Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






11/12/2020
Perigo de inculturação: a liturgia não nasce à mesa

Perigo de inculturação: a liturgia não nasce à mesa

11-12-2020

Saiu o Missal Romano no rito zairense, o primeiro Missal inculturado, que pode ser um prelúdio para o próximo rito amazônico. Mas nesta operação dois riscos podem ser vislumbrados: introduzir elementos pagãos e produzir uma nova liturgia com objetivos de política eclesiástica em vez de objetivos de missão. Mas Bento XVI alertou sobre isso: "Uma liturgia não nasce por decretos"

Por  Stefano Fontana

A inculturação da liturgia é um grande problema. Devemos partir das culturas ou da liturgia da Igreja? Responder "de nós dois" não é uma solução, mas uma brecha. Entre os dois elementos apenas um deve ser o ordenador, caso contrário, apenas uma abordagem externa é obtida. Mas sobre isso Bento XVI advertia: “Uma liturgia não nasce por decretos”.

O tema, tipicamente pós-conciliar , volta agora ao primeiro plano com a liturgia de rito zairense. Na verdade, o livro sobre o Missal Romano no rito do Zaire, o primeiro Missal inculturado, está fora. O primeiro, mas certamente não o único nem o último. No prefácio do livro, o Papa Francisco anuncia mais um próximo passo com o do rito amazônico: “O caso do rito zairense sugere um caminho promissor também para a possível elaboração de um rito amazônico”. Na Exortação Querida Amazôniade fato, ele havia escrito que é necessário "recolher na liturgia muitos elementos da experiência dos indígenas no contato íntimo com a natureza e estimular as expressões nativas em cantos, danças, ritos, gestos e símbolos". A coisa, portanto, é certa: este rito zairense é apenas o primeiro passo de um processo de longo alcance.

É fácil ver os dois fortes perigos por trás dessas inculturas. A primeira é que "reunir elementos da experiência indígena na liturgia" também significa embarcar elementos pagãos. A segunda é que tal operação cheira a uma comissão trabalhando em uma mesa e produzindo uma nova liturgia adequada aos seus objetivos de política eclesiástica, mais do que à missão.

Joseph Ratzinger também tratou da questão que, no entanto, propôs um caminho muito diferente daquele que agora parece ter começado com o rito zairense e continuará com outros ritos até o resultado final de uma liturgia para cada cultura. Em 1977, em entrevista à revista "Communio", posteriormente fundida na obra Das Fest des Glaubens , Ratzinger abordou precisamente este tema. Mesmo então, muitos defendiam a adaptação da liturgia às culturas locais em terras de missão. Pensava-se que uma liturgia que contivesse em si formas expressivas ou orações de origem local poderia aproximar essas populações da fé católica.

Ratzinger, porém, dizia o contrário: “Uma liturgia não nasce por decretos, e uma das lacunas da reforma litúrgica pós-conciliar deve, sem dúvida, ser buscada no zelo profissional com que foi construída à mesa que pressupõe crescimento de vida. Somente quando e na medida em que uma sólida identidade cristã tenha sido formada nos países de missão, será possível avançar cautelosamente para a cristianização das formas pré-existentes, para fundir o elemento cristão com as formas da vida cotidiana ”.

Estas são observações fundamentalmente importantes . Se a intenção pastoral imediata prevalecer, será feita uma tentativa de mudar a liturgia para atender às populações nativas. A urgência pastoral vai pressionar para que aconteça logo e, por isso, comissões de especialistas intervirão na liturgia, transformando-a em instrumento pastoral enquanto é o encontro entre a terra e o céu. O pensamento não pode deixar de seguir o mesmo processo que ocorreu não nas terras de missão, mas aqui, nas terras da antiga religiosidade cristã depois do Concílio. O esquema é o mesmo, com a diferença de que aqui a intenção pastoral era dirigida ao homem moderno e ali à população indígena pagã.

A proposta de Ratzinger sugeria não abandonar a liturgia romana mesmo em terras de missão e prosseguir - com grande cautela! - "Cristianizar as formas pré-existentes" somente quando a identidade católica dessas comunidades estiver bem formada.

A abordagem diferente do Papa Francisco e Ratzinger neste ponto específico deve ser observada. Francisco fala em "reunir" na liturgia muitos elementos pré-existentes na cultura local. A expressão nos convida a nos curvar e recolher o que existe como é. Ratzinger, por outro lado, falou em "cristianizar" as formas pré-existentes. No primeiro caso, os hábitos culturais entram na liturgia como são e como são; no segundo caso, eles são eventualmente assumidos, mas depois de terem sido revividos pelo anúncio cristão. A primeira posição pressupõe a ideia de que já são de algum modo cristãos, a segunda assume os elementos naturais das culturas não cristãs, mas depois de os ter purificado dos elementos idólatras e pagãos que os sobrepuseram.

Voltar a refletir hoje sobre estes problemas significa também voltar com reflexões à reforma litúrgica pós-conciliar. Nele, como Ratzinger disse em várias ocasiões, essas duas visões foram medidas. Aquilo segundo o qual a liturgia devia tratar da história, da experiência, da linguagem, da expressividade do mundo e adaptar-se a tudo isso acolhendo-a como boa em si mesma. E aquele segundo o qual, ao invés, a liturgia poderia iluminar a vida concreta situada em um determinado contexto histórico precisamente se a investisse de um raio transcendente, não para esmagá-la, mas para iluminar sua verdade interna e assim fazê-la renascer.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/pericolo-inculturazione-la-liturgia-non-nasce-a-tavolino




Artigo Visto: 266

 




Total Visitas Únicas: 2.191.020
Visitas Únicas Hoje: 395
Usuários Online: 151