Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






21/12/2020
Na Letônia são os bispos que querem uniões gays

Na Letônia são os bispos que querem uniões gays

21-12-2020

O Arcebispo de Riga, Mons. Zbignevs Stankevics e toda a Conferência Episcopal quebram outro recorde: estão pressionando o governo letão para que reconheça legalmente as uniões homossexuais, para "deixar de lado todas as ideologias".

Monsenhor Stankevics

Monsenhor Stankevics

POR ANDREA MORANDINI

Incrível, mas (tragicamente) verdadeiro: na Letônia foi o arcebispo de Riga, Mons. Zbignevs Stankevics, para pedir pessoalmente, na verdade , para instar no último dia 15 de dezembroo Parlamento nacional, para que a forma de reconhecimento jurídico dos casais homossexuais e não casados ​​possa variar o mais cedo possível: "Devemos deixar de lado todas as ideologias e criar um verdadeiro quadro jurídico, que proteja todos os membros da sociedade", o prelado declarou durante uma audiência parlamentar. Afirmação pesada, também porque veio logo após a sentença, proferida em novembro, com a qual o Tribunal Constitucional já distinguiu entre "família" e "casamento", explicando como, em sua opinião, não são sinônimos: o primeiro termo incluiria um um leque muito amplo de relações, apesar de na Letónia, por enquanto, a Constituição ainda definir "casamento" exclusivamente como "união entre homem e mulher".

Diante disso, as palavras ostensivamente "inclusivas" de Mons. Stankevics soa como uma espécie de placet definitivo aguardado também da Igreja: "Devemos tentar unir a sociedade, não dividi-la", insistia o prelado, adaptando inadequadamente, para a ocasião, uma das mais conhecidas citações de João XXIII, que, no entanto, nunca sonhou em aplicá-lo a "casamentos" homossexuais e arredores.

O arcebispo reiterou : “Não estamos questionando o conceito de família tradicional, mas estamos falando de mecanismos para proteger essas relações, mesmo entre pessoas do mesmo sexo, que estão fora do controle da definição tradicional de casamento”. Segundo ele, em suma, bastaria que um casal em qualquer caso "pareado" declarasse que vivem juntos, numa espécie de "casa comum", para ter o direito, como tal, de obter sempre e em qualquer caso a proteção jurídica.

Já em outubro, as palavras pronunciadas em uma entrevista pelo Papa Francisco haviam criado confusão, no qual ele lembrou ter apoiado as uniões civis na Argentina para evitar que o casamento gay acabasse, mas aqui vai muito mais longe. Que um alto prelado da Igreja Católica venha a formular um pedido deste tipo perante um Parlamento é algo novo e francamente desconcertante. Como poderá então conciliar tudo isso com a tentativa desajeitada de não minar os alicerces da "família tradicional", fazendo isso? Stankevics não explica isso. E não sabe explicar ... É evidente que o seu pedido representa o passe ao suicídio legalizado do único casamento possível, o natural entre um homem e uma mulher, que também ele, como arcebispo, deve zelar por proteger e salvaguardar. E não só ele ... A própria Conferência Episcopal da Letônia imediatamente concordou com ele,

Portanto, é preciso lembrar mais uma vez que  as posições do arcebispo e da Conferência Episcopal estão completamente erradas no documento " Considerações sobre projetos de reconhecimento jurídico de uniões entre homossexuais ", ainda válido, assinado em março de 2003 (há não muito tempo ...) pelo então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, cardeal Joseph Ratzinger. Este documento explica claramente que, pelo menos na casa católica, o que Mons. Stankevics não tem absolutamente nenhum direito de cidadania, pelo contrário ...: «A Igreja ensina - lemos - que o respeito pelos homossexuais não pode de forma alguma levar à aprovação do comportamento homossexual ou ao reconhecimento legal das uniões homossexuais. O bem comum exige que as leis reconheçam, favoreçam e protejam a união matrimonial como base da família, célula primária da sociedade. Reconhecer legalmente as uniões do mesmo sexo ou equipará-las ao casamento significaria não apenas aprovar comportamentos desviantes, com a consequência de torná-la modelo na sociedade atual, mas também obscurecendo valores fundamentais que pertencem ao patrimônio comum da humanidade. A Igreja não pode deixar de defender estes valores, para o bem dos homens e da sociedade em geral." (No. 11).

Fonte:https://lanuovabq.it/it/clamoroso-in-lettonia-sono-i-vescovi-a-volere-le-unioni-gay




Artigo Visto: 371

 




Total Visitas Únicas: 5.200.632
Visitas Únicas Hoje: 845
Usuários Online: 175