Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






06/10/2023
Cardeal Joseph Zen denuncia o regime sinodal

O Zen pergunta com perspicácia: «mas têm a certeza de que estes leigos convidados são fiéis ? que eles pelo menos vão à igreja? Observe que esses leigos não foram eleitos pelo povo cristão praticante”.

Sínodo significa “caminhar juntos”, mas aparentemente apenas numa direção adequadamente pré-estabelecida, também graças a procedimentos refinados durante o pontificado. O cardeal idoso de Hong Kong convida-nos a estar vigilantes diante dos claros desvios que estão ocorrendo.

por Luisella Scrosati

Na tarde de quarta-feira, o ACI Stampa lançou a notícia da carta que o Cardeal Joseph Zen Ze-Kiun enviou a cerca de trinta cardeais e bispos no dia 26 de setembro, relatando alguns trechos. Este é um apelo à vigilância e também à oposição face aos claros desvios deste Sínodo.

Na carta há uma denúncia firme da agenda que os líderes deste Sínodo estão a seguir, apesar das falsas garantias a este respeito, que, segundo o Cardeal Zen, são “verdadeiramente uma ofensa à nossa inteligência”. Mas o cardeal chinês não se concentra tanto no exame do conteúdo, mas sim naquele procedimento concebido ad hoc para permitir que este Sínodo provoque uma verdadeira revolução na Igreja. O Zen, por outras palavras, sentiu nos procedimentos sinodais aquela típica cobertura democrática que todo regime oligárquico sabe como manobrar habilmente para exercer a tirania mais implacável.

Por trás dos anúncios da escuta do Espírito Santo, da valorização do sensus fidelium , da participação do povo de Deus, da parrhesia e da transparência, existe um verdadeiro “plano de manipulação”, que o Cardeal Zen, quem sabe alguma coisa, disse é evidente e que ele resume assim: «Começam por dizer que precisamos de ouvir todos. Aos poucos vão deixando claro que entre esses “todos” há especialmente aqueles “excluídos” por nós. Finalmente, entendemos que se trata de pessoas que optam por uma moral sexual diferente daquela da tradição católica”. Portanto, o convite à inclusão integral, sem julgar ninguém, que se apresenta como uniforme oficial do atual Sínodo, é funcional para esclarecer o comportamento das pessoas “acolhidas”.

O que empurra nesta direção é o apelo contínuo dos organizadores do Sínodo à “conversação no Espírito”.Este Sínodo será caracterizado por intervenções que deverão estar em sintonia com a “conversação espiritual”. Na infinidade de documentos, ajudas e palavras que caracterizam este Sínodo (mas não foi necessário calar para ouvir o Espírito?), descobrimos que a “conversa espiritual” parece uma sessão psicoterapêutica, na qual o conteúdo do as palavras ouvidas e pronunciadas praticamente não têm valor em si. Na verdade, recomenda-se “ouvir o outro sem julgamento”, prestando atenção “não só às palavras, mas também ao tom e aos sentimentos de quem fala”; depois a sugestão de «evitar a tentação de usar o tempo para preparar o que vai dizer em vez de ouvir» e a recomendação de controlar «possíveis tendências a ser egocêntrico» ao falar. É essencialmente uma castração preventiva de qualquer intervenção que procure colocar-se na linha da defesa da doutrina da Igreja e até da simples discussão. Esta fixação no modo de conversação e não nos conteúdos já indica claramente que estes últimos já foram decididos em outras salas.

Com razão, o Cardeal Zen mostra mais do que uma desconfiança quando confrontado com a regra sinodal de «conversar, mas não discutir»: «Mas então o consenso e a unanimidade ocorrem milagrosamente? (…) Evitar discussões é evitar a verdade.” E, com singular perspicácia, aconselha aos irmãos: «Não deveis obedecer-lhes quando disserem para ir rezar, interrompendo o trabalho. Responda que é ridículo pensar que o Espírito Santo está esperando por suas orações de última hora”.

Outras anomalias processuais suscitam mais do que uma suspeita , como a inversão do procedimento sinodal habitual, que precedeu o debate na Assembleia Geral antes dos trabalhos nos grupos linguísticos mais pequenos. E mais ainda a decisão do Papa de acrescentar 70 membros não-bispos, incluindo leigos, com direito de voto “sem qualquer consulta, nas imediações do Sínodo”. “Se eu fosse um dos membros – exorta Zen – faria um forte protesto, porque isso muda substancialmente o Sínodo dos Bispos”. Isto é o que o Padre Gerald Murray destacou na conferência de 3 de Outubro (ver aqui). Zen assinala que, deste ponto de vista, o atual Sínodo é decididamente mais radical que o alemão, porque neste último pelo menos “os votos dos bispos e os dos leigos” foram “contados separadamente”.

Outra mudança depois do início do concurso foi o acréscimo da sessão sinodal de 2024 : «A minha suspeita maliciosa - explica o Cardeal - é que os organizadores, não seguros de conseguir o que pretendem nesta sessão, esperam ter tempo para preparar outras manobras ."

Na verdade, é mais do que uma sensação que nos sínodos celebrados sob este pontificado tenha havido um ajustamento progressivo dos procedimentos destinados a reduzir ao mínimo os factores perturbadores. O Sínodo sobre a Família tinha sublinhado suficientemente que o procedimento normal apresentava demasiados riscos: ainda havia bispos suficientes que tinham coragem e preparação suficientes para pôr um raio nas rodas e abrandar a onda da revolução, exercendo também um papel não negligenciável. influência sobre muitos irmãos. Não se deve esquecer que o Papa teve que decidir pelo golpe de reinserir na Relatio Synodi final mesmo aqueles três parágrafos que não tinham alcançado dois terços dos votos favoráveis ​​e que, portanto, não deveriam ter aparecido no documento final.

Já estava claro que Francesco não hesitava em alterar as regras e os procedimentos rapidamente . Este último Sínodo foi, deste ponto de vista, a obra-prima de tal atitude e o Cardeal Zen destaca isto claramente. O procedimento aparentemente mais democrático é a tela e o instrumento utilizado por uma oligarquia muito específica para atingir os seus objetivos, enquanto todos saúdam com espanto a nova grande igreja democrática. O Zen pergunta com perspicácia: «mas têm a certeza de que estes leigos convidados são fiéis ? que eles pelo menos vão à igreja? Observe que esses leigos não foram eleitos pelo povo cristão praticante”.

Quando o Documento de Trabalho apareceu , já o havíamos apontadocomo os resumos relatados demonstravam, no seu livro de frases ideológicas e completamente estranho à linguagem da fé dos simples, que não era o povo dos fiéis que estava representado, mas aquela porção apropriadamente ideológica, com um duplo processo de falsificação , que ia dos oligarcas aos fiéis “escolhidos” e destes últimos de volta à oligarquia. Uma « consulta fidelium , ideologicamente conduzida e relatada», foi assim sobreposta ao sensus fidei . Além disso, o Papa explorou a sua capacidade de escolher pessoalmente uma parte dos membros do Sínodo para incluir aqueles “excluídos” que ninguém queria, como Monsenhor Paglia e o Cardeal McElroy, unidos pela promoção da agenda revolucionária.

É a normal técnica do regime: uma é democrática, desde que o demos, propriamente catequizado, vá na linha imposta; Quando isso não acontece, a oligarquia escolhe outros caminhos. Seja como for, é sempre a oligarquia que manda.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/il-cardinale-joseph-zen-denuncia-il-regime-sinodale

---

A CARTA

Zen aos padres sinodais: cuidado com as manipulações

Preocupação com a “tradição sacrossanta da fé católica” e preocupação com “como vai acabar”, facilitando também certos desvios de procedimentos: o cardeal de 91 anos faz um apelo a alguns cardeais e bispos.

A seguir publicamos alguns trechos da carta dirigida pelo Cardeal Joseph Zen Ze-kiun a alguns membros do Sínodo e a outros cardeais e bispos.

Prezada Eminência, Prezada Excelência,

Sou seu irmão Joseph Zen, da distante ilha de Hong Kong, um velho enfermo de 91 anos, ordenado bispo há mais de 26 anos. Escrevo esta carta porque, consciente de que ainda possuo as minhas faculdades mentais, sinto o dever de salvaguardar, como membro do Colégio dos Sucessores dos Apóstolos, a sacrossanta tradição da fé católica.

Dirijo esta carta a vocês, membros do próximo Sínodo sobre a Sinodalidade , porque presumo que vocês estejam preocupados, como eu, com o resultado do referido Sínodo. (…)

1. Confunde-me que, por um lado , me digam que a sinodalidade é um elemento constitutivo da Igreja, mas, por outro, me digam que é o que Deus espera de nós para este século (como algo novo? ) (…)

2. Sinto ainda maior confusão e preocupação quando vejo sugerir que finalmente chegou o momento de derrubar a pirâmide, isto é, com a hierarquia superada pelos seculares. No documento preparatório, desde o início, diz-se claramente que, para uma Igreja sinodal, é necessário reconstituir a “democracia”.

3. Mas sinto-me ainda mais preocupado quando se constata que, enquanto este Sínodo estava a ser convocado (...) já havia um "caminho sinodal" em curso na Alemanha onde, com um mea culpa estranhamente satisfeito por abuso sexual, a hierarquia e um grupo de leigos (Comité Central dos Católicos Alemães ZdK, não se sabe quão representativos, mas ficamos a saber que são quase todos funcionários da Igreja) propõem uma mudança revolucionária na constituição da Igreja e no ensinamento moral relativo à sexualidade. (…)

O Papa nunca ordenou que este processo da Igreja na Alemanha parasse . Por ocasião da sua visita ad limina , sabe-se que o Papa conversou durante duas horas com os bispos alemães, mas um discurso do Papa não foi publicado no Osservatore Romano como é habitual nestas visitas. Em vez disso, foi publicado um discurso do Prefeito da Congregação para os Bispos, Cardeal Marc Ouellet, no qual pedia que não prosseguissem, mas que aguardassem as conclusões do Sínodo. Como resposta, uma negação clara porque, dizem, “há uma urgência pastoral de avançar” (!?)

Um sintoma alarmante é o contínuo declínio do número de fiéis na Alemanha; segundo dados oficiais, o declínio ultrapassou meio milhão em 2022. A Igreja ali está morrendo (…).

Penso que não preciso deter-me nas razões pelas quais deveis abordar o Sínodo com grande preocupação . Contudo, sinto a importância de chamar a vossa atenção para alguns problemas processuais do Sínodo. A Secretaria do Sínodo é muito agressiva na arte da manipulação.
Pelo que vou dizer serei facilmente acusado de “teoria da conspiração”, mas vejo claramente que existe todo um plano de manipulação. 

Eles começam dizendo que precisamos ouvir todos . Aos poucos vão deixando claro que entre esses “todos” há especialmente aqueles “excluídos” por nós. Por fim, entendemos que se trata de pessoas que optam por uma moral sexual diferente daquela da tradição católica.

Nos pequenos grupos de diálogo da fase continental insistem muitas vezes que “devemos deixar uma cadeira vazia para aqueles que estão ausentes, marginalizados por nós”. Dizem também: “O Sínodo deve terminar com a inclusão universal, deve alargar a tenda, acolher a todos, sem julgá-los, sem convidar à conversão”.

Eles protestam que não têm agenda. É verdadeiramente um insulto à nossa inteligência, quando todos vemos a que conclusões pretendem chegar.
Eles falam sobre “conversação no Espírito” como algo mágico. E convidam a todos a esperar pelas “surpresas” do Espírito (naturalmente já estão informados de quais surpresas). “Converse, mas não discuta! A discussão cria divisões." Mas então o consenso e a unanimidade acontecem milagrosamente? Mas parece-me que no Concílio Vaticano II, antes de chegarem a uma conclusão quase unânime, muitas vezes passaram muito tempo em discussões animadas. Foi lá que o Espírito Santo trabalhou. Evitar a discussão é evitar a verdade.

Você não deve obedecê-los quando eles disserem para ir orar, interrompendo o trabalho . Responda que é ridículo pensar que o Espírito Santo está esperando pelas suas orações de última hora. (…)

“Vamos começar, dizem, com pequenos grupos” . Isto está obviamente errado. Devemos primeiro deixar que todos falem e ouçam todos na Assembleia. Isto mostra quais problemas são mais controversos e quais precisam de debate adequado. (…)
Na internet percebo muito que se fala em “votar ou não”. Mas se não houver votação, como saberemos o fruto de tanto diálogo? Evitar votos ainda é evitar a verdade.

Mais sobre a votação . Sem qualquer consulta, nas imediações do Sínodo, o Santo Padre acrescenta vários membros leigos com direito de voto. Se eu fosse um dos membros, faria um forte protesto, porque isto muda substancialmente o Sínodo dos Bispos, que o Papa Paulo estabeleceu como instrumento de colegialidade, mesmo que no espírito da sinodalidade sejam observadores leigos com a possibilidade de falar. admitiu. Não vos recomendo um protesto, mas pelo menos um doce lamento com um pedido: que pelo menos os votos dos Bispos e os dos leigos sejam contados separadamente (o que até o "caminho sinodal" da Alemanha concedeu aos bispos ). Deve ser dado um peso diferente aos votos dos dois grupos. Deixar os leigos votarem parece significar que queremos respeitar o sensus fidelium, mas têm certeza de que estes leigos convidados são fiéis ? que eles pelo menos vão à igreja? Note-se que estes leigos não foram eleitos pelo povo cristão praticante.

Nunca foi explicada a adição (a meio) de mais uma sessão para 2024. A minha suspeita maliciosa é que os organizadores, não seguros de conseguir o que pretendem nesta sessão, esperam ter tempo para preparar outras manobras. (…)
Pretendo que esta carta que escrevo seja confidencial, mas será difícil que não chegue aos meios de comunicação social . Velho como sou, não tenho nada a ganhar, nada a perder. Ficarei feliz por ter feito o que acredito que deveria fazer.

Sei que no Sínodo sobre a família o Santo Padre rejeitou sugestões apresentadas por vários Cardeais e Bispos precisamente sobre o procedimento, mas se apresentar um pedido respeitoso apoiado em numerosos consensos, talvez possa ser aceite. No entanto, você terá cumprido seu dever. Aceitar um procedimento irracional é condenar o Sínodo ao fracasso.

Fonte: https://lanuovabq.it/it/zen-ai-padri-sinodali-vigilate-sulle-manipolazioni




Artigo Visto: 405

 




Total Visitas Únicas: 6.306.371
Visitas Únicas Hoje: 625
Usuários Online: 146