Sinais do Reino


Reflexões
  • Voltar






19/11/2022
Sempre que você achar que a sua vida está difícil, leia esse pedacinho de uma carta escrita pelo apóstolo Paulo. Creia, seja firme! Deus está no controle de tudo!

Que essa palavra console o seu coração!

por Rodrigo Campello:

"Ora, são eles hebreus? Eu também sou. São israelitas? Eu também sou. São descendentes de Abraão? Eu também sou.

São servos de Cristo? Eu ainda mais, me expresso como se estivesse enlouquecido, pois trabalhei muito mais, fui encarcerado mais vezes, fui açoitado mais severamente em perigo de morte várias vezes.

Cinco vezes, recebi dos judeus trinta e nove açoites.

Três vezes fui espancado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, passei um dia e uma noite exposto à fúria do mar.

Muitas vezes, passei por perigos em viagens, perigos em rios, perigos entre assaltantes, perigos entre meus próprios compatriotas, perigos entre os gentios, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos.

Trabalhei arduamente; por diversas vezes, fiquei sem dormir, passei fome e sede, e, muitas vezes atravessei longos períodos em jejum; suportei frio e nudez.

Além de tudo isso, pesa diariamente sobre mim a responsabilidade que tenho para com todas as igrejas.

Ora, quem se enfraquece, que eu semelhantemente não me sinta enfraquecido? Quem se escandaliza, que eu de igual forma não fique indignado?

Se, portanto, devo me orgulhar, então que seja nas atitudes que revelam minha própria fraqueza.

O Deus e Pai do Senhor Jesus, que é bendito por toda a eternidade, sabe que não estou falseando a verdade.

Em Damasco, o governador da cidade, sob a autoridade do rei Aretas, vigiava a cidade dos damascenos com o firme propósito de prender-me.

Todavia, através de uma janela, desceram-me muralha abaixo dentro de um cesto. E assim, fui livrado das mãos dele" (2 Coríntios 11:22-33)

Não existe essa coisa de "prova da existência de Deus". Ele, como criador, deve estar FORA da natureza existente, e, portanto, não pode ser um dos seus elementos a ser encontrado por meio dos métodos científicos humanos. O que há são evidências, tipos de marcas, que Ele deixou por toda parte, a fim de que os homens nelas detectem a Sua realidade.

Ninguém, por exemplo, conseguirá reproduzir a ressurreição corporal de Jesus num ambiente controlado e concluir o experimento com o rótulo: "comprovado cientificamente". Deus não atende a arrogantes, mas dá graça aos humildes.

Todavia, existem argumentos que se pode buscar no âmbito da história, por exemplo, que são bem intrigantes. Vejamos um:

Há um consenso entre pesquisadores do Novo Testamento, liberais ou conservadores, críticos ou ortodoxos, de que a primeira epístola de Paulo aos coríntios constitui-se em escrito autêntico e foi escrita por volta do ano 55 d.C. Note bem, apenas uns 25 anos depois da morte de Jesus.

Nesse tempo, obviamente, estavam vivos muitos daqueles que tinham sido testemunhas oculares dos acontecimentos envolvendo a vida e a morte de Jesus, e que poderiam ser consultados, a fim de verificar se o que estava sendo dito em relação a Ele correspondia à realidade.

Pois bem, no capítulo 15 dessa carta, o apóstolo afirma o seguinte:

"Porquanto, o que primeiramente vos transmiti foi o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,
foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, conforme as Escrituras,
e apareceu a Pedro e depois aos Doze". (Versos 3-5).

Depois de falar da aparição do Jesus ressuscitado "aos doze", Paulo vai além e declara:

"Depois disso, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez, a maioria dos quais ainda vive, embora alguns já tenham adormecido". (Verso 6)

Agora, note bem, a menos que Paulo fosse um escritor de cartas suicída, jamais afirmaria numa delas que mais de quinhentas pessoas haviam visto Jesus ressuscitado, sabendo que a maioria destas poderiam ser demandadas a qualquer tempo, a fim de confirmar ou negar a informação que estava sendo repassada.

Note, também, que ser cristão no I século poderia significar assinar uma sentença de prisão ou morte iminentes, e que as pessoas não estariam dispostas a colocar suas vidas em risco por causa de qualquer história mal fundamentada.

O fato é que, por volta do ano 55 d.C, o império romano já estava inundado com pessoas dispostas a ser presas, torturadas e a morrer por causa de uma esperança: aquele Jesus que foi morto, apareceu novamente vivo e foi visto por diversas testemunhas; um dia voltará e levará os mortos e os vivos que confiaram no Seu nome para estar eternamente junto dEle.

Que essa palavra console o seu coração!

Fonte:t.me/rodrigocampello




Artigo Visto: 742

 




Total Visitas Únicas: 6.306.386
Visitas Únicas Hoje: 640
Usuários Online: 136