Sinais do Reino


Notícias da Igreja
  • Voltar






10/10/2023
Não é apenas uma crise, é uma revolução. É por isso que para ser católico você precisa ser contra-revolucionário

A Igreja e a fé estão a ser desmanteladas peça por peça e em seu lugar está a ser montada outra Igreja, outra fé.

Quando falo sobre a crise atual da Igreja e dentro da Igreja, alguns amigos tentam consolar-me afirmando que houve muitas crises no passado e a Igreja sempre emergiu delas. Real. Mas a crise atual é única . Não há precedentes porque aqui estamos diante de um papa que, desde o início do seu mandato, começou a trabalhar para desestabilizar e derrubar: comportamento típico revolucionário.

por Aldo Maria Valli

Com o pontificado atual não vemos apenas confusão e ambiguidade. Vemos a tentativa de fazer nascer uma nova religião que deverá substituir o catolicismo, e o Sínodo que acaba de começar será um momento privilegiado para esta obra de subversão.

A redução (ou melhor, digamos mesmo a degradação) do papel do bispo é um ato necessário na lógica revolucionária. Desarticular a estrutura hierárquica é vital para quem quer subverter.

Que a ação de Begoglio é tipicamente revolucionária também pode ser deduzido do clima de terror que prevalece no Vaticano. Quem discorda deve ter muito cuidado, pois o cutelo do caudilho pode cair a qualquer momento no pescoço de qualquer pessoa considerada oponente.

Que tudo isso aconteça enquanto na superfície as palavras dominantes são “acompanhamento” e “misericórdia” não é surpreendente. O caudilho e os seus lacaios recorrem voluntariamente à propaganda paternalista enquanto estão envolvidos no trabalho de subversão.

Quando, em referência ao Sínodo, um site argentino como o caminhante-wanderer fala da Revolução de Outubro e do congresso peronista, não é exagero. Simplesmente fotografa a realidade.

Até mesmo a publicação do Laudate Deum é funcional para o projeto revolucionário. Enquanto parte do “povo” católico olha em volta desorientado e se pergunta o que acontecerá com a Igreja, o caudilho volta a atenção para um dos conteúdos fortes da nova religião, aquele ecologismo que por um lado lhe permite ganhar ainda mais credibilidade como capelão das organizações globalistas e, por outro lado, livrar-se completamente da velha bagagem.

O nome de Jesus desaparece e os diligentes assistentes do caudilho nas dioceses eles plantam árvores. A cruz também vai para o sótão, assim como o crucifixo. Entretanto, todos os representantes do globalismo são recebidos no Vaticano, desde Bill Clinton ao filho Soros até à viúva McCain. Uma peregrinação que também nos dá uma ideia visual de como está acontecendo a revolução.

A Igreja e a fé estão a ser desmanteladas peça por peça e em seu lugar está a ser montada outra Igreja, outra fé.

Alguém notou que o Laudate Deum, em termos de conteúdo, não chega nem ao nível de uma tese de graduação medíocre. Se um aluno tivesse apresentado, dificilmente teria conseguido a promoção. Mas, novamente, nenhuma surpresa. Até o empobrecimento conceitual e estilístico faz parte do plano revolucionário de quem quer destruir.

Há apenas alguns anos, tudo o que vemos poderia ter sido uma distopia. Na minha sarcástica história de fantasia religiosa Como a Igreja acabou (a primeira edição data de 2017) imaginei uma sequência de etapas: com a encíclica Alea iacta est o Papa adaptaria a Igreja ao mundo; com a carta pastoral Tabula rasa a Igreja teria adotado o duplipensamento segundo a lógica do “mas também” (sim mas também não, não mas também sim); a Congregação para a Doutrina da Fé se tornaria a Congregação para a Adaptação da Fé; a encíclica Captatio benevolentiae teria contido as instruções a seguir para pôr fim a todas as diferenças entre a Igreja e o mundo; com o motu proprio Gaudeamus igitura Igreja Católica mudaria oficialmente de nome e se tornaria Igreja Acolhedora; com a encíclica Panem et circenses a Eucaristia seria concedida a todos como um direito; com as exortações Amoris hilaritas e Amoris iucunditas a Igreja Acolhedora abraçaria definitivamente as ideias do mundo no campo da sexualidade.

E assim por diante. Até o fim. No sentido literal.

Repito: a história é de 2017. E hoje é, de fato, realidade. Mas minha distopia era ingênua. Não tinha imaginado, por exemplo, a promoção de um tal Tucho Fernández, o estudioso do beijo, à chefia do que outrora foi o Santo Ofício.

Muitos dos meus amigos nos últimos dias ficaram perturbados com a apresentação do Laudate Deum porque pessoas como Giorgio Parisi (o cientista que impediu Bento XVI de falar na Universidade Sapienza de Roma) foram convidados ao Vaticano, o escritor Jonathan Safran Foer (que para combater as alterações climáticas recomenda não ter filhos e não comer carne), e Luisa-Marie Neubauer, seguidora de Greta Thunberg. Mas só aqueles que ainda não compreenderam que estamos perante uma revolução podem ficar chateados. O verdadeiro motor disso, como em todas as revoluções, é o ódio. Ódio pelo que foi e não deve mais ser.

Consequentemente, se quisermos ser católicos hoje, devemos ser contra-revolucionários.

AMV

Via:https://www.aldomariavalli.it/2023/10/10/non-e-solo-una-crisi-e-una-rivoluzione-ecco-perche-per-essere-cattolici-occorre-essere-controrivoluzionari/




Artigo Visto: 398

 




Total Visitas Únicas: 6.306.382
Visitas Únicas Hoje: 636
Usuários Online: 154