Sinais do Reino


Encíclicas
  • Voltar






15/03/2021
Nota Explicativa da Congregação para a Doutrina da Fé sobre bênçãos para casais do mesmo sexo.

Nota Explicativa da Congregação para a Doutrina da Fé sobre bênçãos para casais do mesmo sexo.

Artigo de comentário sobre o Responsum ad dubium, 15.03.2021

O novo pronunciamento da Congregação para a Doutrina da Fé é uma resposta a uma pergunta - em termos clássicos, a um  dubium  - ocasionada, como normalmente é o caso, por pastores e fiéis que requerem esclarecimentos e orientações sobre um assunto polêmico. Quando as perguntas são desencadeadas por afirmações ou práticas problemáticas em áreas importantes da vida cristã, uma resposta afirmativa ou negativa é fornecida, juntamente com uma declaração do raciocínio que apóia a resposta apresentada. O objetivo de tais intervenções é ajudar a Igreja universal a responder melhor às exigências do Evangelho, resolver disputas e promover a comunhão saudável entre o povo santo de Deus.

No caso em apreço, surgiu uma questão controvertida no quadro do “desejo sincero de acolher e acompanhar os homossexuais, aos quais se propõem caminhos de crescimento na fé” ( Nota explicativa ), conforme indicado pelo Santo Padre Papa Francisco no conclusão de duas assembleias sinodais sobre a família: “para que quem manifesta uma orientação homossexual receba a ajuda necessária para compreender e cumprir plenamente a vontade de Deus na sua vida” (Exortação Apostólica  Amoris laetitia, n. 250). Estas palavras são um convite a avaliar, com discernimento adequado, projetos e propostas pastorais voltadas para esse fim. Entre elas estão as bênçãos dadas às uniões de pessoas do mesmo sexo. Por isso, pergunta-se se a Igreja tem o poder de dar a sua bênção: esta é a fórmula contida no  quaesitum .

A resposta - o  Responsum ad dubium  - é explicada e motivada na Nota Explicativa anexa   da Congregação para a Doutrina da Fé, de 22 de fevereiro de 2021, cuja publicação o próprio Papa Francisco deu seu parecer favorável.

A  Nota  está centrada na distinção fundamental e decisiva entre as pessoas e as uniões. Isso é para que o julgamento negativo sobre a bênção de uniões de pessoas do mesmo sexo não implique um julgamento sobre pessoas.

Pessoas em primeiro lugar. A seu respeito, o que se afirma no n. 4 das  Considerações sobre Propostas de Reconhecimento Legal às Uniões entre Pessoas Homossexuais,  escritas pela mesma Congregação e relembradas pelo Catecismo da Igreja Católica, nunca devem ser esquecidas: “Segundo o ensinamento da Igreja, homens e mulheres com homossexuais tendências 'devem ser aceitas com respeito, compaixão e sensibilidade. Todo sinal de discriminação injusta em relação a eles deve ser evitado '(2358) ”. Este ensinamento é relembrado e reafirmado pela  Nota .

Quanto às uniões de pessoas do mesmo sexo, a resposta ao  dubium  “declara ilícita qualquer forma de bênção que tenda a reconhecer as suas uniões como tal”. A  Nota Explicativa  fundamenta a ilicitude em três razões interligadas.

A primeira razão surge da verdade e do valor das bênçãos. Pertencem ao gênero dos  sacramentais , que são “ações litúrgicas da Igreja” que requerem consonância de vida com o que significam e geram. Existem significados e resultados da graça que a  Nota  explica de forma concisa. Conseqüentemente, uma bênção em um relacionamento humano requer que ela seja ordenada a receber e expressar o bem que é pronunciado e dado pela bênção.

Chegamos, assim, ao segundo motivo: a ordem que torna apto a receber o dom é dada pelos “desígnios de Deus inscritos na criação e plenamente revelados por Cristo Senhor”. São desígnios aos quais não correspondem “relações, ou parcerias, mesmo estáveis, que envolvam atividade sexual fora do casamento”, pois estão “fora da união indissolúvel de um homem e uma mulher aberta em si mesma à transmissão da vida”. No entanto, não só essas uniões - como se o problema fossem apenas essas uniões - mas qualquer união que implique atividade sexual fora do casamento, o que é ilícito do ponto de vista moral, segundo o perene ensinamento do Magistério eclesial.

Tudo isso implica um poder que a Igreja não possui, porque ela não tem poder sobre os desígnios de Deus, que de outra forma seriam rejeitados e negados. A Igreja não é o árbitro desses desígnios e das verdades que eles expressam, mas seu fiel intérprete e testemunha.

A terceira razão é evitar um erro ao qual se cairia facilmente: o de assimilar a bênção das uniões de pessoas do mesmo sexo à das uniões matrimoniais. Por causa da conexão entre as bênçãos de pessoas e os sacramentos, a bênção de tais uniões poderia em certo sentido implicar “uma certa imitação ou análogo da bênção nupcial”, concedida a um homem e uma mulher unidos no sacramento do Matrimônio. Isso seria errado e enganoso.

Pelas razões acima, “a bênção das uniões homossexuais não pode ser considerada lícita”. Esta afirmação em nada diminui a consideração humana e cristã que a Igreja considera cada pessoa. Tanto é verdade que a resposta ao  dubium  “não exclui as bênçãos dadas a pessoas singulares com inclinações homossexuais que manifestam a vontade de viver na fidelidade aos desígnios revelados de Deus como os propõem os ensinamentos da Igreja”.

Fonte: https://press.vatican.va/content/salastampa/en/bollettino/pubblico/2021/03/15/210315c.html




Artigo Visto: 249

 




Total Visitas Únicas: 5.206.917
Visitas Únicas Hoje: 843
Usuários Online: 189