Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






09/10/2023
As “dúbias”? Melhor que nada. Mas os conservadores modernistas não podem simplesmente acordar quando a moralidade sexual e familiar está envolvida

Gostaríamos de lembrar aos cardeais autores das dubia do Sínodo que, pelo menos no que diz respeito a Bergoglio, já não é possível ter dubia. A abominação da pachamama (mas não só) não permite alimentar ninguém.

por Martino Mora

Seja qual for o andamento do Sínodo, a última década, ou seja, a década bergogliana (2013-2023), provavelmente será lembrada como uma das mais desastrosas da história da Igreja. O sínodo atualmente em curso também visa evidentemente maximizar os danos a serem infligidos à noiva de Cristo. Isto poderá acontecer na medida em que o equilíbrio de poder entre "progressistas" e "conservadores" tenha sido verdadeiramente invertido, o que sem dúvida funciona como um travão por parte do clero "progressista", incluindo Bergoglio, que pretende adaptar a sua mensagem à revolução sexual, que começou na década de 1960, parece longe de chegar ao fim.

Se olharmos de perto, no entanto, os mesmos cardeais conservadores autores das dubia tiveram muito pouco a que se opor face aos maiores escândalos (entre muitos) da década bergogliana: a adoração abertamente idólatra da pachamama no Vaticano (outubro de 2019). ); depois, a participação direta de Bergoglio e de alguns bispos num rito de necromancia conduzido por um xamã canadense na cidade de Quebec (julho de 2022).

Nenhuma ou quase nenhuma dúvida também para a declaração de Abu Dhabi (fevereiro de 2019) que é muito grave a nível doutrinário, na qual a Revelação Cristã é abertamente relativizada e menosprezada, afirmando que todas as religiões foram queridas por Deus. , conclui-se que o Cristianismo não é a única religião verdadeira, mas apenas uma das muitas disponíveis no grande mercado global do sagrado.

Parece que as dubia dos “conservadores” dizem respeito apenas aos desvios e desvios, ainda que muito graves, relativos à esfera familiar e sexual. Se o sexto mandamento é tocado, eles se opõem com razão, mas se o primeiro mandamento é tocado – do qual todos os outros descendem – eles não reagem.

Típico dos conservadores modernistas, de fato, é aceitar qualquer tendência, doutrinária e pastoral, exceto aquelas que dizem respeito à família e à vida. Melhor do que nada, eles poderiam dizer. E na verdade é bem-vindo. Mas aceitar todos os compromissos com o mundo moderno, exceto o último ou penúltimo, demonstra uma enorme miopia espiritual. Que foi o mesmo que os papas conciliares e pós-conciliares. Paulo VI teve a coragem de escrever Humanae vitae(1968) considerou a contracepção, mas entretanto arquivou a missa habitual como um velho recado, depois de ter endossado durante o Concílio (1962-65) os princípios de “liberdade religiosa” e “ecumenismo” condenados por papas anteriores. João Paulo II opôs-se ainda mais claramente à revolução sexual, mas entre um encontro ecuménico, um elogio a Lutero e Ian Hus, uma apreciação da magia negra voodoo (fevereiro de 1993 no Benim) ele desmantelou o primeiro mandamento. Bento XVI condenou o relativismo moral e as uniões sodomitas, mas fê-lo entre um elogio ao liberalismo indiferentista americano (Abril de 2008) e uma oração na mesquita de Istambul, em frente a Meca (Dezembro de 2006).

O resultado desta estratégia está à vista de todos: igrejas vazias há pelo menos um quarto de século, seminários vazios, hereges na cátedra, conferências episcopais enlouquecidas e fazendo o que querem. “Pelos seus frutos os conhecereis”, afirma o Evangelho.

Além disso, é sabido que em alguns países, como a Bélgica e a Holanda, a bênção de uniões sodomitas na igreja tem sido uma prática recorrente pelo menos desde o início dos anos 2000, com o Vaticano sempre a fingir não ver para não ter de tome uma posição.

Com a eleição de Bergoglio em Março de 2013, a barreira (agora muito frágil) à revolução sexual também se rompeu. Com Amoris laetitia (2016) sobre a Eucaristia para os divorciados, e com a declaração pública a favor do reconhecimento civil dos casais sodomitas (outubro de 2020, mas divulgada anteriormente), Bergoglio deixou amplamente claro onde quer levar a Igreja. Ou seja, a adaptação total e definitiva (também a nível imigracionista e pan-ecológico) da Igreja ao mundo, isto é, aos desejos da elite mediático-financeira, plutocrática e liberal, que odeia qualquer limite, incluindo o moral. limites, e qualquer religião, começando pela verdadeira.

O verdadeiro problema são os eclesiásticos do Vaticano II que se opõem moderadamente a Bergoglio. Quando compreenderão que a modernidade é um plano inclinado (o do subjetivismo)? Quando compreenderão que o mundo moderno não faz prisioneiros? A modernidade materialista e subjetivista é uma máquina de guerra. Ela lisonjeia você pedindo compromissos (como o Concílio Vaticano II), mas compromissos nunca são suficientes para ela. De modo agostiniano é a Civitas homini contra a Civitas Dei . É um processo subversivo que não para. Se não, retornando aos verdadeiros princípios.

A escola contra-revolucionária compreendeu isto. Os conservadores não.

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/10/09/i-dubia-meglio-che-niente-ma-i-conservatori-modernisti-non-possono-svegliarsi-solo-quando-ce-di-mezzo-la-morale-sessuale-e-familiare/   




Artigo Visto: 271

 




Total Visitas Únicas: 6.306.405
Visitas Únicas Hoje: 659
Usuários Online: 130