Sinais do Reino


Encíclicas
  • Voltar






07/01/2023
Um dia após o funeral de Bento XVI, Francisco apresentou uma nova constituição apostólica que reorganiza o vicariato de Roma

FRANCISCO

CONSTITUIÇÃO APOSTÓLICA

IN ECCLESIARUM COMMUNIONE

SOBRE O PEDIDO
DO VICARIATO DE ROMA

Proêmio

1. Na comunhão das Igrejas, é confiada à Igreja de Roma a particular responsabilidade de acolher a fé e a caridade de Cristo transmitidas pelos Apóstolos e de as testemunhar de modo exemplar. É, portanto, a primeira preocupação do seu Bispo providenciar o necessário para que esta Igreja corresponda ao que lhe diz o Espírito do Senhor Jesus Cristo (cf. Ap 3, 22).

Juntado aos outros Bispos na sucessão apostólica comum [1], o Bispo de Roma, sucessor de Pedro e, como tal, "princípio perpétuo e visível e fundamento da unidade tanto dos bispos como da multidão dos fiéis" [ 2], exerce o seu ministério sobretudo assegurando que o povo de Deus na diocese a ele confiada seja confirmado na fé e na caridade (cf. Lc 22,32). Desta forma, ele foi o primeiro a honrar o princípio segundo o qual cada bispo, ao governar bem uma porção da Igreja universal, contribui "efetivamente para o bem de todo o corpo místico, que é também o corpo das igrejas" [3] .

2. A Igreja se coloca no mundo como "mulher samaritana" (cf. Lc 10, 25-37) [4], como sacramento de salvação [5], em íntima solidariedade com a história dos homens e mulheres que viver neste mundo [6], esperando o seu cumprimento em Cristo. Ao recordar o sexagésimo aniversário do início do Concílio Ecumênico Vaticano II, sentimos com particular urgência o apelo à conversão missionária de toda a Igreja, acompanhado por uma consciência mais viva de sua dimensão constitutivamente sinodal [7].

Para reavivar a missão, no primado da caridade e no anúncio da misericórdia divina, a colegialidade episcopal e a participação ativa dos batizados devem ser apoiadas e promovidas em sinergia.

O empenho pela reorganização do Vicariato, organismo que em Roma desempenha a função de Cúria diocesana [8], retoma e continua a obra realizada pelos meus predecessores, São Paulo VI e São João Paulo II, com as constituições apostólicas Vicariae potestatis (1977) e Ecclesia in Urbe (1998), e por aqueles que generosamente contribuíram para o seu cumprimento na pastoral. Também o Vicariato de Roma - como outras estruturas diretamente ligadas ao ministério petrino: a Cúria Romana, o Sínodo dos Bispos - é chamado a tornar-se cada vez mais «um canal adequado para a evangelização do mundo de hoje, mais do que para a autopreservação». [ 9], ao serviço de uma Igreja que se reconhece perante todos, mesmo os que vivem na indiferença religiosa, como uma « comunidade evangelizadora [que] se coloca através das obras e dos gestos na vida quotidiana dos outros, encurta as distâncias, rebaixa até à humilhação, se necessário, e assume a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo» [10].

Se cada Igreja local é, "cada uma no seu território, o novo povo chamado por Deus no Espírito Santo" [11], desejo que a de Roma, confiada ao meu serviço episcopal, brilhe como exemplo da comunhão de fé e de caridade, plenamente empenhado na missão de anunciar o Reino de Deus, guardião da esperança divina de acolher todos na sua salvação (cf. Is 25,6ss.). O que São Gregório Magno escreveu sobre si mesmo ao Patriarca Eulógio de Alexandria é válido para Roma: «Não procuro a minha grandeza com palavras, mas com a minha conduta [...] Que desapareçam as palavras que inflam a vaidade e prejudicam a caridade» [ 12] .

3. Estamos em um tempo de renovação em que precisamos trabalhar juntos, como povo batizado, superando a "tentação pelagiana" que reduz tudo ao enésimo plano "para mudar as estruturas, mas enraizando-nos em Cristo e deixando-nos conduzir pelo Espírito" [13]. Sonho com uma transformação missionária que envolva plenamente as pessoas e as comunidades, sem esconder ou buscar conforto na abstração das ideias [14]. Portanto, trata-se de “pôr em prática os meios necessários para avançar no caminho de uma conversão pastoral e missionária, que não pode deixar as coisas como estão”[15].

4. Consciente da necessidade de se converter sempre, não pretendendo ser melhor que os outros, é da índole espiritual, pastoral e canônica da diocese de Roma representar em si mesma a missão de exemplaridade em constante tensão para com o reino de Deus. Se na Igreja se reflete a luz que é Cristo (cf. Jo 8, 12) [16] - os Padres falavam, a este respeito, do "mistério da lua" - podemos pensar na Igreja de Roma como uma no qual reflete, com singular luminosidade, o rosto da Igreja universal, um povo santo que tem por missão ser testemunha credível do amor de Deus, reconhecendo e ajudando a ver sobretudo nos pobres e nos sofredores a imagem dos pobres e Cristo sofredor [17]. Em nosso tempo, a capacidade da Igreja de refletir a luz divina foi severamente testada: no entanto, não falta nem o desejo profundo dessa luz nem a disponibilidade da Igreja para acolhê-la e partilhá-la.

A Igreja perde a sua credibilidade quando se enche do que não é essencial à sua missão ou, pior, quando os seus membros, por vezes mesmo investidos de autoridade ministerial, são fonte de escândalo com o seu comportamento infiel ao Evangelho. Este não é um problema apenas da Igreja: é também um problema daqueles a quem a Igreja, povo de Deus, é chamada a servir com o anúncio do Evangelho e o testemunho da caridade. Só na doação total de si mesma a Cristo ao serviço da salvação do mundo é que a Igreja renova a sua fidelidade porque, como ensina Santo Ambrósio, «tudo o que se esvazia recupera a sua plenitude» [18].

5. Para compreender a identidade da Igreja, também da Igreja de Roma, é necessário reconhecer a sua "textura sacramental", ou seja, a sua referência a algo diferente de si mesma. Vigiamos assim a "tentação substituta": a tentação de ir sozinho, como se o Senhor, subindo ao céu, tivesse deixado um vazio a ser preenchido com as nossas iniciativas[19]. Vencendo a tentação de substituir a luz de Cristo e a voz do Espírito pelas luzes e inspirações mundanas e clericais, somos reconduzidos à missão do povo baptizado, chamado a ser "sinal e instrumento" credível de "união íntima com Deus e da unidade da humanidade" [20].

Em Roma, como nas outras Igrejas particulares, é necessário continuar a escutar a voz do Espírito Santo que se manifesta também para além dos confins da pertença eclesial e religiosa, mantendo um estilo sinceramente hospitaleiro, animado pelo impulso de quem sai em busca dos muitos exilados da Igreja, dos invisíveis e mudos da sociedade (cf. Mt 22,9) [21]. Voltamos assim à lição dos Padres que, olhando para a experiência do êxodo e do exílio, lêem a necessidade de a Igreja ser como uma tenda móvel no deserto, a ser desmontada, remontada e "alargada" ao longo do caminho (cf. .Is 54,2). O primeiro efeito do impulso evangelizador e sinodal deve ser o de recuperar a confiança no Espírito Santo que guia os vários caminhos eclesiais, abre novos entendimentos sobre o conteúdo da Revelação [22], nos distrai da rigidez de fórmulas e estruturas: melhor inquieto comunidades, próximas "dos abandonados, dos esquecidos, dos imperfeitos» [23], cujos lugares estão vedados [24].

6. Para que isso seja possível, é necessário valorizar a comum dignidade baptismal, também através de instituições, estruturas e organismos renovados. É tarefa essencial do bispo garantir um espaço aberto a todos, onde cada um encontre um lugar, tenha a oportunidade de falar, sentindo-se ouvido e aprendendo a ouvir. Perscrutando os sinais dos tempos [25], o discernimento espiritual permitirá reconhecer novas necessidades e favorecer subjetividades pastorais mais amplas e inclusivas, ampliando a participação e a partilha de responsabilidades: "caminhar juntos descobre a horizontal em vez da vertical como sua linha. A Igreja sinodal restitui o horizonte de onde nasce Cristo sol: erguer monumentos hierárquicos significa cobri-lo. Os pastores caminham com o povo» [26].

7. A reorganização do Vicariato leva em consideração as diversas realidades eclesiais presentes na Cidade, bem como a situação social e econômica das pessoas e famílias que ali vivem ou que gravitam em torno dela.

Os membros do Colégio dos Cardeais que têm o direito de eleger o Bispo de Roma por lei pertencem à Igreja de Roma. Aqui estão localizadas as instituições da Cúria Romana, das quais a Santa Sé se serve para o exercício de suas funções universais. Há também os órgãos de governo de um grande número de Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, comunidades responsáveis pela formação de ministros ordenados qualificados, antigos e novos, instituições culturais da Igreja e os escritórios centrais de várias organizações católicas internacional. Roma é também a sede primacial da Itália e a sede da Conferência Episcopal Italiana, bem como de várias organizações apostólicas nacionais. Numerosos sacerdotes, religiosos e cristãos leigos de várias partes do mundo estudam e vivem em Roma: a sua presença e a sua actividade - se bem articulados com as necessidades humanas, espirituais e pastorais - enriquecem a vida cristã de Roma com o contributo de diferentes espiritualidades e experiências. Roma também tem todas as características da capital de um estado moderno, em que os problemas e dificuldades de toda a nação, da Europa e do mundo se refletem como num espelho global. Sede das principais instituições nacionais e organismos internacionais, e centro cultural, social e político de primeira importância, ajuda a criar necessidades particulares nos seus habitantes.

8. Um número significativo de pessoas e famílias que vivem nos vários bairros da cidade de Roma, não só nos subúrbios, sofrem graves problemas económicos, sociais, psicológicos e de saúde. O envelhecimento da população, a crise demográfica, a presença de sem-abrigo são consequência de escolhas imprudentes, mas também sintoma das agruras e incertezas do nosso tempo. Que os cristãos de Roma, e em particular os encarregados de tarefas e responsabilidades pastorais, estejam conscientes de que devem realizar a sua missão num contexto em que muitas pessoas se encontram a viver situações de grande sofrimento.

Particular esforço deve ser feito para acolher tantos refugiados e migrantes, para que a Igreja de Roma seja, para todas as outras Igrejas, testemunha de que ninguém deve ser excluído: "as tuas portas estarão sempre abertas" (Is 60: 11). Por meio de programas pastorais e sociais direcionados, a contribuição que cada um pode oferecer para o bem de todos deve ser reconhecida, apoiada e valorizada.

9. Pela sua história singular, Roma possui um património artístico único, que floresceu em grande parte no contexto da experiência da fé cristã. A cidade é destino de peregrinações religiosas e conhece grande fluxo turístico. A Igreja de Roma, através dos seus organismos pastorais, terá também de cuidar das pessoas que em Roma procuram testemunhos de beleza autêntica e de uma história rica de conotações cristãs, mas também devedora de outras tradições e culturas.

10. Pela sua vocação muito singular, o caminho rumo à unidade plena e visível dos cristãos não pode deixar de estar particularmente próximo do coração da Igreja em Roma. A intenção ecumênica, que não depende de escolhas ou iniciativas contingentes, mas da vontade do próprio Cristo, da fé n'Ele e do Batismo que une os cristãos, representa um compromisso prioritário da diocese. Deve alimentar-se do conhecimento recíproco, da caridade recíproca, da troca de dons, da colaboração com os irmãos e irmãs de outras confissões cristãs.

11. A Igreja de Roma, fiel ao ensinamento do Concílio Vaticano II, continuará a promover e encorajar a amizade e o diálogo com a comunidade judaica romana, uma das mais antigas do mundo.

12. A presença de tantas pessoas, famílias e comunidades pertencentes a diversas tradições religiosas exige também da Igreja de Roma uma atenção particular ao diálogo inter-religioso, evitando o proselitismo sem renunciar a um alegre testemunho da fé transmitida pelos apóstolos e da caridade cristã .

13. A memória viva dos missionários que, ao longo dos séculos, deixaram a Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo para anunciar o Evangelho em todas as partes da terra, exorta toda a Diocese e cada fiel de Roma a abrir-se à missio ad gentes , para dar testemunho da caridade universal que a anima e que anima a missão apostólica do próprio Bispo, Pastor Universal da Igreja.

14. À luz destas considerações é bom recordar alguns dos compromissos mais graves e urgentes, já parcialmente indicados pela Constituição Apostólica Ecclesia in Urbe, que aguardam a Igreja de Roma e solicitam a ação pastoral do Vicariato e de cada componente diocesano. São eles: o anúncio do Evangelho e o testemunho da caridade para com cada habitante da cidade e em cada ambiente; a promoção de um estilo sinodal e práticas sinodais, de modo a favorecer a escuta, a participação, a corresponsabilidade e a missão de todos os batizados; o cuidado das vocações ao ministério ordenado e às diversas formas de vida consagrada, acompanhando o discernimento com uma formação evangelicamente humanizadora dos candidatos; ouvir e apoiar os ministros ordenados, promovendo ocasiões periódicas de oração e reflexão comuns; a renovação das modalidades de presença paroquial nas diversas zonas da cidade, para que seja, ao mesmo tempo, hospitaleira e solidária para com quem está longe; a administração dos sacramentos, assegurando a formação permanente e o diálogo com os ministros ordenados e catequistas; ministério familiar e juvenil diante do enfraquecimento dos vínculos e da crescente descrença; a atenção a prestar aos idosos, valorizando o património da experiência e estando atento às suas necessidades; proximidade com pessoas solitárias, doentes e presos; empenho no campo da cultura e da comunicação, para que o pensamento e as relações sejam alimentados pelo Evangelho; a pastoral da mobilidade humana, face à globalização da indiferença, garantindo às comunidades estrangeiras lugares de culto e de encontro para se sentirem em casa fora de casa e, juntas, favorecer a integração gradual; compromisso social e testemunho de caridade para com as velhas e novas pobrezas de que padecem muitas pessoas e famílias da cidade. Particular atenção deve ser dada ao discernimento da vocação ao diaconato permanente e à formação na perspectiva de uma eficaz co-responsabilidade pastoral e para o serviço da caridade. Além disso, é necessário assegurar a formação contínua dos catequistas, leitores, acólitos e outras figuras ministeriais, para dar plena expressão aos dons batismais; insistir no encontro ecumênico e no diálogo inter-religioso; prestar atenção àqueles que não têm fé, mas são portadores de questões que desafiam nossa autorreferencialidade; ter presente a necessidade da reestruturação das igrejas e da construção de novas paróquias, sobretudo nas periferias da cidade, conciliando beleza, sobriedade e sustentabilidade ambiental e económica, e garantindo estruturas ao serviço da pastoral e do bairro. Por último, peço que a gestão financeira seja fiscalizada, para que seja prudente e responsável, confiando sempre na providência divina, e conduzida de acordo com a finalidade que justifica a posse dos bens pela Igreja, sacramento de Cristo pobre (cf. 2,5-8), em apoio à atividade pastoral e à caridade.

15. Visto que todo ofício no povo de Deus está ligado a comportamentos e compromissos correspondentes à sua natureza, ao preparar esta nova Constituição para o Vicariato, diante de uma "mudança de época" [27] que envolve tudo e todos, espero que será sobretudo um lugar exemplar de comunhão, diálogo e proximidade, acolhedor e transparente ao serviço da renovação e do crescimento pastoral da Diocese de Roma, comunidade evangelizadora, Igreja sinodal, povo testemunha credível da misericórdia de Deus. E peço a todos os que dela fazem parte que, no cumprimento da sua missão, se apropriem do olhar de Jesus (cf. Lc 19,5), que nos ensina a olhar de baixo para cima. Aquele que "se abaixou para nos lavar os pés", resumindo assim "toda a história da salvação" [28].

Para o efeito, devem ser observados os princípios e regras abaixo indicados, que substituem os actualmente em vigor, derrogando-se no que for necessário todas as disposições gerais e particulares dos documentos anteriores.

Título I

PRINCÍPIOS ORIENTADORES

Artigo 1

Toda atividade realizada no Vicariato de Roma, em qualquer nível e com qualquer grau de responsabilidade, é sempre de caráter pastoral, orientada segundo o estilo sinodal à realização do mistério da salvação para a Igreja de Cristo que está em Roma, e assim fomenta aquele caráter exemplar na missão, no primado da caridade e no anúncio da misericórdia divina, pelo qual esta Igreja particular de origem apostólica deve a toda a Igreja Católica e às mulheres e aos homens do mundo.

Artigo 2

Todas as atividades desenvolvidas pelos departamentos do Vicariato de Roma têm como objetivo apoiar o anúncio do Evangelho, seguindo as orientações do programa pastoral diocesano. Colocando-se ao serviço de todas as pessoas e de todas as realidades eclesiais, especialmente das paróquias, cada Departamento compromete-se a aumentar - através de um trabalho constante de escuta, formação e coordenação - a participação nas responsabilidades de todos os baptizados, a comunhão e unidade pastoral, em vista de um compromisso missionário mais incisivo e permanente na cidade e no mundo.

Artigo 3

Apesar da distinção de tarefas e da responsabilidade própria de cada um, todos os que trabalham a qualquer título nos Ofícios do Vicariato da Cidade, escolhidos com base na piedade, competência, zelo e experiência pastoral, prestam a sua válida colaboração numa espírito de serviço, olhando para a diaconia de Cristo que veio para servir e não para ser servido.

Artigo 4

Cada um dos Ofícios, embora respondendo a propósitos particulares, respeitando as competências de cada um, terá entre si unidade e estreita coordenação de orientações, opções e atividades, a fim de alcançar uma sinodalidade efetiva, para uma ação pastoral orgânica e frutífera, segundo orientações diocesanas, que devem ser sempre fruto da escuta e da corresponsabilidade dos batizados.

Artigo 5

A vitalidade dos Escritórios também deve ser assegurada por meio da integração mútua e, sempre que possível, por meio de uma rotação adequada do pessoal de direção, nomeado por um período de cinco anos. Se o Conselho Episcopal considerar conveniente uma confirmação, a prorrogação só poderá ser concedida por mais cinco anos. Para uma mediação mais eficaz com as comunidades eclesiais, presbíteros, diáconos, religiosos e religiosas, leigos e leigas escolhidos em diversos âmbitos pastorais prestarão a sua colaboração, mesmo a tempo parcial e segundo as suas competências específicas.

Artigo 6

Por parte de todos deve haver o empenho de uma assiduidade pessoal constante no desempenho dos próprios deveres e de atualização progressiva, bem como uma inserção concreta na vida e na ação pastoral diocesana; e também por parte dos sacerdotes uma participação ativa no cuidado das almas.

Artigo 7

O novo Regulamento Geral para o pessoal do Vicariato de Roma, que deverá ser aprovado por mim, conterá a legislação sobre as responsabilidades dos Escritórios, os procedimentos a serem aplicados, as funções e atividades do pessoal em serviço no mesmo Vicariato, sob o perfil organizacional, disciplinar e econômico.

Título II

ESTRUTURA CENTRAL DO VICARIATO

Artigo 8

§1 - O Vicariato de Roma, órgão da Santa Sé, dotado de personalidade jurídica e administração próprias, exerce a função de Cúria diocesana caracterizada pela natureza peculiar da Diocese de Roma.

§2 - A sua configuração jurídica como órgão da Santa Sé sujeita-o às normas do direito canónico universal, bem como às aplicáveis às instituições da Cúria Romana. Aplicam-se ao Vicariato de Roma as normas vigentes no Estado da Cidade do Vaticano no que diz respeito ao Palácio de Latrão e demais edifícios, indicados no Tratado de Latrão, à disposição do Vicariato. A legislação italiana aplica-se a todos os outros casos.

Artigo 9

Na Diocese de Roma, os fiéis que se encontram no território da Cidade do Vaticano estão sujeitos à jurisdição do Arcipreste pro tempore da Basílica Vaticana, meu Vigário Geral para a Cidade do Vaticano.

Artigo 10

O amplo empenho exigido pelo governo da Igreja universal torna necessário que eu ajude no cuidado da Diocese de Roma. Por isso, nomeio um Cardeal como meu auxiliar e vigário geral (Cardeal Vigário), que em meu nome e por meu mandato, com a colaboração de meus outros bispos auxiliares, entre os quais escolho o vice-gerente, exerce o ministério episcopal de ensino , santificação e governo pastoral para a Diocese de Roma com poder vicário ordinário nos termos por mim estabelecidos. É juiz ordinário da Diocese de Roma. Seu ministério não se estende à Cidade do Vaticano.

Artigo 11

O Cardeal Vigário me informará periodicamente e sempre que julgar necessário sobre a atividade pastoral e a vida da Diocese. Em particular, ele não empreenderá iniciativas importantes ou que ultrapassem a administração ordinária sem antes me informar.

Artigo 12

O Cardeal Vigário é o representante legal da Diocese de Roma e do Vicariato de Roma.

Artigo 13

O Cardeal Vigário não cessa o seu ofício durante a vacância da Sé Apostólica.

Artigo 14

§1 - O Vice-Regente, meu Bispo Auxiliar com poder ordinário vicário nos termos por mim estabelecidos, coadjuva o Cardeal Vigário, coordena a administração interna da Cúria diocesana.

§2º - O Vice-Regente dirige os escritórios que compõem o Serviço da Secretaria-Geral do Vicariato, conforme indicado no art. 33. Compete ao Vice-Gerente moderar os Gabinetes do Vicariato no exercício das suas funções, convocando a reunião mensal dos Directores de todos os Gabinetes do Vicariato, estabelecendo critérios para a correcta aplicação do princípio da interlocução única nas relações entre o Vicariato e as outras Autoridades, zelar para que os funcionários do Vicariato cumpram fielmente as tarefas que lhes são confiadas.

§3 - Exerça os poderes próprios do Cardeal Vigário, quando este estiver impedido ou ausente, ou quando o seu cargo estiver vago, tendo o cuidado de submeter-me as questões de maior importância.

Artigo 15

O cargo de vice-gerente não cessa durante a vacância da Sé Apostólica.

Artigo 16

§1 - Os Bispos Auxiliares são meus Vigários Episcopais e têm poder vicário ordinário no setor territorial para o qual foram por mim nomeados.

§2º - Têm a faculdade ordinária, em toda a diocese, de celebrar os sacramentos e sacramentais, bem como de assistir aos casamentos. Têm também todas as faculdades que lhes forem conferidas por meu decreto ou por decreto do Cardeal Vigário com meu consentimento prévio. No caso das ordenações sagradas, estão sujeitas à prescrição dos cânn. 1015-1017 C.I.C.

§3º - Pode. 409 § 2 C.I.C.

Artigo 17

Para assegurar uma sã e prudente administração e coordenação entre os poderes ordinários vicários (primeira verificação de uma efetiva sinodalidade), quando concomitantes e concorrentes, pertencentes a um determinado território, o disposto no cân. 65 C.I.C.

Artigo 18

O Cardeal Vigário, o Vice-Regente, os Bispos Auxiliares são por mim nomeados por tempo indeterminado e cessam as suas funções com a minha disposição.

Artigo 19

§1 - Os Bispos Auxiliares dos setores territoriais em que se divide a Diocese de Roma, em virtude do poder ordinário vicário de que gozam, tomam com atento discernimento as decisões pastorais e administrativas oportunas sobre o próprio território e, ouvido o parecer dos demais membros do Conselho Episcopal (cf. art. 21), de acordo com o Cardeal Vigário, realizam os atos administrativos de sua competência.

§2 - Quando houver necessidade de prover um novo pároco, o Bispo Auxiliar do setor territorial de sua competência, depois de verificadas as condições da paróquia, suas necessidades e o trabalho realizado pelo pároco ou auxiliar pároco padre a ser substituído, ouviu os relatórios do Conselho Pastoral paroquial em questão ao Conselho Episcopal, onde é feita uma comparação sobre os padres que na Diocese são considerados aptos para o cargo. Também devem ser avaliadas as características espirituais, psicológicas, intelectuais e pastorais dos candidatos, bem como a experiência adquirida em qualquer serviço anterior. Para isso, será necessário buscar a opinião dos formadores, no caso de candidatos mais jovens, e dos bispos que conheçam sua personalidade e experiências anteriores. Terminado o processo, o Cardeal Vigário apresenta-me os candidatos ao cargo de pároco para eventual nomeação e nomeia os párocos auxiliares.

Artigo 20

Tendo em vista as ordenações diaconais e sacerdotais para a Diocese de Roma, deve ser apresentado ao Conselho Episcopal um relatório preparado pelo Bispo Delegado aos Seminários, ouvido o Reitor e a equipe formadora do Seminário que supervisionou a formação. O Cardeal Vigário submete-me os candidatos a uma possível admissão às Ordens Sacras, tendo obtido o consentimento do Conselho Episcopal.

Título III

ÓRGÃOS DE SINODALIDADE A SERVIÇO DA MISSÃO DA DIOCESE DE ROMA

Artigo 21

§1 - O Conselho Episcopal, primeiro órgão da sinodalidade, é o lugar apical do discernimento e das decisões pastorais e administrativas relativas à Diocese e ao Vicariato de Roma.

§2 - O Conselho Episcopal, que se reúne pelo menos três vezes por mês, é presidido por mim ou, na minha ausência, pelo Cardeal Vigário, e é composto pelo Vice-Gerente e pelos Bispos Auxiliares. A agenda de cada reunião deve ser enviada a mim o mais rápido possível.

§3 - O Conselho Episcopal manifesta-se ou dá o seu consentimento nos casos previstos na presente Constituição Apostólica. O Cardeal Vigário em sua função de coordenação da pastoral diocesana atua sempre em comunhão com o Conselho Episcopal, por isso se desvia de sua opinião unânime somente depois de avaliar o assunto comigo.

§4 - O Conselho Episcopal, identificadas as particulares necessidades pastorais, ouvidas as indicações do Bispo Auxiliar responsável pelo Setor territorial ou pastoral, e dos Diretores dos Ofícios competentes, manifesta o seu consentimento à nomeação, pelo Cardeal Vigário , dos capelães, dos reitores das igrejas e dos responsáveis pelos serviços pastorais.

§5 - As atas das reuniões do Conselho Episcopal são lavradas pelo Bispo Auxiliar com a função de Secretário, designado no início do Conselho, as quais devem ser enviadas a mim, e que devem ser mantidas em seção especial do Arquivo Geral Diocesano.

Artigo 22

§1 - O Conselho Episcopal consulta, como órgãos sinodais, o Conselho Pastoral Diocesano, o Colégio dos Consultores, o Conselho dos Prefeitos e o Conselho Presbiteral. A elaboração e verificação do programa pastoral diocesano, bem como a formulação das diretrizes para a ação pastoral imediata do Conselho Episcopal, devem ser aprovadas pelo Cardeal Vigário e ratificadas por mim.

§2 - As reuniões do Conselho Pastoral Diocesano, do Colégio dos Consultores, do Conselho dos Prefeitos e do Conselho Presbiteral são presididas pelo Cardeal Vigário, e participam o Vice-Gerente e os Bispos Auxiliares. O Secretário, designado no início de cada Conselho, elabora um relatório a conservar numa secção própria do Arquivo Geral Diocesano, devendo os Diretores dos Vicariatos ser informados dos assuntos que lhes digam respeito, quando não sejam membros dos próprios Conselhos.

Artigo 23

§1 - O Conselho Diocesano para os Assuntos Económicos, órgão da Cúria diocesana de acordo com os cânones 492 e seguintes. C.I.C., é presidida pelo Cardeal Vigário ou pelo Vice-Regente, e rege-se por seu próprio regulamento aprovado por mim. Este Conselho me auxilia na administração econômica da Diocese. É sua tarefa traduzir as indicações de caráter pastoral em disposições econômicas e financeiras concretas. Todos os anos prepara o orçamento para a gestão económica da Diocese de Roma e aprova o balanço final de receitas e despesas a submeter à minha aprovação final. Também tem a tarefa de avaliar cuidadosamente os pedidos de contribuições apresentados pelas paróquias e reitorias, que vão além da administração ordinária confiada aos Bispos Auxiliares do setor, e por outros órgãos diocesanos, e indicar critérios de transparência na gestão dos os fundos.

§2 - O Cardeal Vigário solicita o parecer ou consentimento do Conselho de acordo com as normas canônicas.

§3º - São membros de direito do Conselho Diocesano para os Assuntos Econômicos o Vice-Gerente, o Bispo Auxiliar eleito pelos demais no Conselho Episcopal, o Diretor da Repartição Administrativa e o Diretor da Repartição Jurídica. Três membros leigos, homens ou mulheres, especialistas em economia, direito civil e direito canônico, além de eminentes pela integridade, são nomeados pelo Cardeal Vigário, com o consentimento do Conselho Episcopal e com a minha aprovação.

Artigo 24

Se ainda não estiver instituído, cada paróquia deverá dotar-se de um Conselho Pastoral Paroquial, órgão ordinário de comunhão eclesial, discernimento comunitário e co-responsabilidade. Na sua variedade de membros, ministérios e carismas, tem a tarefa de planejar, acompanhar, apoiar e verificar a atividade pastoral da comunidade paroquial. Além disso, os Conselhos Pastorais da Prefeitura e do Setor devem ser constituídos com os mesmos objetivos ampliados, procurando dar voz a todos os representantes do povo de Deus.O Conselho Pastoral Paroquial será presidido pelo pároco , a da Prefeitura pelo Prefeito, e a de Setor pelo Bispo Auxiliar. Os conselhos pastorais são compostos por membros ex officio, membros eleitos e cooptados que trabalham na pastoral paroquial, municipal e setorial, de acordo com o estabelecido nos respectivos Estatutos, aprovados pelo Cardeal Vigário com o consentimento do Conselho Episcopal Conselho. Tome cuidado para convocá-los pelo menos duas vezes por ano.

Título IV

ESCRITÓRIOS, SERVIÇOS E ÓRGÃOS JUDICIAIS DO VICARIATO

Artigo 25

O Vicariato ou Cúria Diocesana de Roma está dividido em Ofícios, Serviços e Órgãos Judiciais.

Artigo 26

Cada Escritório, além do Diretor, pode ter um Vice-Diretor e um ou mais funcionários, todos a serem escolhidos, levando em consideração a representação das diversas expressões, ministérios e carismas do povo de Deus, pela fé comprovada, espírito de serviço, competência, experiência pastoral .

Artigo 27

Todos os diretores e vice-diretores são nomeados pelo Cardeal Vigário com o consentimento do Conselho Episcopal, sujeito à minha aprovação, por um período de cinco anos (cf. art. 5).

Artigo 28

O Chanceler tem os poderes previstos no Código de Direito Canônico e dirige o Gabinete da Chancelaria. Ele é nomeado para um mandato de cinco anos e só pode ser reconduzido para um novo mandato.

Artigo 29

O Ecônomo, distinto do Diretor do Gabinete Administrativo, tem as atribuições estabelecidas pelo Código de Direito Canônico. Ele é nomeado para um mandato de cinco anos e só pode ser reconduzido para um novo mandato.

Artigo 30

Para a atribuição, no Vicariato, de ulteriores cargos de Chanceler, Ecônomo, Diretores e Vice-Diretores, o Cardeal Vigário deve ter obtido o consentimento do Conselho Episcopal e minha autorização prévia.

Artigo 31

Foi constituída no Vicariato de Roma uma Comissão Independente de Supervisão como órgão de controle interno, com Regulamento próprio por mim aprovado, composta por seis membros, por mim nomeados, com comprovada competência jurídica, civil e canônica, financeira e administrativa, fora de possíveis conflitos de interesses, pelo prazo de três anos, que ela me informa uma vez por ano depois de ter se reunido mensalmente e verificado o andamento administrativo, econômico e de trabalho do Vicariato. Os membros da Comissão podem ser reconduzidos para apenas mais um mandato, mesmo consecutivo.

Artigo 32

No Vicariato de Roma, o Cardeal Vigário nomeia o Encarregado da Proteção de Dados (DPO) da Diocese de Roma, no mesmo nível que os Diretores dos Escritórios, por um período de cinco anos. Ele só pode ser reconduzido por mais cinco anos, mesmo consecutivos.

Artigo 33

Para responder às necessidades da Diocese de Roma, de acordo com os princípios e normas acima expostas, foram constituídos no Vicariato os seguintes Departamentos, agrupados nas diversas áreas e serviços pastorais e administrativos, colocados sob a coordenação de os respectivos Bispos Auxiliares, por mim nomeados para áreas e serviços específicos, como Vigário Episcopal:

Campo da educação cristã

Ofício para a formação litúrgica e a celebração dos sacramentos

escritório do catecumenato

secretaria de catequese

Área para o cuidado do diaconato, do clero e da vida religiosa

Oficina Vocacional

Escritório para o Diaconato

Gabinete do Clero

Secretaria de Formação Permanente do Clero

Ofício para a vida consagrada

Escopo para cuidados de idade e vida

Pastoral da Família

Secretaria da Pastoral Juvenil

Escritório da Pastoral dos Idosos e Enfermos

Gabinete de Pastoral Cemitério

Campo de educação

Secretaria de Pastoral Escolar e Educação Religiosa

secretaria da escola catolica

Pastoral Universitária

Área da Diaconia da Caridade

Escritório da Cáritas diocesana

Secretaria da Pastoral da Saúde

Ministério Prisional

Área da Igreja hospitaleira e "em saída"

Secretaria de Ecumenismo, Diálogo Inter-religioso e Novos Cultos

Secretaria de Cultura

Departamento de cooperação missionária entre as Igrejas

Gabinete das Associações e Confrarias de Leigos

Secretariado Migrantes para a Pastoral da Mobilidade Humana

Oficina de Pastoral Social, Trabalho e Cuidado da Criação

Secretaria da Pastoral do Lazer, Turismo e Esporte

Secretaria da Pastoral da Peregrinação - Opera Romana Pellegrinaggi

Área de Gestão de Ativos

Escritório administrativo

- seção de assuntos internos

- secção de assuntos externos

escritório de prédio religioso

- seção de assuntos internos

- secção de assuntos externos

Gabinete do Património, cuja competência consiste no recenseamento dos bens imóveis de rendimento e dos respectivos contratos de uso e caducidade

Campo legal

Ofício de Casamentos e Disciplina dos Sacramentos

Cartório

- seção de assuntos internos

- secção de assuntos externos

Escritório legal

- seção de assuntos internos

- secção de assuntos externos

Serviço da Secretaria-Geral

secretaria

Assessoria de Comunicação Social

Escritório de assuntos de TI - Centro de processamento de dados

Escritório do Arquivo Geral Diocesano

Escritório do Arquivo Histórico Diocesano

Serviço de proteção de menores e pessoas vulneráveis, que se reporta ao Conselho Episcopal através do Bispo Auxiliar por mim nomeado.

Artigo 34

Cada Gabinete, para os assuntos que não lhe competem, deve dirigir-se aos Gabinetes do Vicariato competentes na matéria específica. Só na falta de tal competência dentro do próprio Vicariato, o Cardeal Vigário, com o consentimento prévio do Conselho Episcopal, dará a faculdade de tratar de assuntos externos.

Os sujeitos externos que colaboram com o Vicariato se relacionam com o Diretor do Escritório competente para o assunto, e a quem o trabalho prestado deve ser útil.

Artigo 35

§1 - Para a necessária adaptação das estruturas às necessidades pastorais, o Cardeal Vigário, com o consentimento do Conselho Episcopal e minha aprovação, pode constituir novos ofícios pastorais e modificar ou suprimir os já existentes.

§2 - O Cardeal Vigário, ouvido o Conselho Episcopal, pode constituir Comissões diocesanas de caráter consultivo, que em sua atividade se reportam aos Órgãos competentes na matéria.

§3 - O Cardeal Vigário, ouvido o Conselho Episcopal, pode constituir Seções dentro de um Departamento, para o desempenho de responsabilidades específicas, desde que pertençam exclusivamente a esse mesmo Escritório.

Título V

OS TRIBUNAIS

Artigo 36

No Vicariato de Roma existem dois Tribunais distintos:

- o Tribunal Ordinário da Diocese de Roma,

- o Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para os casos de nulidade do casamento na Região do Lácio.

Artigo 37

§1 - O Cardeal Vigário, em virtude do poder ordinário vicário que exerce em nome do Sumo Pontífice, é juiz ordinário da Diocese de Roma e Moderador dos Tribunais.

§2 - O Vice-Gerente de Roma exerce o poder próprio do Cardeal-Vigário sobre os Tribunais em caso de impedimento ou ausência deste, ou se o cargo ficar vago.

Artigo 38

Os Tribunais individuais são compostos pelo Vigário Judicial, um número adequado de Vigários Judiciais adjuntos, Juízes, Promotores de Justiça e Defensores do Vínculo, o Chanceler, um número adequado de Notários e pessoal auxiliar.

Artigo 39

§1º - Os Vigários Judiciais dos referidos Tribunais são por mim indicados para mandato de cinco anos, podendo ser reconduzidos por vários mandatos consecutivos. Para o Tribunal Ordinário da Diocese de Roma, a nomeação será feita mediante apresentação do Cardeal Vigário; para o Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para os casos de nulidade do matrimônio será realizada mediante apresentação do Cardeal Vigário, com o consentimento prévio das Dioceses a ela aderentes.

§2 - Os vigários judiciais adjuntos e os juízes são nomeados pelo Cardeal Vigário, com o consentimento do Conselho Episcopal, com minha aprovação, por um período de cinco anos, podendo também ser reconduzidos por vários mandatos consecutivos. No caso de nomeação para o Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para os casos de nulidade do matrimônio, o Cardeal Vigário conferirá o Cargo ouvido as Dioceses aderentes.

§3 - Os Promotores de Justiça, os Defensores do Vínculo, os Chanceleres, Notários e demais funcionários são todos nomeados pelo Cardeal Vigário, com o consentimento do Conselho Episcopal. No caso da nomeação dos Promotores de Justiça e dos Defensores do Vínculo para o Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para os casos de nulidade do matrimônio, o Cardeal Vigário conferirá o ofício ouvido as Dioceses aderentes.

Artigo 40

§1 - Sem prejuízo do prescrito no cân. 1490 C.I.C., nos referidos Tribunais aqueles que, inscritos no Registro de Promotores e Advogados do Tribunal da Rota Romana, tenham sido aprovados pelo Cardeal Vigário, ouvido o parecer do Conselho Episcopal, servem como Patronos e Procuradores da partes em causas matrimoniais.

§2º - Os demais Padroeiros e Procuradores, inclusive os inscritos nas listas de outros Tribunais eclesiásticos, só podem assumir patronato se aprovados em casos individuais pelo Cardeal Vigário.

§3 - Podem atuar como Peritos aqueles que forem admitidos pelo Cardeal Vigário com seu decreto, tendo obtido o consentimento do Conselho Episcopal.

Artigo 41

§1º - O Vigário Judicial exerce autoridade administrativa, disciplinar e econômica sobre seu próprio Tribunal, devendo comunicá-lo ao Moderador.

§2º - Cada Tribunal tem administração própria.

§3º - Os Tribunais cumprirão, no que for compatível com sua situação jurídica, as disposições emanadas da Conferência Episcopal Italiana sobre o regime administrativo e a regulamentação da atividade de assistência judiciária.

Artigo 42

O Vigário Judicial de cada Tribunal apresenta o regulamento interno do seu próprio Tribunal ao Cardeal Vigário que o aprova com o seu decreto, tendo também ouvido as Dioceses que o acedem quando se trata do regulamento do Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para casos de nulidade de casamento. Este regulamento, complementar ao que já prevê o Código de Direito Canônico e as disposições da Conferência Episcopal Italiana referidas no artigo anterior, deve estabelecer os critérios para a atividade administrativa, disciplinar e econômica do Tribunal.

Artigo 43

§1 - O Tribunal Ordinário da Diocese de Roma, regido pelos cân. 1419-1437 C.I.C., tem competência nas causas que o Código atribui ao tribunal diocesano de primeira instância, salvo as de nulidade do matrimónio.

§2 - O Tribunal Ordinário também trata das causas de santos, em conformidade com as disposições especiais emanadas da Santa Sé, as causas de dispensa «super rato et non consumado», as causas de dissolução do vínculo «in favorim fidei» .

§3 - A verificação dos requisitos previstos para a determinação do foro pelo cân. 1673 nºs. 2 e 3 C.I.C., e o respectivo consentimento.

§4 - Deste Tribunal cabe recurso para o Tribunal da Rota Romana.

Artigo 44

§1º - O Tribunal Interdiocesano de Primeira Instância para as causas de nulidade do casamento tem jurisdição sobre as causas de nulidade do casamento das Dioceses que a ele aderirem.

§2º - Deste Tribunal apela-se para o Tribunal da Rota Romana.

Artigo 45

As causas que foram devolvidas ao Tribunal de Apelações do Vicariato de Roma são tratadas e decididas pelo Tribunal da Rota Romana.

Estabeleço que esta Constituição Apostólica seja promulgada mediante publicação no L'Osservatore Romano, entre em vigor em 31 de janeiro de 2023 e seja posteriormente inserida no Comentário oficial das Acta Apostolicae Sedis. Com ela são revogadas todas as faculdades especiais anteriormente delegadas, sem prejuízo de disposição em contrário, ainda que digna de menção muito especial. Estabeleço também que com a entrada em vigor desta Constituição Apostólica fica revogada a atual Constituição Apostólica Ecclesia in Urbe.

Dado em Roma, em San Giovanni in Laterano, no dia 6 de janeiro de 2023, Solenidade da Epifania do Senhor, décimo do Pontificado.

FRANCISCO

_______________________________________________

[1] Cf. CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO SEGUNDO, Constituição dogmática Lumen gentium, 22.

[2] Cf. Ibidem, 23.

[3] Ibidem.

[4] Cf. PAULO VI, Alocução para a última Sessão Pública do Concílio Ecumênico Vaticano II (7 de dezembro de 1965).

[5] Cf. CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO II, Constituição dogmática Lumen gentium, 1.

[6] Cf. CONSELHO ECUMENICO VATICANO II, Constituição Pastoral Gaudium et spes, 1.

[7] Cf. FRANCISCO, Discurso por ocasião da comemoração do 50º aniversário da instituição do Sínodo dos Bispos (17 de outubro de 2015).

[8] Cf. Código de Direito Canônico, cân. 469.

[9] FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, 27.

[10] Ibidem, 24.

[11] CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO SEGUNDO, Constituição dogmática Lumen gentium, 26.

[12] GREGÓRIO O GRANDE, Epistola VIII, 30, PL 77, 933 C.

[13] FRANCESCO, Discurso por ocasião do congresso eclesial da Igreja italiana, Florença, 10 de novembro de 2015.

[14] Cf. FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, 231-233.

[15] Ibidem, 25.

[16] Cf. CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO II, Constituição dogmática Lumen gentium, 1.

[17] Ibidem, 8.

[18] AMBROGIO, Os Seis Dias da Criação, IV.

[19] Cf. FRANCISCO, Discurso aos fiéis da Diocese de Roma (18 de setembro de 2021).

[20] CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO SEGUNDO, Constituição dogmática Lumen gentium, 1.

[21] Cf. FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, 20-24.

[22] Cf. CONCÍLIO ECUMENICO DO VATICANO II, Constituição dogmática Dei Verbum, 8.

[23] Cf. FRANCESCO, Discurso por ocasião do congresso eclesial da Igreja italiana, Florença, 10 de novembro de 2015.

[24] Cf. FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, 49.

[25] Cf. CONSELHO ECUMENICO DO VATICANO II, Constituição Pastoral Gaudium et spes, 4.

[26] Cf. FRANCISCO, Discurso aos fiéis da Diocese de Roma (18 de setembro de 2021).

[27] Cf. FRANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, 52.

[28] Cf. FRANCIS, Angelus (30 de outubro de 2022).

Copyright © Dicastério para a Comunicação - Editora Vaticana

Fonte:htps://www.vatican.va/content/francesco/it/apost_constitutions/documents/20230106-in-ecclesiarum-communione.html




Artigo Visto: 548

 




Total Visitas Únicas: 6.306.394
Visitas Únicas Hoje: 648
Usuários Online: 123