Sinais do Reino


Notícias e comentários
  • Voltar






13/10/2021
Preços explodem na batalha do gás

A gente vai pagar a conta, com o aumento da conta do gás, e do custo de vida em geral.

Preços explodem na batalha do gás

Pesquisa Global, 12 de outubro de 2021

Por Manlio Dinucci

A explosão do preço do gás atinge a Europa no momento crítico da recuperação econômica após os efeitos desastrosos dos bloqueios de 2020. A explicação, alegando que se deve ao crescimento da demanda e ao declínio da oferta, esconde um cenário muito mais complexo, onde fatores financeiros, políticos e estratégicos desempenham um papel primordial.

Os Estados Unidos acusaram a Rússia de usar o gás como arma geopolítica, reduzindo o fornecimento para forçar os governos europeus a firmar contratos de longo prazo com a Gazprom, como a Alemanha fez com o gasoduto North Stream. Washington pressionou a União Europeia a se libertar de sua “dependência energética” da Rússia, tornando-se “refém” de Moscou.

Basicamente, como resultado dessa pressão, os contratos de longo prazo com a Gazprom para importação de gás russo caíram na UE, enquanto as compras no mercado local (ou à vista) aumentaram, onde lotes de gás são comprados e pagos em dinheiro ao longo do dia . A diferença é substancial: enquanto você compra gás com contrato de longo prazo a preço baixo, que se mantém constante ao longo dos anos, nos mercados spot você compra gás a preços voláteis, geralmente muito mais altos, e determinados por especulações financeiras no Troca de mercadorias.

Grandes quantidades de matérias-primas minerais e agrícolas são adquiridas com contratos futuros, que prevêem a entrega em data e preço determinados no ato da assinatura. A estratégia de poderosos grupos financeiros, que especulam sobre esses contratos, é elevar os preços das matérias-primas (inclusive a água) para revender os futuros a um preço mais alto.

Para se ter uma ideia do volume de transações especulativas das Commodities Exchanges, basta pensar que apenas a US Chicago Mercantile Exchange, com escritórios em Chicago e Nova York, realiza 3 bilhões de contratos por ano no valor de um milhão de bilhões de dólares ( mais de dez vezes o valor do PIB mundial, ou o valor real produzido em um ano no mundo). Em 2020, enquanto a economia mundial estava em grande parte paralisada, o número de futuros e contratos semelhantes atingiu o nível recorde de 46 bilhões, 35% a mais que em 2019, causando um aumento nos preços das commodities.

Ao mesmo tempo, os EUA está pressionando a UE para substituir o gás russo pelo dos EUA gás. Em 2018, em uma declaração conjunta entre o presidente Trump e o presidente da Comissão Europeia Juncker, a UE se comprometeu a "importar mais gás natural liquefeito (GNL) dos Estados Unidos para diversificar seu suprimento de energia". O gás que chega à UE é extraído nos EUA. de xisto betuminoso usando uma técnica de fraturamento que causa sérios danos ambientais; é então liquefeito por resfriamento a -161 ° C e transportado em navios-tanque para cerca de 30 terminais na Europa, onde é regaseificado. O gás dos EUA, apesar de desfrutar de benefícios estatais, continua muito mais caro do que o gás russo e, para entrar no mercado, precisa que o preço geral do gás permaneça em níveis elevados.

Soma-se a tudo isso a "guerra do gasoduto", uma guerra que a Itália pagou caro quando, em 2014, o governo Obama, em acordo com a Comissão Europeia, bloqueou o South Stream, o gasoduto em um estágio avançado de construção que teria trazido gás russo de baixo custo diretamente para a Itália através do Mar Negro sob o acordo entre a italiana Eni e a Gazprom.

A Rússia contornou o obstáculo com o TurkStream, que através do Mar Negro transporta gás russo até a fronteira europeia da Turquia, continuando a fornecer à Sérvia e à Croácia nos Bálcãs. Em 29 de setembro, em Budapeste, a Gazprom e a MVM Energy Company assinaram dois contratos de longo prazo para o fornecimento de gás russo de baixo custo para a Hungria por 15 anos. Uma derrota para Washington, prejudicada pelo fato de Hungria e Croácia fazerem parte da OTAN.

Washington certamente responderá não apenas economicamente, mas política e estrategicamente. A gente vai pagar a conta, com o aumento da conta do gás, e do custo de vida em geral.

*

Este artigo foi publicado originalmente em italiano no Il Manifesto.

Manlio Dinucci, autor premiado, analista geopolítico e geógrafo, Pisa, Itália. Ele é Pesquisador Associado do Center for Research on Globalization.

Fonte:https://www.globalresearch.ca/prices-explode-gas-battle/5758418




Artigo Visto: 180

 




Total Visitas Únicas: 5.352.776
Visitas Únicas Hoje: 274
Usuários Online: 114