Sinais do Reino


Reflexões
  • Voltar






25/07/2022
Foi o último grau de amor de Jesus Cristo

"Ele se entregou inteiramente a você", diz São João Crisóstomo, "não reservando nada para si mesmo".

Foi o último grau de amor de Jesus Cristo

24 de julho de 2022

Mas tu, Jesus, quando deixaste este mundo, o que nos deixaste como testemunho do teu amor? Não apenas um vestido ou um anel, mas seu corpo e seu sangue, sua alma, sua divindade, tudo o que você é, sem esconder nada. "Ele se entregou inteiramente a você", diz São João Crisóstomo, "não reservando nada para si mesmo". É um juízo do Concílio de Trento que neste dom que Jesus Cristo nos deu, instituindo a Eucaristia, quis derramar sobre os homens todos os tesouros e riquezas que lhes havia reservado. Quando os homens tentaram tirar a vida de Cristo, ele tomou o pão e, dando graças, partiu-o e disse: Tomai e comei, isto é o meu corpo (I Cor 11,23).

É por isso que São Tomás tinha razão em chamar este sacramento de amor de penhor de caridade. Sacramento de amor, porque só o amor moveu Jesus Cristo a dar-se completamente; e penhor de caridade, para que, se alguma vez duvidarmos do seu amor, possamos encontrá-lo neste sacramento. Como se nosso Redentor tivesse dito ao nos deixar este presente: Se por acaso duvidar do amor que tenho por você, eis que me entrego a você neste sacramento; Com tal promessa à sua disposição, você não poderá mais duvidar do meu amor e do meu amor extraordinário. São Bernardo chama este sacramento de amor de todos os amores, porque este dom é a soma e o compêndio de todos os outros que Deus nos deu, criação, redenção, predestinação para a glória, porque, como canta a Igreja, a Eucaristia não é não apenas um penhor do amor que Jesus Cristo tem por nós, mas também um penhor do paraíso que ele quer nos dar.

É por isso que São Filipe Neri não pôde chamar Jesus Cristo Sacramentado senão com o nome de amor, e no final da sua vida, quando lhe trouxeram o Viático, exclamou: «Eis o meu amor, dá-me o meu amor». Quem teria imaginado isso? O profeta Isaías queria que as invenções amorosas de nosso Deus fossem proclamadas em toda parte para se fazer amado pelos homens; mas quem poderia imaginar, se Deus não o tivesse feito, que o Verbo encarnado se escondeu sob as espécies de pão para se tornar nosso alimento? Porque "não parece loucura", diz Santo Agostinho, "dizer: Coma minha carne e beba meu sangue?" Quando Jesus Cristo revelou aos discípulos este sacramento que Ele queria nos deixar, eles se recusaram a acreditar e se afastaram Dele, dizendo: Como este pode nos dar seu próprio sangue para comer? Difícil é essa linguagem; quem pode ouvir? (Jo 6, 53-61). Mas o que os homens não podiam pensar ou acreditar, o grande amor de Jesus Cristo pensou e executou. Tomai e comei, disse aos discípulos antes de partir para a sua paixão, e neles nos disse. Mas, ó Salvador do mundo, e qual é o alimento que você quer nos dar antes de morrer? Tome e coma —você me responde—, este é o meu corpo; Não é este alimento terreno, mas sou eu mesmo que te dou tudo.

Quanto desejo Jesus Cristo tem de unir nossas almas em santa comunhão! Desejei ardentemente comer convosco este Cordeiro Pascal (Lc 22,15). Isso o fez exclamar o imenso amor que tinha por nós. E para que pudéssemos recebê-lo mais facilmente, ele quis se esconder sob as espécies de pão. Se estivesse escondido sob o pretexto de algum alimento raro ou caro, os pobres seriam privados dele. Mas não, Jesus Cristo quis ficar sob a espécie de pão, que é barato e todos podem encontrá-lo, para que todos, e em todos os países, possam encontrá-lo e recebê-lo. Para que decidamos recebê-lo na Comunhão, ele não só nos exorta a fazê-lo, com repetidos convites —Venham comer o meu pão e beber o vinho que preparei (Prob. 9,5).

Comam, amigos; bebam e embriaguem-se, queridos (Cântico 5, 1)—, mas nos impõe como preceito: Bebam e comam, este é o meu corpo (I Cor 11,35). E para nos inclinar a recebê-lo, anima-nos com as promessas do céu: quem comer deste pão viverá para sempre (Jo 6,54). Em suma, quem não quiser recebê-lo, ameaça com o inferno, fechando as portas do céu: Em verdade, em verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tem vida em ti (Jo 6,53). Esses convites amorosos, essas promessas e ameaças nascem do grande desejo que vocês têm de se unir a nós neste Sacramento. Mas por que Jesus Cristo quer tanto que vamos recebê-lo na Sagrada Comunhão? O amor sempre aspira e busca a união e, como diz São Tomás, "os amigos que se amam de coração gostariam de estar tão unidos que formariam apenas um". Isto aconteceu com o imenso amor de Deus pelos homens, que não esperou que a outra vida se doasse por completo, mas neste mundo se permite desfrutá-las com a união mais íntima e íntima que pode dar a si mesmo, entregando-se completamente na Eucaristia escondendo-se sob a aparência do pão. Lá está ele como se estivesse atrás de uma parede, e de lá ele nos olha como se fosse uma treliça. Mesmo quando não o vemos, ele nos olha de lá, e ali está realmente presente, para que o possuamos, embora se esconda para que o desejemos. E até chegarmos à pátria celeste, Jesus quer assim dar-se completamente a nós e assim viver unido a nós.

Para unir-se a cada um, não bastava para satisfazer o seu amor que ele se entregou completamente ao gênero humano por meio de sua encarnação, e que morreu por todos por sua Paixão, mas inventou o modo de se doar completamente a cada um de nós. E por isso instituiu o sacramento do altar, para unir-se a cada um de nós, como Ele mesmo disse: Quem come a minha carne habita em mim e eu nele (Jo 6,57). Na Sagrada Comunhão Jesus une a alma e a alma une-se a Jesus; e esta união não é de mera afeição, mas muito real e verdadeira. "Nenhuma outra ação", diz São Francisco de Sales, "pode nosso Salvador ser considerado mais terno ou mais amoroso do que nesta, em que se aniquila, por assim dizer, e se torna nossa deliciosa iguaria, para entrar em nossas almas e se unem intimamente ao coração e até mesmo ao corpo de seus filhos. São João Crisóstomo diz que Jesus Cristo, por causa do amor ardente que professou por nós, quis unir-se a nós de tal maneira que não fôssemos mais do que uma e a mesma coisa. São Lourenço Justiniano, falando com Jesus, diz-lhe: «Ó Deus, enamorado das nossas almas!, por meio deste sacramento fizeste com que o teu coração e o nosso fossem um só coração inseparavelmente unidos». E São Bernardino acrescenta que “o dar-nos Jesus Cristo como alimento foi o grau máximo de amor, porque não pode haver união mais completa no mundo, como a união entre a iguaria e quem a come”. Quão satisfeito Jesus Cristo está em estar unido à nossa alma.

Ele mesmo deixou claro um dia à sua fiel serva Margarita de Iprés: «Veja, minha filha –disse-lhe um dia depois da comunhão–, a bela união que existe entre os dois; ama-me e, doravante, permaneçamos sempre unidos no amor e nunca mais nos separemos». Assim sendo, tivemos que confessar que a alma não pode fazer ou pensar em nada mais agradável a Jesus Cristo do que hospedar em seu coração, com as devidas disposições, um hóspede de tamanha majestade, porque assim ela se une a Jesus Cristo, que é o desejo de tão apaixonado Senhor. Eu disse que é necessário receber Jesus, não com as disposições dignas, mas com as disposições exigidas. Porque se fosse necessário ser digno deste Sacramento, quem poderia receber a Comunhão? Somente um Deus poderia ser digno de receber um Deus. Por disposições exigidas ou necessárias, quero dizer viver na graça de Deus e com um desejo ardente de crescer no amor de Jesus Cristo. “Somente por amor Jesus Cristo deve ser recebido na Sagrada Comunhão, pois é somente por amor que Ele se dá a nós em sua totalidade”, diz São Francisco de Sales. De resto, com que frequência receber a Comunhão, é esta questão que deve ser resolvida de acordo com a opinião prudente do diretor espiritual. Deve-se saber, no entanto, que nenhum estado ou emprego, nem mesmo o de casado ou comerciante, é obstáculo à comunhão frequente quando o diretor o considere oportuno. Não há nada mais lucrativo do que a santa comunhão; porque o Pai eterno, tendo colocado o tesouro de suas riquezas nas mãos de Jesus, é muito natural que, ao entrar na alma pela comunhão, chovam sobre ela imensos tesouros de graça, e então aquele que comunica pode verdadeiramente dizer: a mercadoria veio junto comigo, com ela (Sb 7,11).

São Dionísio diz que o sacramento da Eucaristia tem, acima de todos os outros meios espirituais, enorme virtude para santificar as almas. E São Vicente Ferrer assegurou que a alma ganha mais com uma única Comunhão do que com uma semana de jejum a pão e água. Chama de amor Antes de tudo, como ensina o Concílio de Trento, a Comunhão é o grande remédio que nos liberta dos pecados veniais e nos preserva dos mortais. Liberta-nos dos pecados veniais porque, segundo São Tomás, este Sacramento inclina o homem a praticar atos de amor, com os quais se apagam estas pequenas manchas; e preserva-nos dos mortais porque aumenta a graça, que nos preserva dos pecados graves, razão pela qual Inocêncio III escreveu que "se Jesus Cristo nos libertou com a sua paixão da escravidão do pecado, com a Eucaristia nos liberta da vontade do pecado".

Prática de amor a Jesus Cristo

Santo Afonso M Liguorio

Fonte: https://religionlavozlibre.blogspot.com/2022/07/fue-el-ultimo-grado-de-amor-de.html?




Artigo Visto: 593

 




Total Visitas Únicas: 6.306.375
Visitas Únicas Hoje: 629
Usuários Online: 150