Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






05/10/2023
A Dubia de Duka é respondida por um não-magistério que ensina

Casos de respostas do Vaticano, que não são respostas reais, mas enganos, são frequentes hoje em dia.

O teatro do absurdo é encenado para a Doutrina da Fé: a “homenagem religiosa” é reservada à interpretação autorizada de uma passagem que não existe em Amoris Laetitia. Os pedidos de esclarecimento sobre Amoris Laetitia feitos pelo arcebispo emérito de Praga, cidade de Kafka, são consistentemente respondidos de forma kafkiana.

por Stefano Fontana

Casos de respostas do Vaticano, que não são respostas reais, mas enganos, são frequentes hoje em dia. Uma nova oportunidade deste tipo surgiu quando o Prefeito do Dicastério para a Doutrina da Fé, Cardeal Victor Manuel Fernández, respondeu oficialmente ao Cardeal Dominik Duka, Arcebispo Emérito de Praga, que, em nome dos bispos checos, tinha enviado algumas perguntas (aqui vamos nós novamente com as dubia ) sobre a administração da Eucaristia aos divorciados que vivem numa nova união. As perguntas diziam respeito à Exortação Apostólica Amoris laetitia . As respostas, porém, não esclarecem nada. Para ilustrar isso, vamos concentrar nossa atenção em algumas passagens.

Como se sabe, o texto da Amoris Laetitia (AL) não diz em nenhuma passagem que os divorciados recasados ​​possam ter acesso à Comunhão Eucarística . Não o prevê expressamente, mesmo em alguns casos particulares. A tal ponto que o Cardeal Caffarra escreveu naquela época que, se o Papa quisesse estabelecê-lo, o teria escrito na Exortação Apostólica, já que não o fez, significa que não quis estabelecê-lo. . Esta posição é um pouco ingênua. Em todo caso, Caffarra destacou um certo aspecto: AL não admite à Comunhão pessoas divorciadas, coabitantes ou recasadas. No entanto, quando os bispos da região de Buenos Aires declararam que os admitiriam, o papa escreveu-lhes uma carta de aprovação e fez com que fosse incluída na Acta Apostolicae Sedis.. Eis então a pergunta chave do Cardeal Duka: esta publicação tem valor magisterial? Fernández responde que sim e diz que deve haver respeito religioso.

A situação aqui se torna pirandelliana ou kafkiana, se você preferir. O Papa poderia ter dito na Exortação que as pessoas divorciadas e recasadas poderiam, talvez em casos particulares, ter acesso à Comunhão e não o fez. Neste ponto, portanto, AL não ensina e não quer fazê-lo. Se – veja Caffarra – ele quisesse fazer isso, ele o teria feito, mas não o fez. Os bispos de Buenos Aires interpretam portanto um não-magistério, referem-se ao que não foi dito, portanto a sua é uma não-interpretação, porque uma interpretação de nada é uma não-interpretação. Depois chega o Papa, que dá a interpretação autorizada de uma não-interpretação de um não-magistério e Fernández sustenta – tem a audácia de sustentar – que isto seria magistério. Mas como pode uma construção deste tipo resistir? Então você sorri quando o Cardeal Duka pergunta: «Não seria oportuno que toda a questão fosse melhor explicada no texto do seu magistério competente?». E Fernández responde que não, que não há necessidade porque na carta aos bispos de Buenos Aires o assunto é explicado “suficientemente”.

Não menos teatro do absurdo é a não nova tentativa de Fernández de apoiar a continuidade perfeita entre o que foi ensinado por AL e os dois pontífices anteriores , João Paulo II e Bento XVI, que - diz ele - já haviam admitido a possibilidade de acesso à Eucaristia, desde que os dois vivessem juntos como irmão e irmã. Mas é precisamente este o ponto, é precisamente aí que a descontinuidade se torna evidente. Segundo o Prefeito, Francisco mantém esta proposta, mas admite que pode haver dificuldades na sua prática e por isso permite em certos casos, após um discernimento adequado, a administração do sacramento da reconciliação mesmo quando não se consegue ser fiel à continência. A descontinuidade que consiste em deixar de considerar o adultério como umaintrinsece malum e em tomar como motivação para isso não algum argumento de fé revelada, mas a “dificuldade em praticá-la”. Este ponto põe em causa o princípio de que Deus nunca exige de nós algo que não possamos cumprir com a sua ajuda. Perguntamo-nos: como é possível esconder tudo isto atrás de uma suposta continuidade que não existe?

Também chegamos às mesmas conclusões pirandelianas examinando as respostasàs questões relativas a quem é responsável por decidir, no final do processo de discernimento, admitir ou não à Comunhão. Todos sabem que não há vestígios reais deste hipotético discernimento em parte alguma e que no final são os próprios divorciados recasados ​​que decidem fazê-lo. Toda a retórica do acompanhamento no processo de discernimento, proposta pelo Cardeal Kasper desde a década de 1970, é vazia e instrumental. Duka coloca claramente a questão: “quem deve ser o avaliador?”, e acrescenta também algumas hipóteses: o confessor, o pároco local, o vigário forano, o vigário episcopal ou a penitenciária? Há algum sarcasmo inteligente nestes exemplos, dado que sabemos bem que na realidade não existe e não existirá nada disto. E de fato Fernández o reconhece: “É cada pessoa individualmente que é chamada a colocar-se diante de Deus e a expor-Lhe a sua consciência”. Com o qual se declara qual o objetivo foi cultivado desde o início sob o manto da retórica.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/ai-dubia-di-duka-risponde-un-non-magistero-che-fa-magistero




Artigo Visto: 249

 




Total Visitas Únicas: 6.308.157
Visitas Únicas Hoje: 206
Usuários Online: 122