Sinais do Reino


Notícias e comentários
  • Voltar






11/10/2021
A polícia bate nos jornalistas, mas os jornais não percebem ... Existe o perigo negro ...

Roma, Piazza del Popolo: a manifestação contra o Passe Verde

A polícia bate nos jornalistas, mas os jornais não percebem ... Existe o perigo negro ...

11 de outubro de 2021

Postado por Marco Tosatti

Caros amigos e inimigos de Stilum Curiae, estamos testemunhando - estou falando por aqueles que viveram durante os anos 60 e 70 - um desesperado dejà vu. As primeiras páginas dos jornais do regime - isto é, praticamente todos eles estão cheios de atrocidades de um punhado de pessoas violentas, bem conhecidas e conhecidas da Polícia, algumas sob vigilância e Daspati, para cobrir o fato de que dezenas de milhares de pessoas , não violentos, desconhecidos da polícia, talvez até mesmo de certa idade, têm demonstrado e continuam a se manifestar contra a limitação das liberdades fundamentais, e rejeitam a chantagem obscena de um governo que quer sujeitá-los à inoculação de um Soro de gene experimental sem ter que assumir responsabilidades em caso de doença, lesão grave ou morte. Simplificando, uma gangue de canalhas.

E o que os jornais do regime não dizem, porém, é que esses manifestantes, calados e certamente nada perigosos, foram espancados friamente pela polícia. Incluindo alguns fotógrafos e jornalistas. Você certamente leu artigos indignados nos jornais, não é? Cargos da Federação Nacional da Imprensa, Ordem dos Jornalistas, Presidência da República? Oh não? Nada? Talvez porque dar essa notícia estragasse um pouco o quadro de emergência democrática apresentado por grupos de bandidos deixados para operar. Apresentamos algumas contribuições. A primeira é de Nunzia Sanra Schilirò, a gerente do PS que havia falado no palco de San Giovanni no No Paura Day. Publicamos apenas algumas linhas, referindo-se ao original no FB.

***

por Nunzia Alessandra Schilirò

Pela primeira vez, por apenas um minuto, coloque-se no meu lugar. Vários colegas lhe escrevem e telefonam para lhe dizer que foram agredidos por aquelas pessoas que você defendeu, pedindo-lhe que faça um gesto de solidariedade para com eles. Você faz isso porque usa o mesmo uniforme deles e porque a violência é sempre insuportável. Então, você descobre que alguns manifestantes defendem exatamente a mesma tese que seus colegas, só que ao contrário. O que você está fazendo? A cada respiração você sente a tristeza que o invade por todos os lados e então expressa a mesma solidariedade e proximidade aos manifestantes feridos.

Para aqueles que te elogiavam e acreditavam que você era amigo, em um segundo você se tornou um inimigo, um infiltrado e por quê? Porque você expressou pesar e carinho por todos aqueles que se encontraram no meio das cenas de guerrilha, incluindo os colegas.

Isso foi o suficiente para me fazer entender como estamos divididos e como já caímos na armadilha.

...

A verdade é que meu gesto foi inútil. A maioria deles só sabe como julgar e quer que os outros mudem as coisas por ele, enquanto ele apenas fica sentado ali cuidando de seus próprios interesses.

… ..

O medo reina supremo e a noite apenas começou.

https://www.facebook.com/nandra.schiliro

***

Em seguida, oferecemos vídeo, nos quais você pode ver claramente como a polícia, que costumava falar baixinho com os manifestantes silenciosos, de repente começa a espancá-los, sem motivo aparente.

***

Em seguida, oferecemos a você um Tweet muito eloqüente, ao qual se junta um comentário, do sfero.me.

Algumas considerações sobre o evento No GP em Roma

Publicado em 10 de outubro de 2021 às 14h30

As páginas dos jornais e as aberturas dos noticiários apresentam a manifestação de protesto do certificado verde que aconteceu ontem em Roma de forma - não inesperadamente - uniforme. A leitura geral pode ser resumida na frase: “Os Novax-No Green Passes são hegemonizados pela direita neo-fascista”.

Agora, vamos desenhar um véu lamentável sobre a má-fé perfeita com a qual o termo “No Vax” foi aplicado e continua a aplicar-se aos manifestantes do Passe Verde (pessoas que geralmente são vacinadas, muitas vezes até com produtos anti-Covid). Os jogos de distorção semântica são mais ou menos a última forma de autonomia criativa deixada para o jornalismo italiano, que de outra forma atua.

Não, vamos deixar este fato de lado e passar à manifestação, aos eventos que ocorreram a você e à interpretação que pode ser dada.

Na manifestação de ontem, a esmagadora maioria das pessoas (pelo menos 80.000, para a esquadra 36 e um Rottweiler) aderiu estritamente às condições da manifestação. Havia vários quarteirões rio acima pela polícia, o que tornava difícil, e para alguns impossível, o acesso à praça, mas a manifestação em si foi impressionante, em maior crescimento em comparação com as anteriores.

Dois grupos não cumpriram o que foi acordado em termos de percurso. Um grupo, bastante numeroso, dirigiu-se para Montecitorio, o outro, cerca de vinte bandidos neofascistas atacaram o piso térreo de uma sede da CGIL.

O primeiro grupo, formado por manifestantes pacíficos, liderados por um grupo de mães, foi bloqueado com hidrantes, gás lacrimogêneo e cassetetes.

Não há manifestações semelhantes de firmeza para com o grupo neofascista, que conseguiu continuar sua devastação em benefício das câmeras.

Os jornais de hoje são inteiramente dedicados aos acontecimentos do segundo grupo, nada ou quase nada foi recebido sobre o destino do primeiro.

Bem.

Chegamos à questão da “hegemonização do movimento pela direita neo-fascista”.

Desde que tenho memória política, praticamente toda manifestação de massa que não foi organizada por partidos ou sindicatos teve episódios de violência. Mesmo na presença de um serviço policial organizado, é muito difícil conter a infiltração de algum sujeito violento; nas manifestações espontâneas auto-organizadas, isso é simplesmente impossível. Por outro lado, de fato, as forças da ordem, que são responsáveis ​​por isso, deveriam supervisionar e reprimir atos de violência, e não agências independentes de aplicação da lei.

Que o "No Green Pass Movement" seja hegemonizado pela direita neo-fascista é uma afirmação ridícula para quem se preocupou em ver as razões para isso e ir além da exploração jornalística.

Porém, o que nunca deixa de surpreender é a facilidade com que este jogo com a opinião pública - sempre a mesma, sempre monotonamente a mesma - se consegue de forma sistemática. Não há nenhum episódio de protesto civil que não tenha sido rotulado como terrivelmente anarquista ou terrivelmente neofascista, na esteira das explosões de ocasionais minorias frenéticas. Em seguida, depende da uniformidade ou não do aparato de mídia ampliar ou não essa leitura.

Esse jogo normalmente leva à criação do descrédito primeiro e, em seguida, à legitimação da repressão. Foram os ataques gratuitos do black bloc (anarquistas) que justificaram o massacre de Gênova. Somente um nível extraordinário de ingenuidade poderia levar a acreditar, ou poderia ter levado a acreditar na época, que o movimento No Global daqueles anos coincidiu com, ou foi hegemonizado pelos anarco-insurrecionistas. Porém, via de regra, o jogo funciona apenas o suficiente para extinguir o entusiasmo e deixar claro que se manifestar de um determinado lado é arriscado.

Por fim, e acima de tudo, uma coisa é marcante nesta história. Seu timing maravilhoso.

A contestação do certificado verde - certificado cuja natureza é desproporcional e incongruente com os propósitos declarados agora deve ser clara para todos - tem crescido continuamente nas últimas semanas.

Esta foi a última manifestação nacional antes da greve declarada a partir de 15 de outubro, por ocasião da extensão do GP a todo o mundo do trabalho. Setores de trabalho estratégico do país anunciaram que estão aderindo à greve.

Muitos presidentes regionais já apontaram ao primeiro-ministro como estamos diante de um possível bloqueio de atividades que seriam insustentáveis.

Nos últimos dias, audiências autorizadas no Senado na Comissão de Assuntos Constitucionais planejaram sem remissão as razões científicas proclamadas em apoio ao GP.

Para o presidente Draghi, o pesadelo de uma capitulação, que incineraria suas ambições para a presidência da República, assomava no horizonte.

E aqui, neste contexto preocupante, em que se aproxima o risco de uma unificação transversal do mundo do trabalho, a Providência entra em cena.

A providência aqui toma a forma de cerca de vinte ultras neofascistas que vão atacar a sede do maior sindicato italiano.

Neste ponto, a identificação, repetidamente tentada anteriormente, do desafio ao GP com a ameaça fascista é servida em uma bandeja de prata.

Neste ponto, os trabalhadores que logo poderiam se juntar à greve, muitas vezes em setores sindicalizados ferozmente antifascistas, podem ser apontados como partidários do fascismo.

Um golpe muito forte na véspera do momento decisivo deste caso.

Sem dúvida, a Providência na Itália sempre funciona muito bem.

 

https://twitter.com/nozze89/status/1447306082452398092?s=20

§§§

E, finalmente, esta imagem, o comentário de Marco Rizzo, líder dos comunistas italianos. Quem conhece bem este tipo de mecanismo ...

Fonte:https://www.marcotosatti.com/2021/10/11/la-polizia-picchia-i-giornalisti-ma-i-giornali-non-se-ne-accorgono-ce-il-pericolo-nero/








Artigo Visto: 211

 




Total Visitas Únicas: 5.352.764
Visitas Únicas Hoje: 262
Usuários Online: 108