Sinais do Reino


Encíclicas
  • Voltar






12/05/2021
Documento / “Antiquum ministerium”, carta apostólica sobre o ministério do catequista

CARTA APOSTÓLICA
SOB A FORMA DE "MOTU PROPRIO" DO PONTÍFICE FRANCISCO

“ANTIQUUM MINISTERIUM”

COM
OQUAL É CRIADOO MINISTÉRIO DO CATEQUISTA

CARTA APOSTÓLICA
SOB A FORMA DE "MOTU PROPRIO"

DO PONTÍFICE
FRANCISCO

“ANTIQUUM MINISTERIUM”

COM

OQUAL É CRIADO O MINISTÉRIO DO CATEQUISTA

1. O ministério do Catequista na Igreja é muito antigo. É um pensamento comum entre os teólogos que os primeiros exemplos já se encontram nos escritos do Novo Testamento. O serviço do ensino encontra a sua primeira forma germinativa nos «mestres» mencionados pelo Apóstolo ao escrever à comunidade de Corinto: «Alguns, pois, Deus colocou na Igreja primeiro como apóstolos, depois como profetas, em terceiro como mestres ; depois, há os milagres, o dom de curar, de ajudar, de governar, de falar várias línguas. Eles são todos apóstolos? Todos os profetas? Todos os mestres? Todo mundo faz milagres? Todos têm o dom de curar? Todo mundo fala em línguas? Todos os interpretam? Em vez disso, deseje intensamente os maiores carismas. E então, eu mostro a maneira mais sublime "( 1 Cor.12,28-31).

O próprio Lucas abre seu Evangelho afirmando: "Decidi fazer uma pesquisa cuidadosa sobre todas as circunstâncias, desde o início, e escrever um relatório ordenado para você, ilustre Teófilo, para que você possa perceber a solidez dos ensinamentos que você recebeu "( Lc 1: 3-4). O evangelista parece estar bem ciente de que com os seus escritos está a dar uma forma específica de ensino que permite dar solidez e força àqueles que já receberam o Baptismo. O apóstolo Paulo volta ao assunto novamente quando recomenda aos Gálatas: "Todo aquele que é instruído na Palavra, compartilhe todas as suas posses com aqueles que o instruem" ( Gl6,6). Como se vê, o texto acrescenta uma peculiaridade fundamental: a comunhão de vida como característica da fecundidade da verdadeira catequese recebida.

2. Desde o início, a comunidade cristã viveu uma forma difundida de ministério que se concretizou no serviço de homens e mulheres que, obedientes à ação do Espírito Santo, dedicaram a vida à construção da Igreja. Os carismas que o Espírito nunca deixou de derramar sobre os batizados encontraram em alguns momentos uma forma visível e tangível de serviço direto à comunidade cristã em suas múltiplas expressões, tanto que foi reconhecida como uma diaconia indispensável para a comunidade. O apóstolo Paulo se torna um intérprete autorizado ao testemunhar: “Existem diversos carismas, mas apenas um é o Espírito; existem diferentes ministérios, mas apenas um é o Senhor; existem diferentes atividades, mas apenas um é Deus, que opera tudo em todos. A cada um é dada uma manifestação particular do Espírito para o bem comum: a um, de fato, por meio do Espírito é dada a linguagem da sabedoria; a outro, ao invés, do mesmo Espírito, a linguagem do conhecimento; a um, no mesmo Espírito, fé; a outro, em um só Espírito, o dom de curar; para um o poder dos milagres; para outro, o dom de profecia; para outro, o dom de discernir espíritos; para outro, a variedade de línguas; para outro, a interpretação das línguas. Mas todas essas coisas são feitas por um só e mesmo Espírito, distribuindo-as a cada um como lhe agrada ”( 1 Cor 12,4-11).

Dentro da grande tradição carismática do Novo Testamento, portanto, é possível reconhecer a presença ativa dos batizados que exerceram o ministério de transmitir o ensinamento dos apóstolos e evangelistas de uma forma mais orgânica, permanente e ligada às diferentes circunstâncias da vida. . (cf. Concílio Ecumênico Vaticano II, Constituição Dogmática Dei Verbum , 8). A Igreja quis reconhecer este serviço como expressão concreta do carisma pessoal que muito favoreceu o exercício da sua missão evangelizadora. Olhando para a vida das primeiras comunidades cristãs que se comprometeram a difundir e desenvolver o Evangelho, também hoje exorta a Igreja a compreender como podem ser novas expressões para continuar a ser fiéis à Palavra do Senhor para fazer o seu Evangelho. alcance cada criatura.

3. Toda a história da evangelização destes dois milênios mostra com grande evidência a eficácia da missão dos catequistas. Bispos, sacerdotes e diáconos, juntamente com muitos homens e mulheres de vida consagrada, dedicaram a sua vida à instrução catequética, para que a fé seja um suporte válido para a existência pessoal de cada ser humano. Alguns também reuniram ao seu redor outros irmãos e irmãs que, compartilhando o mesmo carisma, constituíram ordens religiosas ao serviço total da catequese.

Não podemos esquecer a inumerável multidão de leigos que participaram diretamente na difusão do Evangelho por meio do ensino catequético. Homens e mulheres animados por uma grande fé e autênticas testemunhas de santidade que, em alguns casos, foram também fundadores de igrejas, chegando mesmo a dar a vida. Mesmo em nossos dias, muitos catequistas competentes e tenazes estão à frente de comunidades em diferentes regiões e realizam uma missão insubstituível na transmissão e no aprofundamento da fé. A longa linha de beatos, santos e mártires catequistas marcou a missão da Igreja, que merece ser conhecida porque constitui uma fonte fecunda não só para a catequese, mas para toda a história da espiritualidade cristã.

4. Começando com o Concílio Ecumênico Vaticano II, a Igreja sentiu com renovada consciência a importância do empenho dos leigos na obra de evangelização. Os Padres conciliares reiteraram repetidamente como é necessário o envolvimento direto dos fiéis leigos nas várias formas em que seu carisma pode ser expresso, para a "plantatio Ecclesiae" e o desenvolvimento da comunidade cristã. «Digno de louvor é também aquele grupo tão digno da obra missionária entre os pagãos, que é constituído por catequistas, tanto homens como mulheres. Eles, animados pelo espírito apostólico e fazendo grandes sacrifícios, dão uma contribuição singular e insubstituível à propagação da fé e da Igreja ... Em nosso tempo então, em que o clero é insuficiente para a evangelização de tantas multidões e para o exercício do ministério pastoral, a tarefa do Catequista é da maior importância ”(Conc. Ad gentes , 17).

Juntamente com o rico magistério conciliar, é necessário referir-se ao constante interesse dos Sumos Pontífices, do Sínodo dos Bispos, das Conferências Episcopais e dos Pastores que, no decorrer destas décadas, deram uma notável renovação à catequese. O Catecismo da Igreja Católica , a Exortação Apostólica Catechesi tradendae , o Diretório Geral da Catequese , o Diretório Geral da Catequese , o recente Diretório da Catequese , juntamente com muitos Catecismos nacionais, regionais e diocesanos são uma expressão do valor central do trabalho catequético que coloca a educação e a formação permanente dos fiéis em primeiro plano.

5. Sem prejudicar a própria missão do Bispo de ser o primeiro catequista da sua diocese juntamente com o presbitério que partilha com ele a mesma pastoral, e da especial responsabilidade dos pais pela formação cristã dos filhos (cf. cân. CIC. 774 § 2; CCEO can. 618), é necessário reconhecer a presença dos leigos que, pelo baptismo, se sentem chamados a colaborar no serviço da catequese (cf. CIC can. 225; CCEO can. 401 e 406) . Esta presença se tornou ainda mais urgente em nosso tempo para a renovada consciência da evangelização no mundo contemporâneo (cf. Apostólica. Ap. Evangelii gaudium , 163-168), e para o surgimento de uma cultura globalizada (cf. Enc. Cartas Irmãos todos , 100 . 138 ), que exige um encontro autêntico com as gerações mais jovens, sem esquecer a necessidade de metodologias e instrumentos criativos que tornem o anúncio do Evangelho coerente com a transformação missionária que a Igreja empreendeu. A fidelidade ao passado e a responsabilidade pelo presente são as condições indispensáveis ​​para que a Igreja possa cumprir a sua missão no mundo.

Despertar o entusiasmo pessoal de cada baptizado e reavivar a consciência de ser chamado a cumprir a sua missão na comunidade exige a escuta da voz do Espírito que nunca deixa de fazer faltar a sua presença fecunda (cf. CIC can. 774 § 1; CCEO pode. 617). O Espírito também chama homens e mulheres de hoje a partirem ao encontro de tantos que esperam conhecer a beleza, a bondade e a verdade da fé cristã. É dever dos Pastores apoiar este caminho e enriquecer a vida da comunidade cristã com o reconhecimento de ministérios leigos capazes de contribuir para a transformação da sociedade através da "penetração dos valores cristãos no mundo social, político e econômico" ( Evangelii gaudium , 102).

6. O apostolado leigo tem um valor secular indiscutível. Ela nos pede "buscar o reino de Deus tratando as coisas temporais e orientando-as segundo Deus" (Concílio Ecumênico Vaticano II, Constituição Dogmática Lumen Gentium , 31). O seu quotidiano se entrelaça com as relações e relações familiares e sociais que nos permitem verificar o quanto «são sobretudo chamados a tornar a Igreja presente e activa nos lugares e circunstâncias em que ela não pode tornar-se sal da terra senão eles. metade "( Lumen Gentium , 33). É bom lembrar, porém, que além deste apostolado, “também os leigos podem ser chamados de várias maneiras a colaborar mais imediatamente com o apostolado da Hierarquia à semelhança daqueles homens e mulheres que ajudaram o apóstolo Paulo na evangelização , trabalhando muito para o Senhor ”( Lumen Gentium , 33).

A função particular desempenhada pelo Catequista, porém, é especificada dentro de outros serviços presentes na comunidade cristã. Com efeito, o catequista é chamado em primeiro lugar a expressar a sua competência no serviço pastoral da transmissão da fé que se desenvolve nas suas várias etapas: desde o primeiro anúncio que introduz o querigma , até à instrução que o torna consciente. a nova vida em Cristo e prepara em particular para os sacramentos da iniciação cristã, até à formação permanente que permite a cada baptizado estar sempre pronto a «responder a quem pede a razão da esperança» ( 1 Pd.3,15). O Catequista é ao mesmo tempo testemunha da fé, mestre e mistagogo, companheiro e pedagogo que instrui em nome da Igreja. Uma identidade que só através da oração, do estudo e da participação direta na vida da comunidade pode desenvolver-se com coerência e responsabilidade (cf. Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Diretório para a Catequese , 113).

7. Com clarividência, São Paulo VI publicou a Carta Apostólica Ministeria quaedam com o propósito não só de adaptar o ministério do Leitor e do Acólito ao novo momento histórico (cf. Carta Apostólica Spiritus Domini ), mas também de solicitar que as Conferências Episcopais se tornem promotoras de outros ministérios, incluindo o de Catequista: “Além destes ofícios comuns da Igreja latina, nada impede as Conferências Episcopais de solicitar à Sé Apostólica outros, se julgarem, por razões particulares, o necessário ou muito útil instituição em sua região. Deste tipo são, por exemplo, os escritórios de Ostiário , Exorcista e Catequista " O mesmo convite urgente voltou na Exortação Apostólica Evangelii nuntiandi quando, pedindo para saber ler as necessidades atuais da comunidade cristã em fiel continuidade com as origens, exortou a encontrar novas formas ministeriais para uma pastoral renovada: “Tais ministérios, novas na aparência, mas muito ligadas às experiências vividas pela Igreja ao longo de sua existência, - por exemplo as de um catequista ... são preciosas para a "plantatio", a vida e o crescimento da Igreja e para a capacidade de irradiar em torno de si e para com os que estão longe »(São Paulo VI, Exortação apostólica Evangelii nuntiandi , 73).

Portanto, não se pode negar que “cresceu a consciência da identidade e da missão dos leigos na Igreja. Temos um grande número de leigos, embora insuficiente, com um arraigado sentido de comunidade e grande fidelidade ao compromisso da caridade, à catequese, à celebração da fé »( Evangelii gaudium , 102). Segue-se que receber um ministério leigo como o de um catequista dá maior ênfase ao compromisso missionário típico de cada batizado, que em todo o caso deve ser realizado de forma plenamente secular, sem cair em qualquer expressão de clericalização.

8. Este ministério tem um forte valor vocacional que requer o devido discernimento por parte do Bispo e se destaca com o rito de instituição. Com efeito, é um serviço estável prestado à Igreja local de acordo com as necessidades pastorais identificadas pelo Ordinário local, mas realizado de forma laical, conforme o exige a própria natureza do ministério. É bom que homens e mulheres de profunda fé e maturidade humana sejam chamados ao ministério instituído de Catequista, que tenham uma participação ativa na vida da comunidade cristã, que sejam capazes de acolhimento, generosidade e vida de comunhão fraterna, que receber a formação bíblica, teológica, pastoral e pedagógica necessária para ser comunicadores atentos da verdade da fé, e que já tenham amadurecido uma experiência anterior de catequese (cf. Concílio Ecumênico Vat. II, Decr. Christus Dominus , 14; CIC pode. 231 §1; CCEO pode. 409 §1). É necessário que sejam fiéis colaboradores dos presbíteros e diáconos, disponíveis para exercer o ministério onde for necessário e animados por um verdadeiro entusiasmo apostólico.

Portanto, após ter ponderado todos os aspectos, em virtude da autoridade apostólica

configurei

o ministério leigo do catequista

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicará em breve o Rito de Instituição do ministério leigo do Catequista.

9. Convido, portanto, as Conferências Episcopais a tornarem eficaz o ministério dos Catequistas, estabelecendo o processo formativo necessário e os critérios normativos para poder acessá-lo, encontrando as formas mais coerentes para o serviço que serão chamados a cumprir segundo com o que é expresso por esta Carta Apostólica.

10. Os Sínodos das Igrejas Orientais ou as Assembleias dos Hierarcas podem aceitar o que aqui se estabelece para as respectivas Igrejas sui juris , com base no seu direito particular.

11. Os pastores não devem deixar de fazer sua a exortação dos Padres conciliares, ao recordar: «Eles sabem que não foram instituídos por Cristo para assumirem todo o peso da missão salvífica da Igreja no mundo, mas que o seu sublime O ofício consiste em compreender sua missão de pastores para com os fiéis e em reconhecer os ministérios e carismas que lhes são próprios, de modo que todos possam cooperar em sua medida para o bem comum ”( Lumen Gentium , 30). Queira o discernimento dos dons para que o Espírito Santo nunca deixe que a sua Igreja falte o apoio que lhes é devido para tornar eficaz o ministério de Catequista para o crescimento da própria comunidade.

O que se estabelece com esta Carta Apostólica em forma de "Motu proprio", ordeno que tenha força firme e estável, apesar do contrário, ainda que digno de menção especial, e que seja promulgada mediante publicação no L'Osservatore Romano , entrando em vigor naquele dia, e depois publicado no comentário oficial da Acta Apostolicae Sedis .

Dado em Roma, em San Giovanni in Laterano, no dia 10 de maio de 2021, memória litúrgica de S. João de Ávila, sacerdote e doutor da Igreja, nono do meu pontificado.

Francisco

Fonte;http://www.vatican.va/content/francesco/it/motu_proprio/documents/papa-francesco-motu-proprio-20210510_antiquum-ministerium.html




Artigo Visto: 229

 




Total Visitas Únicas: 5.206.835
Visitas Únicas Hoje: 761
Usuários Online: 173