Sinais do Reino


Notícias e comentários
  • Voltar






15/11/2021
Eclipse parcial lunar mais longo do século será visto do Brasil nesta semana

Fenômeno em que a sombra da Terra encobre a Lua ocorre na madrugada do dia 19.

Eclipse parcial lunar mais longo do século será visto do Brasil nesta semana

15/11/2021 • 06:58

Mapa de visibilidade do eclipse parcial lunar

O mais longo eclipse lunar parcial do século poderá ser visto do Brasil nesta semana. O fenômeno, que deve durar 3h28min23s, ocorre da noite do dia 18 para a madrugada de sexta (19), quando a Lua estará encoberta pela sombra do planeta Terra.

Se a previsão do tempo ajudar, o eclipse poderá ser visto em grande parte dos continentes. Ele ocorrerá nas primeiras horas do dia 19, e deve atingir o seu pico por volta das 6h da manhã no caso do Brasil.

Apesar de ser considerado parcial, cerca de 97% da Lua cheia estará escondida pela Terra.  A Lua deve começar a ser tomada por uma sombra perto das 3h da madrugada. Para quem estiver no Brasil, a Lua deve desaparecer antes de o eclipse terminar por causa do amanhecer.

Eclipses parciais podem não ser tão espetaculares quanto os eclipses totais --no caso dos lunares, quando a Lua está completamente coberta pela sombra da Terra. Entretanto, eles ocorrem com mais frequência.  Isso representa mais oportunidades de testemunhar pequenas mudanças em nosso sistema solar que às vezes ocorrem bem diante de nossos olhos.

“Quando há um eclipse lunar total, podemos ver que a Lua fica vermelha. Isso acontece por causa do desvio da luz do Sol ao passar pela atmosfera do nosso planeta e refletida na Lua. Porém, dessa vez não veremos o eclipse total, somente o parcial”, explica o Observatório do Valongo, da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Chuva de meteoros no dia 17

Além do eclipse lunar parcial, esta semana contará com outro fenômeno astronômico importante: o pico da chuva de meteoros Leônidas ocorre na quarta-feira (17), entre 1h30 e 2h.

Chuvas de meteoros ocorrem quando a Terra intercepta acúmulo de pequenos detritos de cometas ou asteroides --no caso das Leônidas, do cometa Tempel-Tuttle. Serão, em média, 15 meteoros por hora, com velocidade média de 71km/h.

A chuva de meteoros poderá ser vista no começo da madrugada do dia 17 --é preciso observá-los em uma região distante das luzes das cidades.

Fonte:https://www.band.uol.com.br/noticias/eclipse-parcial-lunar-mais-longo-do-seculo-sera-visto-do-brasil-nesta-semana-16460321

---

Como um asteroide passou "raspando" pelo planeta Terra e ninguém percebeu

05/11/2021 • 14:46

Rocha de quase 2 metros passou a 3 mil quilômetros da superfície, distância considerada próxima para padrões astronômicos

Asteroide passou próximo à Terra e ninguém percebeu

por Abinoan Santiago

Nasa

Um asteroide do tamanho de uma geladeira passou “raspando” por cima da Antártida e ninguém percebeu. A rocha espacial de quase dois metros orbitou a uma altura aproximada de 3 mil quilômetros da superfície na noite de 31 de outubro, mas acabou sendo detectada por cientistas somente quatro horas depois.

Segundo o site norte-americano CNET, o asteroide denominado de “2021 UA1” passou por cima da Antártida sem que nenhum astrônomo tivesse previsto em razão do seu tamanho e da sua cor escura.

Além disso, a rocha surgiu de uma espécie de “ponto cego” da direção do Sol no lado diurno da Terra, resultando na descoberta somente depois.  

Para os padrões de medidas da astronomia, o 2021 UA1 é considerado o terceiro asteroide que mais se aproximou da Terra sem atingi-la. Em agosto de 2020, outro passou a uma distância de 2,9 mil quilômetros da superfície. No mesmo ano, em novembro, uma rocha espacial “raspou” o nosso planeta a quase 400 quilômetros.

Apesar de passar perto, o 2021 UA1 não representava perigo, pois devido ao seu tamanho, iria se deteriorar em meio às chamas ao entrar na atmosfera antes de atingir a superfície. Como comparação, o asteroide que explodiu no céu da Rússia, em 2013, era quase 20 vezes maior e apenas um pequeno fragmento da rocha sobreviveu antes de atingir o solo.

Para a Nasa, um corpo celeste em direção à Terra é considerado perigoso somente se medir a partir de 140 metros de diâmetro.

“A maioria dos objetos próximos à Terra não representa perigo algum. É uma pequena porcentagem de asteroides potencialmente perigosos que atrai um exame mais minucioso”, informou a agência espacial, acrescentando que, por enquanto, não existe nenhum que atraia atenção para buscar o desvio da rota em direção ao nosso planeta.

O que é um asteroide?

De acordo com a Nasa, “asteroides são fragmentos rochosos que sobraram da formação do sistema solar há cerca de 4,6 bilhões de anos”.

Cientistas calculam que existam centenas de milhões de asteroides vagando pelo Universo, variando de tamanho. Geralmente, eles são atraídos em direção aos planetas por influência gravitacional.

Fonte:https://www.band.uol.com.br/noticias/como-um-asteroide-passou-raspando-pelo-planeta-terra-e-ninguem-percebeu-16458574

---

Cientistas buscam a origem de explosões detectadas no espaço por 47 dias seguidos

08/11/2021 • 16:34

Disparo explosivo em ondas de rádio pode estar em uma galáxia anã, de acordo com pesquisadores

por Abinoan Santiago

Rajadas de rádio poderiam estar em galáxia anã

Nasa

Pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências (NAOC) fizeram um registro intrigante no espaço: 1.652 Rajadas Rápidas de Rádio (RFB), uma espécie de disparo explosivo em ondas de rádio que liberam enorme quantidade de energia, em um período de apenas 47 dias. O grande problema é que ninguém sabe a origem das explosões.

Este é o o maior conjunto do fenômeno até agora já catalogado pela astronomia em um espaço tão curto de tempo entre agosto e outubro de 2019. O estudo foi publicado em 13 de outubro na revista científica Nature.

O episódio contínuo se deu na chamada “RFB 121102”, descoberta pela primeira vez em 2007. A pesquisa dá pistas sobre os mistérios da origem da RFB 121102, pois desde 2007 – quando foi descoberta – os cientistas tentam descobrir a localização da gênese das rajadas.

Com a análise da observação de 47 dias, os cientistas chineses acreditam que podem estar próximo de resolver o mistério, já que a repetição das rajadas deu pistas que facilitam a localização de sua origem, já que a característica desse fenômeno é disparar apenas uma única vez.

O estudo mostra que parte desse fenômeno pode estar em uma galáxia anã – um aglomerado de pequenas estrelas que orbitam ao redor de galáxias maiores a 3 bilhões de anos luz de distância.

As rajadas rápidas de rádio são fenômenos astrofísicos caracterizados pela sua alta energia e curta manifestação como um pulso de rádio, algo de cerca de menos de um segundo.

O registro das mais de 1,6 mil rajadas oriundas da RFB 121102 se deu pelo Radiotelescópio de Abertura de 500 Metros (FAST), localizado na China. É o maior e mais potente equipamento do tipo no mundo.

Apesar da pista, a localização ainda é inconclusiva, assim como o que provoca essas rajadas de rádio, ponderam os pesquisadores. Eles sustentam a necessidade da continuação dos estudos através do poderoso radiotelescópio chinês.

Fonte:https://www.band.uol.com.br/noticias/cientistas-buscam-a-origem-de-explosoes-detectadas-no-espaco-por-47-dias-seguidos-16458998




Artigo Visto: 288

 




Total Visitas Únicas: 5.396.442
Visitas Únicas Hoje: 345
Usuários Online: 157