproximar do Senhor que os espera: a caridade de Cristo nos urge!13. Este foi o motor da incansável atividade apostólica de São Paulo e será também o que nos move; o amor ao Senhor nos levará a sentir a urgência apostólica e a não perder nenhuma oportunidade que surja. Além disso, em muitas circunstâncias seremos nós os responsáveis ​​por essas oportunidades, que de outra forma nunca aconteceriam.

Todos estão procurando por você ... O mundo tem fome e sede de Deus. Portanto, junto com a caridade, esperança. Nossos amigos e conhecidos, mesmo os mais distantes, também têm necessidades e desejos de Deus, embora muitas vezes não os manifestem. E, acima de tudo, o Senhor os busca.

Peçamos à Santíssima Virgem o zelo apostólico e proselitista que tiveram os Apóstolos e os primeiros cristãos.

1 Mk 1, 29-39. -2 Mc 3, 14. -3 Mt 18,19-20. -4Cf. Atos 2:38.5 Rom 10 15; É 52, 7. -6 1 Cor 9, 16. -7Cf. Conc. Vat. II , Decr. Apostolicam actuositatem , 6. - 8 São João Crisóstomo , Homilias sobre os Atos dos Apóstolos , 20. -9 João Paulo II , Discurso aos educadores católicos 12-IX-1987. -10 Paulo VI , endereço 4-VIII-1965. -onze 1 Tes 2, 3-4. -12 1 Cor 1, 23-24. -13 2 Cor 5:14 .

Fonte: https://www.hablarcondios.org/meditaciondiaria.aspx




Artigo Visto: 553

 




Total Visitas Únicas: 5.352.760
Visitas Únicas Hoje: 258
Usuários Online: 105