Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






13/01/2022
Continuação do silêncio do Vaticano na China

O que é que levou o Vaticano a ser tão frágil e desprovido de poder nas suas respostas aos graves ataques chineses aos direitos humanos e a estar aquiescente à perseguição dos seus próprios fiéis católicos?

Continuação do silêncio do Vaticano na China

12 Janeiro 2022

P. James Grant       

Xi Jinping é o Presidente de tudo na China comunista. É o Chefe do Partido Comunista, o Presidente, o Chefe do Exército; todo o poder flui para o seu controlo directo. A supervisão civil, militar e estratégica pertence exclusivamente a ele e ao Partido Comunista Chinês. Não existem outras fontes de poder ou liderança na China – nenhum poder judicial independente; nem activistas de liderança regional ou comunitária; nenhum grupo educacional, religioso ou social alternativo. O poder é investido num único partido político e num único indivíduo, como chefe deste partido.         

Em Março de 2018, o Presidente Xi foi eleito “líder vitalício” do Partido Comunista Chinês. A oposição efectiva ao Governo de Xi é actualmente inexistente. Não existe imprensa livre, nem Internet livre, nem comunicação ou redes telefónicas não sujeitas a controlo. Não há livre expressão religiosa nem liberdade de associação nem capacidade de indivíduos ou grupos para organizar ou transmitir informações que possam ser consideradas prejudiciais ao comunismo chinês. As empresas estrangeiras que realizam negócios na China são fortemente controladas, as suas comunicações observadas, e os seus movimentos e contactos seguidos e documentados.          

Uma vasta rede de câmaras de vigilância, geralmente retratada como segurança para detectar o crime e os terroristas, monitoriza constantemente os movimentos dos cidadãos. A verdade é que as câmaras de reconhecimento facial monitorizam e recolhem informações sobre os seus amigos, viagens, pesquisas na web, até mesmo hábitos de compras, assegurando que os funcionários comunistas saibam mais sobre os seus cidadãos do que qualquer outra nação na Terra.  

Andrew Hastie é o membro do Canning (WA) no Parlamento australiano, um antigo soldado do Regimento dos Serviços Aéreos Especiais que serviu no Afeganistão, e, mais recentemente, Presidente da Comissão Parlamentar Mista sobre Inteligência e Segurança. Hastie fez uma poderosa e válida declaração sobre a vulnerabilidade ocidental: «Neste momento, a nossa maior vulnerabilidade não reside nas nossas infra-estruturas, mas no nosso pensamento, que o fracasso intelectual nos torna institucionalmente fracos. Se não compreendermos os desafios que temos pela frente para a nossa sociedade civil, nos nossos parlamentos, nas nossas universidades, nas nossas empresas privadas, nas nossas instituições de caridade, então serão feitas escolhas para nós. A nossa soberania, a nossa liberdade, será diminuída».         

Como sacerdote na Austrália que está familiarizado com a agressão chinesa, acrescentaria que é muito importante que a Igreja Católica em todo o mundo seja também alertada para a grave ameaça que a China representa para as liberdades fundamentais.        

Em todo o mundo, os católicos tomam muitas liberdades como garantidas, particularmente a liberdade de expressar os ensinamentos de Cristo a um mundo mais vasto. Cada vez mais, na China, esta liberdade é anulada, restringida, ou violentamente esmagada. Os católicos têm sido vítimas de décadas de perseguição, prisão, detenção e discriminação.  

O Partido Comunista Chinês não tem qualquer incentivo para conceder direitos básicos de liberdade de fé aos católicos. De facto, anos de comportamento repressivo para com os católicos continuam até aos tempos actuais, sem sinais de mudança das práticas comunistas.   

Recentemente, temos assistido à repressão das liberdades básicas dos cidadãos de Hong Kong. Os comunistas chineses são mais autoritários e menos preocupados com os direitos dos cidadãos chineses do que em qualquer fase dos seus setenta anos de história.   

Os militares chineses estão também a empreender uma construção regional agressiva que, apesar de muitas palavras calorosas de intenções pacíficas, tem preocupado seriamente os Estados regionais, incluindo o Japão, a Coreia do Sul, o Vietname, as Filipinas, Singapura e a Austrália. A liberdade de navegação através do Mar do Sul da China é largamente proibida com poucos Países regionais que desejem participar nas acções “pacíficas” do Estado chinês.     

A realidade para aqueles que vivem perto da China, particularmente o povo de Hong Kong e Taiwan, é que o poder económico está a transformar-se rapidamente em poder geopolítico, com o Estado chinês a procurar influenciar, controlar e assegurar que os vizinhos próximos, os parceiros comerciais e os seus próprios cidadãos se conformem aos ditames do dia-a-dia do Partido Comunista Chinês.

As ambições militares chinesas estão também a expandir-se. A China opera agora uma base militar na estrategicamente importante nação do Golfo de Adem, o Jibuti, dando-lhe um acesso significativo ao Oceano Índico e às capacidades navais de água azul para além da sua região imediata. A sua militarização das rotas comerciais críticas dentro do Mar do Sul da China está agora completa, permitindo à China impor pressão militar e inibir todas as nações, excepto as mais fortes, de utilizarem a região como rota comercial através do tráfego.         

Talvez a mais preocupante de todas as questões na ascensão global da China seja a sua brutal repressão da dissidência interna. Esta repressão é especialmente significativa para as minorias étnicas e religiosas e para aqueles que procuram realçar a falta de liberdade democrática ou de liberdade de expressão. Os distúrbios que se manifestaram recentemente em Hong Kong apontam para o desejo crescente dos comunistas chineses de controlar e restringir os cidadãos e os movimentos políticos e de proibir que os apelos à liberdade democrática evoluam.         

Tudo isto levanta uma questão mais profunda para os católicos: o que está o Vaticano a fazer em relação a esta crescente vigilância, controlo e repressão dos cidadãos chineses, especialmente dos católicos? Porque é que o Vaticano não exprimiu qualquer preocupação ou não focou qualquer atenção dos meios de comunicação social nas severas restrições das liberdades pessoais e religiosas? Porque é que o Papa não falou sobre os distúrbios em Hong Kong e as suas ramificações mais vastas? Porque é que Sua Santidade não defende a liberdade de expressão, os direitos democráticos, ou mesmo os direitos dos católicos praticantes dentro da China?      

Estas são questões sérias, e o silêncio do Vaticano em relação a estas preocupações humanas essenciais não só traz ignomínia ao Papa Francisco e à Igreja em geral, mas, mais importante ainda, permite que a repressão e as violações dos direitos humanos continuem sem escrutínio. Quando o Vaticano se cala sobre tais questões, trai o apelo fundamental de Cristo para libertar indivíduos e povos. Quando a Igreja se recusa a falar sobre tais questões, trai a sua missão, mas mais centralmente arrisca-se a prejudicar a própria noção de quem é.  

O que é que levou o Vaticano a ser tão frágil e desprovido de poder nas suas respostas aos graves ataques chineses aos direitos humanos e a estar aquiescente à perseguição dos seus próprios fiéis católicos? 

No final de 2018, o Vaticano autorizou um acordo largamente secreto com o Partido Comunista Chinês que aconselhou os sacerdotes e bispos católicos chineses a cumprir a lei chinesa e a registar-se oficialmente junto do Governo. Este processo viu ainda o reconhecimento das antigas “Igrejas Católicas autorizadas pelo Estado” como estando agora em comunhão com o Papa (uma definição fundamental do que significa ser católico).   

As consequências para o Vaticano já foram, ao mesmo tempo, decepcionantes e graves. Muitos bispos e sacerdotes reconhecidos pelo Vaticano têm continuado a aderir ao Partido Comunista Chinês, uma dupla lealdade que questiona seriamente o seu compromisso para com a Igreja Católica mundial. O Cardeal Joseph Zen, emérito de Hong Kong, advertiu com razão que uma situação tão contínua poderia «arriscar a morte da fé católica na China».

Uma declaração do Vaticano de Junho de 2019 reconhece o pântano: que o acordo, apressado e ingenuamente defendido pelo Papa Francisco, não está a funcionar. A declaração reconhece «as limitações e as pressões intimidatórias enfrentadas por muitos católicos».     

O Cardeal Zen observou com tristeza: «O Partido Comunista Chinês já renegou as suas promessas de respeitar a doutrina católica». O Cardeal sugere ainda que muitos «sacerdotes clandestinos e aqueles que trabalharam com grande tenacidade para alcançar mudanças esperavam o apoio da Santa Sé».         

Parece que tais esperanças foram completamente despropositadas. A decisão do Papa Francisco de «confiar e comprometer-se» com os comunistas chineses é já uma decisão com graves consequências para os católicos chineses no terreno. Os comunistas chineses são incapazes de tolerar a oposição, nada sabem sobre o processo democrático, e têm demonstrado uma brutal crueldade contra tibetanos, uigures, e Falun Gong. E parecem agora focados em Hong Kong e no catolicismo.  

Nós, na Austrália, podemos rir em privado de Qantas (a nossa companhia aérea nacional) ajoelhar-se perante os comunistas chineses que vêem Qantas já não se referir a Taiwan como a República da China. A curvatura papal nunca será vista por escrito, mas é claramente testemunhada no silêncio do Vaticano sobre a liberdade e a esperança democrática em Hong Kong.

P. James Grant         

Através de Crisis Magazine

Fonte:https://www.diesirae.pt/2022/01/continuacao-do-silencio-do-vaticano-na.html?




Artigo Visto: 176

 




Total Visitas Únicas: 5.658.678
Visitas Únicas Hoje: 332
Usuários Online: 154