Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






07/10/2023
Laudate Deum, o catastrofismo substitui a fé católica

A Exortação Apostólica publicada em 4 de Outubro defende a tese do dogma do aquecimento global provocado pelo homem, mesmo quando o Papa põe em causa algumas verdades fundamentais da Igreja.

por Ricardo Cascioli

Às vezes você realmente espera que em determinado momento os autores apareçam e gritem que estamos no "Scherzi a parte". Porque se não é uma piada, é verdadeiramente dramático constatar que o Papa, vigário de Cristo na terra, ao mesmo tempo que questiona as verdades da fé e os pronunciamentos "definitivos" dos seus antecessores, impõe como dogma o crenças sobre as causas humanas do aquecimento global, insultando cientistas e católicos que não as cumprem.

É a isso que assistimos – desconcertados – ainda nestes dias, com epicentro no dia 4 de outubro . Por um lado, o início do Sínodo, organizado e conduzido para derrubar os fundamentos da Igreja tal como a conhecemos há dois mil anos; por outro, a publicação da Exortação Apostólica Laudate Deum , a segunda parte da encíclica Laudato Si' , na qual a “religião” das alterações climáticas é dogmaticamente definida.

Este documento é no mínimo embaraçoso: escrito de forma precipitada e superficial por pessoas que copiaram e colaram clichês banais sobre o aquecimento global; cheio de afirmações supostamente científicas sem nenhuma evidência de apoio além de “é evidente” e “não pode ser negado”. Derretimento dos glaciares, calor anómalo, “secas e inundações, lagos que secam e populações arrastadas por tsunamis ou inundações”, subida do nível do mar, desaparecimento de espécies animais e vegetais: “O mundo que nos acolhe está a desmoronar-se”. Não só isso: “milhões de pessoas perdem os seus empregos devido às diversas consequências das alterações climáticas” (onde e porquê?), mas, em vez disso, milagrosamente, a transição energética é “capaz de gerar inúmeros empregos em vários sectores” (como, onde e quando?).

Tudo óbvio, diz o Papa, se não fosse por aqueles que persistem em negar a catástrofe climática causada pela “desenfreada intervenção humana na natureza nos últimos dois séculos”: “Sou forçado a fazer estes esclarecimentos, que podem parecer óbvio", diz o Papa Francisco - por causa de certas opiniões desdenhosas e irracionais que encontro até mesmo dentro da Igreja Católica" (n. 14).

No passado dia 25 de Março, La Bussola organizou um seminário em Milão no qual participaram vários cientistas e especialistas: vale a pena relembrar essas intervenções(incluindo a introdução de Monsenhor Giampaolo Crepaldi que explica bem o que é uma abordagem de fé ao tema do meio ambiente) para entender o que realmente é a ciência em comparação com as muitas bobagens que podem ser lidas nesta Exortação: gases de efeito estufa e dióxido de carbono usados ​​como sinônimos (nº 11); o dióxido de carbono considerado poluente, quando é essencial à vida; a pandemia de Covid-19 ainda atribuída à relação incorrecta do homem com «os outros seres vivos e o ambiente» (n.º 19) quando já deveria estar claro até às pedras que se trata de um vírus que “escapou” de um laboratório (o Papa deveria ter seu conselheiro Jeffrey Sachs explicando isso a ele e ele disse isso de todas as maneiras possíveis); a exaltação da energia “verde” para a qual devemos agir rapidamente e a condenação contemporânea da tecnologia necessária para a transição desejada (n. 22). E isto é apenas para dar alguns exemplos.

Nem outras passagens devem ser esquecidas: quando quer dar um exemplo positivo da “interação do homem com o meio ambiente”, o Papa Francisco não pensa de forma alguma no trabalho dos monges beneditinos nem na abordagem do “seu” São Francisco, mas apenas “culturas indígenas”, continuando a espalhar um mito – o da harmonia entre o homem e o meio ambiente típico das sociedades primitivas – que só está no imaginário dos veteranos da década de 70 do século XX.

Além disso, na parte dedicada à política internacional, o Papa Francisco, no final de pensamentos fragmentados e confusos em apoio a um multilateralismo "de baixo para cima" mais eficaz, parece apoiar a necessidade de uma organização internacional capaz de impor decisões drásticas para o redução do dióxido de carbono, e capaz de dobrar “os interesses circunstanciais de algum país ou empresa” (nºs 59 e 60), já na próxima Conferência do Clima que terá lugar no Dubai.

Isto também é servido «pelas ações dos chamados grupos “radicalizados”», ou seja, aqueles que bloqueiam as ruas impedindo as pessoas de irem ao trabalho ou ao médico ou onde quiserem, ou que desfiguram monumentos ou que atacam aqueles que se opõem a isso ideologia violenta. O Papa toma o partido deles de forma decisiva porque «ocupam um vazio na sociedade como um todo, que deveria exercer uma pressão saudável, porque cabe a cada família pensar que está em jogo o futuro dos seus filhos» (n. 58). Em suma, o fim justifica os meios e a culpa é nossa por não fazermos o mesmo. São palavras de uma gravidade desconcertante, incrível encontrá-las num documento magisterial da Igreja Católica.

E, por último, o incitamento ao ódio contra o homem ocidental, o único verdadeiramente responsável pela catástrofe climática e pela tentativa de impedir a transição ecológica, que enriqueceu à custa daqueles que foram mergulhados na pobreza. Estamos diante de análises político-econômicas que levam ao ridículo.

Infelizmente, porém, dão luz verde àqueles que tentam impor o totalitarismo global aproveitando o catastrofismo climático, e dão uma mão àqueles que querem forçar o silêncio aos cientistas sérios e honestos que continuam a dizer a verdade.

Fonte:https://lanuovabq.it/it/laudate-deum-il-catastrofismo-sostituisce-la-fede-cattolica




Artigo Visto: 329

 




Total Visitas Únicas: 6.306.384
Visitas Únicas Hoje: 638
Usuários Online: 153