Sinais do Reino


Reflexões
  • Voltar






11/07/2022
Dom Alberto Strumia: "Esta é a época do pecado contra Deus Criador!"

Caro Stilum Curiali, parece oportuno trazer à sua atenção esta reflexão do P. Alberto Strumia publicada em Il Pensiero Cattolico , à qual agradecemos a sua gentileza. Boa leitura.

Dom Alberto Strumia: "Esta é a época do pecado contra Deus Criador!"

11 de julho de 2022

Postado por Marco Tosatti

Esta intervenção está intimamente ligada à minha anterior sobre “Pensamento Católico”   (O método de São João Paulo II), pois é um aprofundamento dele.

Nas análises de vários tipos, conduzidas segundo o recorte específico das diferentes áreas (sociopolíticas, econômicas, psicológicas, etc.) inevitavelmente - ou às vezes até deliberadamente - nos detemos quase sempre e apenas em uma leitura "horizontal" do por outro lado, uma "leitura" mais profunda das "causas" dos problemas da humanidade que hoje povoam o mundo, digamos mesmo uma "leitura teológica", ajudaria a compreender as raízes "graves" dos problemas . Acredito que a chave para entender nossa atual era histórica deve ser encontrada na declaração lapidar de Bento XVI, que surgiu em uma conversa privada com Francisco e relatada por ele  (aos Bispos poloneses, Cracóvia, 27 de julho de 2016), que soa assim: "Esta é a era do pecado contra Deus o Criador!" Esta frase resume toda a atualidade da doutrina do pecado original que encontramos em São Tomás de Aquino e que ele define na sua essência - não se detendo no problema do género literário das duas únicas passagens bíblicas que dele falam explicitamente (Gn 3 e Rm 15, 12-14) - pecado original como "falta de justiça original (carentia originalis iustitiae)" (De malo, q. 4 a. 2co).

A humanidade de nosso tempo, mais do que em qualquer outra época, quebrou, perdeu, rejeitou a "maneira correta" de estabelecer a relação entre ela e Deus Criador. A princípio rejeitando a própria existência de Deus (ateísmo positivo), depois ignorando-a (ateísmo prático, agnosticismo, indiferentismo: se Deus existe, ele não tem nada a ver com a vida real dos seres humanos), finalmente colocar o homem no lugar de Deus (idolatria antropocêntrica), a ponto de "domesticá-lo" construindo caricaturas de Deus e Jesus Cristo para usar à vontade, até derrubar os ensinamentos e a doutrina tradicionalmente guardados pela Igreja. Assim, a "justiça" sem a "maneira adequada" de se relacionar com Deus Criador tornou-se, primeiro, uma questão exclusivamente social de simples distribuição de bens materiais (socialismo, marxismo), depois um legalismo administrado para fins políticos (justicialismo), finalmente uma “mandamento” (imperativo categórico) que todos devem cumprir para ter o direito de existir socialmente (pensamento único, culto pagão do meio ambiente, da natureza, etc.).

Curiosamente o homem, liberto de Deus, do "reto relacionamento" com Deus Criador, do "pecado original", hoje ele se culpa com uma espécie de substituto pagão do pecado original, sentindo-se inimigo da natureza, dos animais, das plantas, do meio ambiente e do planeta, de todo o cosmos. Deste modo, obrigando-se a se auto-eliminar limitando os nascimentos (contracepção, aborto), acelerando as mortes (eutanásia), multiplicando guerras, aparentemente locais, mas de alcance planetário. A raiz profunda de tudo o que acontece pode ser encontrada de um "modo injusto" ("pecado") na relação entre homem-humanidade e Deus Criador que marca os seres humanos individuais e a humanidade em sua totalidade. Esta compreensão "cultural" do pecado original afasta qualquer visão ingênua e fabulosa de nossa imaginação e ajuda a reconhecer nos Mandamentos, na Lei Natural, o conjunto de leis universais estabelecidas pelo Criador para que o ser humano saiba governar-se bem. Elas são dadas como "leis da natureza", assim como as leis do mundo físico e biológico. Não respeitá-los, rejeitá-los, manipulá-los ou mesmo derrubá-los desumaniza a vida dos seres humanos, individualmente e em comunidade.

A Igreja tem o dever de explicar este fato a todos, crentes e não crentes, pois não é apenas uma questão de fé, mas antes de tudo um fato de razão, fato que eu não teria medo de definir como ". Assim como a lei da gravidade rege o movimento dos corpos celestes, os Mandamentos são as leis dadas para regular a vida dos homens. Não respeitá-los equivale a se prejudicar com as próprias mãos. Somos livres para fazê-lo, ao contrário dos corpos celestes que não são livres para se opor à lei da gravidade, mas se o fizermos acabamos nos destruindo. Os eventos que acontecem em nosso mundo todos os dias são a evidência mais contundente disso. A revelação, que encontra a sua plenitude e realização em Cristo, ajuda a compreender quão verdadeiro é tudo isto e oferece ao ser humano o caminho de reparação pela "justiça original" comprometida e perdida. Se os homens não chegarem a entendê-lo a tempo, caberá ao próprio Deus conduzi-los não apenas com a evidência dos acontecimentos negativos que infligirão a si mesmos, mas com uma manifestação direta e positiva de Sua ação providencial sobre a criação.

Só Cristo com a sua Paixão, Morte e Ressurreição pôde reabrir o acesso à "justiça original" aos seres humanos, já nesta vida com o Batismo e a vida cristã, e em plenitude na vida eterna. Se a Igreja não recomeçar a lançar este desafio que Bento XVI lançou, acabará por perder tempo e pronto!

fonte:   http://www.albertostrumia.it/ relacionamento com Deus Criador

Via:https://www.marcotosatti.com/2022/07/11/don-alberto-strumia-questa-e-lepoca-del-peccato-contro-dio-creatore/




Artigo Visto: 671

 




Total Visitas Únicas: 6.306.404
Visitas Únicas Hoje: 658
Usuários Online: 129